19 de maio

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
6/03/23 às 16h08 - Atualizado em 6/03/23 às 16h08

Projeto Parque Educador, de educação ambiental, bate recorde de inscrições

COMPARTILHAR

O Projeto Parque Educador – iniciativa do Instituto Brasília Ambiental em parceria com as secretarias de Educação (SEE) e de Meio Ambiente e Proteção Animal (Sema) – bateu recorde de inscrições neste primeiro semestre de 2023, o que revela o sucesso e a possibilidade de ampliação do programa.

Ao todo, 244 turmas fizeram inscrição, representando um crescimento de 61,5% com relação ao primeiro semestre do ano passado, quando foram inscritas 151 turmas. As contempladas neste primeiro semestre são compostas por um total de 2.880 alunos. Nesta terça-feira (7) será realizada a primeira reunião interna com as novas turmas para orientação sobre o funcionamento do projeto, que começa no dia 14.

Com relação ao mesmo período de 2021, quando foram inscritas 55 escolas, o crescimento foi de 343%. De acordo com o coordenador do programa, o coordenador ambiental Luíz Felipe Blanco, a menor procura no início de 2021 é atribuída à pandemia, que permitiu a oferta de apenas 36 vagas, além da suspensão de atividades presenciais no período. 

“O crescimento da procura mostra que escolas que já participaram, querem continuar ou voltar ao projeto, e que outras, que nunca participaram, querem experimentá-lo”, resume Blanco, sobre o aumento da procura pelo projeto.

Integração 

O Parque Educador desenvolve atividades na Estação Ecológica Águas Emendadas/Parque Ecológico Sucupira (Planaltina), nos parques ecológicos Águas Claras, Três Meninas (Samambaia) e Saburo Onoyama (Taguatinga), Riacho Fundo e no Monumento Natural Dom Bosco/Centro de Práticas Sustentáveis (CPS). Já existem estudos que visam expandir o programa para o Gama e o Guará.

Iniciado em 2018, o projeto tem como objetivo fortalecer a educação ambiental, ampliar o espaço educativo das escolas públicas e aumentar a integração dos parques com a comunidade. Os conteúdos estudados em sala de aula são ampliados por meio de trilhas guiadas, oficinas, práticas integrativas de saúde, palestras e vivências com a natureza.

*Com informações do Brasília Ambiental

Foto: Divulgação/Brasília Ambiental

Mapa do site Dúvidas frequentes