09 de fevereiro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
29/12/22 às 16h35 - Atualizado em 29/12/22 às 16h35

SESI LAB une interação e reflexões no centro do Plano Piloto

COMPARTILHAR

Menos de dois quilômetros separam a Rodoviária do Plano Piloto do SESI LAB, um museu 100% interativo, com a finalidade de partilhar o conhecimento de um jeito divertido e prático. Inaugurado no dia 30 de novembro, o projeto saiu do papel com total incentivo e parceria da Administração Regional do Plano Piloto e diversos órgãos do Governo do Distrito Federal.

Foto: Emanuelle Sena/ASCOM-RA-PP
 

O Museu, localizado no antigo Touring Club, no Setor Cultural Sul, tem programação voltada à educação, cultura e ciência e conta com experiências sensoriais e educativas para todas as idades.

Fotos: Vinícius de Melo/Agência Brasília


Na área externa do Sesi Lab, tem uma área verde, de 33 mil m², totalmente revitalizada com espécies nativas do Cerrado, instalações interativas e anfiteatro externo para shows, eventos e outras atividades culturais. Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, “essa é uma iniciativa inédita para curadoria das ocupações culturais, turísticas e educativas na área mais central da cidade. Uma parceria que nos enche de orgulho”, comemora.

Hartmut Günther, professor aposentado da UnB, visitou o Sesi Lab pela primeira vez com as netas e se encantou com o espaço e com as possibilidades de aprendizado oferecidas, principalmente para as crianças. Além disso, Günther comenta como o espaço tende a atrair as pessoas para os demais espaços públicos do centro da cidade. “É uma oportunidade de interação fantástica e é uma ocupação muito interessante”, diz.

Além das inúmeras possibilidades de interação dos visitantes com as obras em que podem “aprender fazendo” colocando a mão na massa, tem espaço para reflexões sociais por meio das exposições de longa e curta duração.

Cores de Brasília

Foto: Hanna Braga/ASCOM-RA-PP
 

Uma das mostras, disponível no primeiro piso, criada por Angélica Dass, fotógrafa carioca radicada em Madrid, chamada Humanæ, reflete sobre as cores, “além das fronteiras de nossos códigos”, tendo como referência o sistema de cores PANTONE®. Na exposição nos deparamos com um grande mosaico, onde cada foto é apresentada num papel de parede da cor correspondente ao da pele da pessoa retratada.

Para Gabriela Mutti, artista multimídia, educadora cultural no Sesi LAB, Brasília acompanha as tonalidades do resto do país, segundo ela, preta e indígena e a exposição permite refletir sobre privilégios e preconceitos nessa escala de cor. Ela conta que tem vivenciado experiências muito felizes ao lado da exposição e que os visitantes podem aguardar por novidades: “A fotógrafa está realizando o projeto aqui em Brasília especialmente para o SESI LAB”, revela Mutti.

Ter um museu tão rico no centro da capital do país também possibilita conexões culturais e educativas potentes, com experiências de ocupação qualificada já implementadas em nossa cidade. Quem já ouviu falar, por exemplo, da exposição histórico-fotográfica “Reintegração de Posse: Narrativas da Presença Negra na História do Distrito Federal”? A iniciativa com apoio da Administração Regional do Plano Piloto esteve exposta em paradas de ônibus dos setores Comercial Sul (SCS) e Bancário Sul (SBS) nos anos de 2020 e 2021 e possibilitou a reflexão sobre as trajetórias negras durante a construção da capital federal.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM-RA-PP com informações da Agência Brasília

Mapa do site Dúvidas frequentes