09 de fevereiro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
20/01/23 às 8h30 - Atualizado em 19/01/23 às 17h15

Combate à dengue é intensificado em janeiro

COMPARTILHAR

O combate ao mosquito Aedes aegypti é uma tarefa de toda a população e é também uma das prioridades do Governo do Distrito Federal (GDF). O fumacê é uma das principais estratégias para reduzir a proliferação do mosquito causador da dengue, zika vírus, chikungunya e febre amarela. Outra ação, realizada pela Secretaria de Saúde são as inspeções domiciliares em área de maior incidência da doença.

Uma das principais estratégias para reduzir a proliferação do mosquito causador da dengue, zika vírus, chikungunya e febre amarela, o fumacê percorre as ruas pulverizando inseticida; no ano passado, mais de 2,9 milhões de imóveis foram tratados em todo o território do DF | Fotos: Tony Winston / Agência Saúde-DF

“A pulverização com UBV (fumacê) é o nosso último recurso para eliminarmos o máximo de mosquitos infectados com alguns dos vírus causadores das arboviroses. O melhor horário é das 17h às 22h, pois pegamos mais portas e janelas abertas, facilitando a entrada do produto nos domicílios”, explica o coordenador de Controle Químico e Biológico do DF, Reginaldo Braga.

Nesta quarta-feira (18), as ruas da Vila Planalto foram palco do carro do fumacê, que ia e voltava de um lado e de outro pulverizando inseticida. Muitos moradores até se assustavam com a quantidade de fumaça, outros abriam suas janelas e portões.

O aposentado Eronildo José Brabosa, morador da Vila Planalto há mais de 30 anos, comemora a passagem do fumacê: “É uma ação essencial e que protege todo mundo contra a dengue”

Este é o caso do aposentado Eronildo José Brabosa, morador da cidade há mais de 30 anos. Foi só ver a fumaça passando que começou a acenar fazendo gestos positivos e de agradecimento. “Adoro quando o fumacê passa aqui, porque mata todos os mosquitos, até mesmo pernilongos. É uma ação essencial e que protege todo mundo contra a dengue. É bom demais esse tipo de prevenção”, afirmou.

Maria de Lourdes Diniz, aposentada, teve dengue há dois anos e ficou mais de dez dias com sintomas e acamada. Ela e sua família possuem plantas no quintal e na calçada, mas, segundo ela, todos fazem a limpeza contínua para evitar qualquer acúmulo de água parada.

Maria de Lourdes Diniz teve dengue há dois anos e acha importante todos colaborarem com a ação da Secretaria de Saúde: “Faço questão de acompanhar e abrir todas as minhas janelas e portas para que o veneno entre e mate os mosquitos”

“É uma doença horrível, não desejo nem pro meu pior inimigo. Por isso, acho super importante quando o carro do fumacê passa. Faço questão de acompanhar e abrir todas as minhas janelas e portas para que o veneno entre e mate os mosquitos”, relatou.

Para reforçar o combate à dengue, em outubro de 2022 a Secretaria de Saúde adquiriu 4,5 mil quilos de inseticida. Os insumos vão abastecer o Distrito Federal até junho de 2023 ou até o Ministério da Saúde entregar mais produto. O investimento foi feito por licitação regular, no valor de R$ 3 milhões. Além disso, em 2022 foram tratados com o carro do fumacê mais de 2,9 milhões de imóveis em todo o território do Distrito Federal.

Chuvas

De acordo com o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, com a chegada do período chuvoso é recomendável aumentar os cuidados em casa, pois a probabilidade de ter acúmulo de água nos quintais, em bacias, baldes, caixas d’água, pneus e, até mesmo uma tampa de garrafa, é muito maior.

“Por conta disso, historicamente, é comprovado o maior número de casos de dengue, chikungunya e zika nessa época. Peço que a população faça sua parte, se transforme em um agente de saúde e inspecione seu imóvel, acondicionando lixo em sacos, fechando corretamente e fazendo o devido descarte”, alertou.

Segundo Valero, o objetivo da Secretaria de Saúde, enquanto Estado, é interromper o ciclo biológico do mosquito, conter sua evolução e trabalhar em parceria com a população para que ela ajude a eliminar o Aedes aegypti. A população também precisa fazer o seu papel para ajudar no combate à dengue e deve comunicar a Vigilância Ambiental sobre focos no entorno de suas casas através do telefone 160.

Mapa do site Dúvidas frequentes