18 de maio

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
27/01/23 às 18h00 - Atualizado em 27/01/23 às 16h10

Guajajaras do Noroeste recebem atendimento de equipe da Saúde

COMPARTILHAR

Indígenas da comunidade Guajajara, localizada no Noroeste, receberam a visita de uma equipe da Unidade Básica de Saúde (UBS) 2 da Asa Norte. Foram aplicadas 40 doses de vacinas, entre imunizantes contra covid-19, febre amarela, hepatite, tétano e varicela. Além disso, gestantes e diabéticos foram atendidos pelas cinco servidoras.

Mães e gestantes também levaram as crianças para serem imunizadas | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde

“É importante para nós chegar a vacinação aqui na aldeia”, avalia o cacique da comunidade, Francisco Guajajara. “É muito bom ter esse atendimento aqui, não precisar ir até a unidade de saúde”, completa Angelina Guajajara, 22. Ao levar o filho Benjamin, de sete meses, para atualizar a caderneta de vacinação, ela aproveitou para se imunizar contra a covid-19.

A enfermeira Jéssica Luana Gomes conta que a equipe vai semanalmente ao local, atendendo tanto os indígenas Guajajara quanto de comunidades de outras etnias. O papel dos servidores é oferecer os serviços da Atenção Primária à Saúde (APS) e, em caso de necessidade, encaminhar para as áreas especializadas.

Respeito às tradições

 

“É um trabalho diferenciado em muitos aspectos”, explica Jéssica. A enfermeira enfatiza que faz parte da conduta dos servidores manter atenção e respeito aos costumes dos povos originários e adotar uma linguagem clara para explicar a importância dos cuidados com a saúde.

Comunidades de São Sebastião, Gama e Paranoá também recebem atendimento, por meio de parceria da Secretaria de Saúde com outros órgãos

Quando essa equipe está atendendo, é necessário atingir a competência cultural”, explica o médico e antropólogo Fernando Natal, da Coordenação de Atenção Primária (Coaps) da Secretaria de Saúde (SES). Isso significa saber abordar os temas da ciência sem desrespeitar os costumes e crenças dos povos, bem como superar as barreiras linguísticas. O diálogo é fundamental para atingir os objetivos de saúde.

A SES, lembra Fernando, tem organizado oficinas setoriais com outras organizações, como Funai, Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Memorial dos Povos Indígenas e Associação Brasileira de Antropologia. Além da UBS 2 da Asa Norte, a Coaps coordena o trabalho de atenção indígena empreendido pela UBS 1 de São Sebastião e a UBS Cariru, no Paranoá. Essas unidades são responsáveis pelo atendimento de comunidades em São Sebastião, Noroeste, Gama e Paranoá.

Mapa do site Dúvidas frequentes