27 de janeiro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais

Destaques

As 16 passagens subterrâneas do Plano Piloto, opção de travessia sob o movimentado Eixo Rodoviário (Eixão), começaram a ser recuperadas pelo GDF. Com investimento de R$ 2,1 milhões, os serviços são executados por empresa contratada pela Novacap.

Estão no contrato a reforma da rede de drenagem de águas pluviais e do piso, a limpeza das paredes e a substituição das lajotas danificadas, de corrimãos e da iluminação convencional por lâmpadas de LED – que oferecem maior visibilidade e são mais econômicas. A Novacap vai corrigir ainda as infiltrações existentes e mudar as rampas de acesso.

A limpeza começou pela Asa Norte e, em seguida, passará para a Asa Sul. Primeira quadra visitada pelos operários, a passagem subterrânea da 102 Norte teve o entulho e as tampas de bocas de lobo danificadas retirados pelos operários.

Construídos a cada duas quadras residenciais, os túneis passam sob os eixos W, L e o Eixão. O vandalismo e a sujeira deixados nas passagens incomodam muito os usuários. “O povo quebra os azulejos das paredes; soube que até lâmpadas os vândalos roubaram daqui para usar em festas”, aponta o policial aposentado Rildoaldo Santana, 70 anos. “Tenho receio de o governo recuperar e, em pouco tempo, [a depredação] acontecer de novo.”

O profissional de audiovisual Daniel Madeira, 26 anos, passa de bicicleta diariamente nos túneis da Asa Norte e também lamenta a falta de educação de alguns usuários. “Penso que tem de haver uma campanha educativa, alguma medida assim, para as pessoas não destruírem aqui; é uma injustiça com quem usufrui desses túneis”, opina.

Mau cheiro e iluminação fraca

A aposentada Mônica Fernandes, 71 anos, mora na 104 Norte e frequentemente usa a travessia da 105. Contente com a notícia da reforma, ela lembra que as passagens são espaços essenciais para quem circula a pé pela região.  “A gente sabe que tem gente que urina, muita coisa quebrada e que o piso está ruim, então a iniciativa do governo é importantíssima, até mesmo porque não vamos deixar de passar aqui”, avalia.

O presidente da Novacap, Fernando Leite, endossa: “Infelizmente, a população é muito prejudicada com o vandalismo que ocorre nessas passagens. Um local pensado e criado para dar à população segurança acaba por trazer riscos. A reforma que começamos a fazer vai devolver aos usuários das passagens conforto e segurança”.

Mapeamento

Segundo a Administração Regional do Plano Piloto, desde 2019 têm sido produzidos, em parceria com a Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob), relatórios detalhados sobre os problemas existentes nas travessias. A administração recebe, semanalmente, manifestações via Ouvidoria apontando a falta de estrutura nesses locais. A partir desse mapeamento, foram definidas quais passagens seriam as primeiras a passar por reforma.

Fonte: Agência Brasília

Jovens de 15 a 29 anos ganham uma nova ferramenta para se prepararem de forma gratuita para as provas de acesso ao ensino superior, como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o Programa de Avaliação Seriada (PAS). Trata-se do Mais que Vencedor, programa fruto do convênio entre a Secretaria de Juventude (Sejuv) e o Serviço Social da Indústria (Sesi) do DF.

A meta é atender a 4 mil jovens, em aulas presenciais e on-line. São 2 mil vagas destinadas para a unidade do Sesi no Gama, 1,5 mil para a de Taguatinga e 500 para a de Sobradinho. O programa Mais que Vencedor é executado por meio da destinação de emenda do deputado Delmasso, vice-presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

As aulas virtuais ao vivo terão início em 28 de fevereiro, pela plataforma Microsoft Teams, de segunda a sexta-feira, das 19h às 21h. O foco serão as matrizes de referência das quatro áreas de conhecimento: ciências da natureza e suas tecnologias; linguagem e suas tecnologias; ciências humanas e sociais; e matemática e suas tecnologias.

A modalidade presencial ocorrerá a partir de setembro, com aulas preparatórias para redação, também de segunda a sexta-feira, das 19h às 21h. Nesse caso, os estudantes serão atendidos na escola Sesi-DF escolhida na pré-inscrição.

Os alunos receberão material didático que abrangerá os conteúdos programáticos previstos para os processos seletivos Enem e PAS.

“A metodologia educacional do Sesi vai permitir que essas pessoas tenham melhores condições para concorrer em provas de acesso ao ensino superior. Esta é uma oportunidade que atenderá a grande número de alunos”, afirma o superintendente do Sesi-DF, Marco Secco.

Para Luana Machado, secretária de Juventude do Distrito Federal, a execução do projeto é motivo de comemoração: “Acreditamos que a educação tem o poder de transformar vidas e esse projeto é mais uma oportunidade de fomentar o acesso dos nossos jovens ao ensino superior”, afirma a secretária.

“Ingressar em uma faculdade ou se preparar de forma digna para prestar tanto o vestibular quanto os exames que permitam a entrada em uma instituição de nível superior ainda é uma realidade distante para inúmeras famílias. Então, foi com esse propósito que empenhamos nossos esforços para que esse projeto acontecesse. E é com muito orgulho e gratidão que compartilhamos mais essa novidade da nossa secretaria”, celebra Luana Machado.

Serviço

As pré-inscrições para o projeto Mais que Vencedor ocorrerão até 9 de fevereiro, em duas fases, pelo site do Sesi-DF.
– 1ª fase – Alunos ou egressos do ensino médio de escolas públicas: de 17 a 26 de janeiro;
– 2ª fase – Alunos ou egressos do ensino médio de escolas particulares e de escolas públicas: de 31 de janeiro a 9 de fevereiro

A classifi­cação será por ordem de pré-inscrição. Os candidatos classifi­cados serão convocados em lista divulgada na página do Sesi-DF na internet e receberão por e-mail com as datas para efetivação da matrícula na Central de Atendimento ou na secretaria escolar da unidade selecionada durante a pré-inscrição, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h. Caso o candidato não entregue a documentação dentro do prazo, perderá a vaga.

São documentos necessários para matrícula (originais e cópias):
– Declaração de escolaridade original (para candidatos cursando da 1ª à 3ª séries do ensino médio)
– Cópia do histórico escolar (para candidatos concluintes do ensino médio)
– RG e CPF (no caso de menores de idade, é necessário apresentar também o RG e CPF do responsável legal)
– Comprovante de residência

Em caso de dúvidas, os interessados podem entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) do Sesi-DF, pelo telefone (61) 4042-6565, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h30.

Fonte: Agência Brasília

O drive-thru de vacinação contra a covid-19 da UBS 1 da Asa Sul já está funcionando. A população adulta, com 18 anos ou mais, poderá se vacinar na unidade das 18h às 22h. Por lá, são oferecidas primeira e segunda doses das vacinas AstraZeneca, CoronaVac e Pfizer-BioNTech, além do reforço com CoronaVac ou Pfizer. Até as 21h desta segunda-feira (24), foram vacinadas 203 pessoas no local.

O secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache, esteve na UBS para acompanhar o primeiro dia de atendimento do drive-thru e cumprimentar os servidores que atuam no local. “Estamos retornando com o posto de atendimento noturno, na modalidade drive-thru para facilitar a vida do cidadão que, por algum motivo, não tem tempo de tomar a vacina durante o dia. Estamos trabalhando diariamente para aumentar a cobertura vacinal do nosso território”, explica.

Quem aprovou a vacinação no carro foi a psicóloga Marcela Alcântara, de 44 anos. “A Secretaria de Saúde está de parabéns pela iniciativa de trazer mais comodidade à população na hora de buscar a vacina, pois sair do trabalho e poder vir com tranquilidade completar meu esquema vacinal me deixou mais alegre e muito mais segura”, comemora.

O estudante Luiz Alfredo, de 33 anos, foi se vacinar logo quando soube do funcionamento do ponto noturno. “Vim tomar a dose de reforço assim que recebi a notícia hoje à tarde, sem pressa e no conforto do meu carro”.

A vacinação na UBS 1 da Asa Sul continuará funcionando no período matutino e vespertino, das 8h às 17h para pedestres. No período noturno, o público será vacinado exclusivamente na modalidade drive-thru.

Fonte: Agência Brasília

Os superintendentes das regiões de saúde e os demais responsáveis pelas áreas da Secretaria de Saúde participaram de uma reunião extraordinária, convocada pelo gestor da pasta, Manoel Pafiadache, na tarde deste domingo (23). Eles avaliaram o atual momento da pandemia de covid-19, com a expansão da variante Ômicron, e traçaram estratégias para a continuidade das ações de enfrentamento à situação sanitária.

Entre as medidas colocadas em prática, está a ativação de dez vagas de enfermaria para tratamento de pacientes com covid-19, no acoplado do Hospital Regional de Samambaia (HRSam). Os gestores da Saúde estão atentos à ampliação dos casos e à ocupação de leitos. Eles acompanham passo a passo as necessidades da rede pública e avaliam constantemente a possibilidade de abertura de mais vagas, de acordo com o Plano de Mobilização de Leitos e as taxas de ocupação dos hospitais.

Participaram da reunião os superintendentes de Saúde das regiões do DF. Foram eles: Sidney Sotero, da Região Leste; Pedro Zancanaro, da Central; Lucilene Florêncio, da Oeste; Luciano Almeida, da Sudoeste; Flávia Costa, da Centro-Sul, e Roberto Cortês, da Sul. Participaram, ainda, o secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Fernando Erick Damasceno e a subsecretária de Atenção Integral à Saúde, Paula Lawall, bem como demais assessores médicos.

Fonte: Agência Brasília

A enciclopédia online Wikipédia vai anunciar, em fevereiro, a fotografia de monumento mais representativa do mundo postada na internet. Entre as dez finalistas, Brasília concorre com quatro trabalhos do fotógrafo Francisco Willian Saldanha: Museu Histórico, Memorial JK, Santuário Dom Bosco e Catedral Metropolitana.

As fotos foram escolhidas para a etapa brasileira do Wiki Loves Monuments 2021 entre 928 trabalhos inscritos, sendo 596 pela primeira vez. A décima edição do concurso contou com a participação de 113 fotógrafos, 72 deles novatos na competição.

O vencedor da etapa Brasil foi um fotógrafo lituano que mora no Rio de Janeiro. Donatas Dabravolskas registrou a estátua do escritor Carlos Drummond de Andrade, localizada em Copacabana, e outros dois trabalhos dele também foram selecionados entre os 10 melhores. Já o brasiliense Francisco Willian Saldanha, que em anos anteriores emplacou duas fotos entre os melhores registros de monumentos do mundo no concurso, garantiu quatro trabalhos entre os dez melhores do Brasil este ano e garantiu a segunda colocação nacional com a fotografia do Museu Histórico de Brasília.

“Eu gosto de mostrar a grandiosidade da beleza de Brasília, acho linda a leveza do concreto nos monumentos, o Museu da História retrata muito bem esse trabalho incrível de Niemeyer colocando blocos suspensos. Fico feliz em poder mostrar para o mundo, por meio da fotografia, a nossa capital. O meu objetivo é esse, levar Brasília para o mundo e trazer visitantes para cá”, afirma Francisco Willian Saldanha.

A secretária de Turismo do Distrito Federal comemorou a nova conquista para a cidade: “Nossa capital é diferente de tudo que já se viu. Somos uma cidade única, a oitava mais instagramável do mundo entre os patrimônios tombados pela Unesco, somos a terceira capital brasileira preferida como destino interno, estamos entre os dez melhores lugares para se visitar no verão, por compra de pacotes turísticos. Tudo isso é reflexo de nossas entregas, de um trabalho diuturno que só um governo de ação, como o nosso, é capaz de conseguir”, celebrou Vanessa Mendonça.

O Wiki Loves Monuments é realizado desde 2015 no Brasil, e este ano com uma categoria dedicada exclusivamente à Bahia. Desde o início do concurso, o número de registros na Wikidata, uma base de dados livres que gera listas de monumentos, aumentou de 1,5 mil para mais de 10 mil, com representantes de todas as regiões do país. Segundo Éder Porto, um dos organizadores da seleção, a ideia é estimular a captura de imagens de monumentos “fora da rota” e sujeitos ao vandalismo, à negligência e ao abandono do Estado. “Esse registro pode ser o último”, diz ele.

Quatro das dez fotos de monumentos selecionadas como as melhores do Brasil retratam Brasília. Todas são de autoria de Francisco William Saldanha. Em 2020, Saldanha ficou com a nona colocação mundial com uma foto dos vitrais azuis do Santuário Dom Bosco, igreja projetada pelo arquiteto Carlos Alberto Naves em homenagem ao padroeiro de Brasília. Ele também foi o vencedor da etapa brasileira. E em 2019, quando obteve o 13º lugar global com uma foto da escultura Os Guerreiros, de Bruno Giorgi, mais conhecida como Os Candangos. A escultura foi criada em 1959 e fica na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

A imagem do Museu Histórico de Brasília, também conhecido como Museu da Cidade, ficou com a 2ª colocação. O museu foi projetado por Oscar Niemeyer e integra o Conjunto Cultural Três Poderes. Ele tem por objetivo preservar os trabalhos relativos à história da construção de Brasília. É o mais antigo da capital, inaugurado no dia 21 de abril de 1960 – no dia da inauguração da cidade, evento que marcou a transferência oficial da capital do Rio de Janeiro para Brasília. Lá está uma exposição permanente com inscrições históricas, transcritas em braille e inglês.

Na sétima colocação ficou a foto do Memorial JK, que é um museu, mausoléu e centro cultural construído para homenagear o 21º presidente do Brasil, Juscelino Kubitschek de Oliveira. O Santuário Dom Bosco foi mais uma vez retratado pelo fotógrafo e ficou com a oitava colocação, agora mostrando um novo ângulo dos vitrais. E em nono lugar ficou a imagem da Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, mais conhecida como Catedral de Brasília. O monumento concebido por Oscar Niemeyer venceu em 1988 o Prêmio Pritzker, considerado o Nobel da arquitetura.

Fonte: Agência Brasília

O Distrito Federal teve um prejuízo de R$ 384 mil reais com o furto de 400 bocas de lobo em diversos pontos da cidade. Cada grelha roubada – confeccionada em ferro – custa R$ 960 reais, mas são vendidas em ferros velhos por apenas R$ 50 reais.

De acordo com a Novacap, que faz a reposição a pedido das administrações das regiões do DF, a maior parte dos furtos acontece no Plano Piloto. Os pontos preferidos dos ladrões são as tesourinhas da Asa Sul, onde em uma única noite foram furtadas 13 tampas. Porém, os crimes são registrados em toda a cidade.

“Diariamente a Novacap faz a reposição de grelhas de bocas de lobo em todo o DF. E, infelizmente, os furtos aumentaram durante a pandemia, causando grandes transtornos para a população, já que bueiros abertos são responsáveis por acidentes e favorecem alagamentos”, afirma o presidente da Novacap, Fernando Leite.

Sem contar com os prejuízos, ele acrescenta. “No ano passado, o governo gastou cerca de R$ 350 mil reais com a reposição dessas grelhas furtadas. Em parceria com a população e órgãos de fiscalização, estamos intensificando as ações para que esse crime seja combatido”, diz Leite.

O gasto com a reposição absorve recursos públicos que poderiam ser usados em outras obras. Além disso, há o custos com pessoal que realiza o trabalho de manutenção.

A retirada das tampas dos bueiros pode causar inúmeros prejuízos à comunidade, como entupimento de galerias pluviais, por causa do lixo, terra e entulhos que entram nas redes. Também pode haver acidentes com ciclistas, motoristas, pedestres e animais.

A Novacap trabalha cuidando das bocas de lobo por meio de limpeza, desobstrução e reposição das tampas furtadas. A empresa recomenda que esse tipo de crime seja denunciado e que as pessoas não comprem as tampas roubadas.  Outra coisa recomendada é que, quem vir um bueiro sem tampa deve entrar em contato com a administração de sua região administrativa ou com a Novacap, por meio do telefone 162, onde o pedido de manutenção será registrado.

Fonte: Agência Brasília

Uma consulta pública foi aberta, nesta quinta-feira (20), para a população fazer sugestões à minuta do novo Projeto de Lei Complementar (PLC) que trata da regularização de muros e guaritas em loteamentos fechados. Elaborada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), a proposta é considerada essencial para pôr fim à insegurança jurídica enfrentada há décadas nos condomínios.

O aviso da consulta foi publicado na edição desta quinta (20) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). As contribuições deverão ser encaminhadas até 4 de fevereiro para o e-mail coap@seduh.df.gov.br.

Atendendo às reivindicações da população, a equipe técnica da Seduh fez novos estudos e alterações na proposta. Uma das principais mudanças prevê a possibilidade de até 100% de desconto no valor da cobrança pelo uso de área pública, chamada de concessão onerosa. Consiste em estabelecer um preço a ser pago pela ocupação dos espaços públicos no interior dos loteamentos, considerando a proporcionalidade da área pública a ser ocupada.

Uma das novidades é a alternativa de pagamento da concessão por meio da adoção de espaços públicos externos ao loteamento

A concessão onerosa era um dos pontos mais discutidos no texto. Agora, ela terá um desconto proporcional com base na área pública a ser ocupada. Se o percentual do terreno público ocupado em relação à área total do condomínio for de até 20%, por exemplo, os moradores terão o desconto de 100% na cobrança, ou seja, não precisarão pagar a concessão.

O desconto vai para 75% caso o percentual de área pública ocupada chegue a 40%. Até 60%, a cobrança cai para 50%, ou seja, paga-se a metade do valor devido. Até 80% de ocupação, o desconto é reduzido para 25%. Caso o percentual ultrapasse 80% de área pública ocupada, não haverá desconto.

O novo texto também estabelece a fixação de um preço público da concessão onerosa. Nesse caso, são considerados o valor conforme a região administrativa em que está o loteamento e o tamanho da área pública ocupada.

A mudança ainda prevê a alternativa de pagamento da concessão por meio de contraprestação não pecuniária, ou seja, uma contrapartida com a adoção de espaços públicos externos ao loteamento, a exemplo do programa Adote uma Praça, desenvolvido pela Secretaria de Projetos Especiais (Sepe).

Loteamentos

O objetivo do PLC é estabelecer critérios, limites e parâmetros para normatizar o fechamento de loteamentos no Distrito Federal. A proposta cria categorias de fechamento e as divide em loteamentos fechados, loteamentos de acesso controlado e condomínios de lotes. Também prevê as formas de conversão do loteamento registrado para uma dessas modalidades.

A decisão sobre a modalidade de loteamento fica a cargo da entidade representativa dos moradores, que pode optar por não ter exclusividade no uso das áreas públicas internas, na hipótese de loteamento de acesso controlado. Nesse caso, não haverá nenhuma cobrança de preço público.

Outros ajustes pontuais foram feitos para adequar o texto às mudanças realizadas, em atenção às sugestões de cunho formal e de conteúdo encaminhadas por moradores, síndicos e representantes de entidades representativas.

Contribuição popular

O PLC vem sendo elaborado pela Seduh desde 2019, com expressiva participação de representantes de condomínios. Já foi discutido em audiências públicas preliminares e em um seminário, promovidos com o objetivo de incentivar o debate e facilitar a contribuição e manifestação de moradores que se interessassem em discutir o assunto.

O texto foi objeto de inúmeras contribuições apresentadas por síndicos, moradores e representantes de condomínios associados. Muitas delas foram acatadas pelos técnicos responsáveis por sua elaboração, tendo sido devidamente justificadas todas aquelas que não tinham pertinência com a proposta.

A minuta foi apresentada previamente em 2020 ao Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan), para que os representantes da sociedade civil e do governo sinalizassem contribuições à matéria. Na ocasião, uma das sugestões foi a necessidade da onerosidade para concessão de uso exclusivo de áreas públicas, ideia incorporada à minuta.

Após a última audiência pública sobre o assunto, em maio do ano passado, a Seduh participou de diversas lives organizadas por entidades representativas. Bem como reuniões com moradores de condomínios, apresentando esclarecimentos e ouvindo críticas e sugestões que resultaram na versão final da proposta colocada à consulta.

Consulta

A consulta pública ficará aberta nos próximos dias, e os principais documentos podem ser verificados no site da Seduh, incluindo a minuta do PLC, apresentação e esclarecimentos sobre todas as contribuições encaminhadas.

Uma vez concluída a consulta, será feita nova revisão para avaliar as contribuições recebidas. Depois dos ajustes técnicos, o documento será encaminhado ao Conplan, etapa após a qual seguirá para a aprovação da Câmara Legislativa do DF.

*AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: CHICO NETO

Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) convoca a população para participar de uma audiência pública virtual em 11 de fevereiro, a partir das 17h. O objetivo é discutir a extensão de uso e atividades principais para o Lote 45, localizado no Setor de Embaixadas Norte (SEN), que será ocupado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

O aviso foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), desta quarta-feira (12). Os interessados poderão participar pela plataforma Zoom, com o link disponível para acesso no dia da audiência.

Hoje, o uso permitido para o lote é Institucional Administração Pública, exclusivamente para Relações Exteriores. Com a retirada da exclusividade será possível regularizar o futuro funcionamento do CNMP no local.

Transparência

Com a audiência pública é esperado democratizar o acesso às discussões e garantir a transparência com a participação dos cidadãos. Por isso, o evento será aberto a toda a sociedade e feito de forma virtual, em respeito às medidas de segurança impostas durante a pandemia.

Toda a informação necessária para subsidiar o debate está disponível no site da Seduh, na aba Participação, em Audiências Públicas. Perguntas, sugestões ou recomendações deverão ser realizadas durante o evento no ambiente virtual.

Serviço
Audiência pública sobre a regularização do lote nº 45 do Setor de Embaixadas Norte
Data: 11 de fevereiro
Horário: 17h
Acesso: Pela plataforma Zoom no link
https://us02web.zoom.us/j/84870762458?pwd=dUtvWmJmV2ZsajZpbWRLbVpFZ09QZz0

Informações : http://www.seduh.df.gov.br/audiencias-publicas-2022/

*Agência Brasília com informações da Seduh

O Governo do Distrito Federal publicou, nesta quarta-feira (19), novos decretos com ações que visam conter o avanço do número de casos de covid-19. As medidas tratam da obrigatoriedade do uso de máscaras em espaços públicos e em todos os ambientes ao ar livre, e da proibição de pistas de dança em bares, restaurantes, boates e casas noturnas. Os textos foram assinados pelo governado em exercício, Paco Britto.

Foto: Emanuelle Sena/ASCOM -RA-PP
 
Publicado em edição extra do Diário Oficial do DF (DODF), o Decreto nº 42.928 determina a utilização obrigatória de máscaras de proteção facial, conforme as orientações da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

A regra vale para todos os espaços públicos, inclusive ambientes ao ar livre, como parques, vias públicas, equipamentos de transporte coletivo, estabelecimentos comerciais, industriais e de serviços, e nas áreas de uso comum dos condomínios residenciais e comerciais. No entanto, não há mudanças em relação às recomendações de isolamento social.

O texto ainda estabelece que pessoas sem máscaras estão proibidas de entrar e permanecer nos espaços elencados no decreto. A exceção vale apenas para atletas em jogo e arbitragem durante o tempo das competições; e vocalistas e instrumentalistas que executem instrumentos musicais de sopro em apresentações ao vivo (os demais integrantes devem usar máscaras e os microfones devem ser individuais).

A outra medida trata da proibição de espaços para dança em bares, restaurantes, boates e casas noturnas. O Decreto nº 42.927 também altera o Decreto nº 42.730. O texto diz que espaços para dança e aglomeração de pessoas em áreas públicas ou privadas, seja em eventos pagos ou gratuitos, estão proibidos.

Recentemente, o governo suspendeu a realização de eventos, shows, festivais e afins, que sejam realizados mediante venda de ingressos ou cobrança de qualquer valor de contribuição dos convidados, ainda que seja revertido em consumação.

Em virtude das novas medidas sanitárias, o governo anunciou também o encerramento antecipado do evento Brasília Iluminada, montado entre a Esplanada dos Ministérios e o Eixo Monumental. A programação desta quarta-feira (19) já está cancelada e as estruturas serão desmontadas na quinta-feira (20).
 

POR ADRIANA IZEL E IAN FERRAZ, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

As calçadas que margeiam a Ponte da Garças, conexão entre a Asa Sul e o Lago Sul, foram alvo das ações do GDF Presente. Com apoio do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), o Polo Central Adjacente 3 do programa retirou 12 toneladas de lixo verde na região.

Trabalhos foram feitos ao longo de toda a região da ponte | Fotos: GDF Presente

Os serviços consistiram na fresagem e capina da vegetação que cobria as calçadas da ponte. “A nossa intenção é que as pessoas possam fazer uma travessia mais tranquila e segura, seja caminhando, seja de bicicleta”, explica o coordenador do Polo Central Adjacente 3, Alexandro César.

300 mExtensão da Ponte das Garças

Também foi feita a lavagem das calçadas, com auxílio de um caminhão hidrojato. Ao todo, participaram 30 colaboradores. Os trabalhos tiveram início na segunda-feira (10) e seguem ao longo da semana. Já a pintura dos meios-fios, por segurança, será feita em um dia sem chuvas.

“A Ponte das Garças dá acesso a pontos turísticos belíssimos de Brasília, como a Península dos Ministros”, lembra a chefe de gabinete da Administração Regional do Plano Piloto, Jeanine Rocha Woycicki. “Esses serviços realizados pela equipe do GDF Presente contribuem para a segurança de visitantes e moradores da cidade.”

Mais antiga das três vias de passagem para o Lago Sul, a Ponte das Garças foi inaugurada em 1974, com o nome Presidente Médici. A estrutura é de concreto e aço, conta com extensão de 300 m de comprimento e 18 m de largura e quatro pistas de rolamento.

Calçadas

Ação contou com a participação das equipes do Serviço de Limpeza Urbana

Mais calçadas da região do Lago Sul passaram por manutenção nos últimos dias. A equipe da Diretoria de Obras da administração regional faz vistorias constantes e recebe contribuições dos moradores, por meio da Ouvidoria, para elaborar os planejamentos de limpeza, varrição, roçagem, poda e desobstrução.

Conforme o boletim diário da administração, foram recuperadas as calçadas das QI 27 a QI 29, ao longo do trecho ao lado do Parque Ecológico Bernardo Sayão. Na QI 3, os serviços foram de desobstrução contínua com remoção de todas as plantas invasivas. “É importante que os moradores tenham consciência desses transtornos causados pelas cercas-vivas sem manutenção e impeçam que elas invadam as calçadas, por meio de podas programadas e até mesmo da escolha correta destas plantas”, adverte o administrador regional do Lago Sul, Rubens Santoro.

A administração sugere que os moradores consultem um especialista em paisagismo para evitar que as plantas impeçam a livre circulação no espaço público. “Mantenha a sua cerca-viva, não deixe que ela invada as calçadas, não permita que as pessoas fiquem sujeitas a acidentes”, orienta o administrador. “Tome uma atitude solidária e mostre que aqui, no Lago Sul, todos podem viver bem, com conforto, segurança e respeito ao direito de circulação.”

ADRIANA IZEL, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: CHICO NETO

Com a conclusão das obras da Avenida W3 Sul na área comercial, o Governo do Distrito Federal (GDF) passa para a próxima etapa dos trabalhos: a implantação e requalificação das calçadas no lado residencial entre as quadras 703 e 715 Sul. O investimento estimado na obra é de R$ 1,9 milhão, com a previsão de gerar 80 empregos e conclusão em seis meses.

A requalificação da W3 Sul no lado residencial prevê a demolição das calçadas existentes e a implantação de novas calçadas, o plantio de grama, a implantação de lixeiras e a execução de rampas de acessibilidade com piso podotátil. O certame está marcado para 26 de janeiro, e o edital disponível nos sites www.comprasgovernamentais.gov.br e www.so.df.gov.br.

A ideia de reformar este lado da avenida, o das quadras 700, surgiu durante uma visita do governador Ibaneis Rocha às obras da W3 em março de 2021. “A memória afetiva que se tem da W3 Sul é maravilhosa, mas ela foi abandonada ao longo do tempo e diminuída pelos governantes. Nós mudamos isso e reformamos toda a avenida”, afirma o governador Ibaneis Rocha.

“Recuperamos todas as calçadas voltadas para as lojas. Agora vamos reformar o outro lado e, assim, dar cara nova a esta icônica avenida de Brasília”, acrescenta o secretário de Obras, Luciano Carvalho.

Além de reformar o lado comercial e a calçada do lado residencial da W3, o governo prevê mais obras. A próxima etapa será a troca do pavimento das faixas de rolamento e implantação da faixa de concreto na pista destinada ao tráfego do transporte coletivo.

“Nessa gestão reconhecemos as pautas da acessibilidade e mobilidade como prioritárias para população. Com a reforma das calçadas nessas quadras acreditamos na melhoria da qualidade de vida de toda comunidade”, afirma a chefe de gabinete da administração do Plano Piloto, Jeanine Rocha Woycicki.

Uma nova W3

O GDF cumpriu o compromisso de reformar a avenida comercial mais icônica de Brasília. Com investimento de R$ 21,7 milhões e geração de 800 postos de trabalho, a obra contemplou a melhoria do sistema viário e do fluxo de pessoas, estacionamentos, paisagismo, troca da iluminação e um corredor turístico, com painéis em grafite pela avenida e a pintura das paradas de ônibus por artistas da cidade.

Desde que foi criada, entre o final da década de 50 e início da década de 60, a W3 Sul nunca havia passado por uma reforma. Esse trabalho também será levado para a W3 Norte, o que, segundo o governador Ibaneis Rocha, fará da avenida o maior corredor de comércio do Brasil.

“Ainda em 2022, vamos começar as obras na W3 Norte. Teremos o maior corredor de comércio do Brasil. Tudo para que as pessoas tenham o prazer de dizer que moram e que compram na W3”, avalia o governador Ibaneis Rocha.

IAN FERRAZ, DA AGÊNCIA BRASÍLIA* I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

 Com informações da Secretaria de Obras

O GDF sancionou o projeto de lei dos puxadinhos. A Lei Complementar nº 998/2021 foi publicada do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quarta-feira (12). A norma, elaborada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), atualiza a legislação para disciplinar os procedimentos de aprovação de projetos para a ocupação de 2.134 imóveis no Comércio Local Sul do Plano Piloto.

Uma das principais mudanças trazidas pelo novo projeto, incentivada pelas dificuldades enfrentadas pelos empresários durante a pandemia, é a alteração na cobrança pelo uso da área pública construída

Dessa forma, o novo projeto concede novas oportunidades para a regularização do uso de áreas públicas, em texto que atende aos interesses dos comerciantes, mas também respeita a qualidade de vida dos moradores e não fere o espaço público, que é tombado.

“É um grande avanço, porque conseguimos destravar os procedimentos de aprovação que foram simplificados, estão mais objetivos”, destaca a secretária executiva de Planejamento e Preservação da Seduh, Giselle Moll. “Esperamos ter, com essa nova lei, a compreensão e consciência por parte dos comerciantes e dos donos de restaurantes e encerrar essa página de irregularidades, seguindo adiante com uma cidade melhor”, continua a servidora.

Uma das principais mudanças trazidas pelo novo projeto, incentivada pelas dificuldades enfrentadas pelos empresários durante a pandemia, é a alteração na cobrança pelo uso da área pública construída. Antes, se o proprietário de estabelecimento construísse em uma área de 21 metros quadrados, térreo, subsolo e primeiro solo, pagaria pelos três espaços, ou seja, 63 metros quadrados.

“Agora nós conseguimos aliar essa questão e o comerciante vai pagar por 21 metros quadrados de ocupação de toda a área”, explica a representante da Seduh. “Para o segmento é uma grande vantagem”, avalia Giselle.

“Esperamos ter, com essa nova lei, a compreensão e consciência por parte dos comerciantes e dos donos de restaurantes e encerrar essa página de irregularidades, seguindo adiante com uma cidade melhor”Giselle Moll, secretária executiva de Planejamento e Preservação da Seduh

A nova lei permite também que o comerciante alugue ou ocupe área do lado/fundos de seu estabelecimento, caso o proprietário vizinho não queira fazer uso do espaço. O documento também estabelece que não será mais necessária a anuência de todo o bloco, enfim, de todos os proprietários do bloco, para definir como é que vai se dar a ocupação de sua área. “Cada um fica independente, é responsável por sua área”, reforça a secretária Giselle Moll.

O novo texto da Lei dos Puxadinhos também veta o cercamento além dos seis metros permitidos para cada estabelecimento, protegendo, assim, o conceito das superquadras do projeto original de Lucio Costa, além das áreas verdes existentes no local. “Existe um cinturão verde em cada superquadra que não pode ser transgredido, sob pena de prejudicar a qualidade de vida do morador das superquadras e do próprio espaço público, e colocar em risco o tombamento”, esclarece Giselle Moll.

“Entendemos que a negociação foi muito difícil, mas buscamos balancear as questões. Sabemos da dificuldade dos comerciantes, principalmente do segmento de bares, restaurantes e lanchonetes, mas temos a questão da preservação da qualidade do espaço público de Brasília e dos moradores das superquadras”, diz.

POR LÚCIO FLÁVIO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: DÉBORA CRONEMBERGER

Como forma de conter o aumento dos casos de covid-19 no Distrito Federal, o governo suspendeu a realização de eventos, shows, festivais e afins, que sejam realizados mediante venda de ingressos ou cobrança de qualquer valor de contribuição dos convidados, ainda que seja revertido em consumação. A medida vale a partir desta quarta-feira (12).

“Esperamos em breve poder suspender as medidas do decreto, assim que seja controlada a pandemia”Paco Britto, governador em exercício

A nova norma altera o Decreto nº 42.730, de 23 de novembro de 2021, que dispõe sobre as medidas para enfrentamento do coronavírus no DF. A publicação foi feita em edição extra do Diário Oficial do DF (DODF), logo após anúncio em coletiva de imprensa com participação do governador em exercício, Paco Britto, e os secretários de Saúde, General Pafiadache, da Casa Civil, Gustavo Rocha, e de Comunicação, Weligton Moraes.

A decisão foi tomada pelo governador Ibaneis Rocha – e assinada pelo governador em exercício – a partir dos dados de monitoramento e do cenário atual da pandemia no DF. O secretário da Casa Civil explicou que a medida busca atenuar a circulação do vírus, que apresentou 2,6 de taxa de transmissão no último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde. “Queremos diminuir o índice de transmissão para poder retornar à vida normal. É uma medida que precisa ser tomada”, afirmou Gustavo Rocha.

novo decreto segue as decisões do governo de suspender as festas de réveillon em 2021 e também de proibir o carnaval público e privado no DF.

Acompanhamento

A prioridade é salvar as vidas dos brasilienses. No entanto, o governo seguirá atento à economia, que tem sido preservada com medidas de incentivos, como o Refis. “O mais importante é salvar vidas, mas não podemos nos esquecer da economia, como não esquecemos em nenhum momento”, completou o governador em exercício.

O governo do DF fará um acompanhamento da evolução dos índices para avaliar a necessidade de novas ações. Por enquanto, essa será a única medida restritiva. Não há intenção de um lockdown, como explicou o governador em exercício. “Esperamos em breve poder suspender as medidas do decreto, assim que seja controlada a pandemia”, defendeu Paco Britto.

ADRIANA IZEL, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: DÉBORA CRONEMBERGER

O Jardim Piloto fica localizado na rotatória da 210/211 Norte e foi adotado pela Rede de Sementes do Cerrado, por meio projeto Adote uma Praça, da Secretaria de Projetos Especiais do GDF.

É um sonho coletivo apoiado pela Administração Regional do Plano Piloto com um filme de mesmo nome, que deve ser lançado em breve. O projeto é o primeiro jardim de cerrado em uma rotatória no DF.

Na época desse vídeo (3/12) o jardim tinha recebido, recentemente, a poda anual para renovação das plantas.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM -RA –PP com informações do Jardins de Cerrado

Vídeo e foto: Emanuelle Sena/ASCOM -RA –PP

Ainda terá que ser realizado um serviço de descupinização do solo (em todo o lote do conjunto) e de materiais aproveitáveis das 4 edificações.

 

Patrimônio material do Distrito Federal, o Conjunto Fazendinha Pacheco Fernandes é agora, oficialmente, um equipamento administrado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa. A transferência de carga foi oficializada pela assinatura do termo de cessão entre a Secec e a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitacional (Seduh). O acervo de cinco casas de madeiras, construídas antes da inauguração de Brasília, segue em franco processo de revitalização, depois de décadas de abandono de governos anteriores.

 

“A Fazendinha é um espaço vivo de história e de amor pelo sonho de erguer Brasília no meio desse sertão profundo, que é o Planalto Central. Estamos pegando o bastão da Seduh para seguirmos com o compromisso de devolver esse patrimônio para Brasília e para o Brasil”, aponta o secretário de Cultura e Economia Criativa, em exercício, Carlos Alberto Jr.

 

Até o momento, a Secec investiu R$ 290 mil entre ações emergenciais nas casas de madeiras e revisão elétrica na Ampare. Os próximos passos são um estudo de conservação nas estruturas de madeira para saber quais partes podem ser reaproveitas na revitalização, e o lançamento de licitação para recuperação das quatro casas em situação crítica.

 

Tombado em 1988, o Conjunto da Fazendinha Pacheco Fernandes é uma área de pouco mais de 30 mil metros quadrados na Vila Planalto com cinco casas de madeira ao estilo modernista, edificadas a partir de 1957 para dar moradia a autoridades, executivos, engenheiros e técnicos na construção de Brasília. É composto por quatro diferentes áreas: Parque de Ação Paroquial (PAP); Ampare-DF Associação de Mães, Pais, Amigos e Reabilitadores de Excepcionais; antiga Fundação Kolping (em bom estado de conservação) e outra área ocupada pelas quatro edificações desocupadas de madeira (Casa Cosi, Casa da Sub-administração, Guarita e Alojamento) – todas em estado físico precário.

 

No momento, as atenções estão voltadas para essas últimas edificações. Foi contratado, via Prodoc Unesco, um serviço de Diagnóstico de Conservação com a finalidade de identificar com clareza o estado de conservação de estruturas e materiais das quatro edificações. O diagnóstico de conservação, junto com o Termo de Referência devem servir de base para a contratação da obra de reforma/recuperação das edificações. Ainda contrataremos, o projeto executivo e, após, a reforma propriamente. O diagnóstico de conservação fica pronto em fevereiro. Em março, deve ser lançado o edital de contratação do projeto executivo, que será contratado até maio.

 

“Por se tratar de edificações tombadas, revitalização e reforma deverão ser feitas por empresa especializada. Teremos primeiro a necessidade de contratar empresa de arquitetura com expertise em edificações em madeira, uma vez que o tombamento exige a manutenção dos métodos construtivos originais, elementos arquitetônicos típicos”, explica o subsecretário do Patrimônio Cultural, Demétrio Carneiro.

 

A licitação obedecerá ao Termo de Referência criado em Grupo de Trabalho Executivo, que é integrado pela Secec, Seduh, Novacap, e a Administração Regional do Plano Piloto, com comando da Secretaria de Governo (Segov). A expectativa de início da obra de reforma é para o segundo semestre.

 

Após o restauro, haverá a elaboração de um projeto paisagístico e de iluminação, respeitando as características “bucólicas” da Fazendinha.

 

FASE EMERGENCIAL

Marina Gadelha
Marina Gadelha

 

Marina Gadelha

 

 

 

Desde dezembro de 2020, a Secec, em tarefa conjugada com a Novacap e a Seduh, iniciou um trabalho de limpeza e poda dos terrenos, que envolve o conjunto central das casas, tomada pelo mato, entulhos, invasões de insetos, como escorpiões, e cupins. Esse trabalho de limpeza foi fundamental para uma avaliação minuciosa dos serviços imediatos nas casas de madeiras, algumas com condições precárias em sua estrutura.

 

Essa avaliação estabeleceu um plano de ações emergências para que as casas não desabassem, necessitando de escoramento. Iniciado em março, o investimento da Secec foi na ordem de R$ 184 mil.

 

“Esse serviço foi de alta dificuldade devido aos riscos do local que está a muito tempo sem ser utilizado e devido a infestação de insetos como abelhas, marimbondos e escorpiões. Fizemos, recentemente, a descupinização e removemos de forma ecológica as colmeias”, observa o subsecretário Demétrio Carneiro.

 

Após a remoção, classificação e limpeza, foi realizado o descarte do entulho para a realização do escoramento, com introdução de componentes de sustentação de paredes externas e elementos de cobertura como peças de ancoragem do telhado.

 

Os telhados das casas do Conjunto Fazendinha é objeto de revisão total, e as telhas consideravelmente danificadas foram substituídas e recolocadas no local. Terças e demais componentes de sustentação de telhas danificadas foram substituídas e devidamente apoiadas em outros componentes estáveis no solo.

 

Nessa fase, emergencial, foram instalados 20 refletores no local para iluminação interna. As caixas d’agua de amianto foram removidas, pois estavam fora de norma de uso, bem como a estrutura de sustentação. A Secec também fez a manutenção em dois galpões de alvenaria para adequá-los ao recebimento das peças de madeira que serão analisadas posteriormente.

 

CASA AMPARE

Marina Gadelha

 

Apesar da boa condição física da estrutura de madeira, a Casa Ampare corria risco no sistema elétrico, com custo de R$ 110 mil.

 

Foram realizados:
Remoção de cabeamento rígido e flexível, de interruptores, tomadas elétricas e todo material fora de norma e com potencial risco para os moradores;
Remoção dos quadros elétricos antigos e com oxidação;

Remoção de circuitos completos com cabos antigos, fora de norma e de baixo padrão instalados no local;
Fornecimento e Instalação de disjuntores de 16,20 e 32 A nos quadros elétricos, disjuntores DRs e dispositivos de proteção contra curto-circuito para segurança dos moradores dos locais;

 

Nos locais onde os circuitos estavam fora de padrão, houve a instalação de novos circuitos elétricos com cabeamento antichama com aterramento e tomadas de padrão 2p + T conforme NBR 5210.

 

A Secec também arcou com a substituição do cabeamento rígido entre o quadro da Neoenergia e o quadro de alimentação da casa, substituído por um novo, com novo posicionamento para mais segurança.

 

Para iluminação externa, foram instalados circuitos, eletrodutos e acessórios necessários para a instalação de luminárias de 50w para iluminação noturna; com a substituição das lâmpadas atuais no local porLed Plafon Quadradas para melhor iluminação e economia no consumo de energia. Seguindo normas de segurança, houve a Instalação de luminárias de emergência nos locais com maior necessidade;

 

Houve a substituição de chuveiros elétricos que se encontram velhos e sem segurança nas instalações. Para proteção contra curtos, a equipe fez aterramento no padrão da Neoenergia com objetivo de evitar que descargas sejam desferidas pro local devido a agentes do tempo. O aterramento será feito com haste coperweld, cordoalha de cobre, cabeamento de 16mm² protegidos por caixa de inspiração para aterramento circular.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br

 

Na era onde o digital está transformando e impulsionando o comportamento do varejo, os micros, pequenos e médios empresários do Distrito Federal terão a chance de se capacitar para levar seu empreendimento físico ao mundo online. E poderão aprender isso com a Amazon Brasil. 

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico do DF assinou um Protocolo de Intenções com a Amazon Brasil com o objetivo de integrar as Micro  Pequenas e médias Empresas (MPEs) do Distrito Federal ao comércio eletrônico e auxiliá-las no processo de digitalização. Para isso, a Amazon oferecerá  treinamentos gratuitos por meio de uma série de webinars, nos quais os MPEs terão contato direto com alguns executivos da Amazon e poderão esclarecer dúvidas sobre todo o processo de venda online. Inicialmente, o Protocolo terá duração de 12 meses, mas poderá ser prorrogado. 

Durante o treinamento, a Amazon vai ensinar o passo a passo ao empresário sobre como criar conta e como vender seus produtos na internet.  

O secretário de Desenvolvimento Econômico do DF, Jesuíno Pereira está otimista com a parceria.  

“As Micro, pequenas e médias empresas formam a espinha dorsal da nossa economia. Elas também serão muito beneficiadas com essa capacitação. E outro ponto muito positivo é que o DF está numa localização privilegiada. Ou seja, ajuda na implantação de Centros de Distribuição de grandes empresas e cria oportunidades para desenvolverem a atuação em Marketplace”, explica o secretário. 

O diretor da Loja de Vendedores Parceiros da Amazon, Ricardo Garrido, também reforçou a importância do trabalho em conjunto com o Estado para capacitar pequenos e médios empresários: “A Amazon está empenhada em apoiar os pequenos e médios empresários do Brasil para que eles possam atender a crescente demanda dos clientes com agilidade e conveniência. A série de treinamentos vai ajudar MPEs do Distrito Federal a digitalizarem seus negócios, vendendo produtos locais para todo o País”, disse Garrido.  

Em novembro do ano passado, a Amazon abriu um centro de distribuição em Santa Maria, gerando mais de 140 empregos direitos. 

Veja, abaixo, a relação dos cursos, com os respectivos links para inscrição:

 

Fonte: SDE/DF

De acordo com o último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde, o Plano Piloto, parte da Região de Saúde Central, teve 549 casos de dengue, 10 casos de Chikungunya e um caso de Zika entre as Semanas Epidemiológicas 01 a 50 (03/01/2021 a 18/12/2021). Na RA-PP o número de casos de todas as doenças teve queda quando comparado ao mesmo período de 2020. O número de casos prováveis de dengue, por exemplo, foi 75,6% menor do que o ano anterior, quando foram notificados 1993 casos da doença no Plano Piloto.

O Boletim Epidemiológico é produzido mensalmente pela Gerência de Vigilância das Doenças Transmissíveis (GVDT), da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVEP), da Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS), da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) – GVDT/DIVEP/SVS/SES-DF e disponibilizado no site da Secretaria na última sexta-feira de cada mês.

Acesse aqui os Boletins e demais informações de combate às doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti.

Saiba mais sobre as doenças causadas pelo Aedes aegypti: https://www.saude.df.gov.br/informes-dengue-chikungunya-zika-febre-amarela/

Texto: Ramíla Moura/ASCOM-RA-PP com informações da Secretaria de Saúde

Fotos: Sebastião Pinheiro/RA-PP

 

 

 

 

O carnaval do Distrito Federal está cancelado. Seguindo a recomendação de médicos e infectologistas, todas as manifestações carnavalescas em 2022 no DF estão suspensas.

O recrudescimento da infecção pelo vírus covid-19, agregado à nova variante da influenza, recomendam cautela, e o GDF decidiu cancelar desfiles, bailes e todo tipo de manifestação que provoque aglomeração, para a redução dos riscos de contágio.

O GDF recomenda que a população mantenha a vacinação em dia, seguindo o protocolo definido pelas autoridades, e que procure se proteger seguindo as recomendações de prevenção, especialmente mantendo a higiene das mãos com água e sabão ou álcool 70°.

Mesmo com o alto índice de vacinação atingido pela população do Distrito Federal, o momento apresenta riscos, como comprova a superlotação de clínicas e hospitais. A medida visa manter a segurança das pessoas em primeiro lugar.

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL

Fonte: Agência Brasília

Hoje (5/1) acompanhamos um pouquinho do trabalho dos alunos do Programa Renova-DF em alguns locais aqui na RA-PP.

Foram feitos serviços em parquinhos, quadras poliesportivas e PECs, nas quadras EQS 212/213, EQN 112/113 e SQN 113.


Podem participar do RENOVADF pessoas acima de 18 anos de idade, com residência comprovada no DF, e que estejam desempregadas. As inscrições para o 5º ciclo do RENOVADF, programa de qualificação profissional e renovação de equipamentos públicos do Governo do Distrito Federal (GDF) foram prorrogadas. Podem ser feitas até dia 31 de dezembro por meio de um formulário eletrônico.

Link para inscrição: https://setrab.sysportal.com.br/index.php (disponível no story)

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM – RA-PP

Em novembro a Administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro participou da entrega do I Prêmio Mulher Negra promovido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa e agora a pasta liberou para download o catálogo que conta a trajetória artística de 30 agentes culturais que foram contempladas em premiação realizada em 24 de novembro de 2021, no Cine Brasília, quando receberam troféus.

Gestado pela Subsecretaria de Difusão e Diversidade Cultural (SDDC), o Prêmio aportou R$ 150 mil, com cachê individual de R$ 5 mil para cada artista.

“O resultado contemplou mulheres de diversas linguagens vindas, em sua maioria, de Regiões Administrativas fora do Plano Piloto. Muitas delas nunca receberam uma premiação sequer das políticas públicas da Secec. Essa inclusão é emocionante”, aponta a subsecretária, Sol Montes.

Acesse

Mulher Negra – Baixe Catálogo

VENCEDORAS DO PRÊMIO MULHER NEGRA 2021

Conheça mais sobre as histórias das 30 vencedoras do Prêmio Mulher Negra 2021.

 

Adriana Barros

Ana Luiza Bellacosta

Anna Cristo

Bete Virgens

Bety Morais

Cida Assunção

Cris de Souza

Dandara Bárbara

Daniele Neumany

Edineide Barros Freitas

Elvira de Oxum

Francys de Oyá

Ialê Garcia

Jusianne Castilho

Kalibre

Key Amorim

Larissa Umaytá

Lídia Dallet

Lis Martins

Lua Nzinga

Mãe Beth

Marlene Souza Lima

Martinha do Coco

Maria Joana

Marisol Kadiegi

Onildes Conrada Santos

Ray Psiu

Suene Karim

Tássia Aguiar

Thamiris Flora

Veja aqui mais fotos do evento.

Fotos desta matéria: Emanuelle Sena/ASCOM-RA-PP

Informações: Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br

Teve início no Plano Piloto, nesta segunda-feira, dia 03/01/2022, o quarto ciclo do Programa de Qualificação Profissional e Renovação de Equipamentos Públicos (Renova-DF) da Secretaria de Trabalho do DF.

É uma iniciativa que une formação, capacitação, renda, tendo como resultado a qualificação de profissionais para o mercado de trabalho prestando um serviço à sociedade na realização de ações de manutenção e revitalização dos equipamentos públicos existentes no Plano Piloto. A meta estabelecida é a recuperação de 408 equipamentos, distribuídos nas 144 quadras do Plano Piloto.

Passarão por reparos quadras de esporte, parquinhos, pontos de encontro comunitários – alguns desses equipamentos foram instalados há 20 anos e nunca receberam manutenção –, também serão feitos pequenos trechos de calçadas em torno dos equipamentos (acessibilidade). O Programa terá uma duração de 03 meses.

O trabalho de campo iniciou ontem (03/01/2022) com a realização de visitas programadas às quadras para organização e planejamento do trabalho a ser desenvolvido.

Entrarão em trabalho de campo 3 mil alunos, divididos em 120 turmas, em cada turma há um tutor que os orientará durante todo o processo de intervenção.

Nesta terça-feira, dia 04/01/2021, 34 turmas iniciaram o trabalho na Asa Norte e 38 na Asa Sul. A entrada das turmas nas quadras priorizou aquelas em que já havia sido realizada a vistoria e quantificado o que deveria ser feito e o material necessário. Trata-se de operação de grande magnitude e que tem nos exigido uma logística apurada, para que possamos garantir o deslocamento dessas turmas para as quadras, bem como a disponibilização das ferramentas e insumos para a execução dos trabalhos.  Destaca-se que o Programa está voltado para ações de manutenção e pequenos reparos, não implicando na reposição de equipamentos ou execução de obras estruturantes.


Imagens recebidas pelas prefeituras de quadras do Plano Piloto.

Acompanhe os registros diários no nosso flickr.

A história de Brasília passa por nomes como os de Oscar Niemeyer, Athos Bulcão, Marianne Peretti, Burle Marx, Lúcio Costa e Juscelino Kubitschek. Essenciais na criação da cidade, eles estão representados na avenida comercial mais importante da capital, a W3 Sul. Registrados em painéis de grafite, estes personagens são o ponto de partida para o local reverter décadas de abandono e viver novos tempos de empreendedorismo, de comércio pujante e aflorar o turismo na região.

Nesta segunda-feira (20), o governador Ibaneis Rocha inaugurou um painel em grafite no antigo Cine Cultura, na 507 Sul, feito a várias mãos por artistas de rua da cidade. Trabalho que faz parte da proposta de tornar a W3 Sul um circuito turístico cultural.

“A W3 era conhecida como shopping center do DF. Todos os comércios existiam na região, nós vivemos a efervescência dela e queremos voltar a ter aquela alegria da W3. Aqui conseguimos misturar um pouco de tudo, temos arte com pinturas e grafitagens. E ainda temos muito para acontecer dentro da W3 para transformá-la em um corredor cultural”, afirma o governador Ibaneis Rocha.

O primeiro passo para que a avenida possa viver novos tempos foi dado com o movimento de recuperação da infraestrutura do local. Com investimento de R$ 21,7 milhões, o local ganhou calçadas mais largas e com acessibilidade, novos estacionamentos, paisagismo e iluminação em LED. Etapa que possibilita a missão de implantar o corredor cultural e turístico, como avalia a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça.

“O governador Ibaneis Rocha marca hoje a história de Brasília entregando a reforma da W3 Sul, que estava abandonada há décadas. A infraestrutura é essencial para a gente dar vida aos espaços, e a ideia desse corredor turístico cultural é exatamente essa. Já temos a quadra-modelo e agora estamos inaugurando esse painel que traz os rostos dos criadores de Brasília, com apoio da CDL. Esperamos que seja o começo de uma onda de ocupação e geração de emprego e renda para o setor”, explica Vanessa Mendonça.

Com esse trabalho, o GDF espera estabelecer um hub criativo no local como pivô para atração de novos empreendimentos e investimentos associados à produção associada ao turismo.

Com a palavra, os artistas

No painel inaugurado nesta segunda (20), estão representados o fundador da capital, Juscelino Kubitschek, o arquiteto Oscar Niemeyer, o urbanista Lúcio Costa, o paisagista Burle Marx e os artistas plásticos Athos Bulcão e Marianne Peretti. Nos painéis laterais inferior e frontais do prédio, vários artistas fizeram uma releitura com ilustrações dos homenageados, entre elas as artistas de rua Didi Colado e Key Amorim.

“Quis trazer elementos da Marianne Peretti o tempo todo. Trouxe a criação dela, que são os vitrais. Eles foram o elemento vital de todo o trabalho”, explica Didi Colado.

Segundo a artista, os murais de rua têm um grande potencial artístico por serem acessíveis à toda população. “Esse é o poder do grafite, é o poder da arte urbana. Ele é de todo mundo e está aqui para todos terem acesso. Este grafite na W3 colabora para que a revitalização seja feita sob um novo olhar”, acrescenta Didi Colado.

O ponto de partida da intervenção foi escolhido para nascer nas quadras 507 e 508 Sul, por reunir prédios históricos ligados a atividades artísticas de Brasília. Além do Cine Cultura, a área conta com uma escola classe onde já funcionou um dos primeiros teatros de Brasília e o Centro Cultural Renato Russo.

A artista Key Amorim retratou o artista plástico Athos Bulcão. Segundo ela, o trabalho “retrata um pouco de Brasília e da história da construção da cidade. Acho importante representá-lo neste monumento importante que foi o Cine Brasília”, disse.

Fonte: Agência Brasília

O Governo do Distrito Federal (GDF) sabe que é necessário investimento e infraestrutura para que haja desenvolvimento urbano. Os números de ações e obras comprovam essa máxima. Em dezembro de 2021, as 33 regiões administrativas acumularam mais de 1,4 mil obras, feitas ao longo dos últimos três anos. Pelo menos metade delas está concluída (721). Já foram investidos R$ 3.602.528.398,50 em diversas áreas do governo, como saúde, mobilidade e segurança pública

O ano de 2021 foi também o de maior número de inaugurações e entregas de serviços desta gestão. Das 721 concluídas, 386 foram inauguradas até novembro, 211 até dezembro de 2020 e 124 no mesmo mês em 2019. Os resultados crescentes mostram o empenho do GDF em investir em melhorias na vida da população, inclusive no ano de maior crise da pandemia do novo coronavírus.

À frente das principais ações estão as secretarias de Obras e de Governo, além da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap). O balanço não contempla as intervenções das administrações regionais nem as manutenções feitas nas escolas por meio do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf).

Só pela Novacap, foram entregues unidades básicas de saúde (UBSs), unidades de pronto atendimento (UPAs), reforma e ampliação do Museu de Arte de Brasília e estruturação dos hospitais de campanha para atendimento de pacientes com covid-19. Segundo o presidente da empresa, Fernando Leite, foram mais de R$ 1 bilhão investidos, mesmo durante a pandemia.

“Estamos fechando este ano [2021] com 204 contratos, mais de R$ 700 milhões de investimentos. Fizemos mais de 270 km de calçada em todas as cidades. Implementamos pontos de encontro comunitário [PECs], parquinhos, mais de 50 km de asfalto, mais de 80 km de recuperação asfáltica. Além disso, demos início ao Hospital Oncológico de Brasília. É muita coisa.”

O secretário de Governo, José Humberto Pires, reforça os feitos do GDF, destacando as diversas obras realizadas ou em andamento nesses três anos de gestão: “A Novacap tem papel fundamental nisso, porque faz os projetos, a fiscalização e a execução da maioria dessas obras. E isso vai da revitalização até a construção de novos espaços, sem falar nas ações emergências que precisamos corrigir na cidade”.

DER

Já entre as principais obras em andamento geridas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) – e com previsão de entrega este ano – estão a ampliação em 8,3 km da DF-001, Estrada Parque Contorno (EPCT), no trecho entre o final do Pistão Norte e o balão do Texas, incluindo as vias marginais; a ampliação das vias marginais da DF-047, Estrada Parque Aeroporto (Epar); a construção do viaduto na EPCT, no entroncamento entre o Recanto das Emas e o Riacho Fundo II; a duplicação de 14,8 km de pavimentação da DF-140 e a construção do viaduto entre o Paranoá e o Itapoã.

Somam-se a essas expansões o projeto Caminho das Escolas, com a pavimentação dos acessos a diversas unidades de áreas rurais, entre elas as escolas classes Lobeiral, Queima Lençol, Sonhém de Cima, Santa Helena, Catingueiro e Boa Vista. Já foram concluídos os acessos às escolas no Núcleo Rural Lamarão, Olhos d’Água e Jardim II.

“O ano foi crucial para adiantarmos diversos projetos. Demos início a grandes complexos viários, como os viadutos que irão impactar positivamente a vida de milhares de pessoas. Além disso, focamos a manutenção das obras de arte e na pavimentação, ações que, inclusive, refletiram na redução de óbitos e de acidentes de trânsito”, avalia o diretor-geral do DER, Fauzi Nacfur Júnior.

O secretário de Obras, Luciano Carvalho, lembra que o maior feito de 2021 foi manter a programação dos projetos estruturantes do Plano Piloto e das outras regiões administrativas. “Mantivemos a recuperação da W3 Sul e as obras finais de Vicente Pires e do Sol Nascente, e temos, como a principal delas, o Túnel de Taguatinga”.

Fonte: Agência Brasília

Carteira de identificação já pode ser emitida no site da Secretaria da Pessoa com Deficiência a partir de segunda-feira (13)

Desde o último dia 13/12, o Governo do Distrito Federal (GDF) iniciou o cadastramento de pessoas com deficiência (PcD) que moram no Distrito Federal. Com ele, será possível consolidar informações, nortear o acesso e a oferta de serviços públicos.

 

Estima-se que haja 600 mil pessoas no DF com algum tipo de deficiência, e, pelo menos, 200 mil com deficiência permanente. Com a carteira de identificação, será possível mapear onde essas pessoas habitam, faixas de renda e principais necessidades.

 

O cadastro deve ser feito no site da Secretaria da Pessoa com Deficiência e os interessados deverão informar e anexar foto 3×4, RG, CPF, laudo médico, comprovante de residência e comprovante de renda. A carteira é gratuita e emitida de forma virtual, com opção de ser impressa pelo próprio usuário.

 

Assim como outros documentos, ela foi criada para facilitar a identificação. O usuário terá acesso facilitado a benefícios econômicos e sociais oriundos de políticas públicas, sejam eles de moradia, pelas mãos da Codhab, ou de mobilidade, com o projeto DF Acessível, em fase final de elaboração.

 

Vale ressaltar que a apresentação do cartão só será válida em conjunto com um documento oficial de identificação (RG, CNH, entre outros). A medida é para evitar possíveis fraudes.

 

“O Cadastro Único para criação da carteira de identificação do PcD tem por objetivo reunir as informações pessoais e saber se a pessoa já recebe ou quais benefícios ela recebe para que o governo possa direcionar as políticas públicas. Com o cadastro, vamos saber qual tipo de serviço precisamos oferecer em uma localidade, qual a principal necessidade daquela região, qual o tamanho do público”, explica Flávio Pereira dos Santos, secretário da Pessoa com Deficiência.

 

“O Cadastro Único para criação da carteira de identificação do PcD tem por objetivo reunir as informações e saber se a pessoa já recebe ou quais benefícios ela recebe para que o governo possa direcionar as políticas públicas”Flávio Pereira dos Santos, secretário da Pessoa com Deficiência

Outra vantagem da carteira de identificação é que pessoas com deficiência permanente não vão precisar renovar laudos para obter acesso a serviços. A própria carteira de identificação terá validade de laudo. É ela quem vai oficializar e garantir os direitos de uma PcD.

 

Cadeirante há 40 anos, o zootecnista aposentado Lucimar Malaquias, de 65 anos, comemora a iniciativa. “O cadastro é fundamental para agilizar o atendimento, seja em serviços ou até para evitarmos precisar emitir laudos de dois em dois anos. É uma iniciativa que vem em boa hora”, comemora.

 

Ainda segundo Lucimar, quando o governo resolve criar o Cadastro Único ele passa a “olhar para um público invisível e que agora começa a ser atendido de fato”.

 

Cadastro Único

 

O cadastro será requisito para a concessão da Carteira de Identificação do Transtorno do Espectro Autista (Ciptea), criada pela Lei Distrital nº 6.642/2020 e regulamentada pelo Decreto nº 41.184/2020, bem como o Cartão de Identificação da Pessoa com Deficiência, criado pela Lei Distrital nº 6.809/2020 e regulamentado pelo Decreto nº 42.363/2021.

A carteira vem para facilitar o processo de identificação dos autistas e garantir seus direitos. O documento vai ajudar o governo local e federal a conhecer melhor o público e, assim, propor políticas públicas específicas.

 

DF Acessível

 

O Cadastro Único habilitará as pessoas com deficiência a utilizarem, dentro de cada especificidade, o programa DF Acessível. O programa oferecerá transporte gratuito para pessoas com deficiência que tenham mobilidade reduzida severa. O objetivo do programa é fazer trajetos ponto a ponto. Ele será gerido pela Sociedade de Transporte Coletivos de Brasília (TCB) em parceria com as Secretarias da Pessoa com Deficiência.

Fonte: Secretaria da Pessoa com Deficiência

A Secretaria da Mulher do Distrito Federal, em parceria com a Fundação Assis Chateaubriand, lançará em uma live, nesta quinta-feira (16), a quarta turma do Programa “Todas Elas”. Nesta edição, a maior já realizada, 2,8 mil mulheres de baixa renda de todo o Distrito Federal poderão se inscrever pelo site do projeto (https://www.facbrasil.org.br/todas-elas).

 

Trata-se de um programa gratuito, no qual as mulheres receberão formação empreendedora, apoio psicossocial, mentorias, premiações pelo desempenho e ainda terão acesso à microcrédito em condições especiais para investirem em seus negócios.

 

O programa foi criado como uma iniciativa para fomentar a inclusão social e para promover o desenvolvimento local. É uma estratégia de acesso à cidadania voltada para mulheres em situação ou risco de vulnerabilidade, que visa apoiá-las na transformação por meio de seus talentos em negócios.

 

“Esta parceria é de extrema importância porque a gente precisa incentivar a inserção das mulheres no empreendedorismo e no mercado de trabalho por meio da capacitação. É preciso compreender que a autonomia econômica é fundamental para elas, e que, inclusive, é uma estratégia para quebrar um ciclo de violência. Uma mulher que se sustenta tem capacidade de escolha”, defende a secretária da Mulher, Ericka Filippelli.

 

O Todas Elas já apoiou mais de mil artesãs, costureiras, empreendedoras da área da beleza, da limpeza e da gastronomia a incrementar suas vendas; a atender melhor seus clientes, bem como a estruturarem seus negócios; a precificarem seus produtos e serviços de maneira adequada e a incrementarem seus empreendimentos.

 

O deputado distrital Rodrigo Delmasso (Podemos), apoiador desta edição do projeto, ressalta a importância do Todas Elas para o público feminino e afirma que “este projeto traz às mulheres uma ressignificação de sua importância na sociedade. Precisamos, todos os dias, não só reafirmar mas proporcionar ações que tenham como objetivo a inclusão e a valorização da mulher. O lugar de mulher é onde ela quiser!”

 

“Buscamos ter sobre essas mulheres uma visão 360º sobre suas necessidades, e suprir muitas das lacunas que marcam suas vidas. E isso só é possível graças a uma rede de parceiros que enxergam seu potencial e apostam nessas mulheres como uma estratégia não só para transformação de suas vidas, mas também de transformação de toda uma sociedade”, reforça a Superintendente da Fundação Assis Chateaubriand, Mariana Borges.

 

Se quiser conhecer mais sobre o projeto e se tornar um parceiro, ou mesmo para indicar mulheres para participarem e transformarem seus talentos em negócios, não perca a nossa live inaugural e faça sua inscrição.

Fonte: SECRETARIA DE ESTADO DA MULHER DO DISTRITO FEDERAL

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, assinou, na manhã desta terça-feira (21), ordem de serviço para iniciar as obras da primeira creche da Vila Telebrasília, no Plano Piloto. Para atender 200 crianças de até 4 anos, o governo local investe cerca de R$ 5 milhões, entre os gastos com a obra e com a aquisição do mobiliário.

A autorização para o início das obras da unidade escolar foi anunciada durante reinauguração de seis praças na região, que foram completamente reformadas.

Ao assinar a ordem de serviço para construção da creche na Vila Telebrasília, o governador Ibaneis Rocha atende a demanda antiga da população daquela região administrativa | Fotos: Joel Rodrigues/Agência Brasília

“A creche era o maior pedido dos moradores daqui e agora vai ser construída. Metade dos recursos foi colocada pela ministra Flávia (Arruda), nossa parceira, e complementamos como restante”, explicou Ibaneis Rocha durante discurso no lançamento da obra. “Queremos que vocês, que escolheram este lugar para viver, para criar seus filhos, tenham cada vez mais conforto e segurança”, completou.

“Estamos priorizando as regiões que têm maior carência, e vamos avançando. Vêm mais 16 unidades por aí”Hélvia Paranaguá, secretária de Educação

“Fico emocionada em fazer parte da conquista da primeira creche da Vila Telebrasília e colocar R$ 3 milhões  Estas famílias terão a certeza que as crianças serão bem cuidadas e as mães poderão voltar ao mercado de trabalho”, destaca Flávia Arruda.

Segundo a secretaria de Educação, Hélvia Paranaguá, a creche era uma reivindicação de décadas e só foi possível pelo empenho unificado de vários órgãos do governo e de parlamentares. “Com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Fnde), do GDF e emenda da ministra, agora vamos atender a população e suprir a região com o ensino infantil ”, disse a secretária.

Hélvia adiantou que há a previsão da construção de novas unidades no DF. “Vamos construir mais creches para a região do Sol Nascente/Pôr do Sol. Estamos priorizando as regiões que têm maior carência, e vamos avançando. Vêm mais 16 unidades por aí”, anunciou a secretária.

As praças ganharam equipamentos novos e calçamento e meios-fios recuperados, além do plantio de cerca de 210 mudas de espécies nativas do Cerrado

Além da assinatura da ordem de serviço para a construção da unidade educacional, o governador entregou seis praças aos moradores da Vila Telebrasília. Além de equipamentos novos, o calçamento e meios-fios foram recuperados. Cerca de 210 mudas de espécies nativas do Cerrado também foram plantadas.

A obra das praças contemplou novos bancos de concreto; xadrez em mesas, com opções adaptadas para cadeirantes; bancos que circundam árvores, além de aparelhos de ginástica. São 163 novos itens de mobiliário urbano no total.

A Terracap, responsável pela reforma das praças, investiu R$ 986 mil. A cerimônia de entrega dos novos equipamentos, assim como a assinatura da ordem para a construção da creche, aconteceu na Praça da Resistência. “Outras melhorias virão para a região e já estamos alinhando isso com a administração regional. Era uma dívida da Terracap e que vamos cumprir em breve”, disse o presidente da empresa, Izídio Santos.

A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, afirmou que a comunidade da Vila Telebrasília recebeu com muita alegria as praças e a nova creche, uma vez que ambas eram antigos anseios da população. “As praças são espaços muito usados pela população daqui. Vieram em boa hora”, destacou Ilka.

Participaram ainda da solenidade de entrega das praças e do anúncio da primeira creche, a ministra das Cidades, Flávia Arruda; os secretários de Governo, José Humberto Pires; de Segurança Pública, Júlio Danilo, e de Turismo, Vanessa Mendonça; e o diretor-presidente da Novacap, Fernando Leite.


Fonte e fotos: Agência Brasília

Teve início na manhã desta quinta-feira (23) o projeto de eficientização da iluminação pública que levará 613 luminárias de LED para o Plano Piloto. A inauguração contou com a presença do presidente da CEB, Edison Garcia, do deputado distrital João Cardoso e da administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

A troca de 613 luminárias está prevista para ser concluída até o final de janeiro de 2022 | Foto: Divulgação/CEB

A ação é fruto de um contrato celebrado entre a CEB e a Administração Regional do Plano Piloto, executado com recursos da emenda parlamentar do deputado Cardoso, no valor de R$ 662 mil. “Essa é uma demanda da comunidade e me alegra poder investir na iluminação pública, que aumenta a segurança da população”, disse o deputado distrital.

Para a cuidadora de idosos Maria Lúcia, a nova iluminação vai facilitar na hora de ir embora para casa

O projeto compreende as quadras SHIGS 705/706 e 707/708, além da SQN 109. Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, essas quadras precisavam de atenção. “As quadras 700 têm um fluxo de pedestres muito grande, já que ligam a W3 aos lotes institucionais e comerciais da região. Muitos estudantes, trabalhadores dos centros médicos e moradores circulam por aqui. A iluminação de qualidade contribui para a segurança dessas pessoas”, disse Teodoro.

A cuidadora de idosos Maria Lúcia trabalha em uma casa na SHIGS 707 e estava na praça da quadra antes do evento. Ela conta que a nova iluminação vai facilitar na hora de ir embora para casa. “Onde eu moro, no Riacho Fundo, já tem LED e é ótimo, bem clarinho. Agora aqui também vai ser. Na hora de ir embora, na parada de ônibus, vai melhorar demais”, disse.

O presidente da CEB reforça que o LED tem chamado muita atenção da população. “A cada inauguração dos projetos de eficientização temos recebido comentários positivos das comunidades, dizendo que suas vidas melhoraram após a troca das luminárias. Este é o nosso compromisso, junto com o governador Ibaneis, de continuar levando uma iluminação pública mais potente, eficiente e econômica para o Distrito Federal”, declarou Garcia.

A previsão é de que a troca das 613 luminárias termine até o final de janeiro de 2022.

*Com informações da CEB

É um trabalho diário de prevenção e manutenção que traz benefícios para a população de todo o DF no dia a dia. Um deles, de extrema relevância, é o de evitar transtornos no período da chuva. Corriqueiro, a limpeza e desobstrução de bocas de lobos não é apenas necessária, mas essencial. Desde 2019, mais de 340 mil dessas estruturas passaram por algum serviço de manutenção. Além disso, outros 6,7 mil bueiros foram reformados.

Os trabalhos de limpeza e manutenção de bocas de lobos são realizados tanto por equipes de Divisão de Manutenção de Águas Pluviais da própria Novacap, quanto por empresas terceirizadas, que também ficam encarregadas pela execução de redes e ramais de águas pluviais e recuperação do pavimento asfáltico, quando necessário. De acordo com a companhia, uma média de 4 mil pedidos pelo serviço são feitos via ouvidoria anualmente, o que representa uma média de mais de 330 pedidos por mês vindos de vários cantos do DF.

Em 2021, a Novacap já investiu mais de R$ 11,2 milhões para atender essa demanda. O balanço de ações da companhia em 2021 também é expressivo: até o momento, mais de 58 mil bocas de lobo receberam algum tipo de serviço de limpeza.

Dessas estruturas, foram recolhidas aproximadamente 1,1 mil toneladas de lixo e materiais orgânicos, ou 275 vezes o peso do elefante Chocolate, que mora no Zoológico de Brasília.

Estima-se que a rede de águas pluviais do DF possua cerca de 3 mil quilômetros de extensão lineares, ou duas vezes e meia a distância entre Brasília e Rio de Janeiro, que é de 1.179 quilômetros.

“A manutenção nas redes de drenagem garante segurança para a população”, destaca o presidente da Novacap, Fernando Leite.

“Esse acúmulo gera alagamentos e outros danos. A Novacap está presente, diariamente, cuidando da limpeza, desobstrução e reposição das tampas de bocas de lobo que são furtadas”, observa o gestor.

Participação da sociedade

Morador do Plano Piloto, o fotógrafo Luís Miller, 34, nunca tinha visto de perto os trabalhos de desobstrução de um bueiro. Achou as manobras de prevenção realizadas pela Novacap oportunas. “É um tipo de serviço que a gente vê acontecendo depois que o estrago é feito, quando entope tudo e trazendo aborrecimento e transtornos”, comenta. “Nem sabia que tinha uma equipe só para cuidar desse tipo de ação preventiva antes de começar as chuvas, bem legal, na verdade, de vital necessidade”, elogia.

Gerente de um posto de gasolina, Daniel Soares, 34, foi conferir de perto o trabalho de desobstrução de uma boca de lobo situada ao lado do seu estabelecimento. “Quando chove, a água transborda pelas calhas, vaza por dentro do forro do telhado e volta pra dentro do posto”, conta.

Ele está otimista quanto ao impacto que o trabalho de limpeza da entrada da galeria de águas pluviais vai gerar. “No nosso atendimento, vai melhorar 100%. Não tinha nem como o cliente abrir o vidro pra realizar o pagamento, ficava impossível de trabalhar”, relata.

Drenagem

O esforço contínuo na limpeza das bocas de lobo e bueiros, por vezes, não é suficiente para sanar completamente o problema dos alagamentos no DF. “É uma conjunção de fatores. A rede de drenagem de Brasília é antiga e, somado a isso, a cidade cresceu e impermeabilizou, e hoje em dia o sistema está aquém, não suporta a quantidade de água que é captada”, esclarece o chefe da Divisão de Manutenção da Novacap, Lânio Trida Sene.

No entanto, sem o trabalho preventivo e emergencial de limpeza, as consequências seriam ainda mais graves. “Mesmo o sistema limpo, ele só suporta as chuvas até uma determinada intensidade x. Se houver uma precipitação que faz chegar 2x, demora mais para escoar, mas escoa. Sem o trabalho preventivo, os alagamentos seriam ainda maiores e a drenagem seria muito mais lenta”, finaliza.

Reconhecimento

A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro também reconhece a importância do trabalho realizado pela Novacap na manutenção das bocas de lobo e chama atenção para a participação da comunidade em prol do bem-estar de todos. “A população também pode ajudar fazendo o descarte de resíduos no lugar correto que são as lixeiras”, convoca.

“É um trabalho periódico de limpeza realizado pelo GDF que contribui para que as águas de chuva sigam seu curso natural nas galerias, evitando enchentes e alagamentos”, salienta.

Para o administrador de Ceilândia, delegado Fernando Fernandes, o envolvimento da sociedade para manter a cidade limpa e evitar contratempos urbanos, é fundamental.

“A colaboração da população no sentido de evitar jogar resíduos nas vias e bocas de lobos, é de grande valia. Diariamente, retiramos muitos lixos domésticos e entulhos de dentro dos bueiros, encontramos de tudo”, lamenta. “O lixo pode ser colocado em sacola para ser recolhido e o entulho nas áreas destinadas na cidade para essa demanda”, ensina.

Fonte: Agência Brasília

A construção dos dois viadutos da Estrada Setor Policial Militar (ESPM), no final da Asa Sul, atingiu 45% de execução. O movimento de trabalhadores é intenso no canteiro de obras e as paredes do muro de arrimo de um deles – estruturas que sustentam o elevado – foram finalizadas. Uma obra estimada em R$ 10 milhões, que vai compor o Corredor Eixo Oeste.

O primeiro elevado está sendo erguido na alça de acesso da ESPM ao Eixo W, conhecido como “eixinho de cima”. Suas dimensões são: 8m de altura, 33m de comprimento e 19m de largura. O segundo, situado na alça de acesso ao Eixo L, sentido L4, terá também cerca de 8m de altura, 29m de comprimento e 15m de largura. Juntos, esses viadutos vão melhorar a vida de mais de 20 mil motoristas que trafegam no local diariamente.

De acordo com o subsecretário de Acompanhamento e Fiscalização da Secretaria de Obras, Ricardo Terenzi, o ritmo das reformas vai bem, o que já permitiu o início da execução do sistema de drenagem. Cerca de 100m de manilhas já foram instalados. O total é de 1.000m. E os taludes também já recebem aos poucos o plantio de grama.

“Estamos começando também o cimbramento para a montagem da laje do viaduto, que é uma etapa importantíssima. Esses elevados serão essenciais para desafogar o trânsito na região que é enorme nos horários de pico”, pontua Terenzi. Ele lembra ainda que o pavimento usado na faixa de circulação dos ônibus será todo em concreto, material que tem uma durabilidade de aproximadamente dez anos sem qualquer tipo de manutenção.

Corredor Eixo Oeste

O Corredor Eixo Oeste será uma conexão de 38 quilômetros de extensão entre o Sol Nascente e a área central do Plano Piloto, passando pelas avenidas Hélio Prates e Comercial Norte, centro de Taguatinga e EPTG, e se desmembrando em duas: a Estrada Parque Indústria Gráfica (Epig) e a ESPM. São R$ 500 milhões em investimentos para viabilizar um corredor exclusivo de ônibus entre essas regiões, além do alargamento de pistas.

Emprego e satisfação

A obra do Setor Policial Militar gerou cerca de 520 empregos. Atualmente, entre taludes, escavações e muitas vigas trabalham 60 operários da empresa de engenharia Concrepoxi, contratada pela Secretaria de Obras. Homens satisfeitos em retornar ao mercado de trabalho, como Wendel Nascimento, 23 anos, morador de Planaltina.

“Por causa dessa pandemia, perdi meu emprego e, graças a Deus, consegui vir para essa obra. Aprendi muito com os mais antigos aqui,” conta o rapaz. “A construção civil foi um ‘anjo que caiu do céu’ pra gente. É o setor que mais contrata hoje em dia, nesse momento tão difícil. Temos que abraçar toda a oportunidade que vem”, reforça Maurício Albuquerque (25), que está na sua segunda experiência como pedreiro.

Maurício revela ainda que sente orgulho de fazer parte de uma obra de tamanha magnitude. “Vou passar daqui a uns anos por aqui e falar: trabalhei na construção desse viaduto, fiz parte desse projeto. Mostrar isso pros meus filhos é muito legal”, diz.

Fonte: Agência Brasília 

Construída em 1976, a quase cinquentona Ponte Costa e Silva do Lago Sul passa pela primeira grande reforma coordenada pela Novacap. Não se trata somente de modernização, mas a recuperação de uma estrutura que sofreu o desgaste com o passar de pelo menos quatro décadas e, que atende hoje mais de 15 mil motoristas diariamente. A obra está estimada em cerca de R$ 20 milhões e gera dezenas de empregos.

A reforma foi anunciada pelo governador Ibaneis Rocha no primeiro semestre, com a assinatura da ordem de serviço. Mas os vários problemas estruturais da ponte de 45 anos fizeram com que os projetos executivos sofressem alterações.

Atualmente, 10% da reforma já avançou. Reparos nem sempre notados por quem atravessa a envelhecida ponte. Mas que vêm sendo executados na base da obra de arte, mais precisamente na parte interna da estrutura, para garantir mais segurança aos usuários.

“Detectamos um problema de fissuramento, vamos fazer um acréscimo de 320 cabos de aço que dão sustentação à ponte, entre outros. O projeto teve de ser todo readequado para atender às necessidades. Estamos trabalhando na parte interna da ponte”, explica o chefe do Departamento de Edificações (DE) da Novacap, Carlos Spies.

Spies lembra que o governo fez uma análise das obras de arte pelo Distrito Federal, como as tesourinhas e a Ponte do Bragueto, e apontou a Costa e Silva como uma das prioridades para reforma. E já tomou providência para todos os casos.

O prazo para entrega da reforma do elevado, projetado por Oscar Niemeyer, é setembro do ano que vem. Agora em dezembro, as equipes finalizaram dois gabiões – muros de contenção que evitam as erosões na borda do lago. E fizeram toda a lavagem externa da ponte com hidrojateamento.

Passarela e ponto de observação

A Ponte Costa Silva vai ganhar em modernidade. Vem aí uma passarela de pedestres que será construída sob a ponte e ligará dois pontos do Lago Paranoá. Além de nova iluminação toda em LED (veja abaixo mais melhorias). Mas características originais como as três faixas para os veículos e o semáforo serão mantidas.

“A ideia é urbanizar as bordas. Trata-se de uma passarela onde o pedestre vai poder passar na ponte em segurança. Além de se tornar um ponto de observação do lago, e quem sabe até um ponto turístico para o cidadão de Brasília”, destaca Spies.

Para o administrador do Lago Sul, Rubens Santoro, é uma obra delicada, mas que vai trazer muitos benefícios à população. “A ponte está sendo tratada como ela merece. Há muitos anos carecia dessa grande reforma e vai ficar algo muito bonito e seguro para motoristas e pedestres”, conclui.

Melhorias na nova Ponte Costa e Silva:

-Construção de uma passarela de pedestres sob a ponte, ligando a orla – próximo à Prainha – ao trecho 1 do Setor de Clubes Sul;
– Pintura de toda a ponte em poliuretano, o que aumenta a durabilidade para até 25 anos;
– Recapeamento das três faixas de rolamento, com uso de 250 m³ de asfalto;
– Troca da iluminação com a instalação de luminárias de LED;
– Passagem para pedestres e ciclistas nas duas bordas do elevado, medindo 1,5 m cada uma;
– Instalação de cabos de protensão para maior estabilidade da ponte;
– Reparos nas fissuras da estrutura e substituição das juntas de dilatação;
– Reforma da cabeceira da ponte.

Fonte: Agência Brasília

A Vila Planalto ganhou neste sábado (18) o seu esperado campo de futebol society. O governador Ibaneis Rocha inaugurou o espaço esportivo pedido pela comunidade há 14 anos. Um investimento de R$ 883,1 mil, com recursos do governo e da Caixa Econômica Federal.

Executado por empresa contratada pela Secretaria de Obras, a nova “arena” da cidade, feita em grama sintética, tem 89 m de comprimento por 54 m de largura e fica na Praça Zé Ramalho, no acampamento Rabelo. De acordo com o governador, o espaço vem incentivar a prática esportiva de crianças e adolescentes, afastando a juventude das drogas. Ibaneis destacou ainda a qualidade do campo da Vila.

“A Vila Planalto é um lugar muito tradicional aqui no DF e faltava um espaço como esse para a criançada e adultos”, afirmou Ibaneis. O chefe do Executivo lembrou ainda que o governo vai levar diversas obras de infraestrutura para as 33 cidades do DF em 2022. Além do campinho society, a área externa foi toda urbanizada. Calçadas novas, bancos de concreto instalados e a inclusão de equipamentos como bancos e lixeiras.

Mais de 100 pares de chuteiras entregues

Na ocasião, o governo ainda entregou para a liga esportiva local um conjunto de 140 chuteiras para uso dos “peladeiros”. “Nosso objetivo é dar oportunidades e democratizar o esporte, porque ele representa muito mais do que lazer. É manter nossas crianças sadias”, ressaltou a secretária de Esporte e Lazer, Giselle Oliveira. Ela recordou ainda que no local funcionava uma quadra de terra batida, em más condições para a prática do futebol.

Aprovado por um craque

A escolinha de futebol Cardim Sports, que tem outros sete núcleos no DF, vai começar na semana que vem as atividades no campo da Vila Planalto, com 30 crianças. Trata-se de um projeto social, com aulas gratuitas. Craques como o garoto Raphael Miranda, 9 anos, já estão garantidos nos treinamentos. Conhecido como Raphinha e fã de Neymar, ele era um dos mais animados e já arriscou seus primeiros chutes hoje.

“Nunca teve um campo tão legal aqui. Novinho e bem pintado. Vamos poder treinar e jogar uns campeonatos por aqui”, disse Raphinha. “Quero ser jogador profissional e garantir meu futuro desde cedo”, finalizou.

Fonte: Agência Brasília

A Quadra 716 da Asa Norte, no Plano Piloto, terá um novo estacionamento com 35 vagas, voltado para carros, motos, idosos e pessoas com deficiência. O local também vai ganhar uma ciclovia ao longo dos limites da pista, um bicicletário com cinco vagas, faixas de aceleração e desaceleração e a manutenção das calçadas, que terão rampas mais acessíveis.

As melhorias estão previstas no projeto de sistema viário elaborado pelo Banco do Brasil para ampliar o estacionamento que fica na área pública próxima do seu centro de treinamento. A proposta foi aprovada pela Portaria n° 121, publicada na quinta-feira (16) pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

O objetivo do projeto é auxiliar no fluxo de veículos entre a via W5 Norte e a quadra 716 Norte, pois a ampliação aliviará o trânsito nas demais faixas existentes.

Também vai reorganizar as vagas para os veículos, especialmente as preferenciais, promovendo acessibilidade, segurança e mobilidade aos pedestres, ciclistas e motoristas.

Atualmente, uma faixa é usada para estacionamento em baliza e para manobra do carro. O motorista precisa ocupar momentaneamente a faixa lateral, bloqueando o trânsito desta faixa até conseguir estacionar na vaga de baliza.

“A ideia é criar um estacionamento em área pública para atender às necessidades atuais da quadra, otimizando a operacionalidade e funcionalidade das atividades locais, que são comerciais, institucionais e residenciais”, explicou a coordenadora de Aprovação de Projetos de Urbanização da Seduh, Caroline Fernandes.

“Ampliar os passeios públicos com um projeto adequado e com acessibilidade é um ganho de qualidade de vida para toda população”, destacou a administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro. “Com esse projeto, atenderemos uma demanda da comunidade local pela qualificação da área”, ressaltou.

Próximos passos

A aprovação do projeto era o último passo a ser concluído pela Seduh. A partir de agora, o Banco do Brasil tem autorização para solicitar o licenciamento da obra.

Isso pode ser feito por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP), em que o banco entra em contato com a Administração Regional do Plano Piloto para firmar um termo de cooperação nos moldes do programa Adote uma Praça – iniciativa prevista no Decreto n° 39.690/2019, que regulamenta a Lei nº 448/1993, sobre a adoção de espaços públicos por entidades e empresas.

Fonte: Agência Brasília

O temporal que atingiu várias regiões do Distrito Federal trouxe prejuízos para uma creche na Vila Planalto. Telhas destruídas, alagamento e árvores caídas trouxeram preocupação à comunidade. As equipes do programa GDF Presente agiram rapidamente e restabeleceram a ordem na Creche Pioneira, umas das mais antigas da capital.

A ação foi um trabalho conjunto dos homens do Polo Central Adjacente III, da Novacap e de reeducandos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape). Cem telhas novas cedidas pela Secretaria de Educação foram instaladas pelos operários. As árvores e o lixo verde foram recolhidos do pátio, foi feita uma grande faxina e retirada a água que entrou na escola.

Uma das fundadoras da instituição de ensino, Efigênia Fernandes, 66 anos, disse que ficou aliviada com o apoio recebido. “Nunca vi um governo que age tão rápido, até comecei a tentar arrecadar telhas com a comunidade, mas eles já providenciaram”, revela. “A gente só tem a agradecer todo o empenho das equipes do GDF nesse momento tenso que passamos”, diz. A creche, localizada no Acampamento Rabelo, atende a 163 crianças de 1 a 3 anos.

“Ali é um local simbólico para Brasília. A recomposição da creche, após ser castigada pela chuva, demonstra o cuidado e a preocupação que temos com a área e esse importante patrimônio da Vila”, observa a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

Segundo o coordenador do polo, Alexandro Cesar, a mobilização da comunidade também foi importante na ação que durou quatro dias. “Alguns moradores colocaram a ‘mão na massa’ e nos ajudaram retirando bastante material da escola. Providenciamos capas de chuva para as pessoas e funcionários”, conta.

Também na Vila Planalto, os trabalhadores do GDF Presente fazem a manutenção das vias e calçadas da Praça Zé Ramalho. No local, será reinaugurado um campo de futebol society neste sábado (18).

Fonte: Agência Brasília

Arte: Sema-DF

Um coco verde e um canudinho, dupla imbatível em dia quente, num passeio no Parque da Cidade. O contexto ganha história inusitada na campanha de educação ambiental Separados pelo Destino, voltada ao reforço da coleta seletiva no Distrito Federal, lançada nesta terça-feira (7) em meio digital.

Transformados em personagens, após o consumo, o coco verde vai para a coleta de resíduos orgânicos e o canudinho, para o cesto dos recicláveis. Separados pelo destino, como diz o título da campanha, eles seguem o caminho da coleta seletiva, protegendo o meio ambiente e melhorando a qualidade de vida da população.

A veiculação das peças publicitárias será realizada pelas redes sociais (FacebookInstagram e Twitter) e por uma página na internet. “São várias histórias de encontros e separações e um final feliz que só depende de você”, diz um dos anúncios.

A iniciativa é resultado de parceria entre a Secretaria de Meio Ambiente (Sema), o Brasília Ambiental, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU), a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) e a Secretaria de Comunicação (Secom). As peças usam enredo de novela para tratar do funcionamento da coleta seletiva no DF e de como as pessoas podem fazer para participar.

“Esperamos que todos colaborem replicando a campanha em suas redes sociais e que ela se torne uma ação continuada no GDF, ganhando cada vez mais espaço nos diversos meios de comunicação”Sarney Filho, secretário de Meio Ambiente

De acordo com a Secom, o foco da campanha é educacional. “Usamos uma linguagem simples e popular para tratar da necessidade de separar o lixo para o descarte. Nosso objetivo é o de incentivar as pessoas a realizar o processo correto de separação. Assim ganham o meio ambiente, a cidade, com menos lixo na rua, e as pessoas, que terão mais qualidade de vida”, avalia o secretário de Comunicação, Weligton Moraes.

“Somente com o envolvimento dos cidadãos na separação dos materiais recicláveis diretamente na fonte será possível concretizar a inclusão socioeconômica dos catadores e a preservação ambiental com o aumento das taxas de reciclagem e da vida útil do Aterro Sanitário de Brasília”, avalia o secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho.

“Esperamos que todos colaborem replicando a campanha em suas redes sociais e que ela se torne uma ação continuada no Governo do Distrito Federal (GDF), ganhando cada vez mais espaço nos diversos meios de comunicação”, completa o secretário.

Para gerar renda

O diretor-presidente do SLU, Sílvio Vieira, destaca: “A coleta seletiva gera renda para milhares de famílias de catadores das cooperativas, além de trazer diversos benefícios ambientais, pois são toneladas de resíduos que voltam ao ciclo produtivo e que a gente deixa de aterrar todos os dias”.

“Todos devemos assumir nossa parte da responsabilidade e contribuir para esse círculo virtuoso acontecer em nossa cidade”Félix Palazzo, diretor da Adasa

Para ele, quanto mais pessoas estiverem envolvidas na separação, melhor vai ser para todo mundo. “Essa campanha tem uma linguagem fácil e certamente vai ajudar na sensibilização da população do DF”, prevê Vieira.

O diretor da Adasa, Félix Palazzo, lembra que a separação dos resíduos antes da entrega à coleta seletiva é extremamente importante. “Ela injeta dinheiro e recursos na economia, propicia emprego e renda para os catadores, diminui os gastos com recursos públicos, preserva o aterro sanitário e ajuda o meio ambiente”, afirma.

Palazzo acrescenta que “todos devemos assumir nossa parte da responsabilidade e contribuir para esse círculo virtuoso acontecer em nossa cidade”.

Apoio da população

A gerente de Implementação da Política de Resíduos da Sema, Maria Fernanda Teixeira, reforça que, sem a participação da população, de pouco vale todo o investimento que o governo vem fazendo na construção de centros de triagem, contratação de catadores e gestão do aterro sanitário.

“Remodelamos a campanha com o objetivo de alcançar um maior número de pessoas e termos um maior engajamento da população com a coleta seletiva, como resultado”Maria Fernanda Teixeira, gerente de Implementação da Política de Resíduos da Sema

“Nós encerramos o segundo maior lixão da América Latina”, pontua. “Temos um dos complexos de reciclagem mais modernos do país. Inauguramos um aterro sanitário em acordo com todas as exigências técnicas e ambientais, mas ainda enterramos boa parte do que poderia ser reciclado.”

Ela também destaca que Separados pelo Destino dá continuidade à campanha Continue Acertando, veiculada ano passado nas redes sociais, composta por vídeos curtos, gravados em casa, por servidores do GDF, enquanto estavam em isolamento social.

“Agora, remodelamos a campanha com o objetivo de alcançar um maior número de pessoas e termos um maior engajamento da população com a coleta seletiva, como resultado”, diz Maria Fernanda.

A gerente explica ainda que a ideia é que a campanha seja continuada e alcance outros meios de comunicação, mostrando à população que a coleta seletiva no DF é real, que os catadores dependem da separação feita em casa e que aderir à coleta seletiva é uma questão de hábito.

Inovação

O analista em Políticas e Gestão Governamental e coordenador da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) no Brasília Ambiental, Webert Oliveira Ferreira, lembra que, durante o início desafiador e histórico de pandemia, os servidores precisaram inovar para ir além e poder levar serviços para o novo cenário.

Ele relembra que foi com soma de esforços que a campanha Continue Acertando foi criada, com a distribuição de vídeos educativos sobre a coleta seletiva feitos de forma simples e com pouco recurso.

“A ação deu tão certo que fortificou o grupo de trabalho formado pela Sema, Adasa, SLU e Brasília Ambiental, estruturando o Comitê Brasília Recicla, que nessa nova roupagem volta com força total, com uma nova campanha criativa chamada Separados pelo Destino, com a entrada da Secretaria de Comunicação do GDF”, completa.

Para Webert, é muito gratificante trabalhar e ter agentes de diferentes órgãos fazendo um serviço tão importante para a sociedade e para o meio ambiente. “Além de essas serem ações que estão nas metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – ODS. Logo, o mais fantástico é que essas são atividades que estamos fazendo e ao mesmo tempo atingindo metas governamentais.”

*Agência Brasília com informações da Secretaria de Meio Ambiente do DF

Editais preveem mais de 200 mil vagas para todo o Brasil. As oportunidades são para nível médio e fundamental

Pesquisadores do Censo visitarão todos os domicílios do País em 2022| Foto: Aline Schons.

O IBGE lança hoje (15/12) dois editais para contratar temporariamente 206.891 pessoas para trabalhar na organização e na coleta do Censo Demográfico 2022, sendo 2.953 vagas para o Distrito Federal. A organizadora dos processos seletivos é a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Para o Distrito Federal, o primeiro edital prevê 42 vagas de agente censitário municipal (ACM) e 280 de agente censitário supervisor (ACS), com remunerações de R$ 2.100,00 e R$ 1.700,00, respectivamente. Nesse processo seletivo, serão oferecidas as vagas de ACM aos candidatos que obtiverem as melhores classificações. O nível de escolaridade exigido para ambas as funções é o ensino médio completo.

O ACM executará tarefas administrativas e técnico-operacionais. Ele garantirá a qualidade dos trabalhos de sua equipe e gerenciará o posto de coleta, espaço que dá suporte à operação censitária. Já o ACS será responsável pela supervisão, com foco em questões técnicas e de informática, e orientação dos Recenseadores durante a realização do trabalho de campo. A previsão de duração dos contratos é de cinco meses.

O segundo edital visa o preenchimento de 183.021 vagas de recenseador em nível nacional, sendo 2.631 para o Distrito Federal. Os recenseadores são os profissionais que visitarão todos os domicílios do país, entrevistando seus moradores.

A remuneração será variável, calculada com base na produtividade de cada contratado, de acordo com o número de domicílios visitados. No hotsite do Censo 2022, há um simulador onde os candidatos podem verificar a remuneração a ser obtida.

Os recenseadores aprovados nas provas objetivas, dentro do número de vagas previsto no edital, serão convocados para a etapa de treinamento a ser realizada pelo IBGE. Esses agentes não terão horário de trabalho fixo, espera-se, no entanto, que dediquem ao menos 25 horas por semana às atividades da operação. A previsão de duração do contrato é de três meses e o nível de escolaridade exigido é o ensino fundamental completo.

As inscrições para ACM/ACS e recenseador vão de 15 de dezembro a 29 de dezembro de 2021. O valor é de R$60,50 para ACM/ACS e de R$57,50 para recenseador. Haverá isenção da taxa de inscrição para os candidatos que declararem e comprovarem hipossuficiência de recursos financeiros para pagamento da taxa e para os doadores de medula óssea.

As provas serão aplicadas no dia 27 de março de 2022, em turnos distintos. É permitido que um mesmo candidato participe das duas seleções. Outras informações podem ser conferidas nos editais.

Edital lançado nesta semana prevê mais 26 vagas para o DF

Outros dois editais foram lançados pelo IBGE na terça-feira (14/12), com vagas para a função de coordenador censitário de área (CCA) e agente censitário de administração e informática (ACAI). O primeiro conta com 31 vagas para 31 municípios do País (não há vagas para o Distrito Federal), com remuneração de R$3.677,27.

Para no segundo estão previstas 1781 vagas para o segundo, sendo 26 para o Distrito Federal. A remuneração é de R$1.700,00. Ambos os editais estão disponíveis no site da organizadora, o Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC).

A importância do Censo Demográfico

O Censo Demográfico produz informações atualizadas e precisas, que são fundamentais para o desenvolvimento e implementação de políticas públicas e para a realização de investimentos, tanto do governo quanto da iniciativa privada. Além disso, uma sociedade que conhece a si mesma pode executar, com eficácia, ações imediatas e planejar com segurança o seu futuro.

Qual é o tamanho da população brasileira? Em que condições vive? Como se distribui no Território Nacional? Qual é o nível de escolaridade de nossas crianças e jovens? Quais as condições de emprego e renda da população? Essas e outras perguntas serão respondidas pelo Censo Demográfico que o IBGE realizará em 2021.
Fonte: IBGE

Para buscar parcerias para uma maior divulgação dos atos e ações da Administração Regional do Plano Piloto para população, a Administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, encontrou-se nesta terça-feira (14/12) com digital influencers e blogueiras/os. O café, organizado pelo influenciador digital Thiago Malva em parceria com a Regional, aconteceu no Mezanino da Torre de TV.

Veja as fotos do encontro:

https://flic.kr/s/aHsmXg7J21

Conheça as blogueiras e influenciadores participantes:

https://www.instagram.com/thiago_malva/

https://www.instagram.com/jugcunha/

https://www.instagram.com/susieoliveiraoficial/

https://www.instagram.com/linesoouza/

https://www.instagram.com/raaymilhomem/

https://www.instagram.com/brasiliakids/

https://www.instagram.com/fepatricio_/

https://www.instagram.com/daniel_abem/

 

Estudar no Instituto Federal de Brasília é possível, sim, e a escolha pelo IFB traz na vida acadêmica dos estudantes uma série de benefícios e vantagens que só a proposta profissional e tecnológica oferece ao Distrito Federal. Há treze anos, o IFB vem formando profissionais para inserção imediata no mercado profissional.

Esta semana foi lançado o edital para o Processo Seletivo 2022/1 com mais de 2.300 vagas em cursos técnicos gratuitos<https://www.ifb.edu.br/attachments/article/27208/Edital%2034_2021-RIFB_IFBRASILIA%20-%20Cursos%20T%C3%A9cnicos%20-%20Sele%C3%A7%C3%A3o%202022_1.pdf> nas modalidades Integrado (Ensino Médio), Subsequente (ou pós-médio), Proeja (Ensino Médio integrado a Educação de Jovens e Adultos – Proeja) e Concomitante em Regime de Alternância (para estudantes do Ensino Médio da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno). Os cursos estão sendo ofertados nas dez unidades do IFB: Brasília, Ceilândia, Estrutural, Gama, Planaltina, Riacho Fundo, Recanto das Emas, Samambaia, São Sebastião e Taguatinga.

As inscrições também são gratuitas e on-line e ficam abertas das 8h do dia 13 de dezembro de 2021 até as 18h do dia 7 de janeiro de 2022 pelo sistema processoseletivo.ifb.edu.br<http://processoseletivo.ifb.edu.br/>.

Durante o período de inscrição, de cancelamento e de efetivação de nova inscrição (veja o cronograma do edital), os candidatos que não tiverem acesso à internet poderão realizar sua inscrição por meio dos computadores disponibilizados nos campi do IFB ofertante do curso, consultando o campus com antecedência sobre dias e horários possíveis. Caso o candidato compareça ao campus, o uso de máscara é obrigatório nos ambientes da instituição, assim como o distanciamento social.

A seleção final será feita por sorteio eletrônico. A previsão da publicação do resultado do sorteio e convocação para matrícula em 1ª chamada será no dia 11 de fevereiro. O início das aulas está previsto para 4 de abril.

Veja o quadro completo de vagas<https://www.ifb.edu.br/estude-no-ifb/noticias/29013-quadro-de-vagas-processo-seletivo-para-cursos-tecnicos-2022>.

Faça o download:

Edital 34/2021<https://www.ifb.edu.br/attachments/article/27208/Edital%2034_2021-RIFB_IFBRASILIA%20-%20Cursos%20T%C3%A9cnicos%20-%20Sele%C3%A7%C3%A3o%202022_1.pdf> e Anexos editáveis<https://www.ifb.edu.br/attachments/article/27208/Anexos%20Edit%C3%A1veis%20-%20Edital%2034_2021%20-%20RIFB_IFB%20-%20Cursos%20T%C3%A9cnicos%20-%20Sele%C3%A7%C3%A3o%202022_1.doc>

Ofertas Cursos Técnicos 2022:

Técnico Integrado ao Ensino Médio Presencial

Quem pode se inscrever? estudantes que acabaram de concluir o 9.º ano do Ensino Fundamental, tem menos de 18 anos e vão ingressar no Ensino Médio.

Cursos: Informática, Eventos, Eletrônica, Segurança do Trabalho, Alimentos, Química, Manutenção Automotiva, Meio Ambiente, Agropecuária, Produção de Áudio e Vídeo, Cozinha, Hospedagem, Controle Ambiental, Design de Móveis, Administração, Desenvolvimento de Sistemas Educacionais e Eletromecânica

Campi: Brasília, Ceilândia, Estrutural, Gama, Planaltina, Riacho Fundo, Recanto das Emas, Samambaia, São Sebastião e Taguatinga

Vagas: 896

Técnico Integrado ao Ensino Médio na modalidade Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Quem pode se inscrever? Quem tem mais de 18 anos, tem o ensino fundamental completo (e não tem o ensino médio)

Cursos: Meio Ambiente, Administração, Produção de Áudio e Vídeo, Restaurante e Bar, Edificações, Secretariado e Artesanato

Campi: Estrutural, Gama, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Samambaia, São Sebastião e Taguatinga

Vagas: 320

Quer saber mais sobre o curso técnico na modalidade Proeja, clique aqui<https://www.youtube.com/watch?v=44oi6rTJAiM>.

Técnico Subsequente (presencial)

Quem pode se inscrever? Quem já tem o ensino médio completo

Cursos ofertados: Eventos, Desenvolvimento de Sistemas, Administração, Serviços Públicos, Equipamentos Biomédicos, Eletrônica, Manutenção Automotiva, Logística, Agropecuária, Produção de Áudio e Vídeo, Gastronomia, Panificação, Controle Ambiental, Edificações, Secretaria Escolar, Secretariado, Desenvolvimento de Sistemas Educacionais, Eletromecânica, Manutenção e Suporte de Informática e Vestuário

Campi:  Brasília, Ceilândia, Estrutural, Gama, Planaltina, Riacho Fundo, Recanto das Emas, Samambaia, São Sebastião e Taguatinga

Vagas: 1.044

Quer saber mais sobre o técnico subsequente, clique aqui<https://www.youtube.com/watch?v=ZBlohEuuCUY>.

Técnico Subsequente (a distância)

Quem pode se inscrever? Quem já tem o ensino médio completo

Curso:  Eventos e Segurança do Trabalho

Campus: Brasília e Ceilândia

Vagas:  95

Técnico subsequente e concomitante (em regime de alternância)

Quem pode se inscrever? Quem mora no campo e ou tem o ensino médio completo (subsequente) ou está cursando o ensino médio (concomitante)

Curso: Agroindústria

Campus: Planaltina

Vagas:  50

Quer saber mais sobre o concomitante e regime de alternância, clique aqui<https://www.youtube.com/watch?v=LbCC6OjR1WI>.

Ações Afirmativas

O Instituto Federal de Brasília destina boa parte de suas vagas para ações afirmativas (clique aqui<https://www.ifb.edu.br/estude-no-ifb/noticias/27325-reservas-de-vagas-para-os-cursos-tecnicos-do-ifb> para ver quais são).

Verifique no edital como proceder para concorrer, caso se encaixe nos critérios.

Ainda tem dúvidas?

Clique aqui<https://www.ifb.edu.br/attachments/article/24446/Diagrama-FluxoProcessoSeletivo.pdf> para compreender melhor o fluxo do processo seletivo do IFB e suas etapas.

Faça o download

Edital 34/2021<https://www.ifb.edu.br/attachments/article/27208/Edital%2034_2021-RIFB_IFBRASILIA%20-%20Cursos%20T%C3%A9cnicos%20-%20Sele%C3%A7%C3%A3o%202022_1.pdf> e Anexos editáveis<https://www.ifb.edu.br/attachments/article/27208/Anexos%20Edit%C3%A1veis%20-%20Edital%2034_2021%20-%20RIFB_IFB%20-%20Cursos%20T%C3%A9cnicos%20-%20Sele%C3%A7%C3%A3o%202022_1.doc>

www.ifb.edu.br<http://www.ifb.edu.br>

Devido a eventos esportivos que serão promovidos no próximo fim de semana, as equipes de fiscalização do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) e da Polícia Militar do DF farão intervenções no trânsito na área central de Brasília. As mudanças ocorrerão no Eixo Monumental, Setor Militar Urbano e via L4 Sul.  

Campeonato Brasileiro de Paraciclismo

Neste fim de semana acontece o Campeonato Brasileiro de Paraciclismo, no Setor Militar Urbano (SMU), próximo à Praça dos Cristais. Os agentes de trânsito do Detran-DF farão o bloqueio de duas faixas da Avenida do Exército, que serão destinadas aos competidores.  

A interdição do tráfego de veículo, nas duas faixas, vai da Avenida do Exército, altura da via N1 e segue até a DF-010 (Via EPAA), na altura do SLU. A previsão é que o fechamento ocorra das 6h às 11h, no sábado (11) e no domingo (12).

Corrida Agro Fraterno

No próximo domingo (12), no Eixo Monumental, será realizada a Corrida Agro Fraterno. O evento contará com percursos de 5 km e 10 km. A largada e a chegada dos participantes ocorrerão no estacionamento do Complexo Cultural da Funarte. A previsão é que o evento aconteça das 8h às 11h.  

As equipes do Detran-DF farão as intervenções no trânsito a partir das 7h30. Quatro faixas de rolamento da Via N1, entre o TCDF e o Congresso Nacional, estarão bloqueadas para o tráfego de veículos, sendo destinadas aos corredores. Na Via S1 serão interditadas quatro faixas entre o MPDFT e a Funarte. Também haverá bloqueio de três faixas no trecho entre o Museu da República e o Congresso Nacional.  

O acesso de veículos às alças leste e oeste da Rodoviária do Plano Piloto será permitido apenas para ônibus, que deverão transitar pela via interna da ERB. Já o acesso a alça de ligação da Via W3 para Via N1 está fechada para todos os veículos.]

Interdição L4

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) fará intervenções na L4 Sul no domingo (12) devido ao evento esportivo de triatlo.  A via será fechada no sentido Aeroporto, a partir da Procuradoria Geral da República (PGR), até o acesso da Embaixada da Noruega.

O trânsito será desviado para a via S3, sentido L2 Sul. O acesso à ponte Costa e Silva será bloqueado nos dois sentidos. O motorista deve utilizar a DF – 025 no Lago Sul, para acessar o Pontão do Lago Sul. As vias deverão ser liberadas a partir das 12h.

Fonte: Agência Brasília

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (9), o secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache, reforçou que as ações que ocorrem fora das unidades de saúde continuarão sendo realizadas em várias regiões do Distrito Federal.

“Nosso percentual vacinal está muito bom, mas com essa busca ativa será ainda melhor”, ressaltou o chefe da pasta. Pafiadache anunciou que as ações fora das unidades de saúde serão intensificadas, como vacinação e testagem da covid-19.

“Estamos em negociações com o Ministério da Saúde para instalar um posto de vacinação no Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek. As novas ações vêm para somar com todos os esforços que já estamos fazendo para alcançar o maior número de pessoas possíveis”, explica.

A pasta vem trabalhando em um modelo de busca ativa da população, levando a vacina a grandes centros de circulação de pessoas, a exemplo de feiras, como ocorreu durante dois finais de semanas consecutivos, e na Rodoviária do Plano Piloto, que já conta com um ponto fixo de vacinação.

Transmissão da covid-19

O secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Fernando Erick Damasceno, explicou que, nos últimos dias, não houve aumento da transmissibilidade do coronavírus e que a pasta trabalha para antecipar os riscos.

“Estamos organizando os esforços para os diferentes cenários que podemos ter com a pandemia. Mas, também, na perspectiva da recuperação dos prejuízos que a pandemia causou”, observa. O gestor destaca também que é preciso “recuperar os serviços essenciais para a rede, como melhorar o número de equipes de estratégia de Saúde da Família e aumentar a força de trabalho na atenção primária. O enfrentamento da covid-19 é a nossa prioridade, mas não pode ser exclusividade”.

Vacinação

A rede de frio está abastecida com os três principais imunizantes: CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer-BioNTech. Hoje, nos pontos de vacinação, a população pode buscar o imunizante da marca que preferir. A medida foi tomada para aumentar a procura pela vacina e, consequentemente, a cobertura vacinal.

Quanto à vacina da Janssen, o Distrito Federal recebeu 10.250 doses nessa quarta-feira (8). O quantitativo será utilizado para vacinar com a dose de reforço as pessoas que receberam o imunizante até o dia 30 de junho.

Para quem tomou a vacina após esse período, a Secretaria de Saúde aguarda receber novas remessas do Ministério da Saúde.

“As mulheres que receberam a vacina Janssen até o dia 30 de junho e, atualmente se encontram gestantes, não poderão receber o reforço do mesmo imunizante. Esse público receberá a vacina Pfizer”, explicou o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero.

Os pontos de vacinação contra a covid-19 podem ser consultados diariamente no site da Secretaria de Saúde.

Fonte: Agência Brasília

Dez edificações do Plano Piloto de Brasília receberão o Selo CAU/DF – Arquitetura de Brasília 2021, a partir do dia 8 de dezembro (quarta-feira). No total, foram seis centros de ensino e quatro blocos de superquadra que serão contemplados com a certificação este ano (veja lista abaixo). 

Lançado em agosto de 2020 pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal –CAU/DF por iniciativa de sua Comissão Temporária de Patrimônio –, o Selo tem o objetivo de reconhecer o valor histórico das edificações não monumentais de Brasília e de seus autores, bem como divulgar as boas práticas de conservação e manutenção predial que preservaram a linguagem arquitetônica do movimento moderno.

Em 2021, além dos blocos residenciais das superquadras, escolas públicas e privadas construídas nas primeiras décadas da cidade também foram avaliadas pela Comissão. No total, 30 edificações foram indicadas (veja aqui), sendo 27 pelos integrantes da Comissão e três inscritas pelo público via formulário on-line disponibilizado na página oficial da premiação – outra novidade desta edição. Elas estão localizadas nas Asas Sul e Norte do Plano Piloto, no Lago Sul, na Granja do Torto e no Cruzeiro.

“O Selo CAU/DF – Arquitetura de Brasília evolui nesta segunda edição. Agregamos novidades que permitiram, por exemplo, a participação do público, que pôde indicar as edificações de sua preferência, justificadas pela preservação de suas raízes arquitetônicas. Além disso, centros de ensino também foram avaliados e contemplados por suas características modernistas, mesmo após terem passado por reformas e manutenções prediais. Uma grande conquista para a história da nossa cidade, reconhecida pelo CAU/DF por meio desta certificação”, resumiu a presidente do CAU/DF, arq. urb. Mônica Blanco.

O Selo será aplicado diretamente sobre o prisma de identificação dos blocos residenciais e também posicionado em placas nas portarias de entrada. O Selo é uma marca desenvolvida e doada pelo arquiteto e urbanista Danilo Barbosa – coordenador da equipe que criou o projeto das placas de sinalização da cidade, em 1976.

Na solenidade de entrega do Selo, haverá também a outorga de certificados ao(s) autor(es) do projeto original (ou um representante); ao(s) autor(es) do projeto de reforma/restauro (se houver); ao responsável técnico pela execução da obra, e ao condomínio. Os demais edifícios indicados e não contemplados este ano pelo Selo CAU/DF – Arquitetura de Brasília receberão uma carta com observações realizadas pela Comissão Temporária de Patrimônio do CAU/DF e continuarão a ser observados nas próximas edições.

“Tivemos experimentos interessantes de pré-fabricação que foram contemplados nesta edição. Edificações que foram reformadas de maneira respeitosa ao projeto original, com fachadas limpas e, algumas, com a manutenção do concreto característico do movimento modernista e que optaram pelas melhores técnicas de conservação”, resumiu o coordenador da Comissão Temporária de Patrimônio do CAU/DF, arquiteto e urbanista Pedro de Almeida Grilo.

Vale lembrar que o Selo não é um tombamento, mas um certificado de reconhecimento da autarquia federal e de seus apoiadores pelo relevante trabalho de preservação da história e cultura da cidade. Este ano, a iniciativa contou com o apoio das entidades que compõem o CEAU-CAU/DF (IAB-DF, AEarq, Arquitetos-DF, ABAP, ABEA e Fenea – Centro); da Administração Regional do Plano Piloto; da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), e do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF). 

De maneira emergencial ou preventiva, o GDF Presente reforçou a sua atuação depois das fortes chuvas que atingiram diversas partes do Distrito Federal nos últimos dias. No Plano Piloto e em São Sebastião, as equipes do programa realizaram trabalhos como recolhimento de lixo verde e materiais orgânicos e recuperação de vias não pavimentadas.

No Plano Piloto, um trabalho preventivo de desobstrução de bocas de lobo recolheu aproximadamente 24 toneladas de folhas e material orgânico das ruas e calçadas próximas às quadras 700 do início da Asa Norte. O coordenador do Polo Central Adjacente III, Alexandre César, ressalta o motivo do serviço.

“Essa é uma estratégia preventiva para que as folhas não venham a obstruir as bocas de lobo, fazendo com que as águas das chuvas passem tranquilamente sem nenhum tipo de impedimento físico e, assim, não causem maiores danos nas quadras”, afirma. O trabalho, segundo ele, vai continuar ao longo de toda a semana.

Em São Sebastião, as equipes do GDF Presente realizaram um trabalho de manutenção de vias não pavimentadas no Morro da Cruz, que também sofreram com as consequências das últimas chuvas. “Fizemos esse esforço para garantir vias tranquilas e seguras para os ônibus escolares que trafegam pela região”, ressalta o coordenador do Polo Leste, Leandro Cardoso.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um comunicado alertando os moradores do DF para possíveis pancadas de chuva entre 30 a 60 mm/h, que causam risco de alagamentos, deslizamentos de encostas e transbordamento de rios. A Defesa Civil também solicitou à população para redobrar a atenção nos próximos dias.

Além disso, as comportas da Barragem do Lago Paranoá foram abertas em 20 centímetros na última segunda (29). Para se cadastrar e receber as mensagens da Defesa Civil, basta enviar uma mensagem de texto (SMS) do seu celular para o número 40199, com o CEP da sua região.

Fonte: Agência Brasília

Os 10 quilômetros de extensão da Avenida W3 Sul foram palco, nesse final de semana, da segunda etapa de intervenções de artistas do grafite contemplados no edital W3 Arte Urbana, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec). A intervenção urbana nas paradas de ônibus, com 27 selecionados (44% de mulheres), começou nos dias 27 e 28 de novembro. Cada participante recebeu cachê de R$ 3 mil e kit com 20 sprays e uma lata de tinta para a base.

“A Secec comprou meu trabalho. Isso é um motivo de orgulho para mim”, afirma Douglas Retok (Douglas da Silva Sousa), 27, grafiteiro desde os 14 anos, que ilustrou a parada de ônibus da Entrequadra 707/708 Sul. Pintor residencial e tatuador, ele entende o grafite como “arte que evoluiu da pichação” e se constitui num “resgate social” da prática.

Douglas define a W3 como “berço dessa arte” e narra que muitas vezes percorreu a avenida em busca de um muro que servisse de suporte para sua arte: “A gente chega e pergunta ao dono da loja, ‘tio, posso pintar seu muro?”, explica ele. Uma resposta positiva faz saltarem da surrada bolsa os tubos de spray e a fome de expressão. “Gosto desses trabalhos. Mantenho minha liberdade, meu estilo”, revela.

Na parada da 707/708, ele usa o tema “Viva a diferença!”, que serve de legenda para o desenho de uma fila de ônibus, na qual se observam idosos e jovens, homens e mulheres, brancos, pretos, pardos, numa alusão ao transporte público com sua diversidade em relação aos carros particulares.

Entusiasta do grafite, o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues, fez questão de acompanhar o começo dos trabalhos na W3 Sul. “Esse é um projeto que se estende de uma revitalização do GDF para a W3 Sul, que, após essa ação, nunca mais será vista da mesma forma”.

A fala de Douglas ecoa o Decreto Distrital 39.174, de 2018, que instituiu a valorização do grafite como política de estado no DF e reconheceu, na diversidade e no caráter popular de arte, dois princípios que regem a iniciativa oficial, entre outros como promoção de identidades, de diversidade cultural brasileira, de territorialidade e pluralismo cultural, geração de renda.

Douglas mora no Riacho Fundo e exemplifica o esforço de descentralização no fomento ao grafite, trazendo para a Avenida W3 os enlevos criativos das regiões administrativas para além do Plano Piloto. O edital, em linha com o decreto, contempla artistas do Recanto das Emas, Guará, Ceilândia, Núcleo Bandeirante, Luziânia, Sudoeste/Octogonal, Arniqueira, Águas Claras, Santa Maria, Vicente Pires, Planaltina, além de cidades da Região Integrada de Desenvolvimento (Ride), como Valparaíso de Goiás, Luziânia e Novo Gama.

Na parada de ônibus da 504/505 (em frente ao Sesc), Nati (Naiana Mendes da Silva Alves) usa um rolo para espalhar um tom de laranja sobre a base acinzentada do muro. “Muito feia essa cor. Quero reproduzir esse céu lindo de Brasília de fim de primavera”, revela ela, mostrando o esboço, em papel, do que pretende.

“Pintar para mim, aqui, é inédito”, conta Nati, que sempre apreciou “ler a rua” no trajeto de ônibus pela W3 de casa para o estágio, quando mais nova, fone nos ouvidos e pensamento nas imagens desorganizadas na paisagem urbana da avenida. “Minha cunhada não olha para o céu, acredita? Acha que é coisa de bicho grilo. Tem muita gente assim. Mas o grafite é autoritário. Te obriga a ver”. A pensar? Ela sorri, aprovando.

Do outro lado da avenida, em tons de azul, o companheiro de Nati, Soneka (Flávio Mendes Batista Alves), dá forma, no abrigo do ponto de ônibus (705/706), a um desenho mais intimista, enquanto toca no estéreo portátil o som metal do paulista Rodrigo Tomé Ozzi.

Tatuador, ilustrador, produtor de estampas para camisetas, Soneka compartilha o mesmo interesse de outros grafiteiros ouvidos por música, cinema, vídeo, fotografia. Ele acha que a população em Brasília já reconhece hoje o valor do grafite e reconhece o papel do poder público na mudança do cenário, que antes era o de reduzir tudo ao conceito de pichação e a reprimir.

História

Nzinga, 26, diz que usa a arte de raízes africanas “para fazer o resgate da ancestralidade”. Conta que seu nome artístico é inspirado na mítica rainha de Matamba (África, atualmente Angola). No século 17, essa mulher liderou matriarcado que combateu e venceu homens num contexto de guerras diante da crescente escravização de povos africanos pelos portugueses e outros brancos europeus.

Arte-educadora do coletivo Poesia nas Quebradas, de Planaltina, onde mora, ela enxerga na W3 uma enorme oportunidade de tornar mais conhecido seu trabalho. Deixa no painel seu Instagram para ser encontrada por quem se interessar, prática compartilhada por outros grafiteiros.

Luana acha tempo para fazer trabalho voluntário para a Gerência de Atendimento em Meio Aberto (ligada à Secretaria de Justiça e Cidadania/Sejus) de Planaltina, onde reside, e defende que o grafite pode possibilitar que adolescentes troquem armas por latas de spray e a morte violenta por uma chance de vida.

Em novembro, ela – que vive no corre para criar uma filha de dois anos – ministrou oficina de grafite para oito jovens entre 15 e 18 anos. “Eles dizem que faltam oportunidades culturais na vida deles. Vivem em vulnerabilidade e carecem de oportunidades. Acredito que o grafite pode mudar isso.”

Fonte: Agência Brasília

“É um presente para o Plano Piloto”. Assim, a administradora regional Ilka Teodoro definiu a chegada do RENOVADF às asas Sul e Norte. O programa de inclusão social e qualificação profissional do Governo do Distrito Federal (GDF) vai começar no Plano Piloto no próximo dia 15 e ficar até março. Os aprendizes do programa farão a recuperação dos equipamentos públicos da localidade.

Ao todo, serão recuperados 408 equipamentos de 144 quadras. Para Ilka, “o grande mérito do RENOVADF é um olhar de cuidado com a cidade e respeito com a comunidade”.

A decisão de levar o programa ao Plano Piloto foi tomada em reunião no Palácio do Buriti com a presença da administradora e dos prefeitos comunitários da região. O encontro foi coordenado pelo secretário de Governo, José Humberto Pires, que informou que as obras da W3 Sul ficarão prontas ainda neste ano. Pires também anunciou para os próximos meses a recuperação de todas as praças da Asa Sul.

O RENOVADF estabeleceu como prioridade no Plano Piloto, inicialmente os equipamentos passíveis de manutenção, conservação e pequenos reparos, assim como os que atendem a um número maior de pessoas. Mas o governador do DF, Ibaneis Rocha, garantiu a recuperação de tudo o que precisar de manutenção. Passarão por reparos quadras de esporte, parquinhos – alguns com mais de 20 anos sem manutenção –, pontos de encontro comunitários, e calçadas em torno dos equipamentos.

Em um segundo momento, o RENOVADF seguirá para as vilas Telebrasília e Planalto e para o Noroeste. O secretário de Trabalho, Thales Ferreira, responsável pela mão de obra que realiza os serviços do programa, disse: “o RENOVADF é um sucesso. Neste momento estamos com 500 aprendizes em Arniqueira e mais 500 no Riacho Fundo I. No Plano Piloto esperamos trabalhar com 1.500 alunos”, estimou o secretário.

As representantes do Conselho de Moradores da 313 Sul, Flávia Mayrink e Adriana Jobim, disseram que o programa vem contemplar uma antiga demanda. “O Plano Piloto ficou abandonado por 60 anos, enquanto o governo cuidava de áreas mais carentes, e agora o RENOVADF chega aqui. Na verdade, tudo precisa de reformas, como calçadas e quadras poliesportivas”, disse Flávia Mayrink. Segundo ela, as calçadas serão reformadas com recursos de emendas parlamentares.

Fonte: Agência Brasília

Em razão da reunião de balanço e planejamento da RA-PP que ocorrerá nas dependências da Escola de Governo, não haverá atendimento ao público no dia 9/12.

A partir de 06 de outubro, a entrega da documentação completa para a Licença Eventual será presencialmente com até 30 dias de antecedência, incluindo o cadastro da Secretaria de Segurança Pública, pelo agendamento via Whatsapp 61 98199-2134 e dúvidas pelo telefone fixo 3329-0400 (Ramal 4238) de Segunda a Quinta-feira de 09h às 16h.

Não serão autorizados eventos fora do prazo legal!

Mais informações estão disponíveis na Carta de Serviços no site planopiloto.df.gov.br.

Fonte: GELEV/RA-PP

Com o objetivo de aproximar a vacina contra covid-19 ainda mais da população do Distrito Federal, a Secretaria de Saúde, em parceria com o Sesc, vai construir um ponto fixo de vacinação na Rodoviária do Plano Piloto, tendo em vista que o local, além de ser centralizado, tem grande fluxo de pessoas diariamente. O ponto fixo deve ser inaugurado até o dia 10 de dezembro.

“Notamos que, das últimas vezes que estivemos aqui na rodoviária, o sucesso foi total, houve muita procura. Então, decidimos montar um ponto fixo de vacinação aqui, o que demonstra o esforço da Secretaria de Saúde em aproximar a vacinação de todo mundo”, explica o secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache.

O posto de vacinação fixo será construído na plataforma inferior da Rodoviária, ao lado das escadas, no sentido Esplanada dos Ministérios. A princípio, serão disponibilizados imunizantes contra a covid-19 de todas as marcas e testes para detecção do coronavírus.

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, a medida que a vacinação contra a covid-19 avançar e reduzir o número de não vacinados no DF, a ideia é disponibilizar no posto de vacinação da Rodoviária vacinas contra outras doenças, como por exemplo o imunizante contra a influenza.

“A população tem que desmistificar essa coisa que a vacina é algo complexo, que ocorre somente em ambiente hospitalar. A vacina é uma coisa comum, popular e de acesso para todos”, defende.

Hoje, cerca de 800 mil pessoas passam, diariamente, pela Rodoviária do Plano Piloto. Além da facilidade para chegar até o local, há grande fluxo de pessoas do Entorno do Distrito Federal, principalmente aquelas que trabalham no DF.

Após a inauguração, deverá funcionar todos os dias e disponibilizar vacinas para todos os públicos. “Será um ponto de vacinação muito importante para a aproximar a saúde da população”, conclui Pafiadache.

Fonte: Agência Brasília

Com o propósito de manter a sinalização das cidades visível e conservada, o Governo do Distrito Federal (GDF), por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), mantém a renovação das placas de endereçamento nas ruas de Brasília. De agosto a setembro de 2021, foram substituídas pelo menos 266 delas, entre 147 bandeirolas, 49 do tipo S, 26 totens e 44 prismas.

As bandeirolas são aquelas dispostas nas esquinas que indicam o nome da quadra ou mesmo do conjunto, muito comuns no Guará. Já as placas tipo S são as sinalizações verdes, marrons e azuis espalhadas, principalmente, pelo Plano Piloto e nos Lagos Sul e Norte, onde também estão os totens e os prismas – estes em formato triangular, com a indicação da letra de um bloco.

Nesse período de renovação das sinalizações, foram atendidas cerca de 15 regiões administrativas. Superintendente de Operações do DER, Murilo Melo Santos diz que a substituição das placas de endereçamento é um trabalho rotineiro, inclusive com manutenção e limpeza.

Fauzi Nacfur é diretor-geral do DER e ressalta que a atenção do governo na conservação das placas de endereçamento garante ao cidadão o direito de se localizar. “Além de ser um instrumento importante de mobilidade, ajudando as pessoas a se locomoverem e a se situarem pelas cidades”, afirma.

Investimentos

O GDF investe por mês cerca de R$ 52 mil para sinalizar a cidade com novas placas. Anualmente, 4,6 mil novas placas são fabricadas pelo DER, outras 200 restauradas por terem sido acidentadas ou avariadas, 320 reformadas após atos de vandalismo – pichações ou amasso – e 80 revitalizadas por idade avançada.

Mensalmente, pelo menos R$ 20 mil são gastos com a manutenção das placas (investimento com placas recuperadas). As depredações e o vandalismo são alguns dos casos que levam às trocas, demandadas por meio das ouvidorias do órgão, do DER e das administrações regionais.

“Placas caídas ou comprometidas por colisões de veículos têm prioridade na substituição. Tudo para não deixar os cidadãos desinformados na localização dos endereços”, explica Murilo.

Fonte: Agência Brasília

Nós da Administração do Plano Piloto estivemos na abertura da primeira edição da Feira de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Feicultura) que começou nesta quinta-feira (25) e segue até domingo (28). A entrada é gratuita. O evento gera 100 empregos diretos e 200 indiretos.

Foto por: Xocolate Magalhães (ASCOM RA-PP)

“É simbólica a volta do público aos espaços públicos ocupados pela arte e cultura. Vale destacar que nós vamos seguir todos os protocolos de segurança contra a covid-19”, explica o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

O ambiente será preparado para garantir acessibilidade a todo público, incluindo adaptações e áreas reservadas para pessoas com deficiência e idosos. Valores sustentáveis como redução do impacto ambiental e empreendedorismo local também compõem a proposta do evento.

“É um evento que traz em si muita esperança. Estamos trazendo de volta agentes culturais que estavam sem apresentar a sua obra há dois anos. Hoje é um dia simbólico para o setor de entretenimento, porque o governador Ibaneis Rocha editou o decreto de retorno e liberação dos eventos. Nesse sentido, a Feicultura nasce como um marco ao estimular a cadeia de economia criativa”, destaca o coordenador-geral, Acir Carvalho.

A programação será repleta de manifestações artísticas como teatro infantil, dança, artesanato, gastronomia, moda, cultura afro, contação de histórias, literatura, exposições, oficinas de empreendedorismo cultural, DJ e fotografia, além de shows. As inscrições das oficinas serão feitas pelo site (ou app) O Que Vem Por Aí.

A Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS) fecha a programação de abertura, às 19h.

Estão confirmados o grupo Samba Urgente, Digão (Raimundos), Philippe Seabra (Plebe Rude), GOG, Bboy Samuka (breakdancer), Turko (grafiteiro), Realleza (rapper e cantora), Tio André (mágico) e o Coletivo Cultural Favela Mob, entre outros. As apresentações musicais serão transmitidas ao vivo no canal da Secec YouTube.

Confira a programação completa das intervenções artísticas nos próximos dias:

Sexta-feira (26)
15h – DJ Ocimar
18h – Grafite ao vivo com Turko
18h – Roda de capoeira
19h – Apresentação de dança com Bboy Samuka
20h – Duelo de rima
21h – GOG e Realleza

Sábado (27)
14h – Contação de histórias
15h – DJ Bola
16h – Mágico Tio André
19h – Apresentação de dança de gafieira
20h – Valerinho Xavier e grupo Chorando à Beça
21h – Samba Urgente

Domingo (28)
14h – Contação de histórias
15h – DJ Bola
16h – Mágico Tio André
18h – Apresentação de dança contemporânea
19h – Digão (Raimundos) e Philippe Seabra (Plebe Rude)

Confira a programação das oficinas

Inscrições:

Fotografia – Clique aqui
DJ – Clique aqui
Empreendedorismo – Clique aqui

Quinta-feira (25)
8h – Oficina de fotografia
10h – Oficina de DJ
10h – Oficina de empreendedorismo cultural

Sexta-feira (26)
8h – Oficina de fotografia
10h – Oficina de DJ
10h – Oficina de empreendedorismo cultural

Sábado (27)
8h – Oficina de fotografia
10h – Oficina de DJ
10h – Oficina de empreendedorismo cultural

Domingo (28)
8h – Oficina de fotografia
10h – Oficina de DJ
10h – Oficina de empreendedorismo cultural

Com informações da Agência Brasília.

A celebração pelo Dia da Consciência Negra no Distrito Federal em 2021 vai entrar para história da cidade com a primeira exposição com temática racial do Museu de Arte de Brasília (MAB). O equipamento cultural ficou fechado por 14 anos para reformas e foi
reinaugurado em abril. Agora, está de portas abertas para enaltecer a produção de artistas visuais negros da capital do país.

A exposição “Existindo e Resistindo – uma celebração às vidas negras” conta com 13 obras, entre elas uma produção exclusiva e inédita do renomado artista Antonio Obá. Celebrada internacionalmente, a arte de Obá estampa a capa do best seller “O avesso da pele”, do escritor Jeferson Tenório. Ao lado dele, quatro nomes da nova geração de Brasília: as fotógrafas Ester Cruz e Beatriz Andrade, e os artistas plásticos Ricardo Caldeira e Victor Hugo Soulivier.

A cerimônia de abertura será realizada neste sábado (27) com a presença dos artistas e de autoridades que apoiam o festival, como a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro. Ela lembra que fomentar eventos como o Festival Afro Urbano reforça metas da Organização das Nações Unidas: “Uma das intenções da Década Internacional de Afrodescendentes, proclamada pela ONU, é também incentivar essa cooperação regional, no âmbito da cultura, garantindo a participação plena e igualitária das pessoas negras em todos os aspectos da sociedade.”

A exposição fica disponível até domingo (28), com entrada gratuita. Ao longo de todo o fim de semana, músicos da cena independente da cidade vão se revezar no palco com o melhor na nova MPB, R&B, pop e muito samba. Há ainda uma atração internacional: o percussionista senegalês Moustapha Diene, indicado ao Grammy Latino de 2021 como integrante do álbum “Bom mesmo é estar debaixo d’água”, da cantora Luedji Luna.

A live para divulgar a programação do festival contou com a presença de um dos artistas expositores Ricardo Caldeira. Foto: Emanuelle Sena (ASCOM-RA-PP).

Programação infantil
O Festival Afro Urbano também pensou no público infantil. No sábado e no domingo, a Cia Cafundó garante a contação de histórias com protagonismo negro para crianças. No repertório, “Amoras”, do rapper Emicida, e “Tâmara e Tamarindo”, livro recém-lançado pelo
escritor e especialista em cultura africana, André Lúcio Bento. O professor estará presente no festival autografando os livros.

Todos os eventos são gratuitos, de classificação livre e será feita arrecadação de 1 kg de alimento não perecível para doação de cestas básicas a famílias em situação d vulnerabilidade social do DF.

O Festival Afro Urbano tem produção e curadoria da Cassangue Produções e é realizado com apoio da Administração Regional do Plano Piloto. A programação completa está disponível nas redes sociais da produtora, onde também é possível encontrar o link da vaquinha virtual que está arrecadando recursos para remunerar os artistas e arcar com os custos de montagem da exposição.

Programação

SÁB (27)
Local: Museu de Arte de Brasília (orla do Lago)
– 10h: atração infantil – contação de história com Cia Cafundó
– 11h: cerimônia de abertura da exposição “Existindo e Resistindo – uma celebração às
vidas negras”
– a partir das 15h: apresentações musicais com B-boy Kastelar, Úrsula Zion, Bárbara Silva,
Marcelo Café

DOM (28)
Local: Museu de Arte de Brasília (orla do Lago)
– a partir das 9h: exposição “Existindo e Resistindo – uma celebração às vidas negras”
– 10h: atração infantil – contação de história com Cia Cafundó
– a partir das 15h: apresentações musicais com Moustapha Diene (Senegal), Thiago Ruby,
Anna Moura, Partido em Alta

Contatos para imprensa
Carolina Martins: 61 9.8108-3235
Instagram: @cassangueproducoes

Com o objetivo de agradecer aos doadores e estimular a doação de sangue no Distrito Federal, a Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) realiza, entre 22 e 26 de novembro, a Semana Nacional do Doador de Sangue. Neste ano, a data contará com uma homenagem aos doadores de sangue e diversas apresentações culturais.

Quem vier ao Hemocentro durante a semana pode conferir a programação musical preparada especialmente para a data. Nesta segunda (22), a artista Nambir Kaur fará uma apresentação de harpa às 14h. Na terça (23), às 9h, os músicos Will Mourão e Sebastian Nadales encantarão os doadores com músicas no baixo acústico e bandolim. Na quinta (25), será a vez do chorinho com Paulo Córdova, Leo Araujo, Lucas Ramalho, Pati Barcellos e Nicolas Madalena. A semana termina na sexta (26) com o violão do músico Dygo Moreno.

Além disso, no prédio do Hemocentro, um mural desenvolvido em parceria com o Boulevard Shopping formará um “hall da fama” com o nome dos 27 doadores e multiplicadores que foram destaque no ano de 2021. Entre eles, doadores jovens, idosos, fenotipados e organizadores de grupos de doação. Além de ser instalado, ao lado da sala de coleta do Hemocentro, o painel será exposto no shopping.

“O momento é importante para agradecer a todos que doam um pouco de si para salvar vidas e lembrar que as doações de sangue devem ser regulares”, explica o presidente do Hemocentro, Osnei Okumoto.

A Fundação Hemocentro de Brasília é responsável por abastecer toda a rede de saúde pública do DF, além de hospitais conveniados, como o Hospital das Forças Armadas, o Instituto de Cardiologia do Distrito Federal e o Hospital da Criança.

Doação mais acessível

Também como parte das celebrações da Semana Nacional do Doador de Sangue, a carreta Hemocentro Itinerante fica até sexta-feira no estacionamento do JK Shopping, em Taguatinga. O projeto do veículo foi desenvolvido pelo grupo DPSP (união das marcas Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo) com a startup social SAS Brasil.

“A população do Distrito Federal abraça a doação de sangue, por isso o Hemocentro Itinerante vai ficar em um local estratégico que atende três regiões administrativas muito importantes para o Hemocentro de Brasília”, reforça Okumoto.

Em 2020, mais de 8 mil moradores de Ceilândia, Taguatinga e Samambaia doaram sangue. As três cidades, respectivamente, são as maiores em números de doadores depois do Plano Piloto. A carreta Hemocentro Itinerante atenderá no estacionamento do JK Shopping até sexta-feira (26), somente com agendamento prévio por meio do site da SAS Brasil.

Para quem prefere doar sangue na sede do Hemocentro, na Asa Norte, o agendamento deve ser feito por meio do site agenda.df.gov.br. O atendimento é de segunda a sábado, das 7h15 às 18h.

Como doar sangue

Entre os requisitos básicos para doar, é necessário estar em boas condições de saúde, ter 16 a 69 anos, mais de 51kg, estar descansado e alimentado no momento da doação e apresentar documento original e oficial com foto.

Quem teve covid-19 deve aguardar 30 dias após completa recuperação dos sintomas para se candidatar à doação de sangue. Já quem teve contato com pessoas com suspeita ou diagnóstico de covid-19 precisa esperar 14 dias após o último contato com essas pessoas.

Pessoas que se vacinaram também ficam temporariamente impedidas de doar sangue. Quem foi imunizado com a CoronaVac deve aguardar dois dias para se candidatar à doação de sangue. Já quem recebeu AstraZeneca, Pfizer ou Janssen precisa aguardar sete dias para doar.

Fonte: Agência Brasília

Na tarde desta quinta-feira (25), a Administração Regional do Plano Piloto recebeu um profissional da Casa Civil que fez uma breve apresentação sobre a Lei Geral de Proteção de Dados para servidores da unidade. Na oportunidade, ajudou a tirar dúvidas e dar orientações que vão auxiliar a RA na adoção de boas práticas em compliance com a proteção dos dados pessoais e sensíveis dos cidadãos.

O Encarregado Governamental iniciou aqui na Administração as palestras em visitações às unidades do GDF para ajudar a esclarecer a LGPD, o Decreto nº 42.036 e auxiliar na implementação da lei e as adequações necessárias ao seu cumprimento.

Quer saber mais sobre a Lei Geral de Proteção de Dados?

Consulte o site: http://www.lgpd.df.gov.br/

*Com informações da Casa Civil

A Administradora Ilka Teodoro esteve, na quarta-feira (24/11), no Cine Brasília, para a cerimônia do Prêmio Mulher Negra 2021, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec).

Gestado pela Subsecretaria de Difusão e Diversidade Cultural (SDDC), o Prêmio aportou R$ 150 mil, com cachê individual de R$ 5 mil. “O resultado contemplou mulheres de diversas linguagens vindas, em sua maioria, de regiões administrativas fora do Plano Piloto. Muitas delas nunca receberam uma premiação das políticas públicas da Secec. Essa inclusão é emocionante”, aponta a subsecretária, Sol Montes.

Ilka Teodoro parabenizou as agraciadas e lembrou um trecho da fala de Anielle Franco, irmã de Marielle Franco vereadora assassinada a quase cinco anos no Rio de Janeiro, em defesa das mulheres, da população negra, e pelo fim de todas as formas de descriminação, que foi entrevistada do programa Roda Viva na mesma semana.

 VENCEDORAS DO PRÊMIO MULHER NEGRA 2021

Conheça mais sobre as histórias das 30 vencedoras do Prêmio Mulher Negra 2021.

Adriana Barros

Ana Luiza Bellacosta

Anna Cristo

Bete Virgens

Bety Morais

Cida Assunção

Cris de Souza

Dandara Bárbara

Daniele Neumany

Edineide Barros Freitas

Elvira de Oxum

Francys de Oyá

Ialê Garcia

Jusianne Castilho

Kalibre

Key Amorim

Larissa Umaytá

Lídia Dallet

Lis Martins

Lua Nzinga

Mãe Beth

Marlene Souza Lima

Martinha do Coco

Maria Joana

Marisol Kadiegi

Onildes Conrado Santos

Ray Psiu

Suene Karim

Tássia Aguiar

Thamiris Flora

Veja as fotos da premiação aqui.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

A pandemia de covid-19 chamou a atenção para os transtornos mentais. O isolamento social, o medo em torno da doença e o luto foram fatores complicadores para a saúde mental da população, resultando em novos casos de depressão, ansiedade e outros distúrbios psicológicos, além do agravamento de pacientes já diagnosticados.

“Do começo de agosto do ano passado para cá, vimos um aumento muito grande nos casos, que estão chegando de uma maneira agravada”, afirma a diretora de Serviços de Saúde Mental da Secretaria de Saúde (SES), Vanessa Soublin. “Também temos uma mudança no perfil do paciente”. Ela explica que houve maior incidência de casos de depressão grave, ansiedade e de tentativa de suicídio nos atendimentos públicos.

A rede pública de saúde do Distrito Federal conta com serviços especializados e multifatoriais para o tratamento psicossocial que se diferenciam de acordo com a gravidade do transtorno.

Pacientes com demandas gerais e iniciais de saúde mental são orientados a procurar uma unidade básica de saúde para avaliação e classificação do risco psicológico. “A UBS ordena o cuidado; se a pessoa precisar de um acesso mais diferenciado ou de um atendimento especializado, a própria unidade básica de saúde fará esse encaminhamento”, explica Vanessa.

As ações são abarcadas nos diversos níveis de atenção à saúde, desde atividades de prevenção até o tratamento terapêutico, com apoio de equipes multidisciplinares. Quando necessário, o paciente é encaminhado para acompanhamento psicológico ambulatorial ou de outros serviços de saúde mental.

Atendimento especializado

Os tratamentos especializados ocorrem em ambulatórios como o Centro de Orientação Médico-Psicopedagógica (Compp) e o Adolescentro, voltados para crianças e adolescentes, e nas unidades do Centro de Atenção Psicossocial (Caps), que atendem pessoas em intenso sofrimento psíquico causado por transtornos mentais graves e persistentes, inclusive uso abusivo de álcool e drogas.

Em situações de crise aguda relacionada a sofrimento psíquico, decorrente de transtornos mentais ou abuso de drogas, os usuários são assistidos nos hospitais gerais ou em unidades de pronto atendimento (UPAs).

O DF ainda possui mais um serviço especializado. O Núcleo de Saúde Mental do Samu (Nusam) tem atendimento 24 horas com assistência presencial e telefônica pelo 192. São atendidas pessoas com sofrimento e transtornos mentais agudos, graves e persistentes, com agitação psicomotora, autoagressividade ou agressividade a outros, comportamento violento com riscos para si, outras pessoas ou ao patrimônio e em crise psicótica.

Funcionamento do Caps

O DF conta com 18 centros de atenção psicossocial divididos em seis tipos de atendimento para pessoas com problemas mentais graves e abuso de álcool e drogas. O serviço público está inserido nas comunidades e funciona de porta aberta, sem a necessidade de encaminhamento para acolhimento.

“Os atendimentos são realizados por equipes multiprofissionais”, explica Vanessa Soublin. “Temos consultas, atendimentos individuais e em grupo, interconsulta, visita domiciliar e articulação de rede.”

No ano passado, as unidades do Caps tiveram 156.295 atendimentos. Em 2021, só entre janeiro e julho, foram registrados 118.138 atendimentos. “No início da pandemia, vimos uma diminuição [dos atendimentos] pelas regras de distanciamento social e pelo receio das pessoas de saírem de casa”, analisa Vanessa. “De agosto do ano passado para cá, vemos uma manutenção do aumento da demanda. [As unidades do] Caps têm acolhido muito mais pessoas diariamente”.

Conheça, abaixo, os  diferentes tipos de Caps.

  • Capsi (Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil)
    Atendimento de crianças e adolescentes até 17 anos, para casos de transtornos mentais graves, e até os 15 anos, para pacientes que fazem uso de substâncias psicoativas. Unidades no Plano Piloto (SMHN, Quadra 3, Ed. Compp), Taguatinga (QNF, AE 24), Recanto das Emas (Quadra 307, A/E 1, no Centro de Saúde 1) e Sobradinho (Quadra 4, AE, lote 6). Funciona de segunda a sexta, em horário comercial.

 

  • Caps I
    Atendimento a pessoas de todas as idades com sofrimento psíquico intenso e uso de álcool e outras drogas. Unidade em Brazlândia (Quadra 1, AE 2). Funciona de segunda a sexta, em horário comercial.

 

  • Caps II
    Atende pessoas a partir de 18 anos com intenso sofrimento psíquico. Unidades no Paranoá (Quadra 2, Conjunto K, AE 1, no Setor Hospitalar do Paranoá), Planaltina (Via W/L 4, Setor Hospitalar Oeste), Brasília (SCRLN 905, SAP 1), Taguatinga (QNA 39, AE 19, Taguatinga Norte) e Riacho Fundo (EPNB, Km 2, Granja do Riacho Fundo). Funciona de segunda a sexta, em horário comercial.

 

  • Caps III
     Atendimento de pessoas a partir de 18 anos com sofrimento psíquico decorrente de transtornos mentais graves e persistentes. Unidade em Samambaia (Quadra 302, Conjunto 5). Funciona 24 horas, incluindo fins de semana e feriados.

 

  • Caps AD II (Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas 2). Atende pessoas a partir de 16 anos com sofrimento psíquico decorrente do uso de álcool e outras drogas. Unidades no Guará (QE 23, AE), Santa Maria (Quadra 312, Conjunto H), Sobradinho (AR 17, Chácara 14) e Itapoã (Anexo II, Complexo Administrativo do Itapoã). Funciona de segunda a sexta, em horário comercial.

 

  • Caps AD III
    Atende pessoas a partir de 16 anos com sofrimento psíquico decorrente do uso de álcool e outras drogas. Unidades em Ceilândia (QNN 01, Conjunto A), Samambaia (QS 107, Conjunto. 8) e Brasília (SCS, Quadra 5, Bloco C). Funciona 24 horas, incluindo fins de semana e feriados.

Brasília ocupa o oitavo lugar de cidade mais popular do mundo no Instagram. O anúncio foi feito nesta terça-feira pelo Ministério do Turismo, dentro da celebração do Dia Internacional do Patrimônio Mundial. O estudo foi realizado pela empresa britânica Design Bundles e coloca as cidades do Rio de Janeiro e Brasília em 2º e em 8º lugar, respectivamente, na lista dos bens tombados pela Unesco mais marcados pelos internautas na rede social. As duas cidades brasileiras desbancaram destinos como Barcelona, na Espanha; em Paris, na França; e Bali, na Indonésia.

“Somos o maior museu a céu aberto do mundo com obras de Oscar Niemeyer. Temos o maior lago urbano artificial do mundo, somos o centro urbano mais arborizado e com a maior metragem quadrada de área verde do planeta, Brasília é única, diferente de tudo o que se imagina”, disse a Secretária de Turismo do DF ao conhecer o resultado de um levantamento feito pela empresa britânica.

Segundo o levantamento, a Cidade Maravilhosa perdeu apenas para o centro histórico da capital italiana, Roma, e recebeu mais de 45 milhões de posts no Instagram. Já a capital federal foi citada em 13,27 milhões de publicações.

“Atualmente, o Brasil possui 16 bens registrados como Patrimônio Cultural Mundial pela Unesco e dois deles estão entre os mais populares do mundo na internet. Além disso, ainda temos oito Patrimônios Naturais Mundiais, sendo um deles misto. Isso mostra como o Brasil é bem-quisto pelos estrangeiros e pelos brasileiros e o tamanho do potencial que o nosso país possui para atrair cada vez mais turistas nacionais e internacionais”, ressaltou o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

As indicações dos patrimônios brasileiros surgem na esteira das comemorações do Dia Internacional do Patrimônio Mundial, celebrado nesta terça-feira (16), pela Unesco. A data marca os esforços em garantir a identificação, proteção, conservação, valorização e a transmissão às gerações futuras do Patrimônio Mundial Cultural e Natural.

A Unesco classifica os bens reconhecidos como Patrimônio Mundial entre Cultural, Natural ou Misto, quando um atrativo atende aos critérios das duas categorias, com o objetivo de incentivar a preservação de atrativos considerados significativos para a humanidade.

Brasília

A capital do Brasil foi o primeiro bem contemporâneo reconhecido como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), em 1987. Para se ter ideia da grandiosidade do marco, naquele mesmo ano, a Muralha da China também obteve o mesmo título. Desde então, Brasília detém a maior área tombada do mundo (112,5 km²).

O conjunto urbanístico-arquitetônico de Brasília, construído a partir do Plano Piloto, um projeto de Lucio Costa, também foi inscrito no Livro de Tombo Histórico pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 1990. Sua principal característica é a monumentalidade, determinada por suas quatro escalas: monumental, residencial, bucólica e gregária e por sua arquitetura inovadora.

Confira os 30 Patrimônios Mundiais da Unesco mais populares do mundo, segundo os usuários do Instagram:

 1. Centro histórico de Roma, na Itália – 61.244.436 postagens
2. Rio de Janeiro, no Brasil – 45.039.569 postagens
3. Veneza e sua lagoa, na Itália – 25.755.922 postagens
4. Kiev, na Ucrânia – 21.914.502 postagens
5. Centro histórico de Florença, na Itália – 21.516.815 postagens
6. Centro histórico de Praga, na República Tcheca – 17.731.077 postagens
7. Budapeste, na Hungria – 14.665.910 postagens
8. Brasília, no Brasil – 13.277.931 postagens
9. Centro de São Petersburgo, na Rússia – 11.987.336 postagens
10. Quito, Equador – 9.854.551 postagens

Fonte: Agência Brasília 

Como seria a capital federal se não fosse desenhada por Lucio Costa (1902-1998) no formato do famoso avião? A exposição Outra Brasília Nunca Mais – Uma Exposição em Realidade Aumentada traz até 16 de dezembro, no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, no Centro Cultural Três Poderes (CC3P), os sete projetos finalistas que disputaram, entre setembro de 1956 e março do ano seguinte, o Concurso Nacional da Novacap para escolher as linhas da cidade que JK construiria nos anos seguintes.

Equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), o Panteão – que forma o CC3P juntamente com o Museu Histórico de Brasília e o Espaço Lúcio Costa – abriga a exposição montada com recursos do edital FAC Ocupação 2019, no valor de R$ 85 mil e geração de 70 empregos. No local, o visitante vai encontrar réplicas do projeto e poderá utilizar o QR Code para ter acesso, em 3D, ao que seriam as outras Brasílias.

Na exposição, há áudios explicativos em português e inglês, textos e desenhos em Braille e recursos de audiodescrição. Duas estudantes de arquitetura da Universidade de Brasília (UnB) dão apoio aos visitantes. O Salão Negro do Panteão dispõe de elevador e serão, também, agendadas visitas semanais orientadas, em parceria com a Secretaria Extraordinária da Pessoa com Deficiência, que organizará os grupos, disponibilizar o transporte e um intérprete de Libras.

Sonhos de cinema

A inspiração para o trabalho veio quando o cineasta André Macedo que visitou uma livraria, onde, por acaso, ficou diante da publicação de Aline Moraes Costa Braga, (Im)possíveis Brasílias: Os Projetos Apresentados no Concurso do Plano Piloto da Nova Capital Federal (2011, Alameda), fruto de tese defendida na Universidade de Campinas (Unicamp), reunindo as ideias de renomados arquitetos.

“Comprei o livro e fiz um projeto a partir dele. No Brasil, a gente acaba perdendo ideias brilhantes só porque não são as vencedoras. Mas são projetos que significam muito para a história”, conta o idealizador da mostra, que planeja também uma série para TV com os 26 projetos inscritos no certame.

“Temos sinopses prontas, uma ‘bíblia’ [texto descrevendo as etapas da série], um ‘teaser’ [VT motivador] e diversos profissionais envolvidos. Tentamos o FAC algumas vezes (na área de audiovisual) e batemos na trave. Agora, vamos apresentar também para emissoras de TV para ver se conseguimos emplacar”, aponta o cineasta.

Entre os projetos não contemplados, Macedo gosta de muitos, mas afirma que o que mais o impressionou foi o de Rino Levi, das superquadras verticais, que dividiu a terceira colocação. Esses prédios, com 300 metros de altura, teriam tudo dentro, destaca ele. “Ficava imaginando a vista de lá de cima para o Lago Paranoá e o cerrado”, explica.

O edital da Novacap, diz o texto da exposição, foi pouco exigente quanto à justificativa técnica das propostas, solicitando apenas um traçado básico da cidade com a localização das principais instalações e um memorial descritivo. Todos os 26 projetos apresentaram, em algum ponto, o pensamento do arquiteto franco-suíço Le Corbusier (pseudônimo de Charles-Edouard Jeanneret-Gris, 1887-1965), que defendia a prioridade das questões socioeconômicas no projeto de uma cidade.

Sete concorrentes

A comissão julgadora optou por classificar sete concorrentes, organizando-os pelas virtudes comuns: Lúcio Costa foi o vencedor, um foi vice (Boruch Milman), dois ficaram em terceiro lugar (Levi e o escritório MMM Roberto), cabendo a outros três a divisão da quinta colocação.

Acesse os 7 projetos

Projetos | OutraBrasilia (wixsite.com)

A curadoria de Outra Brasília Nunca Mais é do arquiteto e urbanista Pedro Daldegan, que também atua como diretor, roteirista e cenógrafo. Ele considera feliz a decisão do júri do concurso em dividir as cinco premiações com os sete planos finalistas. “Foi uma forma de contemplar os grandes nomes da arquitetura moderna brasileira”, acredita.

Daldegan lembra, contudo, que a proposta de Lucio Costa “foi quase unanimidade entre o júri nacional e internacional, e a história prova que os jurados estavam certos”. Ele cita o fato de, em 1987, todo o conjunto arquitetônico ter sido reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade, “pelas relações entre as quatro escalas urbanas: a monumental, a residencial, a bucólica e a gregária, além de sua arquitetura inovadora”.

Outra Brasília Nunca Mais – Uma Exposição em Realidade Aumentada

Panteão da Pátria (Praça dos Três Poderes) – Brasília (DF)
De 16 de novembro a 16 de dezembro de 2021 – entrada gratuita
Horário: Terça a sexta, das 9h às 18h; sábados e domingos, das 9h às 17h

Acesse o projeto:
Site | OutraBrasilia (wixsite.com

Instagram

Facebook

Fonte: Agência Brasília

Investir na mobilidade urbana do Distrito Federal para que as pessoas gastem menos tempo no trânsito e tenham mais qualidade de vida é um dos objetivos da atual gestão do governo. A redução de engarrafamentos em pontos estratégicos e a melhoria do trânsito têm ocorrido por meio da construção de viadutos em vários pontos da cidade. No momento, existem 15 elevados em construção ou em fase de licitação, com investimentos na ordem de R$ 320,5 milhões e capacidade para beneficiar mais de 222 mil pessoas.

A lista de viadutos inclui nove elevados na reformulação da Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig). Desses, já estão em construção um na altura do Sudoeste, dois na Estrada Setor Policial Militar (ESPM), um no Recanto das Emas, um em Sobradinho, um no Jardim Botânico e um entre o Itapoã e o Paranoá.

Os viadutos da reformulação da Epig estão em um pacote de R$ 160 milhões, recursos que preveem, além dessas estruturas, a implantação de faixa exclusiva para ônibus no sistema BRT, estações BRT, passagens para pedestres e ciclovias. Embora esteja localizado na Epig, o viaduto do Sudoeste está fora desse pacote.

“A via Epig será totalmente remodelada”, afirma o secretário de Obras, Luciano Carvalho. “Com isso, esperamos reduzir em pelo menos 25 minutos o tempo de deslocamento do Sol Nascente ao Eixo Monumental.”

Acompanhe, abaixo o histórico dessas obras.

Viaduto da ESPM

Com entrega prevista para o primeiro semestre de 2022, os viadutos da Estrada Setor Policial Militar (ESPM) começam a ganhar forma com o avanço da fundação e da escavação. Já são mais de 35% dos serviços concluídos. O investimento será de R$ 8 milhões.

Atualmente, as obras concentram-se na montagem das fôrmas das vigas baldrames de um dos viadutos. Paralelamente, operários da empresa contratada trabalham na impermeabilização das vigas baldrames do outro viaduto. A obra gera 122 empregos diretos e 400 indiretos.

A ESPM será reformada para compor o chamado Corredor Eixo Oeste. A obra, dividida em duas partes por questões de logística e segurança, teve início pelo trecho localizado entre o Quartel do Comando Geral da Polícia Militar e o Terminal da Asa Sul (TAS), onde estão sendo construídos dois viadutos.

Um dos viadutos será erguido na alça de acesso da ESPM ao Eixo W, conhecido como “eixinho de cima”. Terá 8 m de altura, 33 m de comprimento e 19 m de largura. O outro, situado na alça de acesso ao ERL, sentido L4, terá 29 m de comprimento, 15 m de largura e altura aproximada de 8 m. Juntos, esses viadutos vão beneficiar mais de 20 mil motoristas que trafegam no local diariamente.

“Os novos viadutos vão desafogar o trânsito na região, minimizando os engarrafamentos e os transtornos enfrentados diariamente pelos motoristas que trafegam por ali, especialmente nos horários de pico”, explica o subsecretário de Acompanhamento e Fiscalização de Obras da Secretaria de Obras, Ricardo Terenzi. “A novidade é que o pavimento para a circulação dos ônibus será todo em material rígido [concreto], com maior durabilidade.”

Viaduto do Sudoeste

Outra obra está em fase inicial na intersecção da Estrada Parque do Setor de Indústrias Gráficas (Epig) com o Sudoeste e o Parque da Cidade. De acordo com Ricardo Terenzi, já começou a drenagem do local, e em seguida terá início a escavação. Com investimentos de R$ 24,6 milhões – recursos da Caixa Econômica –, a obra gera 130 empregos diretos e 450 indiretos. “O viaduto tem como objetivo acabar com o engarrafamento da Epig com o Sudoeste e o Parque da Cidade, por onde passam em média 22 mil veículos por dia”, explica Ricardo Terenzi.

O viaduto vai integrar o Corredor Eixo Oeste, exclusivo para o BRT, que fará a ligação do Sol Nascente com o Plano Piloto, avenida Hélio Prates, Epia e a ESPM, que leva ao terminal da Asa Sul. O objetivo é reduzir o tempo de deslocamento até o Plano Piloto.

No momento, máquinas e operários trabalham na construção dos desvios de trânsito a serem implementados. A próxima etapa é o início da escavação do terreno onde serão construídos os pilares do viaduto.

Os trevos na Epig serão feitos em trincheiras, ou seja, de forma subterrânea. Com a mudança, quem sair do Parque da Cidade em direção ao Sudoeste não terá mais de passar por semáforos e retornos, podendo seguir direto para a avenida das Jaqueiras, passando sob a Epig. A obra também permitirá sair do Sudoeste, na altura da avenida, pegar a Epig no sentido Plano Piloto e vice-versa, sem a necessidade de retorno.

“O viaduto da Epig é parte do Plano Diretor de Transporte Urbano e Mobilidade do DF, que, além de desafogar o trânsito para os moradores da região do Sudoeste e da Octogonal, vai beneficiar milhares de pessoas que se deslocam diariamente de outras regiões administrativas para a região central de Brasília”, aponta a administradora do Sudoeste/Octogonal, Walkiria Garcia de Freitas. “Além disso, o comércio de nossa região também será bastante beneficiado, pois a maioria desses trabalhadores mora nas regiões vizinhas e faz o uso dessas vias do Corredor Eixo Oeste. Isso gerará uma maior qualidade de vida e uma diminuição no tempo de deslocamento de todos.”

Fonte: Agência Brasília

Vinte e sete grafiteiros e grafiteiras foram pré-selecionados para pintar as paradas da avenida W3 Sul. O resultado provisório foi publicado nesta quinta-feira (11.11), no Diário Oficial do Distrito Federal (SDDC), e cabe recurso fundamentado. Foram 208 inscrições. A intervenção artística está programada para 27 e 28 de novembro, e 4 e 5 de dezembro.

Resultado provisório

A ação, que vai investir R$ 81 mil, é parte do projeto de revitalização do local por meio da arte urbana e conta com a parceria da Secretaria de Estado de Governo do Distrito Federal – (Segov), Secretaria de Estado de Transporte e Mobilidade do Distrito Federal (Semob), Secretaria de Projetos Especiais e Administração Regional do Plano Piloto (RAI).

Com cachê no valor de R$3 mil, cada grafiteiro selecionado fará sua intervenção artística de tema livre em uma parada de ônibus da W3 Sul, com a área total de 20 m². O certame contou com número recorde de inscrições em editais do segmento, desde o lançamento da Política de Valorização do Grafite em 2018, totalizando 208 candidatos. Houve aumento no número de propostas de mulheres, 83 no total, com 12 classificadas na fase preliminar.

Próximos passos

Contra o resultado preliminar, cabe recurso devidamente fundamentado, que seve ser apresentado em cinco dias corridos a partir desta sexta-feira (12.11), e encaminhado até as 23h59 do último dia do prazo (16/11) ao e-mail cgdf@cultura.df.gov.br, conforme modelo de recurso presente na aba “Editais” do site da Secec.

Formulário de Recurso

Fonte: Agência Brasília

Aos militares: Você que deixou o serviço militar ativo nos últimos 5 anos, apresente sua reservista na Organização Militar mais próxima.

A apresentação da reservista também pode ser feita pela internet no site exarnet.eb.mil.br.

Prazos:

Presencial: 9 a 16 de Dezembro.

Internet: Durante o ano todo, porém se o prazo acabar o militar está sujeito a multa.

 

Se você é morador do Plano Piloto saiba como agendar seu atendimento aqui.

De segunda a quinta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 16h e às sextas-feira das 8h às 12h.

Também permanece o atendimento por e-mail  jsm@planopiloto.df.gov.br

Brasília receberá como presente de aniversário em 2022 o Museu de Arte, Ciência e Tecnologia, em construção no prédio do antigo Touring Club. A instalação será possível graças ao Projeto de Lei Complementar (PLC) n° 90/2021, de iniciativa do Poder Executivo, aprovado na noite desta terça-feira (9) no plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). Agora, o texto seguirá para a sanção do governador Ibaneis Rocha.

O PLC, elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), inclui o uso cultural e define os parâmetros urbanísticos do lote 1 do Setor Cultural Sul (SCTS) do Plano Piloto. Na área, onde fica o edifício Touring, está prevista a implantação do museu tecnológico.

“Essa é uma aprovação a ser comemorada, uma vez que põe fim a um problema que se arrastava há décadas, que era a falta de previsão legal do uso cultural para o prédio do Touring. Assim, torna-se possível, de forma definitiva, a instalação de um museu que será um grande presente para Brasília”, elogiou o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira.

Para a deputada distrital Arlete Sampaio, relatora do projeto em duas comissões da CLDF, o museu será um ganho enorme para a população. “Ele vai tornar mais vivo o centro da capital federal. É um projeto tão meritório que merece o voto de todos os parlamentares dessa casa”, comentou.

Outros deputados presentes na votação em primeiro turno também elogiaram a iniciativa. “Parabenizo o governo e também o Sistema S, que vai participar dessa construção e preparação desse espaço. É uma boa notícia para Brasília a aprovação desse projeto”, comemorou o deputado distrital Leandro Grass.

A previsão é que o Sesi/Senai, proprietário do lote, investirá aproximadamente R$ 160 milhões para construir o museu. O objetivo é que a estrutura seja um espaço de ciência, arte, tecnologia e inovação, localizado de frente para a Biblioteca Nacional e do Museu Nacional da República.

O local será chamado de Sesi Lab e terá um anfiteatro externo para atividades culturais ao ar livre, quatro galerias para exposições, áreas de oficinas educativas, loja conceito, jardim e café. Contará também com o apoio e curadoria do Exploratorium, centro interativo instalado em São Francisco, nos Estados Unidos.

Ainda pela proposta, o uso da área deve permitir o funcionamento e a manutenção da passagem pública que liga a Plataforma Superior da Rodoviária ao Setor Cultural Sul.

Além disso, o espaço adjacente ao lote será revitalizado pelo Sesi por meio do programa Adote uma Praça, administrado pela Secretaria de Estado de Projetos Especiais do Distrito Federal (Sepe). A iniciativa prevê a construção de uma grande praça na área pública existente entre o Touring e a Biblioteca Nacional. A execução será custeada pelo Sesi e já foi aprovada pelo Conselho de Planejamento Territorial Urbano do Distrito Federal (Conplan).

Aprovações

A minuta do PLC foi aprovada em julho pelo Conplan. Na ocasião, os relatores do colegiado trouxeram aperfeiçoamentos ao texto, como a inclusão da possibilidade de comércio de souvenirs e artigos de arte no local, e a previsão de vagas para bicicletas no estacionamento.

Antes disso, o projeto já contava com a aprovação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por meio do parecer técnico n° 51/2021. O texto também segue o entendimento da Portaria nº 166/2016 do instituto, que prevê a destinação dos setores culturais Norte e Sul do Plano Piloto para o uso de equipamentos públicos de caráter cultural.

Fonte: Agência Brasília

O aplicativo "SLU Coleta DF" foi atualizado e agora o cidadão pode verificar informações importantes sobre a limpeza urbana na palma da sua mão como os dias e horários das coletas convencional e seletiva.

A principal novidade do aplicativo está no acompanhamento em tempo real do trajeto realizado pelos caminhões da coleta, ou seja, o cidadão pode visualizar todo o percurso feito pelos caminhões da coleta próximo a sua região. Além disso, o usuário pode optar em receber uma notificação quando o caminhão estiver próximo de sua residência para realizar a disposição do seu resíduo.

Ainda houve ampliação das informações disponíveis para consulta para proporcionar ao cidadão a melhor usabilidade possível.

Além do acesso mais fácil e rápido, o aplicativo também permite encontrar uma série de informações e dicas importantes sobre como separar o material reciclável, como manejar resíduos contaminantes da covid-19 e qual o caminho do lixo, por exemplo. É possível também tirar dúvidas sobre cada tipo de material que pode ser reaproveitado e conhecer melhor o trabalho de gestão de resíduos feito pelo SLU.

O aplicativo ainda tem um link para quem quiser sugerir locais de instalação das novas lixeiras no Distrito Federal. No link “Onde precisa de lixeirinha?”, o usuário pode informar o endereço ou ponto de referência que avalia ser importante ter a instalação dos novos equipamentos.

Baixe o aplicativo "SLU Coleta DF": https://apps.apple.com/br/app/slu-coleta-df/id1434466083 

Por: Gabriel Ferraz com informações do Serviço de Limpeza Urbana (SLU-DF)

Discutir o futuro da agenda cultural do DF no cenário pós-pandemia e os caminhos para o setor nesse contexto é a proposta da 5ª Conferência de Cultura do Distrito Federal que, em formato  virtual, começa na sexta-feira (12) e vai até 5 de dezembro. Nesta segunda-feira (8), a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) publicou a portaria convocando a população e divulgando o regimento interno que disciplinará o evento.

“Por meio das conferências de cultura, gerentes e conselheiros culturais do DF traçam metas para o governo voltadas à condução de políticas públicas do setor cultural para os próximos dois anos”, afirma o secretário executivo da Secec, Carlos Alberto Junior.

Com o tema “A cultura no pós-covid”, a conferência é coordenada pela Secec e pelo Conselho de Cultura do Distrito Federal (CCDF), em parceria com a Organização da Sociedade Civil (OSC) Luta Pela Vida.

O encontro ocorrerá em duas fases: pré-conferências (dias 12 e 19 deste mês) e conferência (3 a 5 de dezembro). As inscrições podem ser feitas até o dia anterior à realização das pré-conferências ou conferência, conforme o caso, mediante preenchimento de formulário eletrônico.

Entre outros objetivos da 5ª Conferência de Cultura do Distrito Federal, estão a busca pela valorização da diversidade de gênero, raça e social, o fortalecimento de políticas públicas voltadas à cultura/sustentabilidade e investimentos no sistema de arte e cultura do DF. Mesmo com previsão na Lei Orgânica da Cultura (LOC), a Conferência de Cultura do Distrito Federal não era realizada desde 2015.

Veja aqui como participar.

Fonte: Agência Brasília

Empresários e moradores do Distrito Federal poderão participar do programa ‘adote um abrigo’, lançado pela Secretaria de Transporte e Mobilidade. O programa abrange as paradas de ônibus do transporte público coletivo, utilizados para embarque e desembarque dos passageiros. A portaria nº 138, de 15 de setembro de 2021, que institui o programa, foi publicada no Diário Oficial (DODF) desta quinta-feira (16) e já está em vigor.

O programa de cooperação vai permitir que os interessados possam construir, adequar, substituir ou assumir a manutenção de paradas de ônibus. Serão oferecidos para adoção cerca de 2.700 paradas de coletivos com abrigos de concreto e 565 pontos com placas de sinalização.

A adoção poderá ser feita por empresa ou cidadão. Quem assumir a parada de ônibus poderá instalar placas com mensagens indicativas de cooperação, onde serão publicados os dados do parceiro e da cooperação celebrada com o GDF. Os interessados poderão escolher entre adotar uma única parada ou assumir um conjunto de abrigos de sua livre escolha.

Para o subsecretário de Terminais da Secretaria de Transporte e Mobilidade, Ronivaldo Bento Costa, a ampliação dos serviços ofertados pelo poder público, por meio da iniciativa privada ou pela população é positiva, pois, além de melhorar a infraestrutura, confere identidade própria a cada região administrativa ou localidade. “É importante esse cuidado, pois os abrigos de passageiros compõem a infraestrutura de transporte e são mobiliários essenciais para oferecer conforto e segurança aos seus usuários”, acrescenta.

Para adotar um abrigo, o empresário ou morador deverá manifestar interesse por meio de requerimento que precisa ser protocolado na Semob. Se a proposta for aprovada, é preciso assinar o termo de cooperação com a Secretaria. Os serviços só poderão ser iniciados após a publicação no Diário Oficial do DF. O prazo de adoção é de até 48 meses e a renovação só será possível após avaliação técnica dos serviços realizados nesse período.

Os empresários ou moradores interessados poderão conhecer detalhes do programa por meio dos documentos que estão publicados no site da Semob. Além da portaria, o modelo de termo de cooperação, os modelos de abrigo e o detalhamento dos serviços referentes à construção ou manutenção de abrigos estão disponíveis aqui.

A administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro, ministrou nesta segunda-feira, 8/11, a aula inaugural do curso "Boas práticas para servidores comissionados das Administrações Regionais", promovido pela Escola de Governo. Durante a capacitação, foram abordados assuntos do regimento interno e conceitos ligados à administração pública, além dos aspectos estruturais e as funções de cada área dentro das Administrações Regionais.

O curso tem o objetivo de partilhar vivências, atualizar, discutir e realizar intercâmbio de informações, visando a difundir práticas de gestão, com vistas ao atendimento das diretrizes governamentais e à efetividade das ações relacionadas à melhoria da gestão pública.

Ana Luiza Santos com informações da Escola de Governo do DF

 

Um esforço conjunto vem cruzando o Plano Piloto para deixar as ruas limpas e ordenadas. Nesta semana, as equipes do GDF Presente se uniram à Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), ao Serviço de Limpeza Urbana (SLU) e à Administração Regional do Plano Piloto para recolher lixo verde nas asas Norte e Sul. Nos dois primeiros dias da força-tarefa, quarta (3) e quinta (4), o trabalho resultou na coleta de 345 toneladas de resíduos.

Entre o material recolhido estavam galhos de árvores derrubadas pela força dos ventos e das chuvas – principalmente de palmeiras e mangueiras – além de muitas folhas, que foram se acumulando nas ruas e calçadas. As equipes retiraram também materiais inservíveis descartados irregularmente.

Para executar o planejamento proposto para a ação, a força-tarefa conta com 45 caminhões no auxílio às equipes de campo. São 26 caminhões basculantes trucados, duas pranchas, um caminhão-pipa, quatro caminhões basculantes toco, cinco caminhões carroceria e seis pás carregadeiras. Equipamento de peso para auxiliar nas ações de manutenção.

O coordenador do Polo Central Adjacente III do GDF Presente, Alexandre César, cita o motivo da união de esforços nos trabalhos que estão sendo realizados. “A demanda estava muito grande, a quantidade de lixo verde aumentou muito por causa das chuvas e também pela mudança de estação, o que levou à queda das folhas”, explica.

A presidente do Conselho Comunitário de Segurança Pública de Brasília (Conseg), Maria Celeste Bezerra, elogia o empenho do GDF na limpeza das ruas do Plano Piloto. “Isso impacta de uma maneira relevante, porque é um anseio da comunidade manter a cidade limpa. Essa ação do governo, o GDF Presente, é excelente. As pessoas se mostram satisfeitas, porque é o que queremos ver: a cidade limpa e o lixo verde recolhido”, avalia.

A administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro, reforça o empenho coletivo dos atores do GDF no serviço e faz um pedido para o descarte consciente de lixo. “Pedimos a colaboração da população para participar e ajudar o poder público a manter a cidade limpa, não jogando entulhos e resíduos nas ruas, calçadas e vias públicas”, ressalta.

Fonte: Agência Brasília

A celebração do Dia da Consciência Negra no Distrito Federal vai durar o mês inteiro!

 

A primeira edição do Fetival Afro Urbano traz ações culturais, literatura, cursos de formação e apresentações musicais para enaltecer a produção de artistas negros da capital do país.

Serão cinco eventos gratuitos ao longo de todo o mês, incluindo a primeira exposição com temática racial do MAB (Museu de Arte de Brasília) depois da reabertura do museu. O equipamento cultural foi reinaugurado em abril de 2021, após 14 anos fechado para reforma. Agora, está de portas abertas para enaltecer a produção de artistas visuais negros do Distrito Federal.

O acervo da exposição conta com 13 obras, entre elas uma produção exclusiva e inédito do renomado artista Antonio Obá. Celebrada internacionalmente, a arte de Obá estampa a capa do best seller “O avesso da pele”, do escritor Jeferson Tenório. Ao lado dele, nomes como os das fotógrafas Ester Cruz e Beatriz Andrade, além dos artistas Ricardo Caldeira e Victor Hugo Soulivier.

O MAB também será palco para apresentações de músicos que movimentam o cenário independente de Brasília. Marcelo Café e João Peçanha estão entre os destaques do samba. Anna Moura, com sua poesia musicada, e Bárbara Silva, destaque como artista revelação na playlist do Spotify, representam a nova geração da MPB com músicas autorais. A voz potente de Thiago Ruby traz o pop e o R&B, enquanto o percussionista Moustapha Diene, convidado internacional, mostra a cultura do Senegal por meio do sabar.

O Festival Afro Urbano também pensou no público infantil e a contação de história está garantida pela Cia Cafundó. No repertório, histórias com protagonismo negro, como “Tâmara e Tamarindo”, livro recém-lançado pelo escritor e especialista em cultura africana, André Lúcio Bento.

Além do MAB, a programação do festival acontece no Simbaz, restaurante de culinária africana, onde vai ocorrer a feira do projeto Katendê, com produtos artesanais de produção local, e no Caracas,Vei, espaço cultural em Taguatinga que vai receber uma feira literária com tarde de autógrafos dos escritores, apresentação de vogue e de break.

O Festival Afro Urbano tem produção e curadoria da Cassangue Produções e é realizado com apoio da Administração Regional do Plano Piloto. A programação completa está disponível nas redes sociais da produtora.

Contatos para imprensa
Carolina Martins (produtora): 61 9.8108-3235
Luiz Noronha (produtor): 61 9.8131-7776
Instagram: @cassangueproducoes

Programação

DOM (7/11)
a partir das 9h
Local: Simbaz – Culinária Afro e Bar (412 sul)
– Feira do projeto Katendê
– Apresentações musicais: Bárbara Silva, DJ Afrika e Felipe Fiúza

SÁB (20/11)
a partir das 17h
Local: Caracas,Vei (Taguatinga)
– Feira literária com tarde de autógrafos dos escritores Karla Calasans, Pedro Ivo, Ricardo Caldeira e André Lúcio Bento.
– Apresentações musicais: Anna Moura, Bárbara Silva, Thiago Ruby, B-boy Kastelar, Úrsula Zion, Moustapha Diene.

DOM (21)
a partir das 9h
Local: Simbaz – Culinária Afro e Bar (412 sul)
– Feira do projeto Katendê
– Apresentações musicais: Thiago Ruby, DJ Afrika e Felipe Fiúza

SÁB (27)
a partir das 10h
Local: Museu de Arte de Brasília (orla do Lago)
– Exposição de artistas visuais
– Atração infantil: Cia Cafundó
– Apresentações musicais: B-boy Kastelar, Úrsula Zion, Bárbara Silva, Marcelo Café

DOM (28)
a partir das 10h
Local: Museu de Arte de Brasília (orla do Lago)
– Exposição de artistas visuais
– Atração infantil: Cia Cafundó
– Apresentações musicais: Moustapha Diene, Thiago Ruby, Anna Moura, João Peçanha

Um mutirão de limpeza foi realizado com apoio do GDF Presente, esta semana, na área central da capital e nas quadras 707/708 da Asa Norte. Os trabalhos tiveram início com jatos de água levando embora a sujeira das paradas de ônibus localizadas na Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig), entre a Polícia Civil e entrada do Parque da Cidade, Sudoeste e Eixo Monumental, próximo ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Na Asa Norte, os serviços se concentraram na retirada de lixo verde, conforme pedido de moradores encaminhado via ouvidoria. Desde cedo, cerca de 20 reeducandos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape) se dividiram nas atividades de roçagem, capina e varrição. Com a ajuda de uma pá mecânica e um caminhão-caçamba, foram recolhidas mais de 10 toneladas de material, incluindo entulhos jogados por moradores da região.“O Plano Piloto e, em especial, a Asa Norte, necessitava desse cuidado. São serviços importantes que proporcionam qualidade de vida aos moradores da região”Alexandro Cesar, coordenador do Polo Central Adjacente III

“Solicitei a limpeza aqui porque era um lugar que estava muito sujo e abandonado”, conta a aposentada Maria de Oliveira, 65 anos, moradora da 708 Norte. “Além das galhas e folhas de árvores, os moradores também fazem bastante sujeira com lixo doméstico.”

Para o também aposentado Ubiraci Gomes de Lima, 68 anos, a ação de limpeza efetuada pelos reeducandos da Seape tem um efeito preventivo. Como a quadra é cheia de pés de manga, a folhagem e os frutos caem com o vento e causam transtornos. “É só chover que tudo é arrastado para as bocas de lobo, entupindo tudo, então esse trabalho de limpeza é essencial porque evita aborrecimentos com a chegada da chuva”, relata.

A retirada de galhos e folhas avançou também no canteiro central da W3 Norte, na altura da Entrequadra 508/509. “O Plano Piloto e, em especial, a Asa Norte, necessitava desse cuidado. São serviços importantes que proporcionam qualidade de vida aos moradores da região”, destaca o coordenador do Polo Central Adjacente III, Alexandro Cesar.

Fonte: Agência Brasília

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) concluiu mais uma etapa no processo de revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (Pdot), com a realização das últimas oficinas temáticas no Plano Piloto. As duas reuniões mobilizaram no sábado (23) o total de 205 moradores de oito regiões administrativas do Distrito Federal, de forma presencial e virtual, pelo aplicativo Zoom e pelo canal do YouTube Conexão Seduh.

O objetivo das oficinas foi ouvir dos moradores quais os principais desafios a serem enfrentados nas cidades onde vivem. São essas propostas que serão analisadas pelas equipes técnicas da Seduh, para serem contempladas no novo Plano Diretor.

Ao fazer um balanço positivo das atividades, o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira, ressaltou que as oficinas temáticas concluíram uma fase importante da participação popular na revisão do Pdot. “Estamos encerrando esse ciclo de sete oficinas temáticas, contemplando todas as regiões administrativas. Um trabalho fantástico e uma primeira oportunidade de ouvir a população”, afirmou o secretário.

Muitos dos moradores que compareceram presencialmente aos debates pertencem a entidades que representam importantes segmentos da sociedade. Um exemplo é a produtora de alimentos orgânicos Lúcia Mendes, do Grupo de Trabalho Serrinha, do Lago Norte. A entidade representa os mais de 20 mil moradores da região.

Segundo Lúcia Mendes, uma das principais demandas é proteger as nascentes da região, que contribuem no abastecimento de mais de 40% da água limpa do Lago Paranoá. “Temos a possibilidade de uma nova crise hídrica, com novo racionamento, então temos que ficar atentos. Novos condomínios, associados à grilagem, que impactam a preservação das nascentes, precisam ser muito bem avaliados pelo Pdot”, alertou.

Ela participou de uma das últimas oficinas promovidas no Plano Piloto, no Centro de Ensino Médio Setor Oeste, localizado na 912 Sul. Pela manhã, a reunião teve a presença de moradores do Lago Sul, Lago Norte, Park Way e Varjão. À tarde, participaram no mesmo local os habitantes do Plano Piloto, Cruzeiro, Candangolândia e Sudoeste/Octogonal.

Para Ilsa Alves, representante da Associação de Trabalhadores e Juventudes Rurais (ATJR), a revisão do Pdot é essencial para aproximar a população do governo. Moradora de Planaltina, ela acompanhou todas as sete oficinas temáticas promovidas pelo Seduh. “Nunca tivemos essa oportunidade de dialogar sobre nossas dificuldades. É um projeto que nunca deveria cessar. Quem precisa está acompanhando esse processo”, comentou.

“É nossa voz que será ouvida. Esse Plano Diretor tem validade de 10 anos. Por isso, é importante a gente contribuir, para a lei refletir as nossas necessidades e as da cidade”, ponderou o engenheiro Antônio Matoso, da Prefeitura Comunitária da Península Norte, que engloba Lago Norte, Granja do Torto e Taquari.

Estiveram presentes nas últimas oficinas os administradores regionais do Lago Sul, Rubens Neto; do Lago Norte, Marcelo Ferreira; do Park Way, Maurício Tomaz; do Varjão, Lúcio Rogério Gomes; do Plano Piloto, Ilka Teodoro; do Cruzeiro, Luiz Eduardo Gomes; da Candangolândia, João Dantas; e do Sudoeste/Octogonal, Walkiria Garcia.

Participação popular

A secretária executiva de Planejamento e Preservação da Seduh, Giselle Moll, lembrou que há outras oportunidades de participação popular na revisão do Pdot. Esse debate vem acontecendo em outras instâncias como, por exemplo, nas reuniões livres que são organizadas por pequenos grupos da comunidade para debater os desafios das suas regiões. Após o encontro eles enviam para a Seduh um documento com as propostas para o Pdot.

“Queremos saber o que é bom no local onde mora, o que precisa ser melhorado e o que está ruim, como também mostrar à população que o Pdot está na rua, aberto às demandas e propostas que a comunidade tem. Precisamos ouvi-los para consolidar o Plano Diretor”, informou Giselle Moll.

Além disso, no meio deste ano a Seduh realizou uma série de oficinas temáticas virtuais para debater o Pdot com a população. Todas essas etapas são acompanhadas pelo Comitê de Gestão Participativa (CGP), que reúne 28 representantes de várias áreas da sociedade civil, selecionados a partir de chamamento público.

Fonte: Agência Brasília, com informações da Seduh.

O asfalto danificado de vias na área central de Brasília está recebendo atenção especial de equipes do GDF Presente. A pavimentação das vias do Eixo Monumental, ruas anexas e também no viaduto que liga a W3 Sul e Norte está sendo renovada.

A operação passou pelas vias N1, em frente ao Palácio do Planalto, e N2, próximo ao Teatro Nacional. A via S1, sentido Rodoviária do Plano Piloto, também foi beneficiada. Cerca de 6,5 toneladas de massa asfáltica foram usadas no serviço, realizado por homens da Novacap, que trouxe melhorias não só aos motoristas, mas à toda área comercial.

Gerente de um restaurante no Setor Hoteleiro Sul, Eberson Valandro, 39, revela que acompanhou a ação por dois dias da semana e que a via passou ainda por uma boa limpeza. “A gente vê muitos hóspedes circulando por aqui, às vezes cadeirantes. Então, é importante consertar a via para evitar prejuízos”, opina. “Além disso, a pessoa vem almoçar e não quer danificar seu carro ao passar num buraco”, diz o comerciante.

Já no viaduto de ligação da Avenida W3, cerca de 20 reeducandos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape), se revezaram para fazer uma faxina geral sob o elevado. A chuva carregou uma grande quantidade de terra para as calçadas e a pista precisou ser limpa. Segundo o coordenador do Polo Central Adjacente III, Alexandro Cesar, cerca de 14 toneladas de terra e lixo verde foram recolhidos pelos caminhões.

Duas árvores do local também precisaram ser erradicadas. “São árvores antigas que apresentavam risco de queda e que poderiam causar algum acidente para pedestres e motoristas. Ainda mais neste viaduto, onde o tráfego é intenso”, explica Alexandro.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, o cuidado com a rede de águas pluviais também é essencial nessa época. “A retirada de terra e do resto de podas minimiza o risco de entupimento e transbordo na rede de drenagem. É um trabalho importante do programa GDF Presente visando ao bem-estar da população”, finaliza.

Texto: Rafael Secunho, da Agência Brasília

Edição: Isaac Marra

Durante toda a manhã desta sexta-feira (22) foi feita uma mobilização com os moradores da Vila Planalto para conscientizar a comunidade sobre a importância da coleta seletiva do lixo. A ação começou na UBS da Vila Planalto, percorreu a Praça Nelson Corso, seguiu para a Praça Zé Ramalho, fez uma parada no Clube de Vizinhança, seguiu para o Acampamento Tamboril e finalizou na praça da Paróquia Nossa Senhora do Rosário da Pompeia.

Ao longo do percurso, os servidores do SLU conversaram com moradores e explicaram sobre o correto acondicionamento dos resíduos, a importância da separação dos materiais e também distribuíram panfletos com informações sobre os serviços do SLU tais como a instalação de papa-lixo, papa-entulho, papa-reciclável e lixeiras.

“A separação seletiva e o condicionamento adequado do lixo, além do cuidado com as lixeiras e como posicioná-las, são importantes para ajudar a manter a cidade limpa, organizada, bonita e protegida. Cada um precisa fazer a sua parte”, afirma Victor Chaves, gerente de Gestão de Território da Administração Regional do Plano Piloto.

Para a coordenadora de Mobilização do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), Efigênia Lustosa, a recompensa de todo o esforço da campanha é contribuir para a prática de se separar o lixo reciclável do orgânico. “A ideia é essa mesmo, fazer barulho, movimentar a comunidade. Toda essa galera está aqui, junta, para passar informação sobre a coleta seletiva e contribuir com o meio ambiente.”

Já a diretora do Centro de Ensino Fundamental 1 (CEF 1), Nilce Pereira, acredita que a importância da ação é fazer com que as pessoas aprendam, “porque muitas pessoas são das ‘antigas’, colocam o lixo em um saquinho”. “Hoje, precisamos aprender a selecionar, porque senão o futuro das nossas crianças estará comprometido.”

A moradora Lucimar Pereira recebeu o folheto dos mobilizadores do SLU e falou do desejo de propagar a ideia. “Estou pegando esse folheto justamente para passar para minha comunidade, para eles verem e saberem direitinho a respeito do dia certo, os dias de pôr o lixo”, disse.

Engajada em ações comunitárias, Jaira Leite, residente no Acampamento Tamboril, promove campanhas de plantio de árvores e também de conscientização sobre coleta seletiva. Ela destacou a importância da mobilização para a comunidade da Vila Planalto.

“A gente vem há muitos anos procurando conscientizar, mas é um trabalho de formiguinha mesmo separar o lixo, pôr os recicláveis no dia certo, porque o SLU já deixou panfleto com os dias certinhos. Pelo menos no nosso acampamento, a gente fez essa divulgação, esse apelo, as pessoas têm se conscientizado e estamos conseguindo. Mas com esse apoio da administração, SLU e governo junto com empresas privadas vai ser bem melhor”, afirmou.

Na Vila Planalto, o SLU faz a coleta de materiais secos às terças, quintas e sábados o dia todo. A coleta convencional é feita às segundas, quartas e sextas. No site slu.df.gov.br você encontra mais informações sobre resíduos e contêineres. No aplicativo SLU Coleta DF você pode consultar informações sobre os dias e horários da coleta.

Fonte: Agência Brasília

Nesta sexta-feira (22), o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) estará na Vila Planalto com a campanha “Mobilização em Ação – Coleta Seletiva”. O evento tem objetivo de sensibilizar e fortalecer a coleta seletiva na região. A concentração será às 8h30, em frente à sede da Administração Regional do Plano Piloto, no Setor Bancário Norte. A mobilização inicia às 9 horas, em frente à UBS da Vila Planalto, e segue até à Praça Nelson Corso.

Cerca de 50 pessoas, entre mobilizadores do SLU e voluntários da Administração Regional, participarão dessa ação. O grupo percorrerá as ruas da região, vestindo a camiseta da campanha, levando orientação sobre os serviços do SLU e a correta separação dos resíduos, além de informações sobre os dias e horários das coletas no local.

O Plano Piloto já é a quarta região administrativa a receber a campanha Mobilização em Ação – Coleta Seletiva. Até o momento, as equipes já percorreram as ruas de Sobradinho, Gama e São Sebastião. A ideia é realizar essa ação a cada 15 dias em uma cidade diferente.

Para a coordenadora de mobilização do SLU, Efigênia Lustosa, a recompensa de todo o esforço da campanha é contribuir para a coleta seletiva. “A ideia é essa mesmo, fazer barulho, movimentar a comunidade. Toda essa galera está aqui, junta, para passar informação sobre a coleta seletiva e contribuir com o meio ambiente”.

Serviço

– “Mobilização em Ação – Coleta Seletiva” do SLU

– Data: 22/10/2021

– Horário: 9h

– Ponto de Partida: Em frente à UBS da Vila Planalto

Trinta agentes culturais negras das mais diversas regiões administrativas (RAs) do Distrito Federal tiveram suas trajetórias artísticas reconhecidas por atuação, contribuição sociocultural às comunidades em que atuam e realização de ações afirmativas. A Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) publicou no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta terça-feira (19) o resultado final de mérito do Prêmio Semana da Mulher Negra.

Iniciativa da Subsecretaria de Difusão e Diversidade Cultural (SDDC), o certame vai pagar R$ 5 mil a cada uma das selecionadas. Haverá ainda uma cerimônia de premiação, com entrega de troféus e atrações musicais, prevista para novembro, mês em que se comemora o Dia da Consciência Negra (20/11).

“Esse prêmio é só um símbolo do compromisso da Secec com a valorização da diversidade que existe na cultura”, disse a titular da SDDC, Sol Montes. “As 30 selecionadas, em seu conjunto, representam com excelência a força da arte negra feminina do DF.”

As mais diversas linguagens artísticas estão presentes na lista final que contém as 30 mulheres negras selecionadas. O chamamento público contemplou artistas das áreas de artes plásticas e visuais, dança, teatro, música, artesanato, audiovisual, literatura, cultura popular e manifestações tradicionais. Foram ainda incluídos segmentos pouco visíveis, como capoeira, moda, grafite, tatuagem e batalha de rima, entre outros.

Das 30 selecionadas, dois terços nunca haviam ganho premiações da pasta, ultrapassando a exigência de 20% estipulada em edital. Com cerca de 80% das artistas selecionadas residindo em RAs fora do Plano Piloto, os objetivos de descentralização e democratização almejados pela Secec foram atingidos.

As candidatas premiadas devem encaminhar, no prazo de dez dias contados da publicação do resultado final, ao e-mail difusaoediversidadedf@gmail.com, os seguintes documentos enumerados no item 7.1 do edital:

  • I – Cópia de documento de identificação com foto e data de nascimento;
  • II – Declaração de dados da conta bancária em que deve ser depositado o valor do prêmio;
  • III – No caso de inscrição realizada por terceiro, deve haver carta de anuência da personalidade indicada;
  • IV – Declaração em que indica os dados da conta bancária em que deve ser depositado o valor do prêmio;
  • V – Declaração de que não incorre nas vedações previstas no Artigo 9º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e no Artigo 1º do Decreto nº 39.860, de 30 de maio de 2019;
  • VI – Declaração de que não incorre nas vedações previstas relativas ao Artigo 8º do Decreto nº 32.751, de 4 de fevereiro de 2011;
  • VII – Declaração de não ser agente público efetivo ativo ou ocupante de cargo em comissão na Secec;
  • VIII – Declaração de não ser membro titular ou suplente do Conselho de Administração do Fundo de Apoio à Cultura (Cafac) ou do Conselho de Cultura do Distrito Federal (CCDF);
  • IX – Declaração de não possuir integrante(s) da família que seja(m) agente(s) público(s) efetivo(s) ativo(s) ou ocupante(s) de cargo em comissão da Secec, membro (titular ou suplente) do Conselho de Administração do FAC ou membro (titular ou suplente) do CCDF, conforme as vedações relativas a nepotismo previstas no Artigo 8º do Decreto nº 32.751, de 4 de fevereiro de 2011.

Informações e esclarecimentos podem ser solicitados pelo mesmo e-mail ao qual devem ser encaminhados os documentos.

Conheça aqui a lista de mulheres selecionadas.

Fonte: Agência Brasília 

A montagem da CasaCor2021 está a todo vapor. Tudo precisa estar pronto a partir de 26 de outubro, quando, até 12 de dezembro, a tradicional mostra abre as portas para os visitantes. Instalado, neste ano, em uma área de 40 mil metros quadrados na Quadra 904 da Asa Sul, o evento tem precisado de reforço para conseguir deixar o local devidamente preparado para a grande inauguração. E a ajuda estava a poucos metros dali.

A organização da CasaCor recorreu ao Centro Pop do Plano Piloto. “Escolhemos um terreno muito grande e que precisava de manutenção geral, limpeza da área comum e estacionamento, asseio, podas e demais cuidados. Fizemos uma parceria com o Pop e, há três semanas, oito pessoas prestam serviços para nós”, explica a gerente da exposição, Ângela Feitoza.

Cada um dos diaristas recebe R$ 80 por dia trabalhado. De acordo com a organização, “os pagamentos ocorrem semanalmente, com o objetivo de assegurar que o prestador de serviço continue vindo com frequência e não deixe de ir no dia seguinte ao recebimento do pagamento”. De acordo com Ângela Feitoza, há eletricistas, pintores e marceneiro. Especialidades que têm sido de vital ajuda para o desempenho das funções estabelecidas a eles.

Um dos oito cidadãos em atuação é Hélio Pereira Magalhães, de 45 anos. Frequentador do Centro Pop há quase uma década, ele não pensou duas vezes quando a oportunidade apareceu. “Eu sou um trabalhador. Fui parar nas ruas por problemas psicológicos, mas eu sou um trabalhador. O que eu precisava era apenas de uma oportunidade e ela veio”, conta o homem, que sonha em terminar o ensino médio e ingressar na faculdade de administração de empresas.

Para Daniel Souza**, 32, acostumado com serviços ainda mais pesados, os dias de trabalho na preparação da CasaCor têm sido gratificantes e uma terapia. “Vim do Paraná em 2019, onde eu já trabalhei como almoxarife, servente de pedreiro e ajudante de obra. Quero retomar minha carreira aqui”, frisa o paranaense, que foi surpreendido pela retração dos postos de trabalho com a instalação da pandemia da covid-19.

Além da remuneração semanal, os prestadores de serviço recebem uniforme e máscaras de proteção facial, além do equipamento necessário de acordo com a função. Eles atuam das 8 às 17 horas, com uma hora de almoço, feito no Centro Pop, pois a unidade oferta gratuitamente essa refeição, bem como café da manhã e lanche da tarde para os frequentadores.

Neste sábado (16), porém, a organização precisou acelerar a arrumação do local e a equipe foi convocada. Além da diária extra, receberam o almoço, apesar de o Pop também ofertar a refeição aos fins de semana e feriados, de maneira ininterrupta nesse período de pandemia.

“Essa fase de montagem é muito trabalho, então ficamos muito felizes de poder contar com esse suporte tão importante”, destaca a empresária Moema Leão, uma das realizadoras da CasaCor. “Ficamos orgulhosas deles, pois nós demos a oportunidade, mas foram eles que abraçaram e demonstraram total comprometimento com o trabalho”, completa.

A secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha, esteve no local para acompanhar a preparação do ambiente e comemorou a iniciativa. “Parece uma repetição, mas a palavra a ser dita milhares de vezes é oportunidade. Olha o comprometimento dessas pessoas, olha a vontade deles em mostrar serviço, olha a qualidade do trabalho. Enfim, eles estão dando mais um passo para vencer a condição de rua, o que apenas é possível com a união de esforços do governo, da sociedade civil e deles próprios”, sintetiza.

CasaCor2021

Com 37 ambientes assinados por cerca de 40 arquitetos, designers de interiores e paisagistas, a edição 2021 da CasaCor Brasília acontece na 904 Sul, local que já recebeu as edições de 2010 e 2011. A 29ª edição é composta por espaços que vão de estúdios com 35 m² a um amplo jardim de mais de 1 mil m², assinados por nomes consagrados e novos talentos.

Idealizadoras, as arquitetas Eliane Martins e Sheila Podestá têm uma longa história com a mostra na cidade ao participarem como profissionais convidadas em 1994 com o Quarto de Casal. Posteriormente, no ano 2000, uniram-se à Abadia Teixeira e Catarina Bastos – dupla que inaugurou a mostra tanto em Brasília quanto em Goiás -, na administração da CasaCor nas duas praças. Dois anos depois, assumiram totalmente as duas franquias da região Centro-Oeste. A empresária Moema Leão se juntou a Martins e Podestá em 2001 para contribuir com o sucesso de público da mostra, ao torná-la umas das mais visitadas do país.

Fonte: Agência Brasília

A partir de 17 de outubro, Brasília vai receber, todos os domingos, a Feira No Setor que nasce com a intenção de ocupar um dos espaços públicos mais estratégicos da região central de Brasília, a Galeria dos Estados, localizada entre o Setor Comercial Sul e o Setor Bancário Sul.

A Feira No Setor pretende ser um novo ambiente de lazer e cultura para quem passa pelo centro de Brasília. Ampla, ao ar livre, gratuita e diversificada foi pensada para acolher todos os tipos de públicos e de todas as idades. Artesanato, comida e bebida, orgânicos, compotas e outros produtos naturais, moda, autocuidado, biocosméticos, arte, economia criativa e muita cultura popular serão oferecidas ao público. O engenheiro ambiental Bruno Macedo, um dos responsáveis pela escolha das e dos feirantes, conta que a curadoria foi pensada, desde o início, tentando dar voz e espaço para que a cidade seja, de fato, democrática. “Buscamos dar à Feira a cara que Brasília tem, explorando essa cidade heterogênea e trazendo essa valência e essa diversidade para o centro, o DF tem gente do Nordeste, do Sul, de Minas, do Acre, de todo lugar do Brasil”, comenta Bruno.

Como pretende ser um movimento de uso do espaço urbano, além da venda de produtos, a ideia é desenvolver atividades de cultura, formativas, debates, turismo, intervenções urbanas e outros tipos de ocupação dos espaços públicos na região central de Brasília. Uma delas é o SCS Tour, um walking tour que acontece desde 2018 e percorre ruas, praças, becos, arquitetura, história e memórias do Setor Comercial Sul, e contará com guias especializados em libras para garantir acessibilidade. Além disso, a arte urbana, tão presente na região da Feira, será contada no portal Panorama SCS mantido por um grupo de turismólogas do Centro de Excelência em Turismo/UnB, que trabalha para mudar o estigma negativo que o Setor Comercial Sul e suas redondezas carregam.

Por ser um espaço aberto, o local foi escolhido, também, pensando na maior segurança do público em tempos de pandemia. A Feira No Setor é realizada pelo Instituto Cultural e Social No Setor, tem o apoio da Administração Regional do Plano Piloto e fomento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal.

Serviço:

Feira No Setor. Todo domingo, a partir de 17 de outubro.

Das 9h às 17h.

Na Galeria dos Estados (entre o Setor Comercial Sul e o Setor Bancário Sul). Classificação indicativa livre.


Texto e Fotos: Divulgação No Setor

A partir da próxima segunda-feira até o final da semana, de 18 a 22/10/2021, a Administração do Plano Piloto, em parceria com o Sebrae, oferecerá, de forma gratuita, uma consultora para tirar todas as dúvidas sobre licenças, como se tornar um microempreendedor individual entre outras questões relacionadas à atividade comercial. 

Para realizar a consultoria basta se dirigir ao ônibus que estará estacionado no Setor Comercial Sul – SCS, Quadra 5, ao lado do BRB.

O objetivo é informar público-alvo da importância da regularização dos ambulantes como microempreendedores individuais, conforme primeira edição da Semana realizada em agosto.

Texto: ASCOM -RA-PP

Card: Ramíla Moura/ASCOM -RA-PP

A unidade do Na Hora da Rodoviária do Plano Piloto está de cara nova. O local passou por uma ampla reforma, a primeira em 20 anos, e foi entregue nesta quinta-feira (14) pelo governador Ibaneis Rocha.

Foram investidos R$ 1,8 milhão na unidade para trazer mais conforto aos colaboradores e usuários e também em tecnologia para tornar o atendimento ainda mais ágil naquele que é o posto com maior número de atendimentos no DF.

A expectativa é  que agora o tempo médio de espera no atendimento fique abaixo dos cinco minutos. As instalações do Na Hora passam a contar com acessibilidade, e o atendimento será bilíngue e por Libras (linguagem brasileira de sinais). O governo pretende reformar todas as unidades do Na Hora até o fim de 2022, e a próxima a ser entregue é a unidade de Brazlândia.

“Quando iniciamos o processo de parceria da Secretaria de Justiça com o Banco de Brasília, a expectativa era exatamente essa: trazer modernidade, tecnologia e atendimento à comunidade de forma rápida e útil. Agora, começamos a mostrar o resultado desse trabalho. É possível melhorar o atendimento à comunidade, a vida das pessoas, e vamos levar esse serviço a todas as cidades”, destacou o governador Ibaneis Rocha.

O Na Hora é uma das subsecretarias vinculadas à Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus). Para a titular da pasta, Marcela Passamani, a reforma “melhora o atendimento e a experiência do usuário dentro do Na Hora da Rodoviária, que atende uma média de quatro, cinco mil pessoas todos os dias”.

A secretária citou outros projetos e o trabalho do governo de expandir o serviço: “Nós vamos reformar todas as unidades do Na Hora. Temos outros projetos, como o Na Hora Cidades, e estamos com um projeto de carreta itinerante para levar serviços para a população onde o Na Hora não está presente”.

Quem trabalha na Rodoviária elogiou a reforma, com a perspectiva de utilizar os serviços o quanto antes. É o caso de Francinete Terceiro, atendente de uma loja próxima à unidade do Na Hora, que declarou:  “Acredito que vai ser bom para a população essa reforma, porque essa unidade é bastante movimentada”.

A reforma

O Na Hora da Rodoviária passou por ampla reforma, que incluiu reparos nos banheiros, copa e substituição do sistema elétrico e do parque tecnológico. Além disso, o projeto também trouxe a criação de uma sala de descompressão para servidores e colaboradores. O espaço também ganhou redefinição do layout, mobiliários e divisórias, que vão possibilitar a ampliação de serviços públicos pelos órgãos parceiros e melhor atendimento ao usuário.

As mudanças não vão se restringir apenas ao espaço físico. O tempo de espera no atendimento também vai diminuir. Até 2018, o Na Hora Rodoviária contabilizava um tempo médio de espera em 27 minutos. No início da atual gestão, em 2019, a espera caiu para 15 minutos, com a implementação de novos processos e o uso de novas tecnologias. Em 2020, o usuário esperou uma média de oito minutos para ser atendido. A estimativa é que o serviço fique ainda mais ágil, com tempo de espera média abaixo dos cinco minutos.

Atualmente, a unidade na Rodoviária conta com o apoio de 14 órgãos parceiros atuantes em um único espaço: Caesb, Codhab, Detran, Defensoria Pública da União, Instituto de Identificação da Polícia Civil do DF, Neoenergia, Ouvidoria do Corpo de Bombeiros Militar do DF, Polícia Rodoviária Federal, Procon, Secretaria de Economia, Secretaria de Desenvolvimento Social, Tribunal Regional Eleitoral e Secretaria de Administração Penitenciária.

O novo horário de funcionamento será das 8h às 19h, de segunda a sexta-feira. Para conferir todos os serviços presenciais e digitais disponíveis, acesse o site do Na Hora.

GDF Presente esteve nesta quarta-feira (13) na Quadra 402 Norte. Em um dia de trabalho, foram retiradas do local 16 toneladas de entulho, com folhas, galhos de árvores e lixo. O coordenador do Polo Central III do programa, Alexandro Cesar, relata que foi dada atenção especial à desobstrução das bocas de lobo, para que não haja um novo alagamento na quadra, como ocorreu no último domingo (11).

Segundo Alexandro Cesar, até um sofá foi retirado durante essa ação. Devido à declividade do terreno, a quadra sofre constantemente com acúmulo de água quando chove. O trabalho de limpeza foi feito por 20 reeducandos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape).

Outra iniciativa para minimizar os danos causados pela água das chuvas é a construção de bacias de contenção. Três delas já estão prontas, sendo duas nas proximidades do estádio Mané Garrincha e uma perto do Colégio Militar. O objetivo da bacia de contenção, que retém a água, é reduzir os impactos das enxurradas provocadas quando há grande volume de chuvas em uma região.

A administradora do Plano Piloto, Ilka Theodoro, lembra que a ação do GDF Presente para limpeza das bocas de lobo minimiza os riscos de entupimento de transbordo, enquanto se aguarda o início das obras de ampliação da rede de drenagem. “A população também pode contribuir, fazendo o descarte de resíduos no lugar correto e evitando entupimentos das galerias de águas pluviais”, reforça a gestora.

Fonte: Agência Brasília

A Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) lançou, nesta quarta-feira (13), edital de chamamento público n° 28/2021, que vai selecionar 27 grafiteiras e grafiteiros para trabalhar no projeto W3 – Arte Urbana, previsto para ser realizado dias 27 e 28 de novembro e 4 e 5 de dezembro, na avenida W3 Sul.

A ação vai investir R$ 81 mil, é parte do projeto de recuperação da área e conta com a parceria das secretarias de Governo (Segov), de Transporte e Mobilidade (Semob) e de Projetos Especiais (SPE) e da Administração Regional do Plano Piloto.

“A W3 Sul carrega a responsabilidade de ser uma das avenidas comerciais mais importantes da capital e nada mais justo que cores para ressaltar todo seu potencial econômico com a arte urbana. É hora de botar a mão na massa e colorir ainda mais esse espaço, fundamental para o desenvolvimento da economia criativa do Distrito Federal”, aponta o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

Processo seletivo

Com inscrições abertas de 13 a 26 de outubro, o certame vai selecionar artistas que moram no DF ou Entorno que comprovarem, por meio de portfólio ou currículo, o desenvolvimento de, pelo menos, uma intervenção artística em muros, paredes, painéis, tapumes, entre outros. Interessados devem preencher formulário de inscrição.

Com o cachê no valor de R$ 3 mil, cada grafiteiro selecionado fará sua intervenção artística de tema livre em uma parada de ônibus da W3 Sul, com a área total de 20 m². Serão reservadas 30% das vagas para a participação de artistas mulheres, de acordo com a Portaria nº 58, de 27 de fevereiro de 2018, que define o estímulo e a participação de mulheres nos mecanismos de apoio, incentivo e fomento da Secec.

Diante do período de pandemia, os artistas selecionados cumprirão as normas recomendadas pelas autoridades de saúde. Para além do uso obrigatório dos devidos suportes de higiene, equipamentos de proteção individual e de segurança, grafiteiras e grafiteiros atuarão em modo de revezamento, a fim de garantir o distanciamento social.

Cultura na rua

Elaborado pela Secec, o W3 – Arte Urbana faz parte da série de iniciativas da pasta para fomentar a cultura nos espaços públicos do DF, além de proporcionar o intercâmbio artístico-cultural e incentivar o empreendedorismo no movimento. O evento também contribui para o fortalecimento da política de valorização do grafite no DF e Entorno.

À frente da iniciativa, a subsecretária de Economia Criativa, Érica Lewis, aponta que a ação de arte urbana nas paradas da W3 Sul contribui para a recuperação da área, valoriza o movimento do grafite e os artistas locais e potencializa a ocupação cultural de espaços urbanos do DF.

“A intenção é expandir a inciativa para todo o DF, democratizando o acesso à arte e à cultura e contribuindo para atrair visualmente e transformar a atmosfera dos espaços público do DF”, ressalta a subsecretária.

Serviço
– W3 Arte Urbana
– Inscrições: 13 a 26 de outubro de 2021
– Informações pelo e-mail cgdfp@cultura.df.gov.br ou pelos telefones 3325-6267 e 99261-9622.

Fonte: Agência Brasília

GDF Presente esteve nesta quarta-feira (13) na Quadra 402 Norte. Em um dia de trabalho, foram retiradas do local 16 toneladas de entulho, com folhas, galhos de árvores e lixo. O coordenador do Polo Central III do programa, Alexandro Cesar, relata que foi dada atenção especial à desobstrução das bocas de lobo, para que não haja um novo alagamento na quadra, como ocorreu no último domingo (11).

Segundo Alexandro Cesar, até um sofá foi retirado durante essa ação. Devido à declividade do terreno, a quadra sofre constantemente com acúmulo de água quando chove. O trabalho de limpeza foi feito por 20 reeducandos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape).

Outra iniciativa para minimizar os danos causados pela água das chuvas é a construção de bacias de contenção. Três delas já estão prontas, sendo duas nas proximidades do estádio Mané Garrincha e uma perto do Colégio Militar. O objetivo da bacia de contenção, que retém a água, é reduzir os impactos das enxurradas provocadas quando há grande volume de chuvas em uma região.

A administradora do Plano Piloto, Ilka Theodoro, lembra que a ação do GDF Presente para limpeza das bocas de lobo minimiza os riscos de entupimento de transbordo, enquanto se aguarda o início das obras de ampliação da rede de drenagem. “A população também pode contribuir, fazendo o descarte de resíduos no lugar correto e evitando entupimentos das galerias de águas pluviais”, reforça a gestora.

Fonte: Agência Brasília

Nesta terça (12), a Administração Regional do Plano Piloto promoveu o evento Pinte e Brinque no Deck Sul. Uma manhã de muita alegria, brincadeiras, entrega de lanches e brindes e, o melhor: tudo de forma gratuita! O evento foi pensado para comemorar a data, mas também para dar visibilidade ao parque conhecido como Deck Sul, mas batizado com o nome de Cláudio Santana, um dos engenheiros pioneiros da cidade, responsável pela construção do primeiro prédio residencial inaugurado em Brasília, localizado na 106 Sul.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, o evento foi um sucesso e demonstra o comprometimento do Governo do Distrito Federal (GDF) com o local, que é tão simbólico para a cidade. “Estamos aqui no Parque Deck Sul comemorando o dia das crianças e o de Nossa Senhora Aparecida, padroeira de nossa cidade. A gente pôde, depois de um processo de revitalização dessa área, fazer o primeiro Pinte e Brinque do Plano Piloto. Hoje, mais de 250 crianças passaram por aqui e é isso: dia de comemorar e celebrar a criançada”!

O Parque Deck Sul, que fica no Setor de Clubes Sul no Plano Piloto, já é muito utilizado pela comunidade de Brasília, tem uma extensão muito grande, com várias possibilidades de lazer e práticas esportivas. A ideia do evento foi também fazer um intercâmbio cultural, artístico e esportivo para demonstrar para a comunidade usuária a potência da ocupação qualificada do espaço e a importância do poder público estar olhando para essas áreas públicas, como tem feito o GDF.

Hellen Mateus, servidora pública, já conhecia o Deck Sul, mas foi a primeira vez que participou de um evento voltado para as crianças no local. Ela levou seus dois filhos junto com a família, gostou muito da iniciativa e pretende voltar mais vezes ao local. “Achei muito bom, principalmente neste tempo em que estamos precisando de opções para crianças ao ar livre. O espaço é muito legal, as brincadeiras e o lanche fizeram as crianças se divertirem bastante”, diz.

Antes do evento, foi feita uma intervenção artística nos banheiros do local, recém revitalizados pela Novacap, com grafite feito pelo artista André Oneal, além de melhorias na pista de skate, pintura das quadras poliesportivas, reforma dos parquinhos e instalação de ducha, que também teve sua base grafitada pelo mesmo artista.

O Secretário de Cultura parabenizou a administradora pela iniciativa e falou da importância do grafite na revitalização dos espaços públicos: “Brasília vai se transformar em breve na capital brasileira do grafite. Estamos dando todo o incentivo para isso e a cidade já está se destacando no cenário internacional dessa arte urbana”, comemora.

Todas as melhorias ocorreram após contratação de empresa de vigilância, feita pela Administração do Plano Piloto, que colocou à disposição uma equipe de quatro profissionais para trabalhar no Deck Sul, protegendo o espaço de vandalismo e depredações, antes frequentes no local.

Fernando Leite, presidente da Novacap também esteve presente na abertura do evento e contou que o trabalho feito no Deck, dá muito prazer porque trata-se de uma determinação do governador Ibaneis Rocha ainda durante sua fase de campanha. “Estamos cumprindo o trabalho de zeladoria em toda cidade, determinado pelo governador. Revitalizar, recuperar, devolver para a população e, em seguida, manter”, afirma.

Por: Agência Brasília

Foto: Emanuelle Sena/RA-PP

Nesta terça (12), a Administração Regional do Plano Piloto promoveu o evento Pinte e Brinque no Deck Sul. Uma manhã de muita alegria, brincadeiras, entrega de lanches e brindes e, o melhor: tudo de forma gratuita! O evento foi pensado para comemorar a data, mas também para dar visibilidade ao parque conhecido como Deck Sul, mas batizado com o nome de Cláudio Santana, um dos engenheiros pioneiros da cidade, responsável pela construção do primeiro prédio residencial inaugurado em Brasília, localizado na 106 Sul.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, o evento foi um sucesso e demonstra o comprometimento do Governo do Distrito Federal (GDF) com o local, que é tão simbólico para a cidade. “Estamos aqui no Parque Deck Sul comemorando o dia das crianças e o de Nossa Senhora Aparecida, padroeira de nossa cidade. A gente pôde, depois de um processo de revitalização dessa área, fazer o primeiro Pinte e Brinque do Plano Piloto. Hoje, mais de 250 crianças passaram por aqui e é isso: dia de comemorar e celebrar a criançada”!

O Parque Deck Sul, que fica no Setor de Clubes Sul no Plano Piloto, já é muito utilizado pela comunidade de Brasília, tem uma extensão muito grande, com várias possibilidades de lazer e práticas esportivas. A ideia do evento foi também fazer um intercâmbio cultural, artístico e esportivo para demonstrar para a comunidade usuária a potência da ocupação qualificada do espaço e a importância do poder público estar olhando para essas áreas públicas, como tem feito o GDF.

Hellen Mateus, servidora pública, já conhecia o Deck Sul, mas foi a primeira vez que participou de um evento voltado para as crianças no local. Ela levou seus dois filhos junto com a família, gostou muito da iniciativa e pretende voltar mais vezes ao local. “Achei muito bom, principalmente neste tempo em que estamos precisando de opções para crianças ao ar livre. O espaço é muito legal, as brincadeiras e o lanche fizeram as crianças se divertirem bastante”, diz.

Antes do evento, foi feita uma intervenção artística nos banheiros do local, recém revitalizados pela Novacap, com grafite feito pelo artista André Oneal, além de melhorias na pista de skate, pintura das quadras poliesportivas, reforma dos parquinhos e instalação de ducha, que também teve sua base grafitada pelo mesmo artista.

O Secretário de Cultura parabenizou a administradora pela iniciativa e falou da importância do grafite na revitalização dos espaços públicos: “Brasília vai se transformar em breve na capital brasileira do grafite. Estamos dando todo o incentivo para isso e a cidade já está se destacando no cenário internacional dessa arte urbana”, comemora.

Todas as melhorias ocorreram após contratação de empresa de vigilância, feita pela Administração do Plano Piloto, que colocou à disposição uma equipe de quatro profissionais para trabalhar no Deck Sul, protegendo o espaço de vandalismo e depredações, antes frequentes no local.

Fernando Leite, presidente da Novacap também esteve presente na abertura do evento e contou que o trabalho feito no Deck, dá muito prazer porque trata-se de uma determinação do governador Ibaneis Rocha ainda durante sua fase de campanha. “Estamos cumprindo o trabalho de zeladoria em toda cidade, determinado pelo governador. Revitalizar, recuperar, devolver para a população e, em seguida, manter”, afirma.

O coletivo Bloco do RivoTrio lançou neste domingo (10/10) a Cartilha de Acolhimento em Saúde Mental no DF, publicação digital que divulga a Rede Pública de Atenção Psicossocial e as Universidades que fazem trabalho de base e atendimento ampliado à população, numa perspectiva inclusiva e de redução de danos. No mesmo dia foi aberta a intervenção urbana #ComoVocêEstáHoje que ficará exposta até dia 23 de outubro na Escadaria da Torre de TV, em Brasília.

No dia 2 de setembro, a Administradora Regional do Plano Piloto Ilka Teodoro recebeu o Bloco do RivoTrio que apresentou a proposta de intervenção na cidade. À época, a administradora parabenizou a iniciativa e se colocou à disposição para apoiar a intervenção.

A iniciativa do Bloco do RivoTrio, tem parcerias/apoio de outras organizações, como a Administração Regional do Plano Piloto, Estúdio Cajuína, Inverso DF, entre outras.

ACESSE a Cartilha de Acolhimento em Saúde Mental no DF – Como Você Está Hoje? no link https://cutt.ly/cartilha-saude-mental-df

Informações: Bloco Rivotrio
Fotos: Emanuelle Sena, Cícero Fraga e Estúdio Cajuína

Um dos pontos turísticos mais conhecidos da capital federal, a Catedral Metropolitana de Brasília, está recebendo serviços de limpeza, ajustes e manutenção das áreas externas em preparação para as celebrações do dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do país, no próximo dia 12 de outubro.

Além de feriado nacional, a data também tem um significado muito especial para os fiéis de Brasília e para os frequentadores do local, que se chama Catedral Metropolitana de Nossa Senhora Aparecida. De acordo com a Arquidiocese de Brasília, são esperadas cerca de dois mil fiéis nas quatro missas que serão realizadas para celebrar a data.

O GDF Presente está no local desde o início da semana executando diversas ações de melhoramento, como fresagem das calçadas, limpeza dos jardins em torno da Catedral e lavagem do túnel de acesso à via N1 com a utilização de um caminhão hidrojato. A equipe é formada por 20 reeducandos do programa Mãos Dadas da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape).

Nos arredores da Via S2 – que dá acesso ao local – e da Cúria Metropolitana, vizinha à igreja, foram recolhidas cerca de 10 toneladas de lixo verde e entulhos. O estacionamento também passou por manutenção: homens da Novacap lavaram e fizeram o recapeamento do piso com o uso de 2,5 toneladas de massa asfáltica.

Um dos pontos turísticos mais conhecidos da capital federal, a Catedral Metropolitana de Brasília, está recebendo serviços de limpeza, ajustes e manutenção das áreas externas em preparação para as celebrações do dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do país, no próximo dia 12 de outubro.

Além de feriado nacional, a data também tem um significado muito especial para os fiéis de Brasília e para os frequentadores do local, que se chama Catedral Metropolitana de Nossa Senhora Aparecida. De acordo com a Arquidiocese de Brasília, são esperadas cerca de dois mil fiéis nas quatro missas que serão realizadas para celebrar a data.

O GDF Presente está no local desde o início da semana executando diversas ações de melhoramento, como fresagem das calçadas, limpeza dos jardins em torno da Catedral e lavagem do túnel de acesso à via N1 com a utilização de um caminhão hidrojato. A equipe é formada por 20 reeducandos do programa Mãos Dadas da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape).

Nos arredores da Via S2 – que dá acesso ao local – e da Cúria Metropolitana, vizinha à igreja, foram recolhidas cerca de 10 toneladas de lixo verde e entulhos. O estacionamento também passou por manutenção: homens da Novacap lavaram e fizeram o recapeamento do piso com o uso de 2,5 toneladas de massa asfáltica.

Fonte: Agência Brasília

Nesta segunda-feira (11), o Governo do Distrito Federal (GDF) lança, em parceria com a empresa Tembici, o novo sistema de bicicletas compartilhadas que vai operar na capital. A cerimônia será realizada às 10h, na Estação 18, na entrada do Parque da Cidade, na Via W5, próximo ao Setor de Rádio e TV Sul (SRTVS).

Inicialmente, 131 bicicletas estarão disponíveis em 17 estações localizadas no Plano Piloto.

Lançamento: Sistema de bicicletas compartilhadas

– Data: segunda-feira (11)
– Horário: 10h
– Local: Estação 18 (entrada do Parque da Cidade, na Via W5, próximo ao SRTVS)

Fonte: Agência Brasília

O Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Secretaria de Trabalho, vai cadastrar trabalhadores ciclistas de aplicativos de entregas para cursos de qualificação e treinamento. O texto, publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quarta-feira (6), prevê ainda a doação de equipamentos de proteção individual (EPI) e outros acessórios importantes para o desempenho das atividades desses profissionais pelas ruas da cidade.

Entre os artigos que serão distribuídos aos trabalhadores ciclistas estão camisa de manga longa, colete com faixa reflexiva, faróis de sinalização noturna, capacete, bolsa porta-celular, luvas, além de campainha e tranca. Todos os itens atendem às orientações da Organização Internacional de Trabalho (OIT).

De acordo com o secretário de Trabalho, Thales Mendes Ferreira, o objetivo da medida é colher informações e dados que sirvam de subsídios para políticas públicas voltadas ao setor, além de proporcionar o mínimo de condições de segurança de trabalho para os profissionais.

“Buscamos, por meio do cadastro, conhecer melhor a realidade desses trabalhadores ciclistas e, a partir daí, definir ações de governo voltadas ao segmento”, explica o gestor. “Além de garantir todos os direitos desses profissionais, de forma que eles tenham o mínimo de segurança para desempenhar o trabalho”, destaca.

A expectativa do GDF é de que, num primeiro momento, pelo menos 2 mil ciclistas que trabalham com aplicativos de entrega no DF participem do chamamento público. Segundo dados de entidades relacionadas à categoria, em torno de 60 mil pessoas trabalham como entregadores na capital, seja como motociclista ou ciclista. Desses, cerca de 18 mil utilizam só a bicicleta.

Presidente da Organização Associativa de Profissionais por Plataforma Digital (OAPP), Abel Santos acredita que a iniciativa do GDF é um bom começo para ajudar os trabalhadores. “Essa ação do GDF é ótima. É um algo a mais para quem está na rua pedalando 50, 60 km por dia para poder fazer um valor que possa sustentar suas famílias”, observa.

“Todo apoio que vier para ajudar a dar mais respeito e segurança para quem passa o dia pedalando pelas ruas da cidade é válido”, endossa Cristiano Aguiar, 27 anos, que trabalha como entregador de bike na região de Águas Claras.

Onde e como fazer o cadastro

O cadastramento dos interessados ocorrerá no site da Secretaria de Trabalho ou presencialmente nas agências do trabalhador a partir de sexta-feira (8) até 6 de novembro. Para o cadastro presencial, os profissionais deverão se dirigir a uma das 14 agências do trabalhador.

O horário de atendimento nas agências é das 8h às 17h — os endereços e contatos telefônicos seguem abaixo. Para fazer o cadastro, tanto on-line quanto presencialmente, são necessários os seguintes documentos:

– Documento oficial de identificação pessoal;
– Número de registro no Cadastro Geral de Pessoas Físicas – CPF;
– Comprovante de Parceria, cadastro ou outro demonstrativo físico ou digital que o vincule a qualquer ou quaisquer aplicativos de entregas com atuação no Distrito Federal;
– Comprovante de residência ou declaração de próprio punho; e
– O Trabalhador Ciclista de aplicativo de entregas.

Fonte: Agência Brasília

 

 

Desde o dia 06 de outubro, a entrega da documentação completa para a Licença Eventual é feita presencialmente (mediante agendamento prévio) com até 30 dias de antecedência, incluindo o cadastro da Secretaria de Segurança Pública.

O agendamento é feito via Whatsapp (61) 98199-2134 e dúvidas podem ser tiradas pelo telefone fixo 3329-0400 (Ramal 4238) de Segunda a Quinta-feira de 09h às 16h.

  • Não serão autorizados eventos fora do prazo legal!

Mais informações estão disponíveis na Carta de Serviços: https://www.planopiloto.df.gov.br/2019/07/12/licenca-eventual/

Em comemoração ao Dia das Crianças, A Administração Regional do Plano Piloto promove no dia 12/10, terça-feira, a ação social “Pinte e Brinque”, no Deck Sul. O objetivo é dar oportunidade de lazer e sociabilidade cultural para as crianças participantes, com atividades lúdicas e educativas, respeitando todas as medidas sanitárias exigidas durante a pandemia, como uso de máscaras de proteção facial e de álcool gel nas mãos.

Na programação, que começa às 9h, estão previstas competições de futebol, skate e ping-pong, oficinas de basquete, queimada e pula-corda, além de diversas brincadeiras, distribuição de kits de lanches e premiações durante as atividades.

O Deck Sul recebeu diversas ações de zeladoria e manutenção e teve recentemente a instalação de um posto de vigilância 24 horas como medida de segurança para os frequentadores e como estratégia para impedir os atos de vandalismo no local.

SERVIÇO

Ação social “Pinte e Brinque” – Dia das Crianças

Local: Deck Sul – Setor de Clubes Esportivos Sul – Asa Sul

Data: 12/10 – terça-feira

Horário: 9h

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – RA-PP

Arte: Secom/GDF

 

O secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues, assinou, na tarde desta quarta-feira (5.10), ordem de serviço no valor de R$ 485 mil para a reforma do Teatro Plínio Marcos, do Complexo Funarte Brasília, que se integrou aos equipamentos da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec).
“Vim pessoalmente à Funarte, com toda a equipe da Secec e a presença da administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, para anunciar essa reforma para que possamos, em breve, encher esse palco de arte”, destacou o gestor da pasta.
A obra terá duração de 60 dias e prevê manutenção da fachada, impermeabilização da cobertura, pintura externa, recuperação das calçadas, manutenção das esquadrias de vidros e recuperação de captação de águas pluviais.

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

Foto: Emanuelle Sena/Ascom RA-PP

Ela foi a primeira escola de Brasília. Inaugurada em 19 de maio de 1960 pelo então presidente da República Juscelino Kubistchek, acabou sendo parcialmente consumida por um incêndio em agosto de 2019. Erguido em uma área de 55 mil metros quadrados, o Centro de Ensino Fundamental (CEF) Caseb, na 909 Sul, foi recuperado pelo Governo do Distrito Federal (GDF) por meio do projeto Adote uma Escola – uma parceria do poder público com a iniciativa privada.

Na manhã deste sábado (2), a escola reformada foi visitada pelo governador Ibaneis Rocha e pela primeira-dama e secretária de Desenvolvimento Social Mayara Noronha Rocha.

Ex-aluna da unidade, foi dela a iniciativa de convencer outras autoridades e empresários da cidade que também estudaram lá para, em uma ação voluntária e de parceria com o GDF, recuperar o prédio.

“Os resultados positivos provam que a união do público com privado pode dar certo. E resultados como os vistos aqui hoje nos prova que estamos indo no caminho certo”, declarou Ibaneis.

A reforma ficou sob coordenação da Subchefia de Políticas Sociais e Primeira Infância do Gabinete do Governador e contou com a parceria integrada de pastas e órgãos do GDF, como as secretarias de Projetos Especiais; de Educação; de Esporte e Lazer; e de Justiça – com a mão de obra dos reeducandos da Funap. Também participaram a Companhia Urbanizados da Nova Capital (Novacap); a Região Administrativa do Plano Piloto; e o Corpo de Bombeiros.

Ao voltar à unidade de ensino em 15 de outubro de 2020 – dessa vez como secretária de Estado -, Mayara contou ter reativado diversas memórias afetivas do seu tempo de estudante. “O Caseb faz parte da minha história. Aqui vivenciei alguns dos melhores momentos da minha pré-adolescência”, disse, ao lado da aluna da primeira turma do Caseb, Cosete Ramos, uma das entusiastas da ideia.

Secretária de Educação, Hélvia Paranaguá lembrou a importância de pessoas que fazem parte do governo hoje e que passaram pelo ensino público. “Por isso somos obstinados a dar prosseguimento a esse sistema de ensino de qualidade no Distrito Federal.”

O CEF Caseb tem dez blocos, sendo um administrativo, com 20 salas de aula; um laboratório de informática; um auditório; um ginásio poliesportivo; uma sala de leitura; um refeitório; quatro quadras poliesportivas; um galpão multiúso; um bloco de laboratórios; e um pátio multiúso coberto.

Quem fez o quê

Na reconstrução da escola, os projetos de paisagismo e de jardinagem foram executados pela Novacap. Coube à Secretaria de Educação a estruturação dos prédios, com a troca de piso, a recuperação e construção de novas calçadas; e as reformas da caixa d’água e da grade que cerca o colégio. Além disso, foi feita a manutenção na parte elétrica com a troca de fiação e a instalação de novos quadros de energia – tudo isso ao custo de R$ 500 mil.

Novas intervenções ainda serão feitas. A reforma das quadras esportivas está em processo de licitação pela Secretaria de Esporte e Lazer. Na área externa, a Administração do Plano Piloto segue reformando a calçada.

Ex-vice-governador do DF, o empresário Paulo Octavio, que também estudou no Caseb, doou 1,2 mil litros de tinta para pintura de todo o espaço. “O que estamos vendo é a escola que é uma marca na cidade. Aqui aprendi muito, moldei minha personalidade e fui muito feliz”, declarou ele.

Adote um espaço público

Quase três anos após ser lançado, o Adote uma Praça se expandiu e ganhou outras frentes, estando presente em 22 regiões do DF. De acordo com o secretário de Projetos Especiais Roberto de Andrade, o programa já recebeu 162 propostas de adoção, entre praças, estacionamentos, um setor inteiro (Setor Hospitalar Sul), parques infantis, banheiros públicos, áreas verdes, rotatórias, jardins, estádio de futebol, parque para pets, quadra de peteca, passagem subterrânea de pedestres, becos e, agora, escola. Dessas, 55 já foram entregues, 32 estão em processo de reforma e 58 em análise técnica.

“O Adote transcendeu a praça e agora é do espaço público. A proposta é criar uma integração entre o governo e a sociedade civil, despertando no cidadão a consciência de cuidar e preservar um espaço que é dele”, destacou Andrade.

Fonte: Agência Brasília

Retomar as atividades econômicas da cultura do Distrito Federal é a proposta do FAC (Fundo de Apoio à Cultura) Brasília Multicultural II, lançado nesta quarta (29) pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec). Com investimento total de R$ 58 milhões, o Edital nº 26/2021, do FAC, vai contemplar projetos de cinema e grandes eventos, com geração de cerca de 100 mil empregos diretos e indiretos.

O secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues, comemora: “Como nunca antes, todas as linguagens culturais foram alcançadas, com os recursos sendo descentralizados para ampliar o leque de oportunidades. Como nunca antes, a periferia foi tão contemplada”.

O Multicultural II é fruto da suplementação de R$ 91,6 milhões do FAC, sendo R$ 58 milhões para esse certame que contempla 61 projetos e R$ 16,8 milhões adicionados aos R$ 53,7 milhões do Multicultural I, que passa a validar 930 projetos. Além disso, foram destinados R$ 4,5 milhões (5%) para gestão do FAC e R$ 13 milhões de empenhos cancelados de 2020.  Ao todo, o FAC, em 2021, ficou em torno R$ 161 milhões. Assim, o GDF teve o maior orçamento público destinado para cultura no Brasil neste ano.

“Se o Multicultural I tinha o objetivo de descentralizar, democratizar e incluir, o Multicultural II vem com o viés da retomada das atividades econômicas do DF, com a proposta de geração de cerca de 100 mil empregos num prazo de seis meses”, detalha o subsecretário de Fomento e Incentivo Cultural, João Moro. Cada proponente pode apresentar até dois projetos, mas somente um será selecionado. Vinte e duas linguagens artísticas serão contempladas em ao menos 61 projetos distribuídos em duas áreas: audiovisual e plataformas culturais. Os interessados devem estar com o Ceac (Cadastro de Entes e Agentes Culturais) válido até 6 de outubro.

Consulta pública

A Secec abriu consulta pública para a qual recebeu contribuições de todos os segmentos da comunidade cultural. Após análise, algumas ações foram acatadas como critérios de regionalização, eventos de porte menor – o que quase dobrou a quantidade de vagas.

“Quero agradecer as contribuições e dizer que conseguimos reunir aquilo que é o desejo de todos: a retomada das atividades, a oportunidade de voltar a trabalhar, de fazer girar a cultura, com emprego e renda”, destaca o titular da Secec.

 Cinema

Para o audiovisual, o FAC Brasília Multicultural II reservou oito linhas de apoio, com aporte de R$ 37,2 milhões, que serão distribuídos em, no mínimo, 34 projetos.

Serão contemplados ao menos 16 projetos, com recursos entre R$ 1 milhão e 1,5 milhão, na linha Produção de longa-metragem – que abrange ficção, documentário, produções de baixo orçamento e a categoria Meu Primeiro Longa, um incentivo a filmes de diretores estreantes, com reserva de vagas para equidade de gênero e racial.

A área prevê ainda projetos de obra seriada, mostras e festivais e projetos livres. Em todas as linhas, há reserva de ao menos uma vaga para projeto inscrito por proponente residente em local distinto da região central do DF (Plano Piloto, Sudoeste/Octogonal, Lago Sul e Lago Norte).

Plataformas culturais

A área engloba sete linhas de apoio, entre plataformas em rede e grandes eventos, com aporte total de R$ 20,8 milhões, distribuídos por, no mínimo, 27 projetos.

Serão destinadas seis linhas a feiras, eventos, mostras e festivais (temáticos, consolidados, tradicionais, médio porte, novas iniciativas de médio porte e Meu Primeiro FAC), com recurso aportado entre R$ 400 mil e R$ 1,5 milhão para cada projeto.

Além disso, será oferecida uma vaga para projeto de até R$ 1 milhão na linha Plataformas em Rede, que deve apresentar uma sequência de eventos, mostras ou festivais de pequeno ou médio porte a serem realizados por agentes culturais que possuam Ceac de pessoa física ou jurídica.

Acessibilidade

De acordo com o edital, todos os projetos precisam ter, obrigatoriamente, formatos comunicacionais ou prever estruturas físicas ou logísticas acessíveis às pessoas com mobilidade reduzida ou com deficiência.

Além disso, todos os projetos inscritos devem ser acessíveis aos deficientes visuais, conforme determina a Lei nº 6.858/2021, que dispõe sobre a garantia de acessibilidade dos deficientes visuais aos projetos culturais patrocinados ou fomentados com verba pública no Distrito Federal.

O edital ainda tem, entre seus quesitos gerais, pontuação para participação de pessoas com deficiência na ficha técnica, indicando acessibilidade não apenas àqueles que consomem a cultura, mas também a quem trabalha dentro da economia criativa.

Inscrições

As inscrições podem ser feitas de quinta-feira (30) até as 18h de 14 de outubro deste ano, por meio de sistema eletrônico disponível neste link.  Os interessados devem encaminhar formulário de inscrição, planilha orçamentária, currículo, portfólio e outros documentos exigidos no edital.

A Secec vai aceitar novos registros ou renovações no Ceac que sejam encaminhados até 6 de outubro. Proponentes podem consultar a regularidade do cadastro no site do FAC, ou, presencialmente, na sede da Secec, no Anexo do Teatro Nacional.

Fonte: Agência Brasília

A Copa Brasília retorna após um ano de hiato, por causa pandemia de Covid-19. Para a edição deste ano, o torneio vai reunir 33 times, representando todas as regiões administrativas do DF. Os estreantes são: Arniqueiras e Sol Nascente/Pôr do Sol.
 

As disputas vão ocorrer nos ginásios do Centro de Atividades Sesc Ceilândia Bartolomeu Gonçalves Martins e do Cruzeiro. A Copa é ​uma parceria do Sesc-DF com a Globo. Os jogos começaram no dia 25 de setembro.

A Copa Brasília terá dois meses de duração e a grande final será transmitida pela Globo ao vivo no dia 20 de novembro. Os jogos possuem a duração de 50 minutos, com dois tempos de 25. Serão premiados os três primeiros colocados com troféus e medalhas, além dos melhores jogadores.

Campeão da edição de 2018, o Plano Piloto busca o seu segundo título na competição. A equipe do Plano Piloto está no Grupo A junto com Guará, Recanto das Emas e Samambaia e briga pela classificação. 
 
 
Confira o calendário do grupo que está o Plano Piloto:
 
28 de setembro (Sesc Ceilândia)
19h45 – Guará 4 x 0 Recanto das Emas
21h – Plano Piloto 4 x 4 Samambaia
 
9 de outubro (Sesc Ceilândia)
19h – Guará x Samambaia
 
12 de outubro (Sesc Ceilândia)
15h – Plano Piloto x Recanto das Emas
 
23 de outubro (Sesc Ceilândia)
15h – Guará x Plano Piloto
16h – Recanto das Emas x Samambaia
 
Dia da Final: 20/11
Para mais Informações: 3218-9113​
 
Texto: Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura/ ASCOM/RA-PP
Fotos: Emanuelle Sena/ ASCOM/RA-PP

A Secretaria de Saúde divulgou nesta segunda-feira (27/9) boletim epidemiológico com os registros dos números da dengue durante as primeiras 18 semanas do ano em todas as regiões do DF.

O Boletim Epidemiológico é produzido semanalmente pela Gerência de Vigilância das Doenças Transmissíveis (GVDT), da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVEP), da Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS), da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) – GVDT/DIVEP/SVS/SES-DF.

As informações sobre dengue apresentadas neste Boletim são referentes às notificações no Distrito Federal (DF), ocorridas entre as Semanas Epidemiológicas (SE) 01 a 36 (03/01/2021 a 11/09/2021), disponíveis no Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN Online. Todos os dados deste Boletim são parciais e provisórios, sujeitos as alterações, podendo ocasionar diferenças nos números de uma SE para outra.

Acesse o último boletim aqui.

Leia o boletim anterior aqui.

Embora a tendência de queda tenha se mantido desde o início deste ano, as ações de prevenção e de combate ao mosquito devem ser mantidas diariamente começando dentro de casa.

Com as chuvas, deve ser redobrado o cuidado com possíveis depósitos de água, como pneus, garrafas e outros recipientes. Veja a seguir algumas dicas de como se proteger da dengue e evitar a proliferação do mosquito:

Informações: Secretaria de Saúde

 

 

O Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER) fará a interdição de duas alças de acesso à Estrada Parque Aeroporto (Epar/DF-047). A operação começa às 9h desta terça-feira (28), implantando bloqueio para motoristas que saem do Lago Sul, pela Estrada Parque Dom Bosco (DF-025), em direção ao Plano Piloto.

O ajuste viário será feito na altura do Km 3 da Epar e permitirá a sequência do cronograma da obra de duplicação da rodovia. Com a intervenção, cerca de 20 mil motoristas que seguem diariamente do Lago Sul pela EPDB com destino ao centro de Brasília acessarão o desvio de aproximadamente 80 m localizado cerca de 300 m depois das alças interditadas na DF-047. A previsão é que o bloqueio do trecho dure 90 dias.

A obra

Os trabalhos no trecho de aproximadamente 1,8 km em que serão construídas as novas faixas de rolamento começaram em junho de 2020, abrangendo a Estrada Parque Dom Bosco (EPDB/ DF-025) e a Estrada Parque Guará (EPGU/ DF-051), entre o antigo Balão Dona Sarah Kubitschek e o viaduto Camargo Corrêa.

O contrato, no valor aproximado de R$ 12 milhões, inclui nos serviços a construção de ciclofaixas, ciclovia e a execução da sinalização vertical e horizontal, além da instalação de uma barreira de concreto New Jersey na extensão do trecho.

Com as novas faixas, a capacidade de fluxo da via será melhorada em 70%. “Ali existe um estreitamento de pistas, e a construção de novas faixas vai proporcionar uma maior fluidez e segurança no trânsito”, informa o superintendente de obras do DER, Cristiano Alves Cavalcante.  Quando concluída, a obra vai beneficiar cerca de 100 mil motoristas que passam pelo local todos os dias.

Fonte: Agência Brasília

 
Um dos locais mais movimentados do Setor Comercial Sul (SCS) –  a Praça do Povo – passa por uma grande reforma com paisagismo, novas calçadas, mobiliário urbano, pista de skate, espaço para quiosques e acessibilidade.
 
Para contribuir com mais segurança no local, a CEB Ipes instalou 30 novos pontos de iluminação pública com 36 luminárias de LED e ainda substituiu 68 luminárias convencionais, que já estavam instaladas, também por modelos de LED.
 
A obra e a melhoria do sistema de iluminação, que destinaram 104 luminárias de LED para a praça, foram realizadas com recursos da Contribuição de Iluminação Pública (CIP), no valor de R$ 167 mil.
 
Localizada na Quadra 3 do Setor Comercial Sul, a Praça do Povo tem uma área de 2,8 mil m² e recebe diariamente cerca de 150 mil pessoas. “A Praça do Povo está localizada no coração do SCS. É um espaço central onde as pessoas transitam à noite quando saem do trabalho, caminham para as diversas paradas de ônibus da região e onde os jovens confraternizam e usufruem do local. A nova iluminação pública vai permitir que todas essas pessoas tenham uma boa visibilidade de onde estão e de quem se aproxima, e uma maior sensação de segurança, onde a cidadania se pronuncia através da luz”, declara o presidente da CEB Ipes, Edison Garcia.
 
Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, a iluminação é fundamental para segurança das pessoas e para o embelezamento da cidade. “O Setor Comercial Sul é um lugar central em Brasília com relevância cultural, econômica e social para todo o DF. Merece toda atenção, cuidado e luz”, disse.
 
Fonte: Agência Brasília

Faleceu neste domingo, (26/9), aos 95 anos, o cardeal Dom José Freire Falcão, arcebispo emérito de Brasília, devido à complicações causadas pela covid-19.

Arcebispo de Brasília durante 20 anos, Dom Falcão deixa legado de numerosas obras nas igrejas do DF.

A Administração Regional do Plano Piloto registra condolências e deseja conforto aos familiares e amigos de Dom Falcão e à toda a comunidade católica de Brasília.

 

Créditos: Arquidioces de Brasília/Divulgação

 
A Administração Regional do Plano Piloto lamenta profundamente a morte de Lucília Garcez, professora aposentada do Instituto de Letras da Universidade de Brasília (UnB), membro da Academia Brasiliense de Letras e da Associação Nacional dos Escritores (ANE), que faleceu nessa quinta-feira (23/9), aos 71 anos.

Lucília era autora de mais de 20 livros. Foi professora de língua portuguesa do Instituto Rio Branco, responsável pela formação de diplomatas, por oito anos. Era uma grande incentivadora da leitura e da literatura e fará muita falta para a população brasiliense.
A Administração oferece suas sinceras condolências à família e amigos de Lucília Garcez nesse momento de dor.
 
Créditos da foto: Reprodução Fundação Astrojildo Pereira
A partir de hoje, sexta-feira (24/9) começa o curso virtual para formação de lideranças e prefeitas (os) comunitárias (os) no Plano Piloto, ministrado pelo professor Jeann Cunha, prefeito da 105 Norte, com apoio da Administração Regional do Plano Piloto (RA-PP) e do Conselho Comunitário da Asa Norte (CCAN).

O Jeann criou um manual informativo que lista todo o passo a passo para se realizar trabalhos comunitários. Sendo morador da 105 Norte e a prefeitura da quadra estando desativada, ele decidiu reativá-la, começando tudo do zero, mesmo sem saber por onde começar. 

“Eu já tinha esse desejo de ativar a nossa prefeitura, mas não sabia por onde começar, pois não se tinha nem um documento informando o que fazer. Por esse motivo eu tomei a decisão de que iria criar esse documento informativo e assim ajudar as pessoas que queiram entrar para as lideranças comunitárias ou até mesmo fundar uma nova prefeitura em sua quadra”, disse Jeann Cunha.  
 

A Administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, reforçou a importância da parceria entre os órgãos públicos e a comunidade para um melhor andamento das resoluções de demandas.

“As prefeituras de quadra, aqui no Plano Piloto, têm um papel muito importante quanto a organização de demandas da comunidade e apresentação ao órgão competente. É muito mais fácil resolver os problemas de uma forma organizada, sendo coletadas e trazidas à Administração Regional pelos prefeitos, do que de forma esporádica. 

Jeann teve o auxílio da especialista de criação e gestão de comunidade, Izadora Barros, que usou seu conhecimento para incrementar o manual com os passos para se criar uma comunidade. "Uma prefeitura comunitária, nem sempre é uma comunidade" explica ela.
"Uma prefeitura nem sempre é uma comunidade. Para ser comunidade precisa ter relacionamento entre todas as partes, confiança, pontos de conexão, pontos de encontro… precisa ter a relação interpessoal cultivada e não apenas cuidar da parte física do lugar. Por ser de certa forma abstrato, as pessoas tem dificuldade de entender, por isso a necessidade deste manual tratar o passo a passo das burocracias e também de como se criar uma comunidade. O manual está bem completo!", contou Izadora.

O curso será gratuito e terá 10 encontros, cada um com um convidado ao final. Ocorrerá das 19h ás 20h todas as sextas-feiras, a partir do dia 24. Cada tópico terá um assunto diferente, visando tratar dos principais passos tratados no manual para prefeitura comunitária.

A primeira convidada será a prefeita da 115 Norte e integrante do Conselho Comunitário da Asa Norte (CCAN), Vera Reuber Coradin, que estará presente na primeira aula (dia 24). Para ela, o curso é uma “grande oportunidade para muitas quadras de Brasília, que ainda não tem prefeitura organizada”.

“Para qualquer pessoa que deseja mobilizar seus vizinhos para formar uma Associação, ou uma Prefeitura Comunitária, é importante receber informações básicas sobre como proceder. O curso on-line para formação de lideranças comunitárias será uma grande oportunidade para muitas quadras de Brasília, que ainda não tem prefeitura organizada. Parabéns à Administração do Plano Piloto, ao CCAN e ao facilitador do curso Jeann Cunha, por proporcionar essa oportunidade às comunidades que desejam se organizar”, contou ela.
 

Site para adquirir o manual: https://jeanndacunha.com.br/manual-prefeitura-comunitaria
Contato: conselhocomunitarioasanorte@gmail.com
 
Texto: Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura

Com aporte de R$ 150 mil, a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec–DF) selecionou 50 artistas da comunidade LGBTQIA+ para serem premiados com R$ 3 mil cada. A cerimônia acontece nesta quinta-feira, às 20h, no auditório do Museu Nacional da República, em cerimônia restrita a convidados, respeitando os protocolos sanitários.

“Desde que assumi a gestão da pasta de Cultura e Economia Criativa, voltei minha atenção e preocupação para a comunidade LGBTQIA+, simultaneamente uma das mais invisíveis e fortes da cadeia de cultura. Historicamente perseguidos, seja pela ditadura militar, seja pelo preconceito e práticas homofóbicas, acredito que esse segmento precisa de ações afirmativas para mostrar a sua potência”, diz Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa do DF.

O reconhecimento se consolidou após a inclusão, pela pasta, de artistas LGBTQIA+ no Cadastro de Entes e Agentes Culturais (CEAC). O Edital Nº 13/2021, por sua vez, buscou democratizar o acesso de novos agentes, com reserva de 20% das vagas para aqueles que nunca haviam sido contemplados por editais do Fundo de Apoio à Cultura (FAC).

A comissão de seleção do prêmio avaliou 300 fichas de inscrições e portfólios de artistas consagrados no segmento, que concorreram ao certame por suas devidas contribuições ao desenvolvimento artístico do DF e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE).

A subsecretária de Difusão e Diversidade Cultural (SDDC), Sol Montes, explica que o projeto de premiação surgiu a partir do entendimento de que a população LGBTQIA+ é numerosa, potente, criativa e, ao mesmo tempo, invisibilizada pelo estado.

“Tivemos 300 inscrições de todas as regiões administrativas (RAs), trazendo-nos dados e números que permitem pensar futuras políticas públicas mais precisas. Basta ler as histórias de cada um para saber que esse segmento merece cada vez mais nosso apoio”, diz Sol Montes.

Com o objetivo de prestigiar e dar protagonismo aos artistas, o balanço da Secec é de que o prêmio cumpriu seu papel de inclusão. Segundo análise da SDDC, o índice de contemplados como primeiro beneficiário ultrapassa o número de vagas reservadas. A comissão também optou por premiar seguindo os parâmetros de equidade de gênero.

Na publicação dos resultados, a Secec teve o cuidado de prezar pela divulgação dos nomes sociais de cada proponente, conforme política pública estabelecida no Decreto nº 37.982, de 30 de janeiro de 2017.

Orgulho e bem-querer

“Eu já estou com a roupa de ir”, brinca Jéssica Alves, premiada por sua trajetória como produtora cultural, desde 2017 atuando como coordenadora das Paradas de Brasília e Taguatinga. “A verdade é que estou muito ansiosa, com saudades de eventos. Mesmo que seja com poucas pessoas, isso vai ser importante”, completa.

Para Jéssica, mulher negra, ceilandense e bissexual, suas produções buscam valorizar, sobretudo, as interseccionalidades (estudo da sobreposição ou intersecção de identidades sociais e sistemas relacionados de opressão, dominação ou discriminação) artísticas da sigla. Jéssica produz a também premiada Kédma Thaís, a cantora ceilandense de nome artístico Prethaís.

“Fico imensamente grata, pelo olhar sincero para com uma das comunidades que mais resiste fazendo arte neste país. Fazer música representando corpos negres LGBTQIA+ que amam seus semelhantes e ser reconhecida por isso é importante, sobretudo nesse momento”, diz a cantora e compositora.

Entre lentes, câmeras e flashes, Emanoel Nobre, residente da M-Norte, fotografa seres humanos em interações, incluindo a fantasia em seu processo de criação. Ele conta que busca tornar a realidade mais poética e silenciosa.

“No começo, não entendia muito bem se o que eu estava fazendo era bom ou ruim, mas com estudos e práticas, eu fui me moldando aos poucos, na verdade, ainda estou em processo. Participei da premiação sem muita expectativa, mas com fé no que eu faço e acredito”, relata Emanoel.

Carol Ribeiro, de Planaltina, dedica seu prêmio à mãe Maria Edna Ribeiro, falecida há 3 meses por complicações da covid-19. Carol é produtora cultural do DF, jornalista, oficineira de um projeto de poesia e atuante em campanhas que reforçam o respeito à identidade LGBTQIA+.

Assistente social, e envolvida com a comunidade, Maria Edna convivia com amigos músicos e artistas, o que, desde pequena, chamou a atenção de Carol. Ambas frequentavam a Casa de Cultura de Planaltina.

“Falo de minha mãe porque, mesmo com a sua partida, sinto ela viva nesse momento. Porque posso sentir as coisas em que ela acreditava se materializando de alguma forma. Não só para mim, como para outras pessoas, e, para fazer um adendo, às pessoas que acreditam que arte é um elemento transformador e inclusivo”, conclui Carol.

Prêmio LGBTQIA+ 2021
Data: 23/9
Horário: 19h
Local: Museu Nacional da República
Entrada restrita a convidados e selecionados no prêmio
*A gravação do evento ficará disponível no YouTube posteriormente

Confira a lista dos indicados para o prêmio:
– Artur Mello Cavalcante
– Carol Voigt
– Fábio Martins
– Edilene Colado
– Thango
– Luiz Gustavo Amorim Nunes
– Victor Hugo Soulivier
– Larisse Raquel de Jesus Lopes
– Larissa Hollywood
– Isadora Santos de Jesus
– Paulo Cesar Bastos da Silva
– Andy Souza
– Marcus Vinícius Azevedo de Mesquita
– Ruth Venceremos
– André Luiz Pinto Ferreira
– Maria Eduarda Santos Rodrigues
– Mel Mesquita
– Mary Gambiarra
– Iris Marwell
– Gherald George Almeida de Oliveira
– Amaro
– Emanoel Porto Nobre
– Pablo Hércules Cunha
– Ronnalty Cordeiro
– Madison
– Rafael Veiga dos Santos
– Haynna Jaciara Mendes e Silva
– Emerson da Ponte Lima
– Rafaelly Godoy Brito (La Conga Rosa)
– Lucas Miguel Salomão Meireles
– Elvira Retriever
– Fetxawewe Tapuya Guajajara Verissimo
– Bruno Henrique Coelho de Oliveira
– Kaio Kimera
– Alexandre Ribondi
– Ruan Ítalo de Araújo
– Baby Brasil
– Ana Caroline Brito Gonçalves
– Ricardo Caldeira de Souza
– Lélia de Castro Gramignolli
– Luis Gustavo Pereira Furtado
– Carolina Ribeiro
– Guylherme Almeida
– Debora Rita da Silva Pereira
– Jéssica Alves Silva
– Lu Shonda
– Kédma Thais dos Santos
– Caio Handel
– Leandro Gustavo
– Marcus Alexandre Torres de Souza

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal

Fonte: Agência Brasília

O Centro de Referência Interdisciplinar em Síndrome de Down (CrisDown) do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) é referência não apenas no Distrito Federal e região do entorno, mas para outros estados do país, no atendimento a pessoas com síndrome de Down. São cerca de dois mil pacientes cadastrados, contemplando desde gestantes que recebem o diagnóstico da trissomia do cromossomo 21 a outras faixas etárias de público.

Assim, bebês, crianças, adolescentes, adultos e idosos encontram atendimento humanizado e interdisciplinar no local. Segundo a coordenadora do CrisDown, a terapeuta Carolina Vale, o serviço atende atualmente 1.878 pacientes. A equipe possui em torno de 30 profissionais, entre fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, psicólogo, nutricionista, assistente social, geneticista, pediatra, cardiopediatra, neuropediatra e clínico geral.

A coordenadora do serviço explica que o trabalho é interdisciplinar e foi pensado assim para proporcionar um olhar integral aos pacientes: “O intuito do CrisDown, quando construímos o serviço, foi facilitar essa interlocução entre as áreas e evitar que os pacientes ficassem andando na rede em busca de atendimento com diversos profissionais”.

Um dos pacientes atendidos é o pequeno José Pedro, de 3 anos e 8 meses. Acompanhado da mãe, a professora Eliane Dourado, ele foi acolhido no serviço assim que nasceu e passa por sessões semanais de fisioterapia e terapia ocupacional, além de ter acompanhamento com o ortopedista e a pediatra. “A equipe é muito acolhedora e o atendimento é sempre muito humanizado. Os profissionais são muito comprometidos e solícitos com as nossas necessidades”, avalia Eliane.

A também professora Ana Lúcia Silva de Souza, mãe de Rafael, de 2 anos e 4 meses, leva o filho ao CrisDown desde quando ele tinha dois meses de vida e diz estar satisfeita com o acolhimento recebido. “Viemos participar de uma palestra e, desde então, ele está aqui sendo atendido. O desenvolvimento dele tem sido surpreendente. Ele já está andando, já fala algumas palavras”, comemora.

Pandemia

Carolina Vale lembra que, com a pandemia, foi necessário repensar a forma de atendimento. “A gente precisava fazer alguma coisa, pois os pacientes tinham perdido muito em termos de desenvolvimento global – motor, cognitivo e de fala – e isso nos angustiava”, relata.

“São seis pacientes pela manhã e seis à tarde”, detalha a terapeuta. “Geralmente, os pais entram junto para acompanhar as atividades e poder auxiliar em casa, mas cada família fica distante, dentro da sala, seguindo os protocolos recomendados”. Mesmo com as dificuldades impostas pelo momento, diz Carolina, o serviço acolheu quase 100 pacientes em 2020.

O serviço

O CrisDown nasceu em 2013 e funcionou primeiramente na Unidade Básica de Saúde (UBS) da 905 Norte. Atualmente, o serviço está disponível no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), onde era a creche. A entrada é separada do hospital, proporcionando mais tranquilidade aos pacientes.

É preciso entrar em contato por WhatsApp (99448-0691) e agendar. “Antes era acolhimento aberto, era possível receber muitas pessoas. Hoje, em função da pandemia, isso mudou. Passamos a trabalhar com agendamento e atendemos três famílias às sextas pela manhã”, esclarece a coordenadora. Quando chegam ao CrisDown, as famílias conversam com a equipe. Após esse acolhimento, é feita a estratificação de risco.

Após essa etapa, explica a gestora, o paciente é classificado de acordo com o risco. “Os vermelhos [marcados com identificação dessa cor] possuem prioridade, e então é feito o agendamento de acordo com a necessidade”, explica.

“Aqui, investimos no presente para modificar o futuro. É preciso oferecer oportunidade e possibilidade para que [os pacientes] possam se desenvolver. Empoderamos as famílias para acreditar que sim, é possível que no futuro [esses pacientes] se tornem pessoas capazes de desenvolver habilidades essenciais para autonomia e independência”, salienta.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Fonte: Agência Brasília

Na manhã desta terça-feira, 21/9, a Administração Regional do Plano Piloto recebeu a visita de Renato Palomba, Síndico Bloco K, da quadra 316 da Asa Sul que trouxe demandas dos moradores e moradoras do Bloco. O principal assunto tratado foram as melhorias para os canteiros nas áreas verdes lindeiras ao prédio.

De acordo com Renato, a comunidade fez o plantio de cerva viva da espécie “Clusia” para evitar que as pessoas transitem em cima da grama e também para conter a água da chuva. Porém, segundo ele, a estratégia não tem resolvido o problema da infiltração de água que acaba prejudicando a face exterior do prédio.

“Queremos parceria com a Administração Regional para conservar a área e buscar uma solução conjunta para esse problema”, diz Renato.


Ilka Teodoro, Administradora Regional, explica que as cercas vivas são um problema urbano porque não cumprem a função esperada, nem na contenção da chuva e nem na sensação de segurança pensada pela comunidade que opta por essa plantação. “As raízes das cercas vivas se aprofundam e invadem as redes de água, esgoto, telefone e eletricidade e destroem calçadas e estacionamentos”.

Além disso, de acordo com a Administradora, as cercas vivas acumulam sujeiras propiciando a proliferação de pragas como ratos e pombos, além de impedir a livre circulação de pedestres, considerada uma das características mais importantes da cidade”.
Ilka sugeriu a implantação de um jardim de chuva com plantas nativas do cerrado como solução para o problema apresentado, porque essas espécies não retêm a água da chuva e permitem a permeabilidade do solo.

Sobre os outros pedidos apresentados, que já foram formalizados pelo e-mail do Núcleo de Protocolo e Arquivo, a Administradora reforçou que os andamentos dos processos podem ser acompanhados por meio do Acesso ao Usuário Externo.

Tem algum processo no Sistema Eletrônico de Informações (SEI)? 

Saiba aqui como acompanhar o andamento.
 
Por: Ramíla Moura/ Ascom RA-PP
Fotos: Emanuelle Sena/ Ascom RA-PP

Como qualquer criança, Yure Koppe, 3 anos, não para quieto. A agitação do pequeno, porém, vai um pouco além por um detalhe imperceptível: ele tem autismo. Para a mãe, Ana Karolina Koppe, segurar o garoto enquanto aguarda numa fila de banco, supermercado ou atendimento médico é uma batalha.

Por isso, agora ela comemora a publicação da Lei 6.945/202, que inclui pessoas com Transtorno Espectro Autista na lista de atendimento prioritário em estabelecimentos comerciais, serviços e instituições financeiras.

“As pessoas com autismo costumam ser impacientes, principalmente quando estão em locais com muitas pessoas e precisam ficar esperando. O Yure corre, mexe em tudo. Esperar em uma fila de banco com ele é uma dificuldade, pois normalmente não tenho com quem deixá-lo. Essa lei é uma grande conquista”, diz Ana Karolina.

A nova legislação entra em vigor partir de 14 de outubro. Até lá, os estabelecimentos terão que afixar, em local visível, placa com os seguintes dizeres: “Atendimento prioritário a gestantes, mães com crianças no colo, idosos com idade igual ou superior a 60 anos, pessoas com deficiência física, pessoas com obesidade grave ou mórbida, pessoas que se submetem à hemodiálise, pessoas com fibromialgia, pessoas portadoras de neoplasia maligna e pessoas com transtorno do espectro autista – TEA”, conforme especifica a lei. Em caso de não cumprimento, a população pode denunciar no Procon.

Para a diretora da Associação Brasileira de Autismo, Comportamento e Intervenção, Lucinete Ferreira de Andrade, que é mãe da jovem, autista, Mayara Ferreira de Abreu, 18 anos, o maior benefício dessa lei é a redução do tempo de espera que, na maioria das vezes, é desencadeador de stress.

“Autistas em ambientes como mercados, shoppings, devido a questões sensoriais tendem a ter crises. Isso implica em prejuízo social, já que as famílias ficam mais receosas com crises na rua”, aponta.

Para ter direito à prioridade, é preciso apresentar algo que identifique o autismo. “Atualmente, eles podem apresentar o laudo médico. Mas estamos nos preparando para começar a emitir uma carteirinha especial para essas pessoas”, adianta o chefe de gabinete da Secretaria da Pessoa com Deficiência, Alisson Dias.

O decreto que regulamenta (Decreto nº 41.184) a instituição da Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea) já foi publicado.

Estacionamentos
Atualmente, não há dados oficiais de quantos autistas há no Distrito Federal, mas Alisson Dias diz que a estimativa é de que tenha, pelo menos, 15 mil pessoas com o transtorno.

A lei publicada esta semana vem somar a outras políticas públicas já garantidas para quem tem Transtorno do Espectro Autista no DF. Uma delas é a Credencial de Estacionamento para Autista, lançada em 2020 pelo Detran.

Com o documento, os deficientes têm modelo especial para identificação do veículo. A nova credencial traz o símbolo universal do autismo – um laço com estampa de quebra-cabeças – e dobrou a validade para 10 anos.

A Lei Federal nº 10.098/ 2000, assegura a reserva de 2% das vagas em estacionamento regulamentado de uso público para serem utilizadas exclusivamente por veículos que transportem pessoas portadoras de deficiência ou com dificuldade de locomoção.

Já a Lei Distrital nº 4.568/2011 garante ao condutor de veículo que estiver conduzindo pessoa autista o direito de uso das vagas especiais de estacionamento reservadas às pessoas com deficiência. Os carros estacionados nessas vagas deverão, obrigatoriamente, exibir a credencial de estacionamento sobre o painel, com a frente voltada para cima.

Outros serviços

A Secretaria de Educação oferece atendimento educacional especializado a cerca de 3,5 mil estudantes com TEA em escolas inclusivas da rede pública de ensino, com atendimento especializado em sala de recursos no horário contrário ao turno de aula regular. Também são realizados atendimentos em 13 centros de ensino especial.

Na Saúde, a cadeia de assistência aos pacientes com casos de TEA é formada pela Rede de Atenção Primária, pelos ambulatórios especializados e por unidades como os CAPSi, o Centro de Atenção Psicossocial tipo I ou II (CAPS I), Centro de Orientação Médico-Psicopedagógica e o Adolescentro.

Além disso, as demandas para reabilitação neuromotora dos pacientes com TEA são realizadas pelos Centros Especializados em Reabilitação Física e Intelectual (CERs) de Taguatinga; o Hospital de Apoio; e do Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (Ceal-LP).

Fonte: Agência Brasília

Mapa do site Dúvidas frequentes Comunicar erros