10 de abril

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais

Destaques

Em atendimento à determinação do Tribunal de Contas do Distrito Federal, proferida nos autos de Ofício-Circular nº 2/2021-GP, a Administração Regional do Plano Piloto divulga o link para acesso do Cadastro Nacional de Empresas Inidôneas e Suspensas (CEIS), nos termos do art. 23 da Lei n.º 12.846/2013.

O Cadastro Nacional de Empresas Inidôneas e Suspensas (CEIS) apresenta a relação de empresas e pessoas físicas que sofreram sanções que implicaram a restrição de participar de licitações ou de celebrar contratos com a Administração Pública.

Para consultar o detalhamento dessas sanções no Portal, acesse o CEIS.

Cuidados simples, mas que muitas vezes são ignorados pelas pessoas, são fundamentais para a saúde pública. Manter os ambientes limpos e sem restos de comida é uma forma segura de evitar a proliferação de baratas, aranhas, moscas, baratas, lagartas, escorpiões e pombos e, consequentemente, a transmissão de doenças.

Além de contar com a ajuda da população, o governo local também investe em ações para combater a infestação desses animais.

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, são feitas inspeções domiciliares, pulverizações, manejo ambiental, higienização nas redes de esgoto e programas de educação ambiental nas escolas.

“As pragas urbanas são aqueles animais indesejáveis ao convívio humano, que trazem risco à vida das pessoas. Eles podem transmitir leptospirose, salmonelose, alergias, entre outras”, informa.

“Quem puder, também é aconselhável deixar as paredes do imóvel sempre rebocadas. Esses animais gostam muito de locais velhos, sem reformas”, explica Divino Valero. “Há dois fatores determinantes para infestações: o ambiental e o sanitário. Muito chuva acaba atraindo esses bichos também”.

No caso dos pombos – que transmitem criptococose, mais conhecida como doença do pombo, pelas fezes –, as orientações não são diferentes. Outra medida de segurança é não alimentar esses animais.

“Não é uma atitude saudável. Eles se reproduzem muito rápido e, quanto mais alimentamos, mais eles vão se concentrar naquele lugar, principalmente em telhados, varandas ou onde tem muita sujeira”, alerta o subsecretário. “Há dois fatores determinantes para infestações: o ambiental e o sanitário. Muita chuva acaba atraindo esses bichos também”.

Trabalho integrado

As administrações regionais são grandes parceiras no combate às pragas urbanas. A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, ressalta que o primeiro trabalho é manter a cidade limpa. “E tentar conscientizar a população para que não joguem lixo nas ruas. Também fazemos vistoria para checar se alguma área virou foco desses animais e acionamos a vigilância sanitária”, comenta a responsável pela cidade.

Canal de comunicação

Para solicitar os serviços de combate às pragas urbanas, basta ligar para o 162 ou registar uma manifestação pelo site. Para acompanhar a demanda é preciso ter a senha de acesso ao sistema recebida no ato do registro da manifestação e o número do protocolo. Também é possível fazer a solicitação presencialmente. Cada órgão público do governo conta com uma ouvidoria especializada.

Coração administrativo do país e ponto turístico de Brasília, a Esplanada dos Ministérios passa por uma megaoperação de limpeza das bocas de lobo e recuperação das pistas de rolamento das vias N e S. Coordenada pelas equipes do GDF Presente, a ação já executou a aplicação de mais de 54 toneladas de massa asfáltica no trecho entre a rodoviária do Plano Piloto e o 1º Grupamento de Bombeiros Militar.

“Mesmo com o fluxo menor de pessoas nas ruas por causa das medidas de restrição, nosso trabalho de cuidado com a cidade não para e deixa as vias e áreas públicas preparadas para quando o ritmo voltar ao normal”, observa a administradora regional do Plano Piloto Ilka Teodoro.

Já os serviços de limpeza das bocas de lobo incluem também o Eixo Monumental. Até esta terça-feira (23), foram limpos 123 bueiros e retiradas cinco toneladas de entulhos – a maior parte de terra e folhas. Sacolas plásticas descartadas irregularmente nas ruas pela população também foram encontradas.

Coordenador do Polo Central I, responsável pela manutenção do Plano Piloto no GDF Presente, Lúcio dos Santos Barbosa lembra que a limpeza constante das bocas de lobo na região central da cidade é um dos fatores que evitam alagamentos em períodos de chuva. “Não se trata de uma ação pontual. Ao longo do ano foram várias desobstruções para que a água entre pelas galerias com vazão”, disse.

Por: Agência Brasília

Para homenagear o Dia Nacional do Artesão (19/3), a Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF) promove, entre os dias 18 e 26 de março, uma programação especial nas redes sociais com live, Fórum do Artesanato e lançamento do Catálogo do Artesanato de Brasília. Tudo no formato on-line, seguindo todos os protocolos de segurança contra a Covid-19. A iniciativa tem como objetivo destacar a importância do segmento e fortalecer o artesanato no DF, gerando mais emprego e renda. Atualmente, a Setur-DF possui cerca de 11 mil artesãos cadastrados.

As ações para a Semana do Artesão foram planejadas com intuito de continuar oferecendo condições de capacitação e estímulo a ideias inovadoras. “Desde o início da nossa gestão, em janeiro de 2019, o nosso governo vem trabalhando para proporcionar a todos os artesãos do DF apoio em estruturação, capacitação e promoção. E neste momento de pandemia, não seria diferente. Estamos trabalhando muito mais para continuarmos promovendo iniciativas que fomentam o setor, e assim estimular tanto os profissionais que já possuem a Carteira Nacional do Artesão, como jovens que ainda não conhecem os caminhos que precisam ser percorridos para se tornar um empreendedor do segmento, fortalecendo essa arte em nossa capital”, explica a Secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça.

A programação tem início nesta quinta-feira (18/3), às 18h, com o segundo episódio da live Elas Pelo Turismo, nas quais mulheres empreendedoras compartilham trajetórias de sucesso e explicam como suas ideias inovadoras vêm impactando a cadeia turística no DF. Desta vez, o encontro contará com a participação de: Malba Aguiar, especialista em projetos voltados ao artesanato; Suzana Rodrigues, designer, artesã e empreendedora, ganhadora de vários prêmios e participação em exposições fora do Brasil; e a participação especial de Dona Antônia, mestre artesã que impulsionou na capital o trabalho com capim colonião. “O artesanato é um dos elos mais importantes da cadeia produtiva do turismo, pois, geralmente, o visitante opta por levar um produto típico do local. E o nosso artesanato é de alta qualidade e design diferenciado”, ressalta Suzana Rodrigues.

A conversa, mediada pela secretária Vanessa Mendonça, será transmitida nos perfis do Instagram (https://www.instagram.com/seturdf/) e do Youtube (https://bit.ly/YoutubeSeturDF ) da Setur-DF.

I Fórum do Artesanato do Distrito Federal

A partir de sexta-feira (19/3), data em que se comemora o Dia Nacional do Artesão, a programação fica por conta do 1º Fórum do Artesanato do Distrito Federal, promovido pela Setur-DF. O evento 100% on-line terá início às 9h, com transmissão em tempo real pelo Youtube da pasta.

“O Fórum atende um anseio da classe artesã, que pediu para que a Setur-DF organizasse um ambiente onde as pautas relevantes do artesanato pudessem ser debatidas e pensadas. Com essa realização, atendemos mais um pedido dos nossos artesãos”, destaca a secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça.

O lançamento do evento contará com inserções do coordenador-geral da Subsecretaria de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato do Ministério da Economia, Fábio Silva; do diretor do Departamento de Empreendedorismo Cultural da Secretaria Nacional da Economia Criativa e Diversidade Cultural do Ministério do Turismo, Sérgio Fernandes Ferreira; da Secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça; da secretária executiva da Secretaria de Governo do DF, Meire Mota; da diretora Técnica do Sebrae-DF e secretária executiva do Conselho de Políticas Públicas e Gestão Governamental do DF, Rose Rainha; do presidente da Federação de Artesão do DF, Herbert Amorim; de representantes do Movimento Organizado para a Valorização do Artesão do Distrito Federal (Mova-DF), Rubens Aguilar e Lúcia Cruz,  além da mestre artesã Maria de Fátima.

O primeiro painel do fórum discutirá políticas públicas para o artesanato e terá a participação de Fábio Silva e de Sérgio Fernandes Ferreira. Na ocasião, serão destacadas medidas de fomento para o segmento, sob a ótica da economia criativa com viés cultural e turístico, bem como os principais eixos de atuação do Programa do Artesanato Brasileiro. “O programa tem ações, em âmbito nacional, que visam o fortalecimento do artesão e do artesanato, com mais acesso ao mercado produtivo e simplificação do cadastramento desses profissionais”, argumenta Silva. “Em 2021, seguiremos com o propósito de entender as dificuldades e os desafios do setor, a partir do contexto de cada região do país”, afirma.

No sábado (20/3) será realizado painel com duas importantes frentes do artesanato local: o Movimento Organizado para a Valorização do Artesão do Distrito Federal (Mova-DF) e a Federação de Artesão do DF. Na avaliação de Herbert Amorim, presidente da federação, o encontro virtual deve estimular o compartilhamento do conhecimento, considerado por ele o bem mais valioso de todo artesão. “Iniciativas como esta da Setur-DF ampliam processos criativos e são maneiras de pensar no escoamento do conhecimento e da produção artesanal”, afirma Amorim. “A realização do fórum é recebida pelo Mova-DF como uma resposta da Setur-DF a uma demanda do segmento. Um verdadeiro reconhecimento do artesanato como parte da cultura da capital federal”, completa Rubens Aguilar.

O ciclo de palestras ocorrerá até o dia 25/3, com programação a partir das 10h.

Catálogo do Artesanato de Brasília

Uma entrega especial marcará o encerramento da Semana do Artesão. No dia 26/3, às 17h, será lançado o Catálogo do Artesanato de Brasília, acervo virtual que reunirá obras de 35 profissionais selecionados por meio de chamando público da Setur-DF. A coletânea, que estará disponível em versão eletrônica do site da pasta, tem o intuito de promover o setor, e será distribuída a lojistas, embaixadas, setor hoteleiro e formadores de opinião.

Artesanato do DF em números

A valorização do artesanato pela atual gestão do GDF vai muito além dos números. “O artesanato brasiliense está ganhando um novo impulso e vem se consolidando como uma importante fonte de renda, geração de emprego e oportunidades para milhares de famílias no DF”, destaca a secretária Vanessa Mendonça.

O estímulo ao setor é resultado de ações integradas do atual governo que, desde 2019, vem trabalhando para oferecer mais oportunidades aos talentos da cidade, como a disponibilização de espaços para a comercialização dos produtos, chances de qualificação, visibilidade e a Carteira Nacional do Artesão, que habilita este trabalhador legalmente em todo o Brasil. O documento oferece ainda a possibilidade de participação em eventos locais e nacionais. Entre 2019 e 2020, a Setur-DF emitiu 1.466 novas carteiras e renovou 725 cadastros. Foram 45 eventos fomentados apenas em 2019 e mais 30 em 2020, além da oportunidade de comercialização nas lojas permanentes: uma localizada no Alameda Shopping e outra no Pátio Brasil. Iniciativas que geraram, apenas nos últimos dois anos, R$ 1.375.660,47 em vendas e beneficiaram mais de cinco mil famílias.

SERVIÇO:

Programação completa do I Fórum do Artesanato do Distrito Federal no site da Setur-DF: https://is.gd/uLlq41  

Transmissão pelo YouTube: https://bit.ly/YoutubeSeturDF 

FONTE: SETUR/DF

Nessa quinta-feira, 18/3, a Administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, recebeu o General de Divisão, Vinicius Ferreira Martinelli, que visitou as instalações do Posto de Recrutamento e Mobilização, lotado na Administração Regional do Plano Piloto.

Os Postos de Recrutamento e Mobilização tem o objetivo de realizar o recrutamento dos jovens brasileiros, convocados anualmente à prestação do Serviço Militar nas Forças Armadas, congregando ainda todas as atividades de mobilização militar dos reservistas de sua área de responsabilidade.

A Administração Regional do Plano Piloto possui uma Junta Militar que faz o alistamento militar dos jovens interessados em servir e também realiza as Solenidades do Juramento à Bandeira. Só em 2021, já foram feitos 1806 atendimentos na Junta Militar do Plano Piloto, de forma presencial e virtual.

Na semana passada, a Administradora também recebeu a visita do General de Brigada da 1ª Região Militar, Paulo Afonso Bruno de Melo.

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM-RA-PP

Texto: Ramíla Moura/ASCOM-RA-PP

O objetivo principal com a aquisição é preservar o imóvel, que possui grande valor histórico, cultural e arquitetônico para a população do DF | Foto: Seduh

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) abriu um pregão eletrônico para adquirir materiais de cobertura provisória para duas edificações do Conjunto Fazendinha, na Vila Planalto. O espaço histórico é composto de cinco casarões de madeira, erguidos na década de 1950 para abrigar os candangos durante a construção de Brasília. O processo foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta sexta-feira (12).

Conforme as especificações do pregão, as propostas enviadas pelos interessados serão recebidas e abertas no dia 17 de março, às 9h. O edital poderá ser retirado no endereço eletrônico www.comprasgovernamentais.gov.br. Para mais informações, é possível entrar em contato pelo telefone (61) 3214-4043.

“Com os materiais, o intuito é proteger o imóvel da ação das chuvas e evitar danos maiores ao patrimônio até que sejam concluídos os trabalhos necessários à contratação de uma empresa especializada no restauro do local, que estão sendo definidos por um grupo Executivo do GDF”Adriana Savite, subsecretária de Administração Geral da Seduh

A aquisição dos materiais de cobertura faz parte das ações emergenciais que a atual gestão da Seduh tem adotado para a conservação das edificações existentes no Conjunto Fazendinha. Nesse sentido, já foram realizadas várias ações em parceria com outros órgãos do governo, como limpeza da área, que abrangeu a poda de árvores, retirada de lixo e entulho, troca de lâmpadas e postes de iluminação danificados.

O objetivo principal com a aquisição é preservar o imóvel, que possui grande valor histórico, cultural e arquitetônico para a população do DF, impedindo que seja destruído, invadido ou descaracterizado.

“Com os materiais, o intuito é proteger o imóvel da ação das chuvas e evitar danos maiores ao patrimônio até que sejam concluídos os trabalhos necessários à contratação de uma empresa especializada no restauro do local, que estão sendo definidos por um grupo Executivo do GDF”, informou a subsecretária de Administração Geral da Seduh, Adriana Savite.

Grupo Executivo

Em novembro do ano passado, um Grupo de Executivo foi criado pelo Governo do Distrito Federal (GDF) para definir as ações que serão realizadas na revitalização do Conjunto Fazendinha. Incluindo a elaboração da minuta do Termo de Referência para a licitação das obras de revitalização, com contratação de projetos básicos e executivos para a restauração do local.

Leia também

Começa o processo de resgate do Conjunto Fazendinha, na Vila Planalto

A Seduh integra o grupo, que é coordenado pela Secretaria de Governo (Segov). Também fazem parte os titulares dos seguintes órgãos: Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec); Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) e a Administração Regional do Plano Piloto.

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: RENATA LU

*Com informações da Seduh

Com o objetivo de dar visibilidade às mulheres da cena cultural e promover reflexões sobre o feminino na cadeia da cultura e arte do DF, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) promove o evento “Mulheres na Roda da Cultura”. As inscrições para oficinas abertas a partir desta segunda-feira (15.3). A ação vai oferecer atividades on-line gratuitas envolvendo gastronomia, artesanato, produção de eventos, literatura, beleza e música, entre os dias 23 e 26 de março.

A programação inclui três oficinas e uma roda de conversa com pocket show.

Primeiros passos para produção de grandes eventos, com Ágda Freitas (Dia 23/03, das 15h às 17h, 25 vagas).

Lugar de mulher é na cozinha – Com Carmem Moretzsohn e as professoras da gastronomia do IFB, Juliana Andrade e Ana Paula Jacques (Dia 24/03, das 15h às 17h, 50 vagas).

Oficina de penteados afro e turbante, com Amanda Moreira (Dia 25/03, das 15h às 17h, 15 vagas).

 

Roda de conversa com pocket show de Dhi Ribeiro: Mulheres na roda da cultura (Dia 26/03 – das 19h às 21h30):

Debatedoras: Danielly Fernandes (gerente de cultura do Plano Piloto); Dhi Ribeiro (sambista); Carla Street (representante do segmento Pessoa Com Deficiência); Márcia Lobo (comunidade tradicional cigana, do Conselho Regional de Cultura da Candangolândia); Kika Carvalho (movimento Backstage); Luciana Barreto (literatura); Dayse Hansa (Associação de Produtoras e Trabalhadoras da Arte e Cultura/APTA).

Acesse aqui o link de inscrição.

 

MULHERES TRANSFORMADORAS

Crédito: acervo pessoal
Crédito: acervo pessoal
Crédito: acervo pessoal

 

 

Para além de fornecer o cenário para debates e promoção de novas políticas em prol do feminino, as oficinas também serão lugar de união, conhecimento e transformação de vida para as mediadoras, professoras e alunas, tendo como competência principal destacar as inúmeras possibilidades de construção para o empreendedorismo cultural e criativo feminino.

Professora da oficina “Lugar de Mulher é na Cozinha?”, a professora de gastronomia Juliana de Andrade conta que a gastronomia é um espaço onde, por meio do reconhecimento de saberes e competências, as mulheres podem se perceber como personagens principais, e não apenas coadjuvantes em uma estrutura tradicionalmente desigual.

“O mercado da economia criativa valoriza negócios baseados fundamentalmente na criatividade e no capital intelectual único. Os ciclos de criação, produção e distribuição de bens e produtos ligados a essa especificidade da economia criativa são uma prática ancestral feminina”, enfatiza.

A produtora cultural Agda Freitas, responsável pela oficina “Primeiros Passos para a Produção de Grandes Eventos” revela que, até poucos anos atrás, mulheres na área de eventos só tinham serventia para cuidar de camarim e limpeza, ajudar na decoração, e “se fossem de confiança” trabalhar na bilheteira, mas nunca ocupavam cargos de comando como produção geral de evento, produção de montagem, técnica de áudio ou de luz.

“Hoje, este mercado se torna realidade, pois temos mulheres capacitadas. Esse tipo de troca de conhecimentos é de extrema importância para que nós, mulheres, continuemos mostrando a cara e provando para a sociedade que o lugar de mulher é aonde ela quiser”, completou.

Representante da primeira companhia de danças urbanas do Brasil de mulheres bailarinas cadeirantes, “Street Cadeirante”, parabenizou o debate. Presente na roda de debates, a dançarina revela a importância de um diálogo inclusivo entre mulheres, justamente para acolher e enriquecer as pautas particulares de cada uma. “O contato com as gestoras da Secec é fundamental até para elas entenderem o nosso potencial como agentes e de nossos projetos. Será uma troca muito rica de aprendizado e de compartilhamentos”, conclui.

 

SECRETARIA FEMININA

Crédito: acervo pessoal
foto: Marina Gadelha
foto: Marina Gadelha

 

Os encontros virtuais serão conduzidos por algumas das lideranças femininas da Secec, como Solisângela Montes (subsecretária de Difusão e

Diversidade Cultural), Elizabeth Fernandes (Chefe da Assessoria de Relações Institucionais) e Mirella Ximenes (Chefe da Articulação de Política Cultural).

A iniciativa faz parte da campanha da pasta em celebração ao mês da mulher, com engajamento de todas as áreas da secretaria, que conta com 90% do quadro representado por mulheres.

“Estamos a postos para abrir um diálogo autêntico com essas mulheres, para que juntas possamos mapear as reivindicações mais urgentes e propor novas políticas públicas para os diversos nichos voltados para elas,” enfatiza Solisângela.

“Essa economia que a mulher propicia vem, em grande parte, da cultura e da economia criativa. Portanto, é de muita importância solidificar a importância da mulher nesse setor e empoderá-la, para que a cada dia ela contribua e cresça mais”, avalia Mirella.

“Somos muitas, em todos os segmentos. Entretanto, historicamente, a conquista do espaço que nos cabe só é conseguida com muita luta e sacrifício”, aponta Elizabeth.

 

Mulheres na Roda da Cultura

A programação inclui três oficinas e uma roda de conversa com pocket show.

Primeiros passos para produção de grandes eventos, com Ágda Freitas (Dia 23/03, das 15h às 17h, 25 vagas).

Lugar de mulher é na cozinha –Com Carmem Moretzsohn e as professoras da gastronomia do IFB, Juliana Andrade e Ana Paula Jacques (Dia 24/03, das 15h às 17h, 50 vagas).

Oficina de penteados afro e turbante, com Amanda Moreira (Dia 25/03, das 15h às 17h, 15 vagas).

Roda de conversa com pocket show de Dhi Ribeiro: Mulheres na roda da cultura (Dia 26/03 – das 19h às 21h30)

Debatedoras: Danielly Fernandes (gerente de cultura do Plano Piloto); Carla Street (representante do segmento Pessoa Com Deficiência); Márcia Lobo (comunidade tradicional cigana, do Conselho Regional de Cultura da Candangolândia); Kika Carvalho (movimento Backstage); Luciana Barreto (literatura); Dayse Hansa (Associação de Trabalhadoras na Cultura/ATC).

Acesse aqui o link de inscrição.

Texto: Loane Bernardo/Edição: Sérgio Maggio (Ascom/Secec)

A Administração Regional do Plano Piloto lamenta profundamente a morte de Maria das Graças Almeida de Mendonça, mais conhecida como Dona Graça, de 69 anos, moradora pioneira da Vila Planalto, que faleceu na noite desta terça-feira, 2/3, em decorrência de parada cardiorrespiratória de causa indeterminada.

Muito querida por toda comunidade, fará muita falta para todos e todas que a conheceram. A Dona Graça sempre foi muito conhecida e respeitada por seus vizinhos por ser uma mulher alegre, trabalhadora e muito amiga de todos ao seu redor.

A Administração oferece suas sinceras condolências à família e amigos da Dona Graça nesse momento de tristeza e dor.

Atualização: A família avisa que será realizada nesta segunda-feira, 8/3, às 19h, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Pompéia, Missa de Sétimo dia de falecimento da Dona Graça.

Texto: Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura/ASCOM-RA-PP
Imagem: Reprodução

Nesta segunda-feira 1º de março, em Brasília, a Administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro se reuniu virtualmente com a Defensora Pública-Geral do Distrito Federal e presidente do Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais (Condege), Maria de Nápolis, para tratar da busca por terrenos no Plano Piloto para construção de sede própria para o órgão.

Atualmente a sede da Defensoria Pública do DF está localizada no SIA, em terreno alugado, e possui Núcleos Especializados de Assistência Jurídica gratuita por todo o Distrito Federal.

A Defensora Maria de Nápolis disse que o principal objetivo é encontrar um local central próximo do metrô e de pontos de ônibus para ser mais acessível à população que utiliza os serviços e pediu orientação da Administradora sobre possíveis locais. “Uma sede própria em local próximo aos Órgãos de Justiça, ao Poder Executivo e ao Legislativo Distrital tem grande reprentatividade sob o aspecto intitucional. Além disso, a redução de despesas a médio e longo prazo é muito significativa, tendo em vista o alto custo dos alugueis na região central de Brasília”, diz.

Para a administradora, Ilka Teodoro que também é advogada licenciada, “oferecer assistência jurídica de forma integral e gratuita, como é feito pela DPDF, é um direito fundamental que deve ser garantido da maneira mais acessível possível para toda população que não tem condições de pagar por um advogado”.

A Administradora se colocou à disposição para contribuir na busca pelo terreno em articulação com demais órgãos do Governo do Distrito Federal.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – RA-PP

Imagens: Emanuelle Sena/ASCOM – RA-PP

A participação social é um instrumento previsto na Constituição Federal, que permite que os cidadãos opinem e participem de processos decisórios importantes na esfera pública. Para ouvir o que as pessoas têm a dizer sobre desenvolvimento sustentável, o Governo do Distrito Federal, por meio da Secretaria de Meio Ambiente (Sema), lançou uma consulta pública para receber contribuições para os Planos de Mitigação e de Adaptação às Mudanças do Clima. O espaço está aberto até o dia 7 de março.

As contribuições devem ser feitas pelo preenchimento de formulário, e enviadas para o endereço secex@sema.df.gov.br.

De acordo com o secretário Sarney Filho, a participação da população do DF, principal afetada pelas mudanças do clima e destinatária da prestação de serviços públicos, é essencial para complementar esse processo. “Por isso, queremos receber da sociedade civil organizada, do setor privado e da academia propostas que poderão ser abordadas no processo de revisão do Plano de Mitigação e do processo de Implementação das Ações previstas na CDD-Contribuição Distritalmente Determinada”, afirma.

O Plano de Adaptação aborda a identificação de impactos, mapeamento de vulnerabilidades e de ações com foco nos eventos climáticos extremos ligados aos recursos hídricos, em especial. Já o Plano de Mitigação apresenta propostas com o objetivo de criar atividades para reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa, contribuindo assim, para a recuperação sustentável da economia pós-pandemia, gerando mais empregos, energia limpa e qualidade de vida.

A iniciativa conta com o apoio do Projeto CITinova (Planejamento Integrado e Tecnologias para Cidades Sustentáveis), do Global Environment Facility – GEF, coordenado nacionalmente pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, executado pela Secretaria do Meio Ambiente do GDF, com o apoio do PNUMA e CGEE.

Acesse aqui os documentos.<http://www.sema.df.gov.br/consulta-publica/>

Ilka Teodoro, Administradora Regional do Plano Piloto, participou nesta quarta-feira, 24/02, de evento de lançamento do documento "O sistema político brasileiro desde a perspectiva da inclusão: conquistas e desafios" de autoria de Ana Claudia Santano e Raquel Ramos Machado, que traz o tema da inclusão de grupos tidos como minoritários na política institucional brasileiro.

A ocasião marca um debate com especialistas: Raquel Ramos Machado (doutora pela Universidade de São Paulo, professora de direito eleitoral); Ilka Teodoro (Advogada licenciada e administradora em Brasília); Leticia Lanz (especialista em gênero e sexualidade, mestra em sociologia); Cristiano Rodrigues (Professor adjunto do Departamento de Ciência Política da Universidadede Minas Gerais).

Este documento encontra-se para download livre e gratuito em: https://transparenciaeleitoral.com.br/publicacoes/

Veja o debate na íntegra:

Para pensar estratégias para melhorar o paisagismo urbano em prol do benefício público, a Administradora do Plano Piloto, Ilka Tedoro esteve em reunião online nesta segunda-feira, 22/2, com o promotor de Justiça Roberto Carlos Batista, da 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (Prodema) do MPDFT. O objetivo é ampliar o debate público e esclarecer para população quais são as espécies de árvores indicadas para o plantio e em quais locais essa prática deve ser adotada sempre com a orientação de especialistas para evitar prejuízos como a queda de árvores e interferência nas redes de águas pluviais e elétrica.

A grande preocupação apontada pela Administradora da RA-PP é que, por Brasília ser considerada uma cidade parque e abrigar uma grande quantidade de árvores plantadas à época da construção de Brasília, quando ainda não se valorizava tanto as árvores de cerrado, muitas delas estão com prazo de vida limitado. Ou seja, a maioria tem mais de 60 anos e estão prestes a cair.

“As árvores trazem uma grande qualidade de vida e um grande diferencial para nós aqui no Plano Piloto, mas o paisagismo urbano precisa ser planejado de acordo com o bioma nativo no qual o território está inserido, que no caso de Brasília é o Cerrado”, explica Ilka.

O benefício do plantio de espécies nativas no paisagismo urbano, para além da adaptação ao ambiente, é a maior resistência às pragas e a contribuição para permeabilidade do solo. A plantação de espécies exóticas, ou seja de outro bioma, oferecem uma série de consequências como a interferência nas redes de águas pluviais e elétrica, a facilidade de contrair infestações e pragas e o aumento do risco de desabamentos.

Para o promotor Roberto Carlos Batista a inclusão da população no debate pode favorecer o esclarecimento e apontar os perigos causados pelos plantios sem orientação. “Não se pode impedir a população de plantar, pode-se orientar o que se pode plantar”, esclarece.

A Administradora agradeceu a parceria firmada com a 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (Prodema) do MPDFT na proposição de soluções conjuntas e ressaltou que a participação da população é fundamental em qualquer ação ou política do estado que possa impactar na sociedade como um todo.

Além de pensar melhores formas de orientar a população sobre o plantio de espécies nativas na cidade, foram debatidas na reunião online estratégias para utilização dos resíduos de podas para adubar jardins comunitários e campanhas educativas para os grandes geradores de resíduo para sugerir práticas de sustentabilidade como a compostagem e adaptação às exigências condicionantes para manter o estabelecimento em funcionamento sem prejudicar a comunidade circunvizinha.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM-RA-PP

Prints da Tela: Ramíla Moura/ASCOM-RA-PP

Foto da árvore caída: Emanuelle Sena/ASCOM-RA-PP

Começa nesta quinta-feira (18) a exibição da série de vídeos  Conhecendo a Administração Regional do Plano Piloto. O conteúdo produzido pela equipe de comunicação da administração regional tem o objetivo de apresentar e informar a comunidade sobre os setores do órgão, dando transparência aos temas de competência da Regional.

O primeiro vídeo foi gravado com a administradora regional do Plano Piloto Ilka Teodoro e será veiculado  às 9h, nas redes sociais da administração.

Os demais episódios serão exibidos sempre às segundas, quartas e sextas, às 18h.

Serviço:

Onde: Redes @admplanopiloto

Quando: Segundas, quartas e sextas, às 18h


Facebook: https://www.facebook.com/admplanopiloto
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCveDP9Doc84iu-xDdmE_ULA
Instagram: https://www.instagram.com/admplanopiloto/

*Com informações da Região Administrativa do Plano Piloto

A Administração Regional do Plano Piloto lamenta profundamente a morte de Francisco Maia, presidente da Fecomércio, que faleceu na madrugada desta quarta-feira, 17/2, em decorrência da COVID-19, doença que tem ceifado tantas vidas em todo mundo.

Francisco manteve a porta da Fecomércio sempre aberta para Administração do Plano Piloto para diálogos sobre parcerias para melhorar a qualidade de vida da população do Plano Piloto, por meio de oportunidade de trabalho, geração de renda e ocupação qualificada do território.

Jornalista por formação e empreendedor por vocação, Chico como era conhecido, sempre acolheu a Administração com respeito e ouviu com atenção as demandas apresentadas pela Administração com olhar atento para ações sociais e para formas de diminuir a desigualdade em nossa capital.

A Administração oferece suas sinceras condolências à família e amigos de Chico Maia nesse momento de dor.

Foto: Emanuelle Sena/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

 

Nessa segunda 08/02, foi implementado pelo GDF Presente um polo permanente e exclusivo no Plano Piloto para reforçar o trabalho de conservação e cuidado na RA-PP.


Quem circula pelas cidades conhece o programa GDF Presente. Trata-se de equipes de diversos órgãos do governo, que numa força-tarefa constante, realizam serviços como a poda de árvores, recolhimento de entulho, lavagem de paradas de ônibus, operação tapa-buraco, recuperação de meios-fios, entre outras obras.


Segundo Flávio Araújo de Oliveira, Subsecretário de Desenvolvimento Regional e Operações nas Cidades (SUDER), havia a necessidade do Plano Piloto ter um Polo Permanente, por ser grande o número de demandas na região: "Cada cidade tem sua especificidade em relação às demandas reprimidas e a zeladoria. Vimos que havia necessidade do Plano Piloto ter um Polo só pra ele, pois é muita coisa, muito trabalho, muita demanda reprimida".


O trabalho é diário e os resultados são visíveis. Só no ano passado, foram centenas de milhares de toneladas de lixo retiradas das ruas e mais de uma dúzia de lixões urbanos desativados. E isto não é nem a metade do volume de trabalho empreendido pelo GDF Presente, segundo notícia da Agência Brasília.


Sebastião Pinheiro, gerente da Gerência de Execução de Obras (GEOB), da Administração Regional do Plano Piloto, considera de suma importância a implementação do Polo Permanente, pois aumentará a frota de caminhões à disposição da cidade, facilitando assim o trabalho por toda região do Plano Piloto.


"Nós tínhamos três caminhões e com a implementação do Polo Permanente iremos receber mais seis. Com nove caminhões será maravilhoso para reforçar as ações que já fazemos diariamente na cidade", disse. 


O parque de serviços do GDF Presente, hoje, conta com 150 máquinas, porque ganhou o apoio de outras 41. 


Texto: Gabriel Ferraz/ RA-PP sob supervisão de Ramíla Moura com informações da Agência Brasília
Fotos: Emanuelle Sena/ RA-PP

O serviço de conservação e limpeza tem feito a diferença na organização da cidade e no bem-estar de toda população. Nesta quinta-feira, 11/2, colaborares da Administração Regional do Plano Piloto realizaram limpeza de bocas de lobo, nas quadras 700 da Asa Sul.

 


A população ficou agradecida com as ações realizadas na localidade. “Agradeço a você e sua equipe em especial aos colaboradores Mailton e Sandro”, disse Carlos Cezar, conhecido como Cecéu, morador da quadra 715 Sul, em mensagem de agradecimento enviada à administradora. Na quadra de Cecéu, que integra o Conselho Comunitário da Asa Sul (CCAS) e da recém-criada associação dos moradores das 700 foi realizado trabalho de desobstrução de bueiros e boca de lobo.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM-RA-PP

Fotos:Cecéu

A Secretaria de Transporte e Mobilidade do DF e o Metrô-DF informam que, neste feriado de Carnaval, o Sistema de Transporte Público Coletivo do Distrito Federal circulará com programação abaixo:

Ônibus

13/02/2021 (sábado)

Tabela horária de sábado

14/02/2021 (domingo)

Tabela horária de domingo

15/02/2021 (segunda-feira)

Tabela horária de sábado (com reforço em linhas mais demandadas)

16/02/2021 (terça-feira)

Tabela horária de domingo

17/02/2021 (quarta-feira)

Tabela horária de dia útil, com reforço de viagens entre 11h e 14h

As tabelas horárias podem ser conferidas no site dfnoponto.semob.df.gov.br

 

Metrô

13/02/2021 (sábado)

5h30 às 23:30

14/02/2021 (domingo)

7h às 19h

15/02/2021 (segunda-feira)

7h às 19h

16/02/2021 (terça-feira)

7h às 19h

17/02/2021 (quarta-feira)

7h às 23h

*Com informações da Semob e do Metrô-DF

O processo seletivo para ocupação de cargos no Conselho Distrital de Segurança Pública (Condisp) terá início a partir da próxima segunda-feira (15). Toda a tramitação será feita de forma virtual, por causa da pandemia. Poderão fazer indicação para os 14 cargos disponíveis entidades de classe das forças de segurança pública do Distrito Federal, como sindicatos e associações, e órgãos vinculados, bem como entidades ou organizações da sociedade civil, núcleos de estudo, grupos de pesquisa, universidades e conselhos comunitários. As inscrições seguem até o dia 26 de fevereiro, por meio do formulário que estará disponível na página da Secretaria de Segurança Pública.  

“Desta forma, vamos minimizar riscos de contaminação e daremos continuidade ao processo de escolha dos membros do Conselho, mesmo de forma on-line. Não haverá nenhum prejuízo quanto ao formato escolhido, pois os critérios de escolha e desempate – como entidade com maior representatividade e antiguidade – estão muito claros na portaria que define as regras de escolha”, avalia o secretário de Segurança Pública, delegado Anderson Torres.

O processo seletivo para ocupação de cargos no Conselho Distrital de Segurança Pública (Condisp) terá início a partir da próxima segunda-feira (15). Toda a tramitação será feita de forma virtual, por causa da pandemia. Poderão fazer indicação para os 14 cargos disponíveis entidades de classe das forças de segurança pública do Distrito Federal, como sindicatos e associações, e órgãos vinculados, bem como entidades ou organizações da sociedade civil, núcleos de estudo, grupos de pesquisa, universidades e conselhos comunitários. As inscrições seguem até o dia 26 de fevereiro, por meio do formulário que estará disponível na página da Secretaria de Segurança Pública.  

Serão escolhidas oito entidades de classe e seis entidades da sociedade civil, que indicarão os respectivos representantes, titular e suplente, para as vagas. O período de cada mandato é de dois anos e é permitida apenas uma recondução. O resultado das candidaturas válidas será divulgado no dia 12 de março. O resultado final do processo seletivo será divulgado em 21 de abril. As reuniões do Condisp são bimestrais. O calendário com as datas dos encontros já está definido.

De acordo com o secretário-executivo do Condisp e chefe de gabinete da SSP-DF, delegado Thiago Costa, é importante que muitas entidades sejam indicadas. “O processo seletivo para a participação das entidades de classe dos profissionais da segurança pública e da sociedade civil do DF visa permitir a maior integração entre a secretaria e os demais órgãos integrantes do Condisp com a sociedade brasiliense”, afirma.

Sobre o Condisp

O Condisp é um dos integrantes estratégicos do Sistema Único de Segurança Pública – Susp, previsto na Lei Federal n.º 13.675, de 11 de junho de 2018, e na Lei Distrital n.º 6.430, de 19 de dezembro de 2019. Sua natureza é consultiva, propositiva e de acompanhamento social sobre a Política de Segurança Pública do Distrito Federal, com a participação de órgãos públicos, entidades de classe e sociedade civil.

Além disso, a instalação do Condisp, juntamente com a implementação da Política Distrital de Segurança Pública e o funcionamento do Fundo de Segurança Pública do DF, constituem contribuições do Distrito Federal à necessidade de o Estado brasileiro fazer cumprir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável(ODS), iniciativa promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), que consolida o conjunto de 17 objetivos e 169 metas que 193 países acordaram após dois anos de discussão e que entrou em vigor em 1º de janeiro de 2016.

Estrutura:
É formado por um representante titular e o respectivo suplente dos seguintes órgãos, associações, sindicatos e entidade da sociedade civil:
Secretaria de Estado da Segurança Pública do Distrito Federal – SSP-DF;
Polícia Militar Do Distrito Federal – PMDF;
Polícia Civil Do Distrito Federal – PCDF;
Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal – CBMDF;
Departamento de Trânsito do Distrito Federal – Detran-DF;
Casa Civil do Distrito Federal – Caci/DF;
Secretaria de Estado de Educação – SEDF;
Secretaria de Estado de Saúde – SES-DF;
Defesa Civil do Distrito Federal.

Serviço:

Inscrições para o Condisp

Período: 15 a 26 de fevereiro;
Formulário disponível no site da SSP-DF durante o prazo de inscrição.

*Com informações da Secretaria de Segurança Pública

 

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: CHICO NETO

A exemplo de outras capitais, lixeiras subterrâneas chegam a Brasília | Foto: Divulgação/Terracap

Um dos próximos investimentos da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) no Setor Habitacional Noroeste será em lixeiras subterrâneas. Serão instalados 40 coletores para receber resíduos orgânicos e secos. As obras de instalação começam nos próximos dias.

As lixeiras subterrâneas possuem diversos benefícios para a população e o meio ambiente. A não exposição do lixo evita a proliferação de pragas e vetores, o acesso de animais de rua aos resíduos e a poluição visual, além de reduzir o mau cheiro. Outra vantagem é a diminuição da frequência de coleta, pois os contêineres possuem volume maior que os depósitos de lixo utilizados atualmente.

O equipamento

De forma simples, o recipiente funciona como uma grande lixeira instalada abaixo do nível do chão. Para tanto, será feita a escavação de cavas, que possibilitarão implantar os coletores. Cada contêiner terá a capacidade de armazenamento de 3 mil litros de resíduos.

Nos locais onde os equipamentos estão sendo instalados haverá vários conjuntos de tubos de inox. As tampas serão de fácil manuseio para o depósito do material que, posteriormente, será recolhido pela equipe de coleta do Serviço de Limpeza Urbana (SLU). Os espaços receberão coletores para lixo seco, que pode ser reaproveitado, e outros destinados ao lixo úmido ou orgânico.

Com informações da Terracap

O Simpósio do Serviço Militar, que seria no dia 10/02, foi adiado devido à pandemia do Covid-19 e não tem uma nova data anunciada. Portanto, a Junta Militar do Plano Piloto estará aberta nesta data.

O horário de atendimento da Junta Militar é de Segunda-feira a Quinta-feira de 08h ás 12h e   das 13h às 16h. Na Sexta-feira o horário de atendimento é apenas pela manhã, das 08h às 12h.

A equipe da Novacap realiza hoje, 3/2, a substituição de areia no parquinho infantil da quadra 313, na Asa Norte. O equipamento utilizado para o serviço foi a retroescavadeira.

Para solicitar serviços e demandas para sua quadra, baixe o aplicativo do E-GDF e acesse a funcionalidade E-Cidades.

O aplicativo E-GDF/E-Cidades tem o objetivo de aproximar a população e o Governo do Distrito Federal, ajudando a sanar, de forma mais rápida e precisa, as demandas propostas pelos cidadãos. Permite a abertura de requerimentos e demandas à distância e o acompanhamento dos processos e é totalmente gratuito.

Essa novidade facilita a vida do cidadão e dá mais transparência aos atos públicos, uma vez que o solicitante vai receber notificações sobre o andamento de sua demanda.

Clique aqui e baixe o aplicativo.

Texto: Ramíla Moura – ASCOM/RA-PP

Fotos: Da equipe Novacap

“Finalmente o SRTVS será concluído. É um setor importantíssimo na vida urbana de Brasília e que nunca teve uma conclusão dos projetos da sua área pública. Apenas 10% das calçadas que existem lá possuem um calçamento adequado. Não há nenhum trecho que garanta mais do que 85 metros lineares de trajetos contínuos. E apenas 25% desses percursos contam com algum tipo de sombreamento. É um setor hostil ao pedestre, mas que vai mudar”, explica Giselle Moll, secretária em exercício da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh).

Atualmente, os profissionais da Pentag Engenharia Ltda., empresa responsável pela obra, concentram os serviços na demolição de concreto e asfalto; no cordão e no passeio em concreto; no assentamento das placas 40 x 40; na execução de meio-fio de concreto; na drenagem e na pavimentação asfáltica. A previsão é que a obra seja concluída no primeiro semestre deste ano.

“É uma revitalização urbanística. Estamos alargando as calçadas, organizando os estacionamentos, promovendo acessibilidade, fazendo sinalização. Há muitos anos não se via nenhum tipo de intervenção em algumas áreas do Plano Piloto, como o SRTVS, o Setor Comercial Sul e a W3”, lembra Janaína Chagas, secretária executiva de Obras da Secretaria de Obras.

Calçadas

O SRTVS vai ganhar mais 20 mil m² de novas calçadas, 130 bancos e 80 espécies de árvores para garantir sombra a quem transita na região. As calçadas, inclusive, seguem os moldes da revitalização da avenida W3, com piso pré-moldado de 40 centímetros quadrados.

Nos três pontos de entrada, serão usados tons de vermelho, cinza e branco para dar caracterização especial e atrativa. Além disso, os pontos de travessia para pedestres terão plataforma elevada – nivelando o asfalto à calçada –, reforçando a prioridade das pessoas em relação aos veículos. Outra novidade em relação às calçadas é que elas serão largas, com o mínimo de um metro e meio  e o máximo de oito metros.

O endereço também será uma Zona 30, com velocidade máxima permitida aos veículos de 30 km/h, como ocorre no Setor Hospitalar Sul. Desta forma, veículos e bicicletas podem compartilhar as vias de forma mais segura. Bicicletas estas que vão ter vez no SRTVS com a instalação de 36 paraciclos – suportes usados para o estacionamento deste tipo de transporte.

Para o servidor público e usuário de bicicleta como transporte público, Uirá Lourenço, as obras são mais do que bem-vindas. “Espero que elas garantam acessibilidade, especialmente às pessoas com deficiência, pois a região é reconhecida pelas calçadas destruídas e invadidas pelos motoristas. Por estar localizado próxima à W3 Sul, importante corredor do transporte coletivo, espero que haja incentivo para as pessoas chegarem ao setor de ônibus e metrô, com melhorias nos pontos de embarque dos ônibus e cobrança das vagas públicas de estacionamento”, comenta. Uirá também torce pela instalação de vagas para ciclistas, sinalização e, futuramente, a retomada do sistema de bicicletas compartilhadas.

Mais vagas e organização

A readequação do sistema viário no SRTVS vai gerar um aumento de 64% no número de vagas regulares e dará ênfase na acessibilidade para privilegiar pedestres e pessoas com deficiência.

Atualmente, o setor dispõe de 288 vagas públicas regulares na superfície, sendo quatro para idosos, seis para deficientes, 21 para veículos oficiais e 257 para restante do público. Com o projeto o número vai subir para 475 vagas regulares e 58 para motos. Além disso, ele organiza os estacionamentos com foco na criação de três portas de entrada: na frente da W3 Sul, onde há acesso pelo transporte coletivo; na frente do Shopping Venâncio, com a criação de um calçadão linear; e na área de terra da quadra 702 onde os carros estacionam, de frente para um colégio particular.

Toda essa reconfiguração do Setor foi feita em quatro anos de estudos pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) em parceria com o Centro de Estudos de Espaços Públicos da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de Brasília (UnB).

A Administração Regional do Plano Piloto apresentou nesta quarta-feira, 3/2, para Diretora Executiva da Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (FUNAP/DF), Deuselita Pereira Martins, proposta de ampliação da oferta de trabalho remunerado aos custodiados pertencentes ao Sistema Penitenciário do Distrito Federal. Recentemente a Administração Regional ampliou de 29 para 40 o número de reeducandos que contribuem nos serviços oferecidos na Regional.

Também foi apresentada para diretora, a dinâmica de avaliação de desempenho aplicada aos reeducandos no órgão. A proposta é uma continuidade da política de melhoria e ampliação das ações de zeladoria ofertadas pela Administração do Plano Piloto, de acordo com Jeanine Rocha Woycicki, chefe de Gabinete da Administração Regional. O objetivo, segundo Jeanine “é aumentar novamente a oferta de vagas para ampliar e qualificar a capacidade de intervenção”.

Segundo a Administradora do Plano Piloto Ilka Teodoro “o contrato firmado com a FUNAP/DF permite potencializar a mão de obra oferecida pela Administração, dar mais celeridade no atendimento aos pedidos feitos pela comunidade, além de promover a reinserção e qualificação dos reeducandos”, destaca.

O colaborador do Núcleo de Atendimento Protocolo e Arquivo, que prefere não se identificar, reconhece que a oportunidade de trabalho permite uma inclusão tanto no campo pessoal quanto no profissional. “É um engrandecimento enorme, que me ajuda a me sentir mais participante na sociedade. O tratamento que é dado pela equipe me faz sentir ainda mais inserido”, diz.

Avaliação

Ana Carolina Melo de Matos Dantas, Gerente de Administração da RA-PP, que supervisiona os serviços executados pelos reeducandos lotados na gerência, explica que, além da oportunidade de trabalho, a Administração aplica periodicamente uma avaliação para possibilitar a progressão de nível dos colaboradores. De acordo com Ana, “é nessa avaliação de desempenho que o colaborador conhece mais sobre o seu perfil profissional, conseguindo perceber melhor seus pontos fortes e fracos e assim buscar melhorá-los”.

Após a avaliação e identificação das potencialidades os reeducandos tem possibilidade de receber uma progressão de nível que aumenta o valor da bolsa recebida. Os colaboradores de Nível I recebem uma bolsa no valor de 912 reais, os de Nível II, 1.136,27 e os de Nível III chegam a receber 1.316,47.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

 

O DER/DF realizou, nesta quarta-feira, 27/1, a substituição da sinalização vertical próxima à Igrejinha Nossa Senhora de Fátima da 307/308 Sul. Além da sinalização em frente ao templo, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), também foi realizada a instalação do totem com informação turística próxima ao local.
Por conter peculiaridades de design e integração com as escalas urbanas da cidade, a Sinalização Urbana de Brasília foi reconhecida pelo MoMA (Museu de Arte Moder de Nova Iorque) e uma réplica do totem instalado hoje, próximo a Igrejinha, integra o acervo permanente do museu internacional.


“O reconhecimento de uma peça artística em um dos principais museus do mundo é motivo para que tenhamos um zelo especial com esse patrimônio da nossa cidade”, declarou o superintendente de operações do DER, Murilo de Melo Santos.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, “a Igrejinha, mais do que patrimônio histórico-cultural, é símbolo afetivo da cidade. E a placa sintetiza esta importância. Nossa história eternizada no MOMA”.
"A unidade de vizinhança número um, onde está a igrejinha, a rua da igrejinha e as demais quadras que foram tombadas em seu conjunto arquitetônico, tem uma importância muito grande para a cidade e passa por constantes ameaças à sua integridade. A chegada dessa nova sinalização só vem a contribuir para a valorização e importância de se preservar essa região como patrimônio cultural histórico do Distrito Federal e assim também o seu valor turístico", afirmou Fernando Bassit Costa, Prefeito Comunitário da SQS 308.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto com informações do DER/DF

Fotos: Emanuelle SenaASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

 

A Junta Militar do Plano Piloto estará fechada de forma excepcional no dia 10/02/2021 devido à realização do SIMPÓSIO DO SERVIÇO MILITAR PARA SECRETÁRIOS DE JUNTA DE SERVIÇO MILITAR DO POSTO DE RECRUTAMENTO E MOBILIZAÇÃO 11/001 nesta data.

O Simpósio tem como objetivos:

•    Apresentar o desempenho das Juntas Militares do DF em 2020;
•    Atualizar procedimentos processuais para operacionalizar o atendimento ao cidadão;
•    Definir as missões dos militares do Posto de Recrutamento e Mobilização para o desenvolvimento do evento;
•    Definir o apoio a ser prestado por outras organizações militares;
•    Informar as mudanças e as novidades para 2021;

O Simpósio do Serviço Militar acontecerá das 8h até às 16h, por este motivo a Junta Militar estará fechada durante todo o dia.

A Administradora do Plano Piloto Ilka Teodoro, recebeu nesta terça-feira, 26/1, visita dos secretários de Governo, José Humberto Pires, e das Cidades, Valmir Lemos. Além de fazer um balanço das principais realizações em 2020, os secretários verificaram as principais necessidades da Administração Regional para o melhor atendimento das demandas da comunidade da RA-PP. Na oportunidade foram anunciadas obras importantes para a população do Plano Piloto, como o início das obras na Praça do Povo, no Setor Comercial Sul e a finalização das obras na W3 Sul.

O Secretário de Governo explicou que tem realizado visitas em todas as RA’s com a finalidade de levantar os pedidos das administrações e articular com os órgãos de governo a solução dos gargalos existentes. “Acompanhamos o trabalho desenvolvido nas RA’s e estamos sempre em busca de integrar as Administrações Regionais com os órgãos do Governo do Distrito Federal para desburocratizar os processos, possibilitar o desenvolvimento das regiões e melhorar a qualidade de vida da população”, diz.

Valmir Lemos, Secretário Executivo das Cidades disse que as visitas tem sido uma ótima oportunidade de ver de perto o que cada RA precisa. “Todas as RA’s possuem demandas e necessidades diferentes”, destaca.

Melhorias para o Plano Piloto

O Secretário José Humberto anunciou boas novas para a RA-PP. Uma das novidades foi o início da obra da Praça do Povo, no Setor Comercial Sul, prevista para fevereiro, e a finalização das obras da W3 Sul que será entregue totalmente reformada à população. A reforma das calçadas, demanda já apresentada anteriormente pela administradora à Segov, também está no pacote de obras elencadas como prioridade pelo governador Ibaneis e os gestores de cada pasta envolvida.

Outra notícia trazida pelo Secretário é a resolução de uma demanda antiga da comunidade: o recolhimento do lixo verde. José Humberto afirma que a Novacap fará licitação para estabelecer o serviço permanente de recolhimento de folhas, restos de poda e galhos secos e com isso regularizar a coleta em todo Plano Piloto.

Tecnologia para melhor atendimento da comunidade

A administradora afirma que um dos desafios na Administração é a digitação dos endereços do Plano Piloto e a compatibilização do endereçamento original com os endereços da base de dados dos Correios e dos cartórios.  O endereçamento da Região Administrativa Plano Piloto tem características próprias que datam da inauguração da cidade. Ilka afirma que a digitação otimizará o serviço de análise de viabilidade de endereço do RLE digital, uma demanda do empresariado local. “Os endereços da RA-PP estão todos em pastas físicas e são consultados um a um manualmente. Para a digitação dos dados, já foram feitas conversas entre a Administração e o SEBRAE para uma futura parceria e queremos o apoio da SEGOV para alavancar este processo”, sinaliza Ilka.

Além disso, a administradora pede apoio para conseguir a digitalização do arquivo da Administração Regional que ainda é em papel ou microfilme. A solicitação de projetos e/ou plantas é feita na RA, porém o material ainda armazenado em mídia analógica precisa ser lido, copiado e digitalizado em empresas privadas. “Possuímos o backup de todo o DF, mas a consulta desse arquivo ainda é manual, porque não temos uma máquina de leitura de microfilmes e digitalização. Também não foi possível contratar uma empresa que ofereça este serviço diretamente na sede da administração”. Ilka espera, com a digitalização do acervo, dar celeridade no atendimento das solicitações no arquivo feitas pela comunidade e qualificar a gestão desses documentos que fazem parte da memória de Brasília.

Outro assunto abordado foi a ampliação da equipe de projetos, conservação, manutenção e obras, para melhor atender a comunidade do Plano Piloto.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Fotos: Emanuelle SenaASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

A partir de 1º de fevereiro, a Agência do Trabalhador do Plano Piloto vai mudar de endereço. Os atendimentos, que antes eram no Setor Comercial Sul (SCS), passarão a ser feitos na 511 Norte.

O horário de atendimento, no entanto, permanece o mesmo: de segunda a sexta-feira das 8h às 17h. Em 2020, a Agência do Plano Piloto atendeu 19 mil pessoas, que agora terão mais conforto ao buscar uma vaga no mercado de trabalho.

Agência do Trabalhador do Plano Piloto passa a atender na 511 Norte em fevereiro

Segundo a Setrab, o espaço atual não comporta mais o investimento logístico, estrutural e estratégico pensado para a secretaria. O secretário de Trabalho Thales Mendes Ferreira afirma que o espaço maior vai permitir que o cidadão tenha acesso a outros serviços da secretaria, como capacitação profissional e acesso ao microcrédito.

A agência também poderá ser usada por empresas que quiserem realizar entrevistas no local. “Será um novo conceito de agência”, afirma. Além disso, a mudança para a Asa Norte será uma forma de descentralizar o atendimento. “Na Asa Sul, temos a agência da 112, que atende prioritariamente pessoas com deficiência, mas está disponível para toda a população”, explica.

Com a mudança, a Secretaria de Trabalho (Setrab) vai ocupar uma área de mais de 5 mil metros quadrados, um espaço praticamente o dobro da atual. O espaço maior também vai permitir que os servidores cumpram o protocolo de segurança em razão da pandemia do coronavírus, como o distanciamento social.

Preocupado com o fomento da economia local, com ênfase na geração de emprego e renda, fortaleceu a pasta que, até início de 2019, era uma Secretaria Adjunta da antiga Secretaria de Estado do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Sedestmidh). Com a transformação em uma secretaria de estado, a Setrab ganhou nova estrutura, com seis subsecretarias e um aumento considerável no quadro de pessoal.

O novo prédio também é mais moderno e atenderá a estratégia de investimento tecnológico, de modernização, acessibilidade e sustentabilidade pensada para o novo modelo inteligente e inovador da Setrab.

Agência Plano Piloto
Setor de Edifícios de Utilidade Pública Norte
SEPN, quadra 511, bloco A – Asa Norte
Aberta de segunda a sexta, das 8h às 17h.

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS

“Lei dos Puxadinhos” foi elaborada após muito diálogo entre o setor do comércio e órgãos do GDF | Seduh-DF

Uma audiência pública a ser realizada em 11 de fevereiro servirá ao debate sobre a aprovação do projeto de lei complementar (PLC) e seus anexos I e II, que alteram a Lei Complementar nº 766/2008, mais conhecida como “Lei dos Puxadinhos”. Abertas à população, as discussões se darão nas modalidades virtual e presencial e terão início às 19h, na sede da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh-DF).

A convocação para a audiência foi publicada na edição desta terça-feira (12) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). Qualquer pessoa previamente inscrita pelo e-mail ascol@seduh.df.gov.br terá livre acesso ao debate.

Em respeito às medidas de segurança contra o coronavírus, será autorizada a participação presencial de até 30 pessoas no auditório da Seduh-DF. Os demais interessados poderão participar de forma virtual, por meio da plataforma Cisco Webex Meeting, inclusive veículos de comunicação.

Melhorias

Entre os temas a serem debatidos na audiência está o projeto que dispõe sobre o uso e a ocupação do solo no Comércio Local Sul, localizado no Setor de Habitações Coletivas Sul (SHCS) do Plano Piloto. As mudanças propostas têm como objetivo promover algumas melhorias para os comerciantes da Asa Sul, entre elas diminuir exigências burocráticas, ampliar prazos e repactuar a cobrança pelo uso da área pública.

De acordo com a secretária-executiva da Seduh-DF, Giselle Moll, uma das melhorias mais importantes dispostas no novo projeto será justamente a mudança na forma de calcular o valor pela ocupação da área pública. “Será usada uma nova fórmula de cálculo que deverá ajustar para menos o valor devido pela ocupação. A proposta de simplificação prevê cobrar só pela área ocupada, já que antes era pela área construída. Isso vem ao encontro da demanda dos comerciantes, que têm passado por dificuldades durante a pandemia”, explica a gestora.

“A audiência é convocada com 30 dias de antecedência para a população ter acesso aos documentos técnicos, estudá-los e, durante a audiência, propor alterações e dar sua contribuição”

Giselle Moll, secretária-executiva da Seduh-DF

Giselle lembra ainda que, em muitos casos, o valor atualmente cobrado para uso da área pública ultrapassa o do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU). Para que uma mudança fosse proposta, acrescenta a secretária-executiva, foi necessário um constante diálogo entre o setor do comércio e alguns órgãos do GDF.

“Esse novo projeto de lei foi muito trabalhado junto aos comerciantes e representantes dos comércios locais. Tivermos várias conversas, ouvimos também a Administração Regional do Plano Piloto sobre as dificuldades de análise e aprovação dos projetos, ouvimos as concessionárias de serviço público, já que algumas ocupações acabam tendo problemas de interferência com redes de infraestrutura”, destaca.

Objetivo

A secretária-executiva da Seduh-DF reforça que o objetivo da audiência pública é ouvir sugestões da população ao projeto, de modo a democratizar o acesso ao processo e garantir a transparência com a participação dos cidadãos. “A audiência é convocada com 30 dias de antecedência para a população ter acesso aos documentos técnicos, estudá-los e, durante a audiência, propor alterações, fazer sugestões e dar sua contribuição. Na sessão também são apresentadas as principais alterações feitas no projeto, bem como seu objetivo e como ele vai beneficiar a população. É um passo importantíssimo e faz parte da reta final da aprovação”, arremata Giselle Moll.

As informações prévias para subsidiar o debate, bem como a minuta do projeto de lei complementar e os respectivos anexos I e II, estão disponíveis no site da Seduh-DF. Perguntas, sugestões ou recomendações dos participantes deverão ser realizadas por meio do chat de comentários, no ambiente virtual, bem como por meio de formulários de manifestação por escrito, na modalidade presencial, que devem conter obrigatoriamente a identificação do interessado.

Trâmite

Depois de aprovado na audiência pública, o projeto de lei complementar ainda precisa passar pelo aval do Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan-DF). Essa será a última etapa, dentro do Poder Executivo, antes que a proposição seja enviada à análise da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

SERVIÇO:

O quê: audiência pública sobre a Lei Complementar nº 766/2008 (“Lei dos Puxadinhos”)

Onde: Setor Comercial Sul, Quadra 6, Bloco A (sede da Seduh-DF, auditório do 2º andar)

Quando: 11 de fevereiro, às 19h

* Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação

A Administração Regional do Plano Piloto, em atendimento as medidas do GDF para combater a Covid-19, tem feito esforços de conscientização, desde o início da pandemia, de toda comunidade para evitar a proliferação do Coronavírus.


Uma das ações realizadas, nesse contexto de prevenção, foram as doações de máscaras reutilizáveis para as Administrações Regionais com o objetivo de proporcionar proteção para os servidores e servidoras que continuam seus trabalhos de forma dedicada mesmo durante a pandemia.


No total, a Regional do Plano Piloto entregou 664 (seiscentos e sessenta e quatro) unidades para Regiões Administrativas do DF.

Veja fotos das últimas doações.

Fotos por COAG/ RA-I.
Texto por Ramíla Moura.

 

 

O GDF Presente segue levando mais limpeza e organização, nos primeiros dias do novo ano, para todas as cidades do DF.


No Plano Piloto, os trabalhos do GDF Presente também representam manutenção da limpeza urbana, como ocorreu ao longo do Setor de Embaixadas Sul, próximo à avenida L4 Sul: 92 bocas de lobo foram limpas pelas equipes, das quais foram recolhidas sete toneladas de lixo, em sua maioria de fonte orgânica (folhas e pedaços de árvore).

Material despejado irregularmente é recolhido da Vila Planalto | Foto: Divulgação/ GDF Presente


Já na Vila Planalto, os caminhões e pás carregadeiras do programa foram utilizados para recolher aproximadamente 48 toneladas de entulhos e inservíveis despejados irregularmente em um terreno.


FLÁVIO BOTELHO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: MÔNICA PEDROSO

 

IAN FERRAZ, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

A virada do ano, de 2020 para 2021, vai afetar o funcionamento de serviços e empresas públicas do Distrito Federal nos dias 31 de dezembro deste ano e 1º de janeiro de 2021. Confira, abaixo, como ficará caso a caso. Programe-se para não ficar desprevenido(a) com as alterações.

 Saúde

Em 31 de dezembro, os ambulatórios dos hospitais e Unidades Básicas de Saúde (UBSs) funcionarão das 8h às 14h. Já o Hemocentro funcionará das 7h às 12h. As farmácias do Componente Especializado (Alto Custo) na Asa Sul, Ceilândia e Gama funcionarão até às 14h. As emergências dos hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) vão funcionar 24h. 

No dia 1º de janeiro haverá funcionamento 24h nas emergências dos hospitais e UPAs.

 Transporte público

Na quinta-feira (31), véspera de Ano-Novo, os ônibus do transporte público coletivo do DF circularão com tabela horária de dia útil. Contudo, as operadoras deverão reforçar a quantidade de viagens entre 14h e 16h, devido ao aumento do fluxo de passageiros após o fim do expediente do GDF e o fechamento de lojas e shoppings.

Na sexta-feira, 1º de janeiro, os ônibus circularão com a tabela horária de feriado, que é igual à de domingo. Os horários e itinerários podem ser visualizados aqui.

 Metrô

No dia 31, o funcionamento será das 5h30 às 20h. Em 1º de janeiro, das 7h às 19h.

Corpo de Bombeiros

Trabalha em regime de escalas de 24 horas, sem interrupção. Expediente administrativo no dia 31 de dezembro das 7h às 13h.

 Polícia Militar

No dia 31 de dezembro a Polícia Militar funcionará normalmente tanto na área operacional quanto na administrativa. Em 1º de janeiro haverá o serviço operacional normal, com o reforço de policiais em escala extra nas ruas.

 Defesa Civil

Em 31 de dezembro o expediente administrativo funcionará até as 14h. Após este horário, segue em regime de plantão. No dia 1º de janeiro o funcionamento será em regime de plantão para atender todo o DF. Os acionamentos devem ser feitos via 199 ou, em caso de emergência, pelo 193.

Polícia Civil

As delegacias circunscricionais da PCDF funcionarão no feriado em regime de plantão ininterrupto de 24h. São elas: 1ª DP, 2ª DP, 3ª DP, 4ª DP, 5ª DP, 6ª DP, 8ª DP, 9ª DP, 10ª DP, 11ªDP, 12ª DP, 13ª DP, 14ª DP, 15ª DP, 16ª DP, 17ª DP, 18ª DP, 19ªDP, 20ª DP, 21ª DP, 23ª DP, 24ª DP, 26ª DP, 27ª DP, 29ª DP, 30ª DP, 31ª DP, 32ª DP, 33ª DP, 35ª DP e 38ª DP.

Também funcionam em regime 24h as duas delegacias de Atendimento à Mulher (Deam 1 e 2) e as duas delegacias da Criança e do Adolescente (DCA 1 e 2). A Delegacia Eletrônica  também funciona todos os dias, 24h: https://www.pcdf.df.gov.br/servicos/delegacia-eletronica

Banco de Brasília (BRB)

As agências estarão fechadas em 31/12 e 1º/1.

 CEB

As equipes de emergência e o teleatendimento vão funcionar em escala normal de trabalho, atuando 24 horas por dia.

As Agências de Atendimento continuam temporariamente fechadas devido às medidas de prevenção ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). 

Na Agência Digital (agenciadigital.ceb.com.br) e no aplicativo para smartphones “CEB Distribuição” muitas funções, como informar falta de energia, imprimir 2ª via de fatura e pedido de religação de energia, estão disponíveis, 24 horas por dia, sem fila de espera, para facilitar e dar conforto a todos.

 SLU

No dia 31 a coleta convencional ocorrerá normalmente. Nos casos em que ela normalmente é feita no período noturno (das 19h às 3h), será antecipada com início a partir das 14h para permitir que os trabalhadores sejam liberados mais cedo. No dia 1º de janeiro a coleta convencional ocorrerá normalmente no horário usual. Não haverá coleta seletiva nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro.

Já a varrição da área central será feita em regime de plantão nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro, como já ocorre aos domingos e feriados.

O Aterro Sanitário funciona normalmente nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro. Já a Unidade de Recebimento de Entulho (URE) funciona no dia 31 em horário normal e fecha no dia 1º de janeiro.

 Caesb

No dia 31 de dezembro o expediente presencial será das 8h às 14h. No dia 1º de janeiro, em razão do feriado, não haverá expediente, mas as equipes de manutenção seguem trabalhando em regime de plantão. Não haverá atendimento nos postos do Na Hora. O atendimento remoto, Agência Virtual, App, Site e telefone 115 funcionam ininterruptamente.

A Caesb reitera que, por meio dos canais virtuais, é possível solicitar revisão ou segunda via de contas, alteração de titularidade e vencimento, consumo de água, consulta de protocolos, parcelamento de débitos, 1ª ligação de água, autoleitura, ressarcimento de danos, alteração do titular ou do vencimento da conta, religação de água, débitos, manutenção de redes, além de serviços comerciais como análise de contas, atualização de cadastro e religação.

 Site oficial:

https://www.caesb.df.gov.br/

 Para baixar o aplicativo da Caesb no celular:

 – IOS:

https://apps.apple.com/br/app/caesb-autoatendimento/id1003831993

 – Android:

https://play.google.com/store/apps/details?id=br.gov.df.caesb.mobile

 DER/DF

O funcionamento dos setores de atendimento ao cidadão na sede (multas, protocolo e Ouvidoria presencial) será até as 12h no dia 31 de dezembro. Em 1º de janeiro não haverá atendimento. O Eixão do Lazer funcionará normalmente no dia 1º de janeiro.

As operações do DER no dia 31 de dezembro serão realizadas pela manhã, até as 12h. Em 1º de janeiro não ocorre operação, incluindo as reversões de vias, por conta do feriado nacional.

 Detran

No dia 31 de dezembro, a partir das 14h, será ponto facultativo. Em 1° janeiro, definido como feriado nacional, todas as unidades do Detran-DF estarão fechadas. Nesta data, as equipes de fiscalização e engenharia de trânsito atuarão em escala especial de trabalho. O Detran informa que em 1º de janeiro haverá o funcionamento normal da Rua do Lazer na avenida W3 Sul e no Paranoá.

Na Hora, Procon e Conselhos Tutelares

As unidades do Na Hora, Procon e Conselhos Tutelares não funcionam nos feriados. No dia 31 de dezembro, o expediente será reduzido, até as 14h. No dia 1º de janeiro não haverá expediente.

No entanto, os conselheiros tutelares ficam de sobreaviso para atender demandas urgentes registradas pela CISDECA. A Central telefônica funciona de segunda à sexta, das 18h às 8h; sábado, domingo e feriados, 24h, pelos telefones  (61) 3213-0657 / 3213-0763 / 3213-0766

 Ceasa

Em 31 de dezembro, o Varejão funcionará das 4h30 às 12h. No dia 1º de janeiro estará  fechado.                                                                   

 DF Legal

O atendimento ao público no dia 31 de dezembro será até as 12h. Em 1º de janeiro, a fiscalização será feita em esquema de plantão. 

Restaurantes Comunitários

Fecham em 31 de dezembro e reabrem em 2 de janeiro de 2021

 Cras e Creas

Fecham a partir das 14h de 31 de dezembro e retornam em 4 de janeiro de 2021

 Unidades de Acolhimento e alojamentos provisórios

Funcionam normalmente

 Jardim Botânico

Aberto até as 12h no dia 31 de janeiro e fechado em 1º de janeiro.

 Zoológico

O Jardim Zoológico funcionará nos dias 31/12 e 1/1, de 9h às 17h. A entrada no parque é permitida somente até as 16h, mas a bilheteria funciona até as 17h para a venda de ingresso para os outros dias. O ingresso custa R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada).

O Zoo recebe os visitantes de acordo com todos os protocolos de segurança e trabalha com a rotatividade do público aos finais de semana. Na medida em que as pessoas saem, os outros visitantes que aguardam podem entrar, de acordo com o limite máximo de 1.500 pessoas dentro do parque.

 Mirante da Torre de TV

No dia 31 de dezembro o Mirante da Torre de TV estará fechado. No dia 1º de janeiro, funcionará das 12h às 18h.

Cultura

Os espaços administrados pela Secretaria de Cultura não funcionam às quintas-feiras, logo estarão fechados em 31 de dezembro Na sexta-feira, 1º de janeiro, eles também estarão fechados.

No sábado (2) e no domingo (3), estarão abertos para visitação o Museu Nacional da República, o Centro Cultural Três Poderes, o Memorial dos Povos Indígenas e o Museu Vivo da Memória Candanga. O Museu da República funcionará das 10h às 16h. Os demais, das 9h às 15h.

 Parques

O Instituto Brasília Ambiental informa que todos os parques, sob sua administração, estarão funcionando normalmente em 31 de dezembro e 1ª de janeiro de 2021.

No momento, os eventos seguem suspensos e a única medida obrigatória é o uso de máscara. Ainda assim, funcionários dos parques estão atentos para orientar os frequentadores em caso de aglomeração.

 Segue a lista com os horários de funcionamento dos parques que estão abertos ao público:

 Parque Recreativo do Gama

Aberto todos os dias das 6h às 18h

  • Parque Distrital das Copaíbas

Horário de funcionamento: 8h às 18h

         Monumento Natural Dom Bosco

Aberto todos os dias das 6h às 18h

  • Parque Ecológico do Paranoá

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 18h

  • Parque Ecológico Sucupira

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias 6h ás 20h

  • Parque Ecológico do Lago Norte

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 18h

  • Parque Ecológico da Asa Sul

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 20h

  • Parque Ecológico Olhos d’água

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias portão principal 5h30 – 20h e portões laterais 6h – 18h.

  • Parque Ecológico Ezechias Heringer

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 22h

  • Parque Ecológico de Águas Claras

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 5h às 22h

  • Parque Ecológico do Riacho Fundo

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 18h

  • Parque Ecológico Areal

Horário de funcionamento:  Aberto todos os dias das 6h às 18h

  • Parque Ecológico Veredinha

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 22h

  • Parque Ecológico Cortado

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 18h

  • Parque Ecológico Três Meninas

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 7h às 18h

  • Parque Vivencial do Anfiteatro Natural do Lago Sul

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 18h

  • Parque Ecológico Península Sul

Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 6h às 22h

Da Agência Brasília com edição de Ramíla Moura

Várias regiões administrativas (RAs) do DF vão entrar de cara nova em 2021. Tudo graças às ações polivalentes do GDF Presente, uma das iniciativas do governo de grande abrangência. No Plano Piloto, a equipe de Obras e Manutenção da Administração Regional contribui nos esforços do Polo Adjacente 1 do GDF Presente para deixar a cidade pronta para o ano que se aproxima.

Vila Telebrasília

“Essa é uma parceria importante, sempre do nosso lado, nos ajudando nessa luta para deixar a cidade cada dia melhor, mais limpa e bonita”, destaca o presidente da Associação de Moradores da Vila Telebrasília, Gilmar Batista Camilo. O ponto alto das atividades foi a remoção, na última quinta-feira (23), de uma grande antena de antigo posto policial desativado localizado na entrada da vila.

Antena de posto policial inativo foi removida na Vila Telebrasília


Também têm sido intensas as operações de limpeza e reparos urbanos no Lago Sul, Lago Norte, Varjão e Plano Piloto, informa o coordenador do Polo Adjacente 1 do GDF Presente, Lúcio dos Santos Barbosa. Os trabalhos envolveram máquinas, caminhões e 26 homens em serviços de tapa-buraco, recolhimento de entulho, limpeza de boca de lobo, retirada de inservíveis, além de podas de árvores.

Ainda no Plano Piloto, trabalhadores fizeram na manhã de quarta-feira (24) a limpeza de bocas de lobo no Noroeste. “Tudo isso foi para que os moradores do Plano Piloto pudessem passar um Natal e um ano-novo com uma cidade mais aconchegante e limpa”, resume o gestor.

Noroeste ganhou limpeza nas bocas de lobo

Com a chegada das chuvas, as tesourinhas do Plano Piloto sofrem com o acúmulo de água, algo que dificulta o trânsito de veículos com frequência. Para dar mais segurança à população, o programa GDF Presente está concentrado desde a semana passada na limpeza dos bueiros de todos os 16 conjuntos viários espalhados pela Asa Sul e pela Asa Norte. A ação inclui a retirada de material orgânico e de lixo comum, que se acumulam entre as galerias pluviais, além da troca de tampas e da lavagem das tubulações.

35 bocas de lobolimpas e revitalizadas em apenas um dia

Um trato geral nas áreas adjacentes também está entre os serviços do programa – varrição e capina da área verde que contorna os viadutos, entre outras intervenções. Desde a semana passada, equipes do Polo Central Adjacente 1, com apoio da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), capricham na execução dos serviços, em um ritmo de trabalho que já chegou a quatro entrequadras finalizadas: as 3/4 , 5/6 e 7/8 da Asa Sul; e a 1/2 da Asa Norte.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, trata-se de uma ação importante para manter as estruturas “vivas” e transitáveis. “Depois da recuperação estrutural das tesourinhas, promover a limpeza e a desobstrução das bocas de lobo é fundamental para evitar alagamentos e prevenir acidentes. As ações do GDF Presente nos garantem esse cuidado com a cidade”, destaca.

Em apenas um dia, 35 bocas de lobo foram limpas e revitalizadas. Além disso, um caminhão com 10 toneladas de entulho recolhidos das áreas verdes.

“Encontramos muita sujeira nos jardins. Muitas pedras, galhadas de árvores, folhas e alguns pedaços de concreto que sobraram das obras. Vamos limpar uma por uma, e o trabalho continua na semana que vem”, explica o coordenador do Pólo Adjacente I do GDF Presente, Lucio Barbosa.

Reformas estruturais

 

O GDF vem trabalhando na reforma estrutural de todos estes espaços, que nunca passaram por intervenções tão amplas desde a sua inauguração, em 1960. Na Asa Norte, todas as tesourinhas passaram por reparos e já estão liberadas. Na Sul, cinco conjuntos seguem em obras.

O conjunto da obra inclui a recuperação de estruturas de concreto, reconstrução dos guardas-rodas – muretas de proteção fixadas nos eixinhos – e na substituição de ferragens enferrujadas. Elas ganham também uma nova urbanização.

 

Texto por: Agência Brasília

Nessa quarta-feira, 16/12, a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro recebeu representantes da Novacap, da Secretaria de Cidades e do Polo Central Adjacente I do GDF Presente, em reunião no Gabinete da Administração Regional, para apresentar demandas prioritárias da RA-I/Plano Piloto e alinhar fluxos de trabalho para dar celeridade na resposta aos pedidos recebidos da comunidade.
Reformas e construção de calçadas, consertos e instalação de equipamentos em quadras de esporte e parquinhos, reposição de areia, limpeza de bocas de lobo, drenagem, podas de árvores, manutenção de meios-fios, recapeamento e reparo asfáltico, plantio de grama, construção de estacionamentos, recolhimento de lixo verde, capina e PEC’s foram demandas apresentadas pela Administradora à Novacap.
Para a administradora, é fundamental o trabalho de manutenção realizado pela Novacap e pelo Polo GDF Presente, porque mantém a cidade limpa e conservada. “Agradecemos à Companhia e ao Polo por dar encaminhamento aos pedidos da RA-I recebidos da comunidade, garantindo que a nossa cidade fique cada vez mais bonita e bem cuidada!”.

As ações de jardinagem, limpeza e manutenção da cidade são realizadas pela Diretoria de Urbanização (DU) da Novacap. De acordo com Sérgio Lemos, responsável pela DU, essas melhorias são feitas à medida que os contratos são firmados e os recursos para execução são destinados à Companhia.


Flávio Araújo de Oliveira, Subsecretário de Desenvolvimento Regional e Operações nas Cidades (SECID), frisou a importância do diálogo e planejamento com a Região Administrativa para o bom andamento dos serviços. “Esse trabalho de zeladoria da cidade, feito com esse planejamento articulado facilita a resolução das demandas”.

Texto: Ramíla Moura/ ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Fotos: Ramíla Moura/ ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

A administradora Ilka Teodoro recebeu na tarde desta quarta-feira, 16/12, os arquitetos Fábio Barreira e Paulo Chamon para uma reunião com o objetivo de pensar estratégias para uma parceria entre a Administração Regional do Plano Piloto e a Câmara dos Deputados para realizar a restauração e manutenção da área verde próxima à Câmara dos Deputados, que tem em média de duzentos mil metros quadrados. A intenção é iniciar a parceria para a conservação do Bosque dos Constituintes.
Para Ilka, a parte do termo de parceria que cita a 'preservação do cerrado' é muito importante para o andamento do processo. "Temos que investir na restruturação do cerrado, pois estamos perdendo o nosso bioma natural e isso impacta de forma muito negativa na cidade como um todo", disse.

Texto: Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura

Fotos: Gabriel Ferraz/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

JÉSSICA ANTUNES E ROSI ARAÚJO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA  | EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

A obra teve o custo total de R$ 7.959.618,69, sendo que o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) financiou R$ 7.1 milhões e o Distrito Federal investiu R$ 796.136,04 I Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

A comunidade da Vila Planalto finalmente terá sua escola de volta. E melhor: moderna, segura e novinha. Construído há mais de 30 anos para ser provisório, o Centro de Ensino Fundamental 01 (CEF 01) da foi usado até o prédio ser condenado e demolido, em 2013. Foram investidos 7,9 milhões na reconstrução e agora vai devolver a unidade para mais de 360 estudantes que, desde aquela época, são deslocados para outros colégios. A reinauguração é considerada um marco histórico.

A diarista Ana Maria da Silva, 39 anos, é só orgulho. “É uma honra ver essa escola erguida. E é a mais bonita de todo o Distrito Federal”, garante I Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília

A diarista Ana Maria da Silva, 39 anos, é só orgulho. “É uma honra ver essa escola erguida. E é a mais bonita de todo o Distrito Federal”, garante. Ela mora há 20 anos na região e estudou ali. Assim como os três filhos, anos depois.

“Era horrível, muito precário, com risco de choque, alagamento com toda chuva. Era de dar medo. Foi uma luta para derrubar e uma lenda para construir. Para mim é um orgulho grande ver a escola devolvida para a nossa comunidade”, diz.

Agora ela espera que o neto, que ainda tem seis meses de vida, possa estudar ali, perto de casa, na Avenida Pacheco Fernandes. “Todo lugar tem uma escola e a gente passou muito tempo sem nenhuma. É histórico para todos da nossa cidade ter o colégio de volta”, opina. Estima-se que na região vivam 18 mil pessoas.

Tudo novo 

A obra teve o custo total de R$ 7.959.618,69, sendo que o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) financiou R$ 7.1 milhões e o Distrito Federal investiu R$ 796.136,04. Para a reconstrução, foram criados 200 empregos, diretos e indiretos. Agora, o prédio tem espaço para música, laboratórios de ciências, informática, auditório, biblioteca e quadra poliesportiva.

Ao todo, são 12 salas de aula, com capacidade entre 30 e 33 alunos cada, o que dá mais de 360 vagas. Isso significa que vai atender os alunos que foram remanejados para o Ensino Fundamental da 315 Sul. Até antes da pandemia, os alunos eram levados de transporte escolar até as unidades.

Toda a nova estrutura da escola está adaptada para pessoas com deficiência: piso tátil, rampas de acesso, bebedouros e banheiros separados I Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

Toda a nova estrutura da escola está adaptada para pessoas com deficiência: piso tátil, rampas de acesso, bebedouros e banheiros separados. Segundo o engenheiro responsável pela obra, Marden Frederico Tomas da Silva, as pias e maçanetas dos banheiros foram planejadas para melhorar o acesso e mobilidade de quem precisa de condições especiais.

Do lado de fora, ainda tem estacionamento para 35 veículos. Além disso, o novo sistema hídrico é autossustentável, permitindo reutilizar cerca de 800 mil litros de água. Hoje, a escola está pronta para receber os alunos quando as aulas presenciais puderem ser retomadas com segurança.

“É com orgulho que chegamos à reta final da obra. É um resgate histórico para a Secretaria de Educação e, sobretudo, para a comunidade, que vê atendida uma de suas mais antigas reivindicações”, afirma o titular da pasta, Leandro Cruz. “Tivemos um ano difícil, por força do isolamento social, mas as obras continuam. Quando nossos professores e estudantes retornarem às salas de aula, irão encontrar uma infraestrutura muito melhor e, sem dúvida, este é um aspecto que também contribui para o rendimento escolar”, emenda.

Coordenadora regional do Plano Piloto, Edilene Abreu classifica a nova unidade como um ganho. “O Plano Piloto tem pouca área para construção de escolas. As que temos são antigas, apesar de estruturas boas. O CEF 01 da Vila Planalto é um ganho não só para a comunidade, mas para todo o Plano Piloto”.

“O CEF 1 da Vila Planalto era a única escola pública da vila. Há quase 10 anos as crianças se deslocam para outras localidades para estudar. Sua reconstrução é um resgate da história e da dignidade da comunidade, que volta a contar com o equipamento de educação que atenderá as crianças da vila e suas famílias”, valoriza a administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

Da Agência Brasília


Foto: Jhonatan Ribeiro

A 7°edição do Programa Sua Vida Vale Muito Itinerante, da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), foi realizada nesta sexta-feira (11) na plataforma superior da Rodoviária do Plano Piloto. Das 9h às 17h, a população pôde contar com atendimentos de saúde e cidadania gratuitos, como a emissão da segunda via da identidade. Este foi o primeiro evento em que os participantes foram beneficiados pela isenção da taxa para tirar o documento, autorizada pela Lei Complementar 977, que entrou em vigor hoje após a publicação do Decreto 41.588, no DODF.

A Secretaria de Justiça, Marcela Passamani reforçou a importância das ações e da junção dos programas Sua Vida Vale Muito e Sejus Mais Perto do Cidadão. ” Esse decreto veio para atender quem nos procura para emitir a segunda via da identidade, benefício que será concedido gratuitamente somente em nossos programas”, afirma. De acordo com o decreto, terão acesso à emissão da segunda via sem o pagamento de taxa, os cidadãos com renda não superior a 5 salários mínimos. A isenção só poderá ser solicitada uma única vez.

Seguindo, com rigidez, os protocolos sanitários de enfrentamento à Covid-19, a ação itinerante adaptou o evento para assegurar que o público não desrespeitasse as regras e promovece aglomeração. O espaçamento foi calculado, com a prerrogativa de preservar a saúde de quem buscou atendimento e dos servidores.

Quem passou pela Rodoviária ainda contou com teste rápido de HIV, Síflis, Hepatite C, distribuição de preservativos, instruções acerca da COVID-19. Serviços do Na Hora como impressão de segunda via de contas da CEB e CAESB, serviços on line, de autoatendimento para retirada de multas, IPTU, IPVA, ou agendamento de outros atendimentos, completaram as ações do Programa Sua Vida Vale Muito. As pessoas ainda tiraram dúvidas com o Procon e a Defensoria Pública na área de família, como pensão alimentícia e divórcio.

Na busca de atendimento, Letícia de Souza, 21 anos, disse que ficou sabendo da ação pelas redes sociais da Sejus. ” Eu vim fazer a segunda via do RG e trouxe minha mãe para também tirar a segunda via dela e a primeira do meu filho, de 5 meses”. Dona Nilza Plácido, 49 anos, pensionista, relatou que fez o seu primeiro RG com 14 anos. ” Tem muito tempo que fiz o meu primeiro RG, na época tinha 14 anos, tentei fazer um atendimento e não consegui porque disseram que o documento não era mais compatível, então precisei fazer outro”.

A dona Rosa Maria Brito da Costa, 60 anos, estava passando de ônibus e viu as ações. “Aproveitei para ver a situação do meu IPTU se estava tudo certinho, foi rápido, Deus tudo certo”. Severino Manoel dos Santos, 68 anos, estava indo fazer uma consulta médica, viu a ação e aproveitou para agendar a carteira de trabalho. ” Eu não ia conseguir fazer depois, vi o atendimento aqui e aproveitei “, explicou.

Sem tempo para fazer um checkup, e cuidar melhor da saúde, o Peruano, José Alberto Nunes, de 60 anos, há 3 meses em Brasília, veio aferir a pressão. “Eu estava indo ao banco, e quis saber se podiam me atender, consegui”, disse. Desde agosto de 2020, o Programa Sua Vida Vale Muito Itinerante já atendeu mais de 6 mil pessoas, nas cidades de Ceilândia, Sobradinho 2, Itapoã, Estrutural, Samambaia e Santa Maria. Parceiros na ação, a Sejus contou com a presença da Caesb, Corpo de Bombeiro, Polícia Civil e Militar, BRB com agência móvel, DER, além do apoio da Secretaria de Saúde e voluntários.

Da SEJUS-DF

A Administração Regional do Plano Piloto informa que está aberto o Chamamento Público de Servidor Nº 02, para ajustamento de quadro de pessoal às necessidades do serviço. Os (as) servidores (as) selecionados (as) serão lotados na sede da Administração Regional do Plano Piloto, localizada no Setor Bancário Norte, Ed. Wagner – Brasília/DF, CEP. 70.040-020, respeitando-se a especialidade, a área de atuação e a experiência de cada servidor (a).

Os interessados deverão solicitar a ficha de inscrição (anexo I do edital) pelo e-mail gepes@planopiloto.df.gov.br ou preencher e enviar a ficha para o e-mail citado, ou entregar pessoalmente no Setor Bancário Norte, Ed. Wagner – Brasília/DF – CEP. 70.040-020 das 09h às 12h e das 14 h ás 18h, na Gerência de Pessoas da Coordenação de Administração Geral.

Leia AQUI edital de chamamento.

IAN FERRAZ, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: CHICO NETO

Cerimônia de assinatura do acordo: mais qualidade de vida para Brasília | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

O Governo do Distrito Federal (GDF) assinou, nesta quarta-feira (9), mais um grande projeto do programa Adote uma Praça. A área adjacente ao Edifício Touring e à Biblioteca Nacional da República, no coração de Brasília, foi adotada pelo Serviço Social da Indústria (Sesi), que fará uma ampla reforma na região. A obra ao redor do Touring vem como complemento à construção do Sesi Lab, um espaço de ciência, arte, tecnologia e inovação, com investimentos de R$ 160 milhões pela entidade.

R$ 160 milhõesRecursos investidos para reforma na região do Edifício Touring

O Touring está localizado no Setor Cultural Sul, onde ficam a Biblioteca Nacional e o Museu Nacional Honestino Guimarães. Após muitos anos de abandono, o edifício será transformado em um museu, formato que reforça o caráter artístico e cultural dessa região do Plano Piloto.

A obra está em andamento e deve ser concluída no decorrer de 2022, durante as comemorações do aniversário de 62 anos de Brasília. A praça adotada pelo Sesi terá mobiliário urbano, com bancos, bosque, árvores e 274 vagas para carros, ônibus escolares e bicicletas. A alameda também vai ganhar ciclovia e um calçadão com acessibilidade para ligar o Touring ao Museu da República, ambos projetados pelo arquiteto Oscar Niemeyer.

Nova ambientação

“A CNI [Confederação Nacional da Indústria], ao adquirir esse imóvel, traz para cá o Sesi Lab, um museu-laboratório relevante para o DF e o Brasil, e era muito importante que a gente tivesse um ambiente agradável nos arredores do Touring e pudesse conviver na região”, declarou o secretário de Governo, José Humberto Pires, que representou o governador Ibaneis Rocha na cerimônia da assinatura de contrato. “Por isso, ele foi pensado dentro do projeto Adote uma Praça, como uma obra complementar ao museu.”

A reforma da área externa do Setor Cultural Sul e o projeto arquitetônico do novo museu foram aprovados pelo Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan). Antes de ser enviado ao Conplan, o documento passou pelo crivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). “Esse é mais um projeto elaborado pela Seduh [Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação] com uma atenção especial para a requalificação dos espaços públicos”, comenta o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira.

“Esse é mais um projeto elaborado com uma atenção especial para a requalificação dos espaços públicos”Mateus Oliveira, secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação

Já o termo de cooperação entre o GDF e o Sistema S (Sesi/Senai) foi intermediado pela Secretaria de Projetos Especiais (Sepe), responsável pela criação e gestão do programa Adote uma Praça, destinado a parcerias entre empresários e moradores da cidade para recuperação e bom uso de espaços públicos.

Titular da Sepe, Roberto Andrade citou o poeta Fernando Pessoa para comentar uma obra tão importante para Brasília: “Quando Deus quer, o homem sonha, a obra nasce”. A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, também comemorou: “Vai unir, em um só lugar, cultura, turismo, ciência e tecnologia e, principalmente, gente. Ter esse espaço aberto é um grande ganho para a cidade”.

“Vai unir, em um só lugar, cultura, turismo, ciência e tecnologia e, principalmente, gente. Ter esse espaço aberto é um grande ganho para a cidade”Ilka Teodoro, administradora de Brasília

Ainda em 2020, o Adote uma Praça vai elaborar um workshop destinado às regiões administrativas. O objetivo é expandir o programa e despertar o interesse dos moradores. Afinal, o cuidado com o bem público é o maior ativo do Adote uma Praça, e ter os moradores por perto faz com que ele funcione ainda melhor.

Sesi Lab

O novo museu, que chega para compor a paisagem na região central de Brasília junto à Biblioteca Nacional e ao Museu da República, tem como objetivo democratizar o acesso às informações relacionadas à inovação, ciência e tecnologia. Isto será feito por meio da arte e na interação com princípios básicos da física, química, matemática e biologia.

Adote uma Praça

Lançado em maio de 2019, o programa Adote uma Praça tem como objetivo firmar parcerias com empresários e moradores da capital para a manutenção e recuperação de locais públicos, como praças, jardins, rotatórias e canteiros de avenidas, assim como monumentos, pontos turísticos, entre outros. Foi oficializado por meio do Decreto nº 39.690/2019, que regulamenta a Lei nº 448/1993, referente à adoção de praças, jardins públicos e balões rodoviários, por entidades e empresas.

O diferencial do projeto é contribuir para maior integração entre governo e comunidade e ajudar a ampliar o sentimento de cidadania. Desde que foi instituído, 77 propostas foram apresentadas em 19 regiões administrativas, com 43 projetos vigentes e um investimento, oriundo da iniciativa privada, que ultrapassa os R$ 15 milhões. Atualmente, 34 projetos estão em análise para ser contratados e implantados nos próximos 12 meses.

O primeiro termo assinado foi o do estacionamento do Hospital Brasília, no Lago Sul. Outros acordos de diferentes valores, tamanhos e tipos foram encaminhados e concluídos: a reforma da quadra de esporte no Paranoá, a construção de praça de lazer no Guará, a urbanização e calçamento na região do Gama, a requalificação do Setor Hospitalar Sul, as obras na 506 Sul e muitos outros.

E, se você deseja ajudar o governo a melhorar e manter áreas públicas adotando algum espaço, entre em contato com a administração regional da sua cidade. O órgão pode informar a documentação necessária para o procedimento. Em caso de dúvidas, a Sepe vai atender.  Basta ligar, gratuitamente, para o número 3961-1538 ou enviar e-mail para  sepe.gab@buriti.df.gov.br.

Da Agência Brasília

A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, se reuniu com o embaixador do México, José Ignacio Piña Rojas, nesta terça-feira, 8/12, em reunião on-line.

O embaixador José Ignacio Piña Rojas apresentou demandas de melhorias para infraestrutura na região do Setor de Embaixadas Sul como a criação de ciclovias, reforma de calçadas e criação de linhas do transporte público coletivo para atender trabalhadores das embaixadas. O Embaixador explicou que “os trabalhadores da região contam com apenas uma linha de ônibus” o que segundo Rojas, dificulta o acesso aos locais de trabalho.

Ilka Teodoro assumiu o compromisso com o embaixador de articular com os demais órgãos do GDF o atendimento das demandas apresentadas e agradeceu a parceria da Embaixada do México com a Administração do Plano Piloto na conservação do espaço público no Setor de Embaixadas Sul.

Na oportunidade, a administradora lembrou de sua participação na Cerimônia on-line de Posse da Associação Nacional de Cidades Capitais no México na CONAMM, que fortaleceu os laços entre a Administração do Plano Piloto e a Embaixada do México.

Texto: Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Imagens: Gabriel Ferraz/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Sabe-se que a longevidade é uma garantia constitucional que deve ser respeitada e protegida, motivo pelo qual a Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF) produziu a Cartilha da Pessoa Idosa, que apresenta e esclarece de maneira didática os direitos dos idosos e os deveres do restante da sociedade para com eles.

Sabe-se que a longevidade é uma garantia constitucional que deve ser respeitada e protegida, motivo pelo qual a Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF) produziu a "Cartilha da Pessoa Idosa", que apresenta e esclarece de maneira didática os direitos dos idosos e os deveres do restante da sociedade para com eles.

A Cartilha compreende, entre outros assuntos, as medidas de proteção, as políticas de atendimento, os crimes previstos no Estatuto do Idoso e os cuidados com golpes. Além disso, evidencia a atuação da rede de atendimento e o papel da Defensoria Pública como mediadora e defensora dos interesses da pessoa idosa e difunde meios para que ela possa recorrer em caso de violação de direitos, destacando dados e informações atualizadas e sensivelmente úteis. O objetivo é promover os direitos desse grupo que tanto necessita dos cuidados da sociedade.

Acesse a Cartilha da Pessoa Idosa na íntegra!

Fonte: Defensoria Pública do Distrito Federal.

 

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: CHICO NETO

Artistas selecionados vão elaborar novos trabalhos na Galeria dos Estados | Foto: Divulgação/Ascom Planaltina

A edição desta quinta-feira (3) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) traz, entre os destaques, uma publicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) com o resultado provisório de seleção do edital de chamamento público que vai selecionar 100 grafiteiras e grafiteiros para trabalhar no Encontro do Graffiti 2020. Para esse evento, a ser realizado na Galeria dos Estados, no Setor Comercial Sul, serão investidos R$ 195 mil, como parte do projeto de reforma do local por meio da arte urbana.

Foram 193 propostas habilitadas na etapa de admissibilidade e analisadas por uma comissão seletiva Dela fazem parte representantes da sociedade civil e da Subsecretaria de Economia Criativa (Suec), que coordena as ações da área por meio de intercâmbio artístico-cultural e incentivo ao empreendedorismo. Também participa desse trabalho a Administração do Plano Piloto, que investiu R$ 36 mil.

Com dois dias para executar o trabalho, cada grafiteiro selecionado fará uma intervenção artística de tema livre em uma área de 10 a 20 m² da Galeria dos Estados e receberá um cachê no valor de R$ 1,5 mil.

Serão selecionados artistas moradores do Distrito Federal ou Entorno que comprovarem, por meio de portfólio ou currículo, o desenvolvimento de, pelo menos, uma intervenção artística em muros, paredes, painéis, tapumes, entre outros espaços urbanos. Outro diferencial do chamamento é que serão reservadas 30% das vagas para a participação de artistas mulheres.

Diante da pandemia, os artistas selecionados cumprirão as normas recomendadas pelas autoridades de saúde. Além de receberem os devidos suportes de higiene, equipamentos de proteção individual (EPIs) e de segurança, os grafiteiros atuarão em modo de revezamento, a fim de garantir o distanciamento social.

Veja a lista dos artistas pré-selecionados.

Recursos contra o resultado preliminar devem ser encaminhados ao e-mail cgdf@cultura.df.gov.br<mailto:cgdf@cultura.df.gov.br>. O prazo é de até cinco dias corridos, a partir desta sexta (4).

* Agência Brasília com informações da Secec

Lançada em setembro de 2019 no Museu Nacional da República, a mostra histórico-fotográfica Reintegração de Posse: Narrativas da Presença Negra na História do Distrito Federal ganhou novo formato e estará nos pontos de ônibus do Setor Comercial Sul (SCS) e Setor Bancário Sul (SBS). As imagens são fruto curadoria no acervo do Arquivo Público DF

Após o sucesso em 2019, a cidade poderá visitar novamente a exposição histórico-fotográfica Reintegração de Posse: Narrativas da Presença Negra na História do Distrito Federal. A mostra ganhou novo formato e, a partir desta quinta-feira, 19/11, estará nos pontos de ônibus do Setor Comercial Sul (SCS) e Setor Bancário Sul (SBS) na Galeria dos Estados. Até fevereiro de 2021, as paradas vão abrigar outras histórias da gente negra do DF, convivendo em espaços sociais diversos, dando vida, cor e movimento à cidade desde a construção da nova capital do país. 

Com coordenação geral e curadoria da mostra é de Ana Flávia Magalhães Pinto, professora do Departamento de História da Universidade de Brasília, a exposição nasceu como um projeto de iniciação científica e extensão acadêmica da universidade. Aproximadamente 20 mil pessoas já visitaram a obra que já esteve no Museu Nacional da República, Restaurante Universitário da UnB e no foyer da Câmara Legislativa do DF. 

"A remontagem da exposição nesses dois movimentados pontos de ônibus é uma forma de homenagear mulheres e homens negros que, sendo a maioria da população do DF, têm dado vida a este território mesmo antes da inauguração de Brasília. A exposição é, portanto, um convite para que todos percebam o protagonismo de pessoas negras como sujeitos históricos do lugar que habitamos. Afinal, vidas negras importam aqui também", considerou Ana Flávia.

A exposição é uma realização da Administração Regional do Plano Piloto com apoio da Embaixada da Bélgica no Brasil. A cerimônia de lançamento será na próxima quinta-feira, 19 de novembro, às 11h, na parada do Setor Comercial Sul.

Ampliação do acesso –  De acordo com Ilka Teodoro, administradora do Plano Piloto, a Galeria dos Estados é um local simbólico. Recém inaugurado, o espaço integra um grande corredor que possui que registra o segundo maior fluxo de pedestres da região. “Ocupar as paredes das paradas de ônibus da Galeria é uma forma de ampliar e democratizar o acesso ao acervo de imagens que retratam a presença e relevância da população negra na construção e na história da capital”, conta 

“A arquitetura monumental de Brasília remete aos grandes nomes que idealizaram e projetaram. Mas pouco se fala das histórias de quem permitiu a materialização desse sonho, colocando, literalmente, a mão na massa. Os trabalhadores e trabalhadoras da cidade poderão ver as histórias dos que os antecederam”, avalia Ilka Teodoro. 

Reintegração de posse – A exposição histórico-fotográfica busca revelar a presença de pessoas negras em Brasília para além da figura do “candango”, personagem usual dos canteiros de obra e das narrativas sobre a capital. Tem como objetivo chamar atenção do público para os caminhos que essa população fez por Brasília e pelo DF, traçando estratégias de sobrevivência e enfrentamento ao racismo na cidade. 

Serviço:

Exposição histórico-fotográfica Reintegração de Posse: Narrativas da Presença Negra na História do Distrito Federal 

Local: pontos de ônibus do Setor Comercial Sul (SCS) e Setor Bancário Sul (SBS) na Galeria dos Estados. De 19 de novembro de 2020 a 19 de fevereiro de 2020. 

Mais informações: https://www.instagram.com/historianegradf/

Texto: Mara Karina Silva

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

A Campanha de Vacinação Antirrábica já chegou à zona urbana do DF e a Secretaria de Saúde atualizou a lista dos postos que irão oferecer a vacina que protege cães e gatos contra o vírus da raiva. O horário de funcionamento de cada uma das unidades de vacinação, e as datas em que haverá aplicação da vacina, pode ser consultada na página da campanha. A expectativa é vacinar 80% da população de cães e gatos, seja da cidade ou do campo, estimada em 345.033 animais, sendo 308.419 cães e 36.613 gatos. Vila Planalto e Setor Militar Urbano já receberam a campanha. As vacinas também são aplicadas nos Núcleos de Vigilância Ambiental Regionais e na sede da Diretoria de Vigilância Ambiental em Saúde, que fica no Noroeste, ao lado do Hospital da Criança.

Veja os próximos postos de vacinação no Plano Piloto:

Com informações da Secretaria de Saúde

A Administração Regional do Plano Piloto tem realizado rodadas de conversa on-line com a comunidade para debater e buscar soluções conjuntas para as principais demandas recebidas na pasta. Nessa sexta-feira, 6/11, a Administradora Ilka Teodoro conversou com lideranças, moradoras e moradores da RA-I/Plano Piloto sobre placas de projetos comunitários no Plano Piloto. O objetivo foi apresentar uma proposta de projeto para padronizar as placas, desenvolvido pelo arquiteto Danilo Barbosa, responsável por liderar a equipe que desenvolveu o projeto gráfico de sinalização de Brasília, a partir de 1975 e também ouvir sugestões da comunidade.

Para iniciar o debate, a administradora apresentou a proposta produzida de forma voluntária pelo arquiteto Danilo e explicou que o projeto se aplicaria especificamente às placas de projetos comunitários, como uma alternativa para responder à demanda de comunicação local e ao mesmo tempo promover o cuidado com o espaço urbano e a organização da área pública.

Na proposta apresentada, o arquiteto defende que “um dos objetivos é oferecer às prefeituras de quadras o direito à manifestação, em mensagens institucionais, e permitir a implantação de suportes de comunicação para a divulgação de mensagens educativas”. Danilo propõe, no documento, a retirada de painéis de boas-vindas, que competem com a sinalização urbana e contribuem para poluição visual. Além disso, o arquiteto destaca que “o Plano Diretor de Sinalização tem força de lei e tem que ser respeitado”.

Flávia Diniz Mayrink, moradora da SQS 313, participante da reunião on-line, afirma que essa padronização é muito importante porque “além de facilitar a escolha do tipo de placa e a possibilidade de compra coletiva pela comunidade, ainda mostra o espírito coletivo e a padronização de todas as coisas, característica de Brasília que deve ser preservada”, diz.

No encontro, a administradora Ilka Teodoro esclareceu que as placas pensadas nessa proposta são aquelas de interesse da comunidade e não engenhos publicitários. “A comunicação comunitária é o exercício de um direito e dentro dessa lógica de exercício de direito ela não pode ser usada como instrumento de lucro nem de propaganda”.

Clique aqui e leia a íntegra da proposta de projeto do arquiteto Danilo Barbosa.

Veja mais fotos: https://flic.kr/s/aHsmRZ4cX9

Texto: Ramíla Moura da Assessoria de Comunicação da Administração Regional do Plano Piloto

Fotos: Emanuelle Sena da Assessoria de Comunicação da Administração Regional do Plano Piloto

A Ouvidoria da Administração Regional do Plano Piloto informa que, para pessoas interessadas no atendimento presencial da Ouvidoria, é disponibilizado o e-mail da Ouvidoria (ouvidoria@planopiloto.df.gov.br) para  agendamento de atendimento, conforme o Decreto n º 41.348/2020 que dispõe sobre normas para o retorno ao trabalho presencial nos órgãos e entidades da administração pública direta, indireta, autárquica e fundacional do Poder Executivo do Distrito Federal.

A Ouvidoria informa também que as manifestações de Ouvidoria deverão ser realizadas por meio dos  seguintes canais:

– Central telefônica 162 
– Sistema de Ouvidoria do DF(www.ouv.df.gov.br); e
– Sistema Eletrônico do Serviço de informação ao cidadão (www.e-sic.df.gov.br)

Com informações da Ouvidoria

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: CHICO NETO

Profissionais de diversas áreas, como a arte urbana, podem se inscrever | Foto: Divulgação/Secec

Os cadastros para as linhas 1 (pessoa física) e 2 (pessoa jurídica, coletivos) da Lei Aldir Blanc seguem abertos até sexta-feira (30) para profissionais que atuam na cultura. O benefício será pago a título de auxílio emergencial, em razão da pandemia de Covid-19.

Cadastrados da Linha 1 receberão R$ 3 mil, divididos em cinco parcelas de R$ 600; e, no caso de mãe e provedora do lar, R$ 6 mil, divididos em cinco parcelas de R$ 1,2 mil.

Já os beneficiários cadastrados na Linha 2 vão receber três parcelas mensais de R$ 6 mil.

Podem se inscrever artistas, contadores de histórias, produtores, técnicos, curadores, oficineiros e professores de escolas de arte e capoeira, entre outros profissionais que participam de cadeia produtiva dos seguintes segmentos artísticos:

  • Artes cênicas, incluindo teatro, dança, circo, ópera, musicais, entre outras manifestações;
  • Artes visuais, incluindo pintura, escultura, fotografia, artes digitais, instalações, entre outras manifestações;
  • Audiovisual, incluindo rádio e televisão de caráter educativo e cultural, sem caráter comercial;
  • Música;
  • Livro, leitura, escrita, literatura e contação de histórias;
  • Infraestrutura cultural, patrimônio material e imaterial cultural histórico e artístico, arquivos e demais acervos;
  • Manifestações culturais gospel e sacrorreligiosas e as culturas populares e tradicionais, como indígena, quilombola, cigana e de matriz africana;
  • Criações funcionais intensivas em cultura, como artesanato, cultura digital, design, moda, gastronomia, jogos eletrônicos e animação;
  • Manifestações culturais de arte urbana;
  • Outras formas de linguagem e de expressão cultural e artística.

Fará jus à renda emergencial mensal o profissional da cultura com atividades interrompidas e que comprove:

  • Ter atuado social ou profissionalmente nas áreas artística e cultural, nos 24 meses imediatamente anteriores à data de publicação da Lei Nacional nº 14.017/2020 (30.6.20), comprovada a atuação de forma documental ou autodeclaratória;
  • Não ter emprego formal ativo;
  • Não ser titular de benefício previdenciário ou assistencial ou beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o Programa Bolsa Família;
  • Ter renda familiar mensal per capita de até meio salário-mínimo ou renda familiar mensal total de até três salários-mínimos, o que for maior;
  • Não ter recebido, no ano de 2018, rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70;
  • Estar inscrito, com a respectiva homologação da inscrição, no cadastro de que trata o item 10 desta portaria;
  • Não ser beneficiário do auxílio emergencial previsto na Lei Federal nº 13.982, de 2 de abril de 2020.

O recebimento da renda emergencial está limitado a dois membros da mesma unidade familiar, sendo exclusivo para maiores de 18 anos, salvo nos casos de:

  • Mães adolescentes;
  • Maiores de 16 anos emancipados;
  • Maiores de 16 anos que comprovadamente se sustentam como trabalhadores e trabalhadoras da cultura, mediante apresentação dos documentos  comprobatórios.

Links para inscrições:

Cadastro 1  – Pessoa Física ;

Cadastro 2 – Empresas, coletivo, espaços.

* Agência Brasília com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec)

A Junta de Serviço Militar do Plano Piloto (202) informa aos cidadãos que retomou as atividades de atendimentos presenciais.

Todos os protocolos e medidas de segurança exigidos pelas autoridades sanitárias estão sendo observados para preservamos a saúde de todos, tanto dos cidadãos, quanto dos servidores.

Os atendimentos serão feitos preferencialmente através de agendamento pelo site www.alistamento.eb.mil.br.

Porém, atenderemos também por ordem de chegada, mediante senha, que deverá ser retirada na entrada da Administração Regional do Plano Piloto.

Todos deverão comparecer usando máscara e usar o álcool em gel disponível na entrada do prédio da Administração e na entrada da sala da Junta Militar.

Os horários de atendimento são:

                          Segundas e terças das 8:00 as 12:00 e das 14:00 as 16:00
                          Quartas e quintas das 9:00 as 12:00 e das 14:00 as 16:00. 
                          Sextas das 8:00 as 12:00
                          O horário de quartas e quintas, das 8:00 as 9:00, é reservado para a realização da Solenidade do Juramento a Bandeira dos cidadãos agendados pela Junta Militar.

O atendimento permanece pelo e-mail jsm@planopiloto.df.gov.br.

A Junta de Serviço Militar do Plano Piloto (202) contamos com a colaboração e compreensão de todos.

Da Junta Militar com edição da ASCOM-RA-I

Desde que o Governo do Distrito Federal assumiu a gestão da Junta Comercial do DF, em julho do ano passado, a vida do empresariado local mudou para melhor. As filas desapareceram, pois agora todos os serviços são digitais, o tempo de espera pelo deferimento de um processo caiu de um mês para menos de três horas, entre outras melhorias. Segundo dados do Ministério da Economia, a Junta Comercial, Industrial e Serviços do Distrito Federal (Jucis-DF) está entre as mais rápidas em tempo de abertura de empresas do Brasil.

Mas se engana quem acredita que os esforços dos servidores da autarquia em aprimorar cada dia mais o atendimento à população acabaram. No início deste semestre, graças aos resultados conquistados pelo órgão em tão pouco tempo, o DF foi escolhido para ser o piloto do projeto Empreendedor Digital.

O projeto é a nova parceria entre o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Nacional) e as Juntas Comerciais, e promoverá melhorias no sistema público de integração e registro mercantil, para automatizar a formalização de empresas. Com as novas funcionalidades, não só a abertura como também as alterações e extinções de empresas serão feitas em segundos.

Porém, para solucionar problemas antigos e implantar as novas funcionalidades, será necessário tirar do ar o Portal de Serviços e o chat das 18h do dia 19 às 8h do dia 26 de outubro.

“Gostaríamos de tranquilizar os setores comercial e produtivo do DF, pois os dias parados serão recompensados com um sistema muito mais dinâmico e transparente do que aquele que utilizamos hoje em dia”, garante o presidente da Jucis-DF, Walid Sariedine.

Fonte: JUCIS-DF

Você sabe o que é preço público?

Para obter os recursos e materiais necessários para custear os serviços públicos, o Estado pode se utilizar de meios semelhantes aos dos particulares, em vez de fazer uso do poder tributário. Nesse caso, aliena bens dominiais, cede seu uso, vende produtos e/ou, mediante remuneração, presta serviços de natureza comercial ou industrial. Para isso, cobra preços, receita originária – relação contratual – em contraposição aos tributos, receita derivada – compulsoriedade.

As Administrações Regionais publicaram, no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), no início deste ano, os valores atualizados do preço público para ocupação de áreas públicas com finalidade comercial ou de prestação de serviços, para o exercício de 2020.

Os preços públicos foram calculados com base no art. 1° da Portaria nº 388, de 20 de dezembro de 2019, da Secretaria de Estado de Economia do Distrito Federal, usando a variação acumulada do INPC de 3,37%.

Nesse link você acessa a tabela dos valores em reais do Preço Público na RA-I/Plano Piloto, publicada em janeiro no DODF:

/wp-conteudo//uploads/2020/10/publicacao_preco_publico_RAI-1.pdf

Ramíla Moura -ASCOM/RA-I com informações do Senado Federal

A administradora, Ilka Teodoro fez a entrega hoje, 12/10, das doações de brinquedos e livros arrecadados na Administração do Plano Piloto para a campanha “Vem Brincar Comigo 2020” idealizada e comandada pela primeira-dama do Distrito Federal, Mayara Noronha Rocha, que também é secretária de Desenvolvimento Social e coordenada pela Subchefia de Políticas Sociais e Primeira Infância, vinculada à Chefia de Gabinete do Governador.

A Creche Pioneira da Vila Planalto, criada em 1996, que acolhe crianças de até seis anos de idade, foi a primeira instituição a receber as doações. A administradora, Ilka Teodoro fez a entrega simbólica para a pioneira e presidente da creche Dona Wanda Corso. “Desejo muita força e saúde para a administradora nos ajudar aqui na Vila”, afirmou em agradecimento às doações recebidas que devem beneficiar 213 crianças.

Dona Wanda Corso, Efigênia Fernandes, Maria do Socorro, Maria Sônia Moraes e Maura Alves aproveitaram a oportunidade para conversar com a administradora sobre uma das principais demandas da comunidade da Vila Planalto que é a necessidade de reconstruir o Conjunto Fazendinha. A administradora Ilka informou que será criado um grupo de trabalho com órgãos de governo e participação da comunidade para elaborar o projeto de restauração.

Vila Telebrasília

A Associação dos Moradores da Vila Telebrasília e o Instituto Evolução que oferecem atividades gratuitas às crianças da comunidade, como jiu-jitsu, capoeira e artes plásticas foi o segundo local a receber os brinquedos arrecadados pela RA-I. Desta vez, 300 crianças puderam passar o dia das crianças mais feliz com brinquedos e livros recebidos.

Dona Neide Peixoto de Sousa, voluntária da Associação, foi quem recebeu simbolicamente das mãos da administradora as doações e aproveitou para apresentar a principal demanda da comunidade que é a limpeza urbana. “Precisamos de poda e recolhimento de lixo verde”, disse. A Administradora informou que fará as diligências com os órgãos responsáveis e sugeriu projetos de compostagem e depósito de vidro, iniciativas que deram certo em outras áreas da RA-I.

A Administradora Ilka destaca que, apesar de o Plano Piloto ser uma área com a maior renda do Distrito Federal, abriga áreas muito carentes que acabam sendo invisibilizadas como a Vila Telebrasília e a Vila Planalto. “Fiz questão de prestigiar essas áreas, sabendo de toda essa carência que existe e fiz questão de vir pessoalmente no território para entender melhor esse contexto e reafirmar o compromisso da Administração em melhorar essas regiões”.

Veja mais fotos:

Vila Planalto
Vila Telebrasília

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

A situação e discussão sobre a presença de vendedores ambulantes na rodoviária de Brasília são históricas e é algo que existe desde os primeiros anos de vida da Capital.

A Rodoviária é o ponto de intersecção do Plano Piloto em que transitam diariamente mais de 500 mil pessoas.

Para que as famílias de ambulantes comercializem com dignidade, sem conflito com a fiscalização, são necessárias duas condições:

  1. Autorização legislativa – uma LEI que autorize o licenciamento daquela atividade econômica no terminal rodoviário

  2. Licença concedida para o trabalhador ambulante.

Porém, NÃO existe LEI que autorize o licenciamento da atividade econômica de vendedor ambulante na RODOVIÁRIA DE BRASÍLIA. E assim, a área é considerada excludente para fins de licenciamento. A Lei 2693/2001 foi considerada inconstitucional pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) em 2005. Não foi editada nenhuma outra até o momento.

A Ordem de Serviço 135/2019 da Administração Regional de Brasília é baseada em todas as legislações urbanísticas e leis sobre licenciamento de atividade econômica e trata a RODOVIÁRIA DE BRASÍLIA como área excludente porque existe uma LACUNA legislativa sobre a atividade econômica de ambulante no terminal rodoviário. A Ordem de Serviço foi criada em razão da Lei dos Ambulantes e do Decreto regulamentador. A revogação da OS 135 prejudica todas as trabalhadoras e trabalhadores ambulantes que já foram licenciados com base nela e todos os processos que estão em análise.

Importante registrar que gestores e gestoras públicas estão limitadas aos dispositivos da lei em razão do princípio da legalidade que rege a administração pública. Não têm o poder de ampliar o alcance de uma lei que é taxativa. Não pode fazer distinções onde a lei não faz. Não pode fazer restrições onde a lei determina.

Também importante registrar que a Lei que disciplina a atividade de ambulante – Lei 6.190/2018 -, vigente hoje no Distrito Federal, é de iniciativa do Poder Legislativo.

Por fim, registramos que a Administração Regional é órgão de ordenamento e gestão territorial, instância de diálogo comunitário, não possui atribuição de fiscalização e nem poder de polícia.

As operações regulares de fiscalização são desvinculadas da Administração Regional, que não tem ascendência ou parceria com as ações da Secretaria de Proteção da Ordem Urbanística – DF Legal ou da Polícia Militar.

Legislação relacionada:

Constituição Federal (artigos 6, 182, 193, 203)

– Estatuto das Cidades – lei 10.257/2001

– Lei Orgânica do DF

PDOT

LUOS

PPCUB

– Portaria do IPHAN 314/1992

– Portaria do IPHAN 166/2016

– Lei 4954/2012 – que trata das atividades econômicas em terminais rodoviários

– Decreto 34.573/2013 – que regulamenta a Lei 4954/2012

– Portaria 107/2018 – Plano de Ocupação dos Terminais Rodoviários no DF

– Lei 6190/2018 – Regulamenta o comércio ambulante

– Decreto 36.769/2019 – Regulamenta a Lei 6190/2018

 

A Administração Regional do Plano Piloto recebeu, na tarde de terça (29/09), manifestantes que marcharam até à sede do órgão na última tarde. A reivindicação apresentada por três representantes indicados pelo grupo para dialogar com a RAI foi a liberação de comércio ambulante na região central de Brasília, em áreas públicas excludentes (onde não é permitida a comercialização de produtos ou de prestação de serviços por ambulantes).  


Jeanine Woycicki, chefe de gabinete da administração, se deslocou para o órgão, a pedido da administradora Ilka Teodoro apenas para receber os manifestantes, pois estava em outro compromisso governamental pré-agendado. Os servidores do Administração Regional estão em regime de teletrabalho, em respeito ao Decreto 40.546/2020, por conta da atual situação de emergência em saúde pública declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em decorrência do coronavírus (COVID-19).

A reunião foi apenas com os representantes indicados pelo grupo para que se evitasse aglomeração e serviu para esclarecer dúvidas em relação à regulamentação da atividade de comércio ou prestação de serviços ambulantes em vias, ônibus, metrô, estacionamentos e logradouros públicos do Distrito Federal. Nesse encontro, também foi informado que a administradora se colocou à disposição para recebê-los novamente.

Além disso, Danilo Martins Diniz, Gerente de Desenvolvimento Econômico (GEDEC) da administração, também recebeu os manifestantes e está disponível para formalizar as reivindicações apresentadas. Essa formalização acontece por meio de um cadastramento, previsto na legislação, que permite conhecer os ambulantes e saber a situação individual de cada um. Até o momento, os pedidos de cadastramento não foram apresentados à Administração Regional do Plano Piloto.

A representação indicada pelo grupo – Josielma Nunes, trabalhadora informal da Rodoviária (representante de 1 de 6 núcleos); Selma Araújo, trabalhadora informal da Rodoviária (representante de 1 de 6 núcleos); e Thiago Ávila, apoiador voluntário do movimento – firmou o compromisso de oficializar a solicitação na administração, bem como enviar uma proposta de projeto para solução do problema dos ambulantes, a ser protocolada na Administração Regional.

Os ambulantes já haviam sido atendidos por diversos órgãos de governo em 23 de setembro, em reunião realizada na Câmara Legislativa do DF. 

A administração compreende que a pandemia tem afetado especialmente a população mais vulnerável e tem feito esforços, junto aos demais órgãos de governo, no sentido de encontrar soluções conjuntas. O objetivo é fomentar a ampliação de atividades econômicas no Plano Piloto, garantir o desenvolvimento socioeconômico da região, com respeito às normas urbanísticas vigentes e ao bem estar social de toda população.

Texto: ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto
Fotos: Ana Carolina Dantas/GEAD – Administração Regional do Plano Piloto

Fotos da CLDF: Maria Fernanda/CODES – Administração Regional do Plano Piloto

GIZELLA RODRIGUES, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: RENATA LU

O Governo do Distrito Federal, em uma ação integrada entre as secretarias de Governo, das Cidades e de Saúde, com apoio da Administração Regional do Plano Piloto, lançou uma campanha para incentivar os moradores da região central de Brasília a se cadastrarem no Sistema Único de Saúde (SUS).

O site da Secretaria de Governo (Segov) disponibilizou o link http://segov.df.gov.br/esusregiaocentral/ para que os moradores do Cruzeiro, Lago Norte, Lago Sul, Plano Piloto, Sudoeste/Octogonal e Varjão possam se registrar ou atualizar o cadastro para ajudar no planejamento de políticas públicas de saúde para a população do DF.

Uma ação específica está sendo feita na Vila Planalto, uma região vulnerável e sem uma cobertura adequada pelo sistema de saúde pública. Servidores da Administração do Plano Piloto e da Secretária de Saúde estão ligando para a casa dos moradores para divulgar o formulário on-line e pedindo a adesão deles ao cadastramento.

Nos próximos dias, eles farão uma reunião também virtual com as principais lideranças da região para pedir que a iniciativa seja divulgada boca a boca entre a comunidade. “Lá a gente também vai usar estratégia de carro de som e ter o apoio da equipe de saúde local, já que temos uma Unidade Básica de Saúde (UBS) na Vila Planalto”, explica a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

O objetivo é incentivar que todos os moradores do DF incluam seu nome no cadastro do SUS e mudar a cultura de não se cadastrar. A inscrição pela internet deve ser feita pelo responsável pelo domicílio e ele deve informar quantas pessoas moram na residência e os dados pessoais delas.

Desde janeiro, o cadastramento era feito presencialmente pelas equipes de saúde da família, mas a Secretaria de Saúde enfrentou dificuldades com a declaração de pandemia pela contaminação pelo coronavírus. “Estamos disponibilizando o formulário pela internet, uma ferramenta moderna e adequada para esse momento”, afirma o secretário de Governo, José Humberto Pires.

O diretor da Atenção Primária à Saúde da Região Central, Valdir Nunes de Sousa, explica que o governo federal repassava recursos para os estados e municípios baseado no total da população residente e nos atendimentos realizados pelas unidades de saúde. Mas, em novembro do ano passado, o Ministério da Saúde publicou uma portaria instituindo o programa Previne Brasil e estabeleceu uma nova forma de financiar a atenção primária à saúde.

Agora, o custeio das unidades básicas de saúde (UBSs) é calculado de acordo com a população cadastrada no SUS pelas equipes de saúde da família. “A população deve estar cadastrada e vinculada à equipe que é responsável por cuidar dela”, diz o médico.

Isso impacta no trabalho de combate à dengue, na fiscalização de segurança alimentar nas feiras e nos restaurantes, no caso de um acidente que precise de atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), na vacinação, porque mesmo tendo plano de saúde todo mundo se vacina na UBSIlka Teodoro, administradora do Plano Piloto, sobre a importância do cadastramento pela população da região central de Brasília

Plano de saúde

Segundo Ilka Teodoro, historicamente, a população do Plano Piloto não faz o cadastramento no SUS por ter alta renda e pagar plano de saúde. De acordo com a PDAD 2018, por exemplo, 82% dos moradores do Plano Piloto têm plano de saúde particular ou empresarial.

Mas a administradora ressalta que todo o trabalho da Secretaria de Saúde é planejado de acordo com esses recursos que são repassados com base no número de cadastrados no SUS.

“Isso impacta no trabalho de combate à dengue, na fiscalização de segurança alimentar nas feiras e nos restaurantes, no caso de um acidente que precise de atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), na vacinação, porque mesmo tendo plano de saúde todo mundo se vacina na UBS”, diz.

Além disso, reforça a administradora, o Plano Piloto tem uma característica distinta das outras regiões administrativas. Apesar de ter uma população residente de 221 mil habitantes, recebe uma população flutuante de 700 mil pessoas que passam o dia no Plano Piloto de segunda a sexta-feira. “Tem trabalhadores que dormem no emprego e usam o serviço de saúde local, mesmo que não tenham domicílio em Brasília”, ressalta.

A RA também é formada por regiões de alta renda, como as asas Sul e Norte e o Noroeste, mas também por regiões com população carente, como Vila Planalto e Vila Telebrasília, o que exige a ampliação dos serviços de saúde pública. Enquanto apenas 6,7% dos moradores do Noroeste não têm plano de saúde, o percentual sobe para 52,9% em localidades como Vila Planalto, Vila Telebrasília e Granja do Torto.

Cadastre-se no SUS – o link http://segov.df.gov.br/esusregiaocentral/

Tire suas dúvidas: cadastrosuscentral@gmail.com

Whatsapp: 61 99278-7974/

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM – Administração do Plano Piloto

A Junta Militar do Plano Piloto retomou as atividades de forma presencial. A próxima cerimônia de Juramento à Bandeira será realizada nesta quarta-feira, às 8h.

Segundo a chefe da Junta, Alana Tzelikis, “a solenidade é de extrema importância para todos os cidadãos que são dispensados do serviço militar”, diz. Ela explica que somente após o juramento os rapazes têm direito ao Certificado de Dispensa de Incorporação. “É na posse desse documento que o cidadão demonstra estar quite com o serviço militar. Sem esse documento, fica difícil arranjar até emprego”, ressalta.

O Coronel Fernando Penasso, Coordenador do Serviço Militar do Ministério da Defesa, reforça que o Certificado de Dispensa de Incorporação é o documento que permite ao cidadão ficar quite com o Serviço Militar, previsto na Constituição Federal. “Quem não o solicita fica em débito com o Serviço Militar e com isso não pode obter ou renovar passaporte, matricular-se em qualquer estabelecimento de ensino e outros mais”, destaca.


A Administração do Plano Piloto e a Junta Militar 202, visam a segurança de todos os cidadãos e servidores envolvidos. Com o intuito de prevenir a infecção causada pelo novo coronavírus, as solenidades têm sido feitas com todo o cuidado recomendado pelas autoridades sanitárias e de saúde, desde o espaçamento de dois metros entre os cidadãos ao uso de máscaras faciais e álcool em gel.

O primeiro Juramento à Bandeira após o início da pandemia, quando todas as atividades ficaram suspensas por tempo indeterminado, foi realizado no último dia 19 de agosto.

Serviço:

Os atendimentos serão feitos somente com horário previamente agendado pelo site:

www.alistamento.eb.mil.br

O uso de máscara é obrigatório e será disponibilizado álcool em gel na entrada do prédio da Administração e na entrada da sala da Junta Militar para utilização dos usuários.

Os atendimentos presenciais, somente por agendamento, acontecerão nas quartas e quintas-feiras, de 8h às 12h e de 14h às 16h.

Nos demais dias o atendimento permanece pelo e-mail da Junta: jsm202delesp@gmail.com

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto


Um ano e meio de obras, dezenas de empregos e uma ampla reforma. Galeria dos Estados, no Plano Piloto, é devolvida à população como um novo centro de compras, serviços e lazer para os brasilienses. Agora mais moderno e seguro, o espaço foi completamente revitalizado. O Governo do Distrito Federal (GDF) investiu R$ 5 milhões e transformou tudo por lá.

O descaso visto nos últimos anos acabou. Agora, o centro comercial tem lojas reorganizadas. As obras atingiram a parte estrutural, elétrica e hidráulica. O piso é totalmente novo. Foram usados mais de 1,9 mil m² de granito e outros 1,1 mil m² de granitina. As normas de acessibilidade também foram enquadradas às necessidades atuais de pessoas com locomoção reduzida. A galeria ganhou elevador para pessoas com necessidades especiais.

Inaugurada na década de 70, a famosa passagem subterrânea entre os setores comercial e bancário Sul ficou fechada por um longo período após o desabamento de um viaduto no Eixão Sul, em fevereiro de 2018. O local sofria com infiltrações, inundações, pisos quebrados, banheiros desativados e insegurança.

A reforma gerou 50 empregos diretos e 150 empregos indiretos e tornaram a galeria mais atraente, confortável e segura para quem circula pelos setores bancário, comercial e de autarquias, locais de grande fluxo no centro da capital. Para se ter uma ideia, nos dias úteis do mês de julho deste ano, cerca de 2,1 mil pessoas passaram diariamente pela estação do metrô, que está conectada à Galeria dos Estados.

Neste mesmo período, em 2019, portanto, sem a pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), o fluxo era de aproximadamente 6,6 mil pessoas/dia, o que reforça a importância do ponto comercial.

“A galeria é um espaço tombado e importantíssimo para Brasília. Temos ali lojas que estavam detonadas e foram vandalizadas ao longo dos últimos anos”, destaca o diretor-presidente da Novacap, Fernando Leite. “O resultado foi um trabalho maravilhoso. Fizemos toda a infraestrutura, recuperamos as lojas, portas, banheiros. Quase uma construção nova. A cidade ganha muito com a devolução deste espaço, ficou muito bonito”, explica.

Atenção merecida

Esquecida pelos governantes nos últimos anos, a Galeria dos Estados foi se definhando. Cada reparo necessário era deixado de lado e as necessidades de reforma estruturais continuavam sendo proteladas. O abandono deu lugar a um espaço que se tornou ocioso, perigoso e pouco atrativo. Falar da nova Galeria dos Estados brilha os olhos de quem trabalha lá.

“Hoje está bem arrumado, o pessoal limpa todos os dias aqui. É muito melhor trabalhar num ambiente organizado e limpo, diferentemente do que era antigamente, né? Agora está seguro.

 

 

A galeria mudou para melhor e, aos poucos, todos vão se recuperando economicamente”, afirma Caio Queiroz, funcionário da Tucunaré – Caça, Pesca e Armas, loja que está no local há 35 anos.

Proprietária da loja Um Toque a Mais, Josenilda Sampaio Leite, também aprova a reforma. “Estou há mais de 15 anos aqui e em relação à mudança está perfeito. A melhora foi grande e a expectativa é que agora a gente tenha o retorno dos clientes. O visual aqui melhorou 100%”, aponta.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, a reforma significa um resgate da memória da cidade.

“A Galeria dos Estados é um espaço simbólico. Pensada para abrigar boxes que venderiam produtos e comidas típicos da cultura de cada um dos estados brasileiros, se transformou num grande corredor com comércios diversos, onde passam milhares de pessoas por dia. Foi completamente reformada para melhorar a acessibilidade e segurança de quem transita. E compor, complementar e servir a imensa praça localizada à sombra do eixo rodoviário reconstruído”, recorda.

Lixeiras

A Novacap instalou oito novas lixeiras na galeria para, assim, sensibilizar a população a respeito do descarte correto de lixos. Os depósitos foram posicionados em pontos estratégicos, sendo um em cada área de convivência da parte externa – na Praça dos Estados – e quatro na passagem subterrânea entre o setor comercial e o Setor Bancário Sul.

Praça dos Estados

A reforma da Galeria dos Estados não foi a única obra no endereço que fica no coração de Brasília. Batizada de Praça dos Estados, o espaço de convivência foi entregue à população em junho de 2020. Neste empreendimento foram investidos R$ 2,6 milhões, sendo R$ 2 milhões em serviços empregados pela Novacap.

A Praça dos Estados foi construída com oito mil metros quadrados de calçadas acessíveis e meios-fios, acompanhada pelo plantio de mais nove mil metros quadrados de grama, 90 arbustos, 54 palmeiras e nove ipês.

Um cenário bem diferente do anterior, quando era tomado pela ilegalidade, poluição visual, carros estacionados irregularmente e a sensação de insegurança pela população, mal iluminado e com aspecto sujo.

“Passava por esse trajeto antes da reforma e parecia ser mais perigoso. Agora, está tranquilo. As iluminações internas e externas ficaram muito boas. A praça ficou bem legal também. Bem melhor do que era antes. Está tudo muito bonito”, garante o servidor da Justiça Federal, Luciano Filho.

Além do paisagismo, o local conta com bancos, pergolados e um espaço para implantação de bicicletários. Por lá também foram construídas 16 bocas de lobo para auxiliar na drenagem da região. Tudo com acessibilidade, tornando a convivência mais democrática.

Sobre a iluminação a qual Luciano Filho citou, foi instalado um novo sistema de iluminação pública pela Companhia Energética de Brasília (CEB), trazendo segurança para a população. Foram colocados 57 postes de aço com luminárias de LED, um poste de concreto e 16 conjuntos de projetores, também de LED. Este serviço, aprovado pela Secretaria de Obras e executada pela CEB, teve investimento de R$ 635 mil.

A Novacap também foi responsável por um recapeamento completo nas vias: usou, ao todo, 1.161 toneladas de massa asfáltica em uma área de 10,2 mil metros quadrados. A companhia efetuou a demolição das alças temporárias de desvio do viaduto (construídas após a queda) e a pavimentação das alças de acesso aos eixos W e L Sul, oferecendo mais comodidade para os condutores de veículos.

Memória

Em fevereiro de 2018, parte do viaduto sob a Galeria dos Estados desabou. A obra de recuperação do viaduto teve início em setembro do mesmo ano, mas tomou corpo e foi acelerada em janeiro de 2019 – à época estava com 24% de execução –, sendo entregue em junho do mesmo ano.

Entregar a obra e devolver o espaço aos condutores por onde transitam 120 mil pessoas por dia foi um dos principais compromissos da atual gestão no ano passado. Isso só foi possível porque o andamento dos trabalhos foi agilizado, com 138 profissionais trabalhando em dois turnos. À época, a determinação do governador Ibaneis Rocha, era devolver aos brasilienses, com a maior brevidade possível, o fluxo no Eixão.

Foi construída uma nova estrutura na área desabada. Parte do viaduto, que não sofreu danos, foi restaurado e recebeu reforços. E, enquanto a obra foi se desenhando, engenheiros da Novacap e Departamento de Estradas de Rodagem do DF (DER/DF) realizaram os ensaios estruturais, garantindo a qualidade da estrutura.

População recebe uma nova Galeria dos Estados 03/09/2020
Fonte: Agência Brasília

Ontem, (31/8) o GDF Presente começou no Plano Piloto, especificamente na Asa Norte, uma força-tarefa para limpeza de bocas de lobo, reposição de tampas e meio-fios.


Além das ações rotineiras feitas pelo programa na cidade, como tapa-buracos, poda de árvores e recuperação de calçadas o programa GDF Presente tem o objetivo de atender demandas diversas da comunidade. O coordenador Alexandro César destaca a importância desse cuidado para receber a próxima chuva, “para que as águas possam escoar sem os descartes das populações como garrafas pets, e o excesso natural de folhas", diz.


Alexandor frisa que as ações “começaram ontem e que essa é uma das principais demandas apresentadas pela administradora Ilka Teodoro pela melhoria da cidade, que é uma prevenção essencial para a temporada de chuvas. "Somente de ontem da 916 norte até hoje na 914 norte já foram retiradas mais de oito toneladas de lixo em apenas dois dias”, ressalta.


Essa é uma ação conjunta entre o Polo Central Adjacente I do GDF Presente, Diretoria de Urbanização da Novacap, Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAPE) e Administração Regional do Plano Piloto.
A moradora da 713 Norte Tatiana André, afirma que “a ação do GDF Presente é muito boa, principalmente antes das chuvas".

Texto: Maria Paula de Andrade/ASCOM- Administração Regional do Plano Piloto com edição de Ramíla Moura
Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

No mês de agosto a equipe de obras e manutenção da Administração Regional do Plano Piloto se dedicou ao máximo para continuar os serviços essenciais no Plano Piloto apesar do contexto de pandemia.

Como de costume, serviços como Rastelagem, Capinagem, Reposição e Preparo de Areia em parquinhos na Asa Sul, Asa Norte e Vila Telebrasília foram realizados.

Também foram executadas Lavagem do Espelho D'água da Praça do Buriti, Retirada de Lixo Verde, Retirada de Faixas, Levantamento de Grelhas nas tesourinhas,  Lavagem de passagens subterrâneas e "Operação Buraco-Zero" com apoio da equipe do Polo Central Adjacente I do GDF Presente.

Setembro acabou de chegar e a equipe da Administração permance motivada para contribuir com uma infraestrutura de qualidade para a população com a realização de serviços de manutenção, conservação e limpeza na RA-I para melhorar a segurança da comunidade nos espaços públicos.

Texto: Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto
Fotos: Equipe DIROB/RA-I e Polo Central Adjacente do GDF Presente

FLÁVIO BOTELHO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

A primeira semana da iniciativa conjunta do GDF para acolhimento à população de rua no Setor Comercial Sul (SCS) já produziu números expressivos: entre abordagens, acolhimentos, emissão de documentos, informações e cadastros, foram realizados 574 atendimentos entre segunda (24) e sexta-feira (29). O mutirão segue no local até a próxima sexta (4) e a intenção é expandir a iniciativa para outras regiões administrativas do DF.

Um dos dados de destaque é relativo à acolhida das pessoas em situação de rua pelas equipes de abordagem social: nos cinco primeiros dias da ação, 20 pessoas foram atendidas e aceitaram ser transferidas para uma casa de acolhimento. O processo de aceitação e traslado até as unidades é totalmente voluntário, ou seja, só pode ser realizado com consentimento da pessoa.

Por ser um procedimento delicado, a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) utiliza uma metodologia de educação entre pares, contratando pessoas que viveram em situação de rua para a composição da equipes.

“O processo da saída das ruas é algo complexo que muitas vezes envolve a construção de um vínculo de confiança entre a pessoa atendida e os profissionais da assistência, com uma escuta sensível e a valorização da autonomia”, explica o diretor de Serviços Especializados a Famílias e Indivíduos da Sedes, Felipe Areda. Atualmente, pelo menos 80 pessoas que viveram nas ruas do DF trabalham nas equipes de abordagem social.

Atualmente, a secretaria possui três unidades de acolhimento voltadas para adultos e famílias e outras três para o atendimento de crianças e adolescentes, além de parcerias com 25 organizações da sociedade civil para diversos públicos. Durante a pandemia do novo coronavírus, dois alojamentos provisórios, no Plano Piloto e em Ceilândia, foram instalados para ampliação emergencial da capacidade de acolhimento.

“Quero arrumar um trabalho. Sou jardineiro, roçador, sei trabalhar com trator”, diz Julival que quer mudar de vida – está há 12 anos nas ruas do DF. Foto: Joel Rodrigues / Agência Brasília

O baiano Julival Santos, há 12 anos morando pelas ruas do DF, foi atendido pelas equipes de consultório na rua, geridas pela Secretaria de Saúde, para conseguir remédios para a artrose nos joelhos e também foi agraciado com uma vaga no abrigo da Sedes em Ceilândia.

Ele relata que alterna noites entre o SCS e a Rodoviária do Plano Piloto, mas agora quer dar um novo rumo na vida: “Quero arrumar um trabalho. Sou jardineiro, roçador, sei trabalhar com trator, fiz isso em Luís Eduardo Magalhães e em Barreiras (ambas na Bahia)”.

Uma semana de muito trabalho

Um dos serviços mais requisitados por quem passou pelo Setor Comercial Sul na semana passada foi a emissão de documentos: na semana passada, 90 carteiras de identidade foram emitidas pela Polícia Civil do DF.

Outro órgão que registrou grande procura foi a tenda da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab), órgão que centraliza as oportunidades de moradia social para a população de baixa renda, que registrou 125 atendimentos.

As equipes de consultório na rua, que contaram com o reforço de uma parceria entre o GDF e a Fundação Oswaldo Cruz, realizaram 57 atendimentos durante a primeira semana de intervenção no SCS, nos quais foram detectados dois casos positivos para Covid-19 e um de Sífilis que foi encaminhado para iniciar tratamento na atenção básica, além de emissão e troca de receitas médicas e prescrição de medicamentos.

Unidade Móvel de Atendimento da Secretaria da Mulher fez 34 atendimentos. Foto: Joel Rodrigues / Agência Brasília

Já a Unidade Móvel de Atendimento da Secretaria da Mulher fez 34 atendimentos, sendo que 14 foram encaminhados para outros órgãos do GDF, presentes ou não no SCS.

Além dos atendimentos dentro do ônibus lilás, foram distribuídas máscaras e panfletos com telefones da Secretaria da Mulher, além de doação de roupas de um bazar.

A ação no SCS conta com as secretarias de Desenvolvimento Social, Saúde, Mulher, Justiça e Cidadania, Segurança Pública e Trabalho, além da Codhab, da Companhia Energética de Brasília (CEB), da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), da Defensoria Pública, das polícias Militar e Civil, da Defesa Civil, do Departamento de Trânsito (Detran-DF), do Corpo de Bombeiros (CBMDF) e da Administração Regional do Plano Piloto.

HÉDIO FERREIRA JÚNIOR, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS

Primeira etapa do projeto será no trecho mais problemático da região central de Brasília, uma área mais rebaixada para onde escoa muita água na época das chuvas | Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília

Uma nova e ampla rede de drenagem vai acabar com os alagamentos e as enxurradas no Plano Piloto de Brasília. O Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), prepara-se para lançar o Águas do DF, projeto de construção de três galerias pluviais que atenderão à Asa Norte e à Asa Sul (veja um resumo na ilustração ao final desta reportagem). As áreas escolhidas enfrentam problemas históricos de inundações, responsáveis por causar estragos em vias públicas, imóveis e veículos, com enormes prejuízos à população e ao poder público.

“A construção da nova rede não será vista pela população, mas seu impacto positivo será sentido principalmente pelos moradores das quadras inferiores, que foram as mais afetadas pelos alagamentos”Izidio Santos, presidente da Terracap

A primeira etapa vai atender à área mais problemática da região central: o início da Asa Norte, cenário de recorrentes alagamentos e inundações. O projeto está em fase de finalização – análise de orçamento, elaboração do termo de referência e edital para lançar a licitação. O processo é inédito na região e tem previsão de investimento de aproximadamente R$ 100 milhões, de acordo com o presidente da Terracap, Izidio Santos.

Por lá serão construídos 4,83 quilômetros de rede de drenagem entre as quadras com finais 1 e 2. O canal será capaz de receber as águas das chuvas de uma área de cerca de 9 quilômetros quadrados.

Construção de três galerias pluviais que atenderão à Asa Norte e à Asa Sul deve por fim aos dias de caos em período chuvoso | Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília

Com dimensões crescentes ao longo do percurso, a nova galeria da Asa Norte terá de 1,2 metro a 3,6 metros de diâmetro e desaguará em uma lagoa de qualidade, responsável por decantar as impurezas e levar as águas mais limpas para o Lago Paranoá. A atual – ainda do projeto de construção da Asa Norte, da década de 1970 – é quadrada e vai de 0,4 metro a 3 metros de vazão, com transposição direta ao lago, sem passar por uma bacia.

Percurso

O canal começará próximo ao Estádio Nacional Mané Garrincha e descerá no sentido à via L4 Norte. Passará sob as quadras 902 (perto do Colégio Militar), 702, 302, 102, 201/202 e 402, além das vias L2 (Sul e Norte), até chegar à L4 Norte, no Setor de Embaixadas Norte. A rede atual será preservada e também mantida em atividade.

Toda a obra de escavação e estruturação do canal será subterrânea, sem qualquer comprometimento ao trânsito e à fluidez da cidade. “Nós não vamos causar no Plano Piloto a destruição de vias para a abertura de valas. A construção da nova rede não será vista pela população, mas seu impacto positivo será sentido principalmente pelos moradores das quadras inferiores, que foram as mais afetadas pelos alagamentos”, avalia Izidio.

Bocas de lobo ainda são insuficientes para dar vazão ao grande volume de água que se acumula nos  arredores das quadras 201/202 e 401/402 | Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília

Águas do DF é projeto aguardado por mais de dez anos e, até a atual gestão do GDF, não saía do papel. Ao ser colocado em execução, ajudará também na revalorização imobiliária da região. Isso porque muitos blocos comerciais e residenciais afetados diretamente pelas inundações perderam valor de mercado, apesar de estarem em uma das áreas mais valorizadas da cidade, próxima à Esplanada dos Ministérios.

Lysa Lobo, de 51 anos, é síndica de quatro blocos na 402 Norte. Alguns prédios na superquadra, principalmente o Bloco G, chegaram a ter as garagens invadidas até o teto pelas águas da chuva durante temporais.

À espera de melhorias estruturais, ela aposta no Águas do DF como solução para por fim aos prejuízos e transtornos da vizinhança. “Além de revalorizar as quadras, uma ação dessa grandeza contribui para a segurança e a mobilidade dos moradores”, sintetiza Lysa.

Etapas 2 e 3

A construção do canal no início da Asa Norte é a primeira de três etapas do Águas do DF. A segunda inclui a ampliação do escoamento, ainda na Asa Norte, entre as quadras 910/911 e 610/611, ainda em fase de elaboração.

O outro a ser construído vai da Quadra 911 Sul, no limite com o Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek, até o Parque Ecológico da Asa Sul, na 611. Também será construída uma bacia de qualidade no local.

A captação de água do Plano Piloto é muito antiga, da época da construção da cidade, e não comporta mais o fluxo das chuvas há muitos anos. “E, com o crescimento da cidade, com as novas demandas e construções, exige-se [a composição de] uma nova rede. E é o que vai ser feito”, garante o diretor-técnico da Terracap, Hamilton Lourenço, que acompanha o projeto.

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS

Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) coordenou, na noite desta quinta-feira (27), uma audiência pública on-line sobre a retomada do projeto da Rota Cultural e Turística da Vila Planalto. O local tem uma importância histórica, já que foi berço da moradia de operários que trabalharam na construção de Brasília. Cinquenta e seis pessoas participaram dos debates.

“Tenho a convicção de que esse projeto é o início de uma grande valorização da Vila”Giselle Moll, secretária-executiva da Seduh

A audiência foi aberta pelo chefe da Seduh, Mateus Oliveira, e conduzida pela secretária-executiva da pasta, Giselle Moll. A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, também esteve presente. Os moradores elogiaram o projeto, mas sugeriram que a rota passasse pelo Conjunto Fazendinha e pelo antigo Alojamento de Engenheiros e Operários da Rabelo. Eles também pediram a revitalização desses locais.

Giselle Moll garantiu aos moradores que o GDF vai resolver a questão do Conjunto Fazendinha, mas ressaltou a importância de aprovar a Rota Cultural e Turística, primeira etapa de revitalização da Vila Planalto. “Tenho a convicção de que esse projeto é o início de uma grande valorização da Vila. E não só como uma área de restaurantes, esse não é o principal patrimônio. O percurso cultural tem o objetivo de chamar a atenção para as características peculiares que o local tem”, destaca.

O projeto da rota turístico-cultural está a cargo da Seduh, mas tem o selo característico da atual gestão: o trabalho integrado entre diferentes órgãos. Assim, serão envolvidas também as secretarias das Cidades (Secid), de Cultura e Economia Criativa (Secec) e de Turismo (Setur), além da Administração Regional do Plano Piloto, da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), da Companhia Energética de Brasília (CEB) e do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/DF).

A rota terá início e fim nos arredores da tradicional Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Pompéia, um marco cultural e arquitetônico da Vila Planalto, fundada em 2 de abril de 1959. O trajeto da rota turístico-cultural engloba ruas compartilhadas, com mais espaço e vez para pedestres, sinalização dos pontos turísticos, drenagem, preservação do conjunto tombado pelo patrimônio histórico, adequação de obras desconformes e edificações irregulares, qualificação dos espaços urbanos e desenvolvimento social e turístico.

* Agência Brasília com informações da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação
Fotos: Emanuelle Sena e Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Hoje, 27 de agosto é comemorado o dia do Psicólogo no Brasil.
Esta data celebra o profissional da área da saúde responsável por estudar e orientar o comportamento humano, lidando com os sentimentos, traumas e crises.
Para exercer a função de psicólogo, o profissional deve ter concluído o curso de ensino superior em psicologia numa instituição de ensino atestada pelo Ministério da Educação e Cultura.

A função dos psicólogos é de extrema importância e de grande responsabilidade, uma  mente saudável é fundamental para o bem-estar de qualquer indivíduo.

Psicólogo Vinícius Dias/ Foto: Dany Simões

Conversamos com Vinícius Dias que é formado em Psicologia pela Universidade Estácio de Sá do Rio de Janeiro.
Pós graduado em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça pela Universidade de Brasília. Desenvolve trabalhos com grupos terapêuticos que perpassam a questão de gênero e raça.
É integrante da roda de conversa de homens negros de Brasília.
Em sua trajetória passou pela Secretaria da criança, adolescente e juventude do Distrito Federal, Secretaria de Segurança Pública do DF, Central Única das favelas do DF, Rede Urbana de Ações Socioculturais -RUAS e Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares – GAJOP.
Faz parte da Articulação Nacional de Psicólogos/as Negros/as e pesquisadores/as do DF – ANPSINEP-DF.
Atua em consultório clínico ha dez anos.

Você acha que nesse período de pandemia o número de pacientes aumentou?

Sim, bastante parece que as pessoas se conscientizaram da importância da sua saúde mental nesse momento da pandemia.

Acha que é porque as pessoas estão mais em casa?

Automaticamente essa privação da liberdade da uma condição das pessoas refletirem mais, estarem mais consigo mesma e assim tendo menos contato social o que acaba empurrando a gente mais pra dentro da gente mesmo, tendo contato com vários sentimentos que não estávamos acostumados a falar ou até mesmo a sentir, isso da um impacto e faz com que as pessoas entendam a importância da saúde mental e procurem os psicólogos.

Isso é muito bom, né? Afinal saúde emocional é muito importante.

A procura por atendimento psicológicos aumentou bastante, as pessoas estão procurando mais ajuda, o que é muito bom, “ mente sã, corpo são.”

Na sua visão de profissional como está se dando?

Até os posts na redes sociais relativos a isso aumentaram, estão chamando atenção para o cuidado da mente o que acaba sendo uma promoção para a saúde também, e as pessoas vendo acabam se estimulando a procurar ajuda. 
Os profissionais de saúde nesse momento se mobilizam por conta própria e começaram a disponibilizar atendimentos mais baratos, os atendimentos “sociais” gratuitos através de grupo no zomm, no meet, nas salas virtuais .
 
Qual a principal queixa?

Os pacientes relatam muito que estão mais ansiosos e depressivos, a pandemia faz aparecer de uma forma mais clara situações que já estavam postas, então o crescimento de mortes devido a pandemia deixa as pessoas mais preocupadas, com medos.

Em um pequeno resumo o que você diria?

A ansiedade seria viver o amanhã, viver o que ainda vai chegar hoje.
A depressão ela é um viver ontem, uma falta de estímulo para a vida, uma falta de energia, e um querer estar só, não querer ir pro sol, não querer ver pessoas, alguns profissionais chamam de “morte em vida” e sim infelizmente as pessoas estão mais ansiosas e depressivas nessa pandemia.


A presença e atuação de profissionais da psicologia é importante e rica nas mais diversas áreas. No trabalho em escolas, em empresas e corporações, em hospitais, em pesquisa, no esporte, na educação, na área jurídica e em diversas outras áreas.


Por Maria Paula de Andrade/ ASCOM da Administração Regional do Plano Piloto

JÉSSICA ANTUNES, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: RENATA LU

Tesourinha da 111/112 Norte |Foto: Renato Alves /Agência Brasília

Mais duas tesourinhas completamente reformadas foram liberadas para a população do Distrito Federal nesta semana (veja mais no vídeo abaixo) . Com estrutura renovada e segura, as passagens das quadras 5/6 e 11/12 Norte estão livres para tráfego de veículos. Com isso, chega a cinco o número de conjuntos concluídos. Com reforma estrutural pronta, a próxima a ser entregue será a da 15/16 Sul. Nas obras, são gerados quase 300 empregos diretos e indiretos.

Servidor federal aposentado, João Ramos de 78 anos, mora na 213 Sul desde 1982. Ele diz que nunca tinha visto os viadutos passarem por manutenção, muito menos reformas. “Tivemos exemplos de tesourinhas e viadutos que soltaram pedaços e feriram pessoas. São obras realizadas no início de Brasília que foram abandonadas. A revitalização era mais que necessária”, opina.

“As tesourinhas estavam precisando dessas melhorias porque ficaram abandonadas por anos, sem sequer manutenção”, concorda o vendedor Rodrigo da Silva, 30 anos. “Com certeza agora está mais seguro passar por ali, porque a estrutura é velha, tinha rachaduras e problemas visíveis que dava até um pouco de medo de passar”, afirma o morador do Riacho Fundo que costuma circular pelo Plano Piloto a trabalho.

Com as liberações desta semana, são cinco os conjuntos de viadutos entregues renovados neste ano. O primeiro foi o das quadras 15/16 Norte, em 17 de abril. O das quadras 7/8 Norte foi concluído em 7 de maio. Nas entrequadras 3/4 Sul, a liberação ocorreu em 26 de junho. Na 15/16 Sul, a reforma estrutural já foi executada e, agora, recebe nova pavimentação e urbanização direta pela Companhia Urbanizadora da Capital (Novacap).

“A reforma das tesourinhas, como a de todos os equipamentos públicos do DF, é reivindicação da sociedade. Esses pontos estavam se deteriorando com o tempo, então foi feito um trabalho de peso, de reforma estrutural, recuperação de taludes e muretas, pintura, recapeamento do asfalto”, destaca o presidente da Novacap, Fernando Leite.

As obras nas tesourinhas têm como objetivo reerguer Brasília e conservar a estrutura da cidade. “Também é papel da sociedade participar do esforço de cuidar da capital, preservando e informando quando algo não está acontecendo a contento”, pede o gestor.

 

A reforma das tesourinhas, como a de todos os equipamentos públicos do DF, é reivindicação da sociedade.Fernando Leite, presidente da Novacap

Projeto

As intervenções compreendem a revitalização dos viadutos que passam sob o Eixo Rodoviário (Eixão) e os eixinhos W e L, ligando as quadras 100 e 200. Os pontos têm recebido pintura antipichação e padronização da fachada. As equipes também atuam na recuperação das estruturas de concreto, reconstrução dos guardas-rodas – muretas de proteção fixadas nos eixinhos – e na substituição e recuperação de ferragens enferrujadas.

Também passam palas obras os conjunto com duas tesourinhas e um túnel de ligação em cada uma das 16 entrequadras que cortam os quase 15 quilômetros do Eixão, ligando as asas Sul e Norte. Boa parte desses viadutos era revestida por tijolos vermelhos. Como esse material acabava escondendo eventuais problemas na estrutura, o padrão foi alterado para concreto aparente. Essa mudança foi aprovada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

“As tesourinhas são um símbolo da cidade. Fazem parte da memória afetiva da comunidade, retratadas em prosa, versos e imagens históricas que estampam de capas de jornais, revistas e livros a camisetas e outros objetos”, aponta a administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

“A revitalização dessas edificações, depois de anos de deterioração, devolvem a possibilidade de circulação da população sem risco sob os eixos”, emenda As estruturas viárias não corriam risco de desabamento, mas, em função do natural desgaste do tempo e da falta de manutenção ao longo desses anos, a obra de recuperação virou prioridade para o governo.

JÉSSICA ANTUNES, DA AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: RENATO FERRAZ 

O Setor de Rádio e TV Sul (SRTVS), no coração de Brasília, vai mudar de cara. As obras de requalificação e de revitalização já foram licitadas e terão investimento de R$ 5,2 milhões. As melhorias envolvem readequação do sistema viário com aumento de 64% no número de vagas regulares e ênfase na acessibilidade para privilegiar pedestres e pessoas com deficiência.

Foto: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília

O projeto arquitetônico e urbanístico foi elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e a Secretaria de Obras e Infraestrutura (SODF) vai gerir a execução. A verba vem do Fundo de Desenvolvimento Urbano do Distrito Federal (Fundurb) e a previsão é que mais de 300 empregos diretos e indiretos sejam gerados.

“O SRTVS faz parte da história da cidade. Não podemos deixar a situação como está. Essa revitalização vai dar cara nova ao local, estimulando o comércio e o tráfego de pessoas”, afirma a secretária-executiva de Obras, Janaína Chagas. O objetivo é fomentar o uso do transporte público e circulação a pé, com intervenções de readequação do sistema viário, acessibilidade, paisagismo, drenagem, pavimentação, sinalização e obras complementares.

 

Essa revitalização vai trazer cara nova ao local, estimulando o comércio e o tráfego de pessoasJanaína Chagas, secretária-executiva de Obras

 

Estudos foram realizados pela Seduh em parceria com o Centro de Estudos de Espaços Públicos da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de Brasília (UnB), com contagem de pedestres em nove pontos do setor e elaboração de um mapa comportamental para permitir mais urbanidade aos locais onde as pessoas ficam por mais tempo.

“Para as urbanizações, procuramos demarcar a área de estacionamentos de um lado das vias mantendo, na faixa de rolamento, dimensão suficiente para passagem de carros de emergência, mas sem espaço para que carros estacionem do outro lado”, explica a Coordenadora de Projetos da Seduh, Anamaria de Aragão Costa Martins. O resto da via servirá para aumento de calçadas.

De acordo com ela, a falta de urbanização nas áreas de pedestres leva ao estacionamento irregular. Por isso, o projeto amplia para 475 o número de vagas regulares – além de 58 para motos. Além disso, organiza os estacionamentos com foco na criação de três portas de entrada: na frente da W3 Sul, onde há acesso pelo transporte coletivo; na frente do Shopping Venâncio, com a criação de um calçadão linear; e na área de terra da quadra 702 onde os carros estacionam, de frente para um colégio particular.

Atualmente, o SRTVS tem 288 vagas públicas regulares na superfície, sendo quatro para idosos, seis para deficientes, 21 para veículos oficiais e 257 para restante do público. De acordo com a gestora, os estudos identificaram 314 carros estacionados de forma irregular ao longo das vias do setor ou em filas duplas, sob os cuidados de flanelinhas – sendo mais de 280 parados total ou parcialmente sobre a grama, terra ou calçadas.

Todas as calçadas seguirão os moldes da revitalização da W3, com piso pré-moldado de 40 centímetros quadrados. Nos três pontos de entrada, serão usados tons de vermelho, cinza e branco para dar caracterização especial e criar atrativo. Além disso, os pontos de travessia para pedestres terão plataforma elevada – nivelando o asfalto à calçada – reforçando a prioridade em relação aos veículos.

Como Zona 30, com velocidade máxima de 30 quilômetros por hora, veículos e bicicletas poderão compartilhar o espaço.


Demanda da comunidade

As melhorias são demanda antiga da comunidade. O empresário Cássio dos Santos, de 38 anos, tem um escritório de contabilidade em um prédio no local há 15 anos. “Aqui nunca mudou nada. Até a placa de estacionamento é a mesma”, relata. Para ele, o grande problema é a mobilidade. “Além de pontos de acesso a pedestres e cadeirantes serem ruins, tem que resolver a questão dos estacionamentos. Só não param em cima da cerca porque não tem jeito”, aponta.

Foto: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília

“Com a desordem, há vários problemas. Tem que haver requalificação, principalmente no quesito de acesso de veículos e livre circulação de pessoas”, acredita o arquiteto Mauro Cauville, de 64 anos (foto). Para além disso, porém, ele entende que é necessário bom senso e educação de quem anda por ali. “Não adianta ter placa se as pessoas não obedecem. Pode ser o melhor projeto paisagístico, urbanístico e de mobilidade do mundo”.  

De acordo com a administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro, o SRTVS integra a área central sul da cidade, região com maior fluxo de pedestres. “As obras melhoria terão foco na acessibilidade, organização do trânsito e estacionamentos e segurança. Facilitará o acesso aos estabelecimentos em funcionamento na região”, afirma.  

Benefícios econômicos
Os benefícios devem vir, também, para a área econômica. É o que prevê o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-DF), José Carlos Magalhães. “Essa revitalização é de suma importância para o Plano Piloto, Brasília e todo o DF. Traz bem-estar para o cidadão, que passa a gostar mais do setor, e o varejo vê isso com bons olhos, com a possibilidade de instalação de novas lojas”,  diz.

Ele usa como exemplo a W3 Sul, onde, “mesmo com a pandemia, é difícil achar loja para alugar nas quadras revitalizadas”. E completa: “O varejo é um dos maiores empregadores. Esse tipo de ação é importante para a geração de empregos e dará nova vida ao Plano Piloto”, aposta.

A Administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro participou, por videoconferência, nessa quarta-feira, 19/8, de reunião com o Deputado Reginaldo Sardinha, com a Novacap e com as Prefeituras Comunitárias das quadras 105, 202, 204, 207 e 313 da Asa Sul para tratar de melhorias nessas áreas e do aporte de recursos para execução das obras.

Foto: Prefeitura da 207 Sul

O principal assunto tratado foi a destinação de emendas para construção de novas calçadas na quadra 207 Sul.

“Fizemos um amplo diagnóstico situacional de tudo o que precisa ser feito no Plano Piloto em termos de obras. Todos esses dados estão consolidados em um único processo (processo-mãe) que fica na Novacap. À medida  que são disponibilizados recursos, minha equipe providencia o atendimento. Como o quantitativo de demandas é imensamente superior a nossa capacidade de mobilização de recursos, definimos alguns critérios de atendimento, que obedecem a temporalidade da demanda, contingente populacional a ser beneficiado, e a relevância da intervenção, são alguns balizadores", explica a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

Para a administradora, “investir em calçadas é investir em cidadania”. Ilka ressalta que calçada acessível melhora significativamente o fluxo de mobilidade, segurança e livre circulação da população pelos espaços públicos.

A Administração do Plano Piloto acredita que participação da população no debate para implementação de benfeitorias na infraestrutura da cidade é fundamental, porque além de melhorar a interação comunitária com o órgãos do governo desperta a conscientização sobre a conservação dos equipamentos públicos.

Quer contribuir e sugerir melhorias para sua região?

O e-GDF, aplicativo oficial do governo, agora conta com uma nova funcionalidade: o e-Cidades, que permite a abertura de requerimentos a distância e o acompanhamento dos respectivos processos.

Quem já tem o e-GDF instalado só precisa fazer a atualização na respectiva loja de apps. Quem ainda não tem pode baixá-lo. O cadastro é simples, por meio do CPF. Aqueles com cadastro na plataforma do Governo Federal<https://www.gov.br/pt-br> podem usar a mesma senha para acesso ao e-GDF.

O cidadão também pode enviar sua manifestação por meio dos canais de atendimento de Ouvidoria: 
– Central telefônica 162 
– Sistema de Ouvidoria do DF(www.ouv.df.gov.br); e
– Sistema Eletrônico do Serviço de informação ao cidadao( www.e-sic.df.gov.br)

Texto: Ramíla Moura da ASCOM da Administração Regional do Plano Piloto

Com informações da Agência Brasília
 

Os credores que aguardam para receber precatórios do Distrito Federal — débitos do governo em face de condenações na Justiça — poderão fazer acordos para recebê-los de forma mais rápida.

Trata-se do Quarto Chamamento de Interessados para Celebração de Acordo Direto de Pagamento de precatórios, modalidade em que, uma vez obedecidos os requisitos do regime, o credor é excepcionado da lista cronológica e recebe seu pagamento de forma antecipada, mediante deságio de 40%.As regras para participação constam do Edital nº 2/2020, publicado no Diário Oficial do DF de 4 de agosto.  

Podem aderir ao acordo direto os titulares de precatórios expedidos em face do Distrito Federal ou de qualquer uma de suas autarquias ou fundações até o dia 31 de dezembro de 2018. Também é exigido que os precatórios não tenham sido cedidos, total ou parcialmente, nem oferecidos em processo de compensação tributária. A lista cronológica de credores, organizada pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, inclui também os precatórios emitidos pelo Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região. 

O prazo para aderir à conciliação é de 5 de agosto a 4 de setembro de 2020. Nesse período, a PGDF espera receber propostas de acordo que resultem no pagamento de até R$ 150.000.000,00. Para requerer o pagamento antecipado, basta reunir a documentação exigida e apresentar a proposta de acordo direto de forma eletrônica, mediante requerimento a ser preenchido no sítio www.acordoprecatorio.pg.df.gov.br, bem como o protocolo do respectivo arquivo no Sistema de Peticionamento Eletrônico – SISPE, acessível por meio do mesmo sítio. 

 O edital de chamamento, informações sobre documentação, apresentação da proposta de acordo, atualização de cálculos, pagamento, constam do site da Procuradoria-Geral do DF, no endereço www.pg.df.gov.br . Na página há, ainda, área de perguntas frequentes para consulta dos interessados. 

Quarta Rodada conta com chat de atendimento 

Devido à pandemia de Covid-19, esta quarta etapa não contará com atendimento presencial, mas será disponibilizado aos credores um sistema de interação (chat on line), no próprio sítio eletrônico do Acordo Direto (www.acordoprecatorio.com.br), para auxiliar os interessados que tenham dúvidas sobre os procedimentos de preenchimento e protocolo dos requerimentos. 

Pagamento da Terceira Rodada 

Quanto à terceira rodada de Acordo Direto, conforme dispõe a Portaria Conjunta TJDFT nº 72/2020, o pagamento está autorizado a se iniciar no dia 31/08, desde que a situação da pandemia não se agrave. 

Da PGDF

HÉDIO FERREIRA JÚNIOR, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: RENATA LU

| Foto: Divulgação

Enquanto a cidade se prepara para dormir, as equipes do GDF Presente agem para deixar o Plano Piloto mais limpo e organizado. No fim da noite dessa segunda-feira (17) e início de madrugada desta terça (18), funcionários do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) do Distrito Federal iniciaram uma operação de lavagem das passagens subterrâneas sob os eixos W e L e o Eixão.

A manutenção da travessia – que garante a segurança de quem caminha a pé entre as quadras 100 e 300 – começou na Asa Sul e continua nesta noite na Asa Norte. Depois de recolhido todo o lixo descartado no chão pela população, dois caminhões hidrojatos, munidos de água com sabão e cloro a 1% de concentração, davam suporte para a limpeza em jato das passagens.

“Limpar é massa e melhora pra caramba, mas os próprios usuários deveriam ajudar a conservar enquanto os espaços não são revitalizados”, defende Beatriz Correia, de 56 anos, coordenadora de um espaço de convivência na comercial da 208 Norte.

Administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro ressalta a importância das passagens subterrâneas por atender milhares de pessoas que transitam pelas duas áreas. De acordo com ela, as ações do GDF Presente, assim como as manutenções de rotina feitas pela administração regional, SLU, CEB e Novacap ajudam a conservar os equipamentos e mantê-los limpos, apesar da depredação e sujeira promovidas por quem passa por lá. “As intervenções do GDF Presente dão visibilidade ao nosso trabalho de conservação da cidade.”

Buraco Zero na W3

Todas as ações nas passagens subterrâneas se somam a outras melhorias promovidas nas Asas Sul e Norte durante esta semana. A quadra 507 da Asa Norte, na W3, recebeu a equipe da operação Buraco Zero, mantendo a conservação do trecho com pelo menos 2 toneladas de massa asfáltica que cobriram as falhas na via. O mesmo foi feito na 701 Sul, em frente ao Setor de Rádio e TV Sul (SRTVS) e na mesma pista, próximo ao Setor Comercial Sul (SCS).

“O propósito é deixar a pista perfeita para circulação dos carros, ônibus e motos que passam por lá diariamente, eliminando riscos de acidente”, explica o coordenador do Polo Central Adjascente I, Alexandre César. A W3 também ganhou uma sinalização horizontal feita pelo Detran bem no cruzamento que dá acesso ao Hospital de Base.

 

Agência Brasília | Edição: Mônica Pedroso

A quadra de esportes na 703 Norte vai ser recuperada e mantida pela Associação Atroposófica Moara, localizada ao lado do imóvel público. A associação mantém uma escola sem fins lucrativos no local.

Não será investido dinheiro público na reforma, a Associação vai arcar com as benfeitorias, aquisição de material e mão de obra para a conservação e manutenção do local. Serão revitalizadas as arquibancadas e o piso, além de nova pintura, reforma das traves de sustentação das tabelas e das cestas de basquete, das traves de futebol e do alambrado.

A mãe da Luísa, de 13 anos, que estuda na escola Moara, Fernanda Rosa, sempre acreditou que poderia melhorar a quadra que é usada por toda a comunidade, inclusive pelos trabalhadores das oficinas que ficam na redondeza.

“Eles fazem até campeonato naquela quadra. Eu pensei, se mesmo com a quadra ruinzinha as pessoas utilizam, porque a gente não tenta reunir os moradores e empresários da região para melhorarmos o local?”, conta.

União

E foi a partir da iniciativa de outras mães da região, que já tinham adotado um parquinho, que Fernanda acreditou que seria possível revitalizar a quadra.

“Essas mães fizeram tudo com a ajuda do Adote Uma Praça. Elas já sabiam todo o trâmite para conseguir o acordo. Então, conversei com a escola e juntos começamos a nossa campanha, que contou até com vaquinha virtual”, explica Fernanda.

Toda a comunidade ajudou, incluindo moradores, empresários e trabalhadores da região. Foi arrecadado o valor necessário para a reforma. E ao mesmo tempo saiu o termo de cooperação do programa Adote Uma Praça.

Programa Adote Uma Praça está presente em 17 RAs | Fotos: Acácio Pinheiro

“Nós vimos que o GDF não parou durante a pandemia. A cidade toda estava em obras e isso nos inspirou a acreditar que nós também conseguiríamos. O processo de adoção não parou e nós conseguimos. Tenho certeza que a quadra vai ficar excelente e só temos a agradecer todo o esforço da comunidade e também do Governo”, comemora a mãe da Luísa.

O programa

Adote Uma Praça, coordenado pela Sepe, tem exatamente essa finalidade contada pela Fernanda Rosa, trazer o setor privado e o cidadão para investirem na conservação, ajudando a dar uma nova cara ao Distrito Federal.

O programa, lembra o secretário de Projetos Especiais, Everardo Gueiros, é desburocratizado. “Se o cidadão ou o empresário encontrar um espaço público e quiser cuidar dele, pode apresentar um requerimento, no caso de uma adoção menor, ou um projeto na Região Administrativa onde fica o local. Também pode procurar a nossa secretaria que vamos analisar e estudar a proposta para que tudo seja feito de acordo com as normas do Distrito Federal”.

A visibilidade do Adote Uma Praça está crescendo no DF. Vários empresários e moradores têm procurado as RAs e também muitas vezes a Sepe para adotar os mais variados equipamentos públicos. “Já foram adotadas rotatórias, jardins, becos, praças, parquinhos e até uma região inteira foi revitalizada pelo programa, como é o caso do Setor Hospitalar Sul. Lá é a maior benfeitoria feita dentro do Adote”, informa o secretário.

“Tem sido gratificante para a Administração Regional do Plano Piloto observar o engajamento comunitário, das empresas e a participação popular”, comemora Ilka Teodoro, administradora do Plano Piloto.

O Plano é a região onde se concentra o maior número de adoções. Dos 59 projetos apresentados e em análise, 17 são da região.

Para a administradora, o Adote Uma Praça demonstra o vínculo afetivo com o território e a consciência cidadã da necessidade de partilhar com o Poder Público a responsabilidade pelo cuidado com a nossa cidade”.

Considerado importante por fortalecer iniciativas voltadas para a promoção de esportes, cultura e sustentabilidade, o Adote Uma Praça já está em 17 Regiões Administrativas do Distrito Federal.

Das 59 propostas, 34 já foram assinadas, 25 estão em processo de análise para viabilidade e posterior assinatura. Já foram entregues 16 espaços públicos e outros 18 estão sendo finalizados.

Não podemos esquecer que os espaços públicos são a extensão da nossa casa e todos nós somos responsáveis por eles”, esclarece o secretário de Projetos Especiais, Everardo Gueiros.

De uma vontade nasce uma parceria entre o GDF e a comunidade

Em comemoração ao Dia Nacional do Patrimônio Histórico (17 de agosto), o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal – CAU/DF, por meio de sua Comissão Temporária de Patrimônio, lança o Selo CAU/DF – Arquitetura de Brasília. A Administração Regional do Plano Piloto apoia a iniciativa que celebra a arquitetura moderna do Conjunto Urbanístico do Plano Piloto e promove o reconhecimento do valor histórico das edificações não monumentais e de seus autores.

O objetivo, segundo o CAU/DF, é também divulgar as boas práticas de conservação e manutenção predial que preservaram a linguagem arquitetônica do movimento moderno.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, o simbolismo da arquitetura do cotidiano, das construções que marcaram os primeiros anos da cidade e abrigaram os primeiros moradores do Plano Piloto e resistem aos 60 anos da capital, merece ser registrado e valorizado. Ainda de acordo com a administradora, “ a iniciativa do CAU/DF contribui com a necessidade do Poder Público de adotar medidas de preservação dos bens de valor histórico e cultural, como é o caso das edificações de arquitetura não monumental existentes em todo o Plano Piloto”, destaca.

A Administração será responsável por disponibilizar a área técnica do órgão para viabilizar a confecção e alocação das placas alusivas às obras certificadas, a ser fixada nas suas imediações.

O presidente do CAU/DF, Arquiteto Daniel Mangabeira ressalta que o Selo não é um tombamento, mas um certificado de reconhecimento da autarquia federal e de seus apoiadores pelo relevante trabalho de preservação da história e cultura da cidade.

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal informa que a entrega do primeiro Selo CAU/DF – Arquitetura de Brasília a edificações do Plano Piloto está prevista para ocorrer após o dia 15 de outubro. Até lá, a Comissão Avaliadora, composta pelos membros da Comissão Temporária de Patrimônio do CAU/DF, fará um levantamento das edificações que cumprem os critérios de avaliação para serem certificadas.

Texto: Ramíla Moura da ASCOM/RA-I com informações do CAU/DF

Saiba mais:

https://caudf.gov.br/selo-cau-df-arquitetura-de-brasilia-e-lancado-pelo-conselho-de-arquitetura-e-urbanismo-do-distrito-federal-no-dia-nacional-do-patrimonio-historico/

 

GIZELLA RODRIGUES, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS

Deck Sul recebeu higienização caprichada em novo mutirão do programa | Foto: Lúcio Bernardo Jr. / Agência Brasília

Governo do Distrito Federal luta contra o vandalismo nas áreas de lazer abertas ao público. Na manhã desta sexta-feira (14), uma equipe de 65 pessoas de vários órgãos do governo, capitaneadas pelo GDF Presente, fez uma grande operação de melhorias no Deck Sul, que fica nas margens do Lago Paranoá. Foi a sexta vez que o programa esteve no espaço apenas neste ano.

“Estamos tentando manter o parque limpo e arrumado, mas precisamos de apoio da população”

Ilka Teodoro, administradora do Plano Piloto

A ação começou na quinta-feira (13), com uma ação de despoluição das margens do Lago Paranoá. O Polo Central Adjacente 1 e o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) retiraram lixo no gramado e na vegetação à beira do lago, resíduos que foram deixados no local pelos próprios frequentadores. Materiais descartáveis, latas de cerveja, de refrigerante e diversos outros tipo de descarte encheram a carroceria de dois caminhões com capacidade de oito toneladas cada um.

Nesta sexta-feira (14) a equipe fez uma grande limpeza no Deck Sul. Recolheram mais lixo e lavaram banheiros, quadras de esporte, as áreas dos sombreiros e a parada de ônibus do local, bem como pintaram bancos e mesas e higienizaram o parquinho. Os meios-fios receberam pintura e funcionários da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) fizeram roçagem nos gramados e podaram árvores em todo o espaço.

Toneladas de entulho foram retiradas das margens do Paranoá | Foto: Lúcio Bernardo Jr. / Agência Brasília

O Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) instalou novas placas, substitui outras e sinalizou estruturas do estacionamento. A equipe do GDF Presente lavou as placas de sinalização das redondezas e, com apoio da Vigilância Ambiental, fez uma inspeção no parque, aplicou inseticida de Ultra Baixo Volume (UBV) pesado – popularmente conhecido como fumacê – e fez a desratização do ambiente.

“A limpeza das placas de sinalização é um cuidado simples, que tem um resultado tão significativo”, destacou o coordenador do Polo Central Adjacente 1, Alexandro César de Oliveira.

Hevelyn de Freitas: “Vi que não estamos esquecidos” | Foto: Lúcio Bernardo Jr. / Agência Brasília

A ação foi solicitada pela Administração do Plano Piloto. A administradora Ilka Teodoro diz que, apesar de ser constantemente depredado, manter o espaço de lazer em bom estado é uma das prioridades do GDF. “Estamos tentando manter o parque limpo e arrumado, mas precisamos de apoio da população”, afirmou.

Os frequentadores do Deck Sul e os colaboradores do GDF Presente receberam mudas de ipê. Hevelyn de Freitas Pereira, 38 anos, foi uma delas e diz ter ficado até mais motivada quando viu a equipe do GDF no local. “Vi que não estamos esquecidos”, afirmou.

Moradora do Guará, ela faz caminhadas no Deck Sul diariamente, desde o começo da pandemia do coronavírus. “É um lugar maravilhoso. Gosto daqui porque tem muita natureza, tem vista para o lago. O governo tem que insistir da manutenção”, pediu.

Até o dia 17 de agosto (segunda-feira), estão abertas as inscrições para eleger os Conselhos Regionais de Cultura (CRCs) de cada uma das 33 Regiões Administrativas (RAs) do Distrito Federal. Previsto na Lei Orgânica da Cultura (LOC), esse órgão colegiado deliberativo fortalece e aprofunda o Sistema de Arte e Cultura do DF (SAC) ao trazer a voz da sociedade civil para a construção coletiva das políticas públicas para cultura no DF.

Neste ano, as eleições serão em formato on-line por conta da pandemia da Covid-19. O pleito para o triênio 2021/2024 foi convocado pelo Conselho de Cultura do Distrito Federal (CCDF), com o objetivo de eleger o colegiado do CRCs em todas as RAs. São nove cadeiras para membros efetivos e nove para suplentes. Nesse sentido, há um intenso esforço de comunicação para sensibilizar a comunidade cultural de cada cidade a aderir às inscrições. 

“O CCDF, por meio das parcerias e negociações realizadas junto à Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF, não tem medido esforços para garantir o funcionamento e existência política e social de uma das instâncias de participação mais importantes da sistemática do SAC/DF, os Conselhos Regionais de Cultura”, anunciou o presidente do CCDF em carta aberta (leia aqui) à sociedade civil.

Desde o lançamento do edital, os Conselheiros do CCDF estão atuando com ações de sensibilização numa estratégia de capilaridade e mobilização para oito macrorregiões. As ações estão pautadas no mapeamento das características de cada uma delas, com foco para as novas RAs criadas. “Caso o movimento artístico se organize, será formado o primeiro Conselho Regional de Cultural de Areal e Sol Nascente/Pôr do Sol. Isso será uma vitória para a cultura do DF”, aponta a conselheira Sol Montes.

Morador de Sol Nascente e membro da Rede Unificada de Cultura Periférica do Distrito Federal, Máximo Mansur acredita que as ações de sensibilização em comunidades de periferia são fundamentais para promover o debate sobre o fortalecimento dos movimentos culturais. Morador de Sol Nascente, ele destaca a importância do acesso à informação para os artistas das regiões de vulnerabilidade social, disponibilizando ferramentas e conhecimento para que estes entes participem de ações de democratização e construção de novas políticas culturais. “A população do Sol Nascente despertou para isto agora. Vamos chamar os artistas da ponta para o diálogo, no sentido de promover a construção coletiva da democracia destas comunidades”, reivindicou o artista.

O presidente do CCDF, Wellington Abreu, destaca que, nesta reta final do período de inscrição dos candidatos, o empenho do colegiado e dos agentes culturais é fundamental, de modo que possam alcançar o máximo de pessoas e, assim, incentivar a participação social para o aprimoramento das políticas públicas culturais do DF. “Contamos com o apoio de todos para democratizar as informações sobre as eleições dos Conselhos Regionais. Como será uma eleição remota, precisamos entender a dinâmica de cada região para estimular participação de novos agentes culturais, de todas as partes do DF”, completou.

Se inscreva no chamamento público para a escolha dos Conselheiros Regionais de Cultura do Distrito Federal, para o triênio 2021/2024.

O processo de eleição será online, incluindo as inscrições, habilitações, recursos, cadastro de eleitores, votação e resultados.

Cronograma:

Inscrição de candidaturas: 17 julho a 17 de agosto de 2020;

Diligências e habilitação das candidaturas válidas:  17 de agosto a 31 de agosto de 2020;

Divulgação das candidaturas habilitadas: 01 à 04 de setembro de 2020 às 22h00;

Recebimento de recursos: 07 a 11 de setembro de 2020

Divulgação das candidaturas válidas: 14 a 18 de setembro de 2020;

Realização das eleições On Line: 21 de setembro a 02 de outubro de 2020;

Homologação do resultado das eleições: 05 a 12 de outubro de 2020;

Publicação DODF dos Eleitos 13 outubro a 13 de novembro de 2020;

Posse WEB/Presencial 16 de novembro a 08 de janeiro de 2021;

Dúvidas: conselhodecultura@cultura.df.gov.br

Reunião On-line

Para encerrar a etapa do processo eleitoral, o Conselho de Cultura do DF convoca à comunidade cultural para reunião on-line sobre as eleições 2020 dos Conselhos Regionais de Cultura. O evento ocorrerá neste sábado (15), às 17h.

Os interessados poderão se inscrever até 15h do da data do evento pelo link: https://forms.gle/bMqn87NcuEkK9wQf7
Fonte: Secretaria de Cultura e Economia Criativa

LÚCIO FLÁVIO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: FREDDY CHARLSON

Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília
O histórico edifício do Museu da Cidade, com o rosto de Juscelino Kubitschek, é recheado de fotos e frases marcantes do passado, assim como outros três monumentos da área. Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Muita gente conhece a história. Parece lenda urbana, mas não é. Aquele “prendedor gigante” localizado quase em frente ao Supremo Tribunal Federal (SFT), em plena Praça dos Três Poderes, é um pombal e foi projetado por Oscar Niemeyer, a contragosto, a pedido da primeira-dama, Eloá Quadros, então esposa de Jânio Quadros, que ocupou o cargo por apenas sete meses, em 1961. As más línguas eternizaram que foi a única obra de Jânio na nova capital. Um lugar que, por sinal, dizem que ele não morria de amores.

Essa é só uma das dezenas de fatos, acontecimentos e fabulações que envolvem os vários prédios e monumentos de Brasília, quase todos patrimônios culturais e históricos do Distrito Federal. E, no caso específico do Centro da Praça dos Três Poderes (CP3P), com grande valor cívico. Daí a necessidade de todos esses espaços estarem sempre em boas condições e apresentáveis de forma organizada para a população e turistas do país e do mundo inteiro.

Um esforço que a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF (Secec), em parceria com outros órgãos do GDF, não tem medido. Ou seja, revitalizando, reformando e colocando em ordem os aparelhos culturais da cidade. Pelo menos seis dessas áreas privilegiadas do Plano Piloto já passaram por processo similar:

“Essa é a função do poder público, o de garantir a manutenção permanente desses locais, revitalizando sempre que precisar, porque são obras de artes para utilização da sociedade e que, aliás, também deve ajudar a preservar”, destaca o subsecretário de Patrimônio Cultural da Secec, Demétrio Carneiro. “No caso da Praça dos Três Poderes, estamos falando de um lugar que é um marco cívico do DF, um patrimônio material que você vê, pode contemplar, mas, também, tem uma carga simbólica que é a razão de ser de todo o projeto do Niemeyer”, explica.

Luzes sobre a memória da transição

Não duvide do potencial histórico, cultural e cívico do lugar. Além de verdadeiro museu a céu aberto, também representa uma bela viagem ao passado, presente e futuro da nação. Basta conferir os monumentos do Centro Cultural dos Três Poderes, integrados à Praça e subordinados à Subsecretaria de Patrimônio da Secec. Todos em fase de revitalização, em menor ou maior grau.

Localizado próximo à pista que dá para a parte de trás do Congresso, o Museu da Cidade, inaugurado em 21 de abril de 1960, junto com a nova capital, tem a responsabilidade de guardar a memória da interiorização do país. Carimbado com um rosto do presidente Juscelino Kubitschek e uma frase que sela o destino da nova cidade na fachada externa, o edifício histórico é recheado de fotos e frases marcantes do passado, assim como outros três monumentos da área. Antes no breu, agora estão iluminados por refletores novos. Trata-se de uma reivindicação antiga dos turistas e de quem trabalha próximo à Praça.

“O Museu da Cidade marca a transição do poder do litoral, que era o Rio de Janeiro, para o interior, o Brasil central, enfim, Brasília. Ele é a memória dessa mudança”, contextualiza Rafael Soffredi, diretor do CC3P. “Parece algo simples, mas essa iluminação não apenas revitaliza os monumentos, como os coloca em evidência dentro da enormidade que é a Praça dos Três Poderes”, diz o gestor, referindo-se, também, à escultura Os Candangos, de Bruno Giorgi, além do famoso Pombal, com cara de prendedor de roupa, de Niemeyer, e o Monumento da Unesco.

Nesta semana, foi assinada um convênio entre a Secec e a Novacap, que abre caminho para a restauração da Sala Martins Pena, do Teatro Nacional Claudio Santoro e, em breve, de toda a estrutura do equipamento interditado há mais de seis anos.

Fachadas de mármores

Assim como as belas fachadas de mármores do Museu da Cidade, as pedras portuguesas que formam o amplo calçadão da Praça dos Três Poderes estão sendo limpas com jatos de água e os locais deteriorados, também estão sendo reparados. O trabalho minucioso é realizado por 13 apenados da Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap-DF) e nove encarregados da Diretoria de Urbanização da Novacap. “Tem muita coisa para recuperar”, avalia o engenheiro da companhia Aires Soares. “O nosso compromisso é deixar tudo limpo e recuperado até o dia 6 de setembro”, antecipa.

Turistas de Foz do Iguaçu (PR), os paranaenses Samuri Schesser, 37 anos, e Roque Colombo, 54, ficaram deslumbrados com o tamanho dos edifícios projetados por Oscar Niemeyer. “A gente vendo isso na televisão parece tão pequeno, mas chega aqui é impactante”, disse o pecuarista Samuri. “A beleza desses monumentos é uma coisa que impressiona”, conta o empresário Roque.

Para a autônoma brasiliense Kailene Racele, 30 anos, anfitriã da dupla sulista, o trabalho de revitalização da Praça dos Três Poderes e dos monumentos que fazem parte do espaço é necessário. “Tem que deixar o lugar bonito sempre. Além de receber gente do mundo e de várias parte do País, ainda é projetado na TV o tempo todo”, observa.

Pequeno gigante

Construído em homenagem ao presidente Tancredo Neves e aos heróis nacionais que defenderam a liberdade e democracia no Brasil, como o inconfidente Tiradentes, a revolucionária Anita Garibaldi e o escravo Zumbi dos Palmares, o Panteão da Pátria foi inaugurado em 7 de setembro de 1986. Com traços de Oscar Niemeyer, o edifício de três andares conta com vitrais rubros da artista Marianne Peretti (também responsável pelo revestimento vítreo da Catedral Metropolitana de Brasília) e mural do artista plástico Athos Bulcão. Graças à atenção especial dada ao espaço pela Secec, via Subsecretaria de Patrimônio Cultural, o local pode usufruir de uma novidade há tempos esperado.

“Como aqui tem muitos servidores de outras instituições, a instalação da cancela eletrônica no estacionamento do Panteão trouxe uma comodidade para os convidados, muitos deles integrantes de comitivas internacionais vindo das embaixadas”, conta o gerente Rafael Soffredi. “Hoje tem lugar para eles estacionarem sem problema”, explica.

Bem escondidinho e pequeninho, mas de uma grandeza que não cabe nos seus 432 m², o Espaço Oscar Niemeyer tem o maior volume de obras de todos os ambientes culturais do Plano Piloto. Com duas galerias e um anfiteatro com capacidade para 20 pessoas, o charmoso cantinho do arquiteto que criou as edificações modernas da capital que encantou o mundo, além da revitalização do teto, teve o sistema de rede elétrica e o ar condicionado recuperados. O espaço também ganhou carpete e pintura nova. Transtornos causados pela última chuva foram sanados com a impermeabilização da cobertura de um bloco.

“Estamos com 95% da reforma feita”, diz, animada, Marcela Lopes, uma das responsáveis pelo local. “Não importa o tamanho do espaço, mas o seu significado, a importância para a cidade, a localização que é no coração da capital, a posição estratégica, perto dos três poderes e de uma área de bosque”, valoriza.

Arquitetura e de urbanismo

De acordo com o subsecretário de Patrimônio Cultural da Secec, Demétrio Carneiro, a ideia é transformar a área num importante centro de pesquisa que valorize tanto os trabalhos de arquitetura e de urbanismo, dois pilares que são sinônimos de modernidade quando o assunto é Brasília. Há, inclusive, uma exposição programada para quando essa pandemia acabar. “Será a integração desses dois grandes mestres da cidade que foram Oscar Niemeyer e Lucio Costa”, planeja.

Assim como o Espaço Renato Russo, brindado por lavagem dos arcos internos, limpeza de luminárias e toda parte de vidros das galerias, além da impermeabilização do telhado, a Biblioteca Nacional de Brasilia (BNB) ganhou vida nova com ajuda da equipe do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), responsável pela limpeza de toda a parte externa do lugar, pichadas por manifestantes.

Com capacidade para receber cerca de três mil usuários por mês, a Biblioteca Pública de Brasília, situada na 312/313 Sul, é conhecida por receber grande fluxo de estudantes e moradores do final da Asa Sul. Por lá, o olhar especial da Secec também foi bem-vindo. Além das limpezas de luminárias e de todo espaço físico, o celeiro de livros dessa parte do Plano foi beneficiado por internet mais potente e novo banheiro. “São benfeitorias que mexem com a autoestima dos servidores e despertam o interesse dos frequentadores. É um lugar bem estimado e democrático, recebemos até moradores de rua”, comenta a diretora Simone Queiroz Afonso. 

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: RENATO FERRAZ

O Instituto do Brasília Ambiental convida a população para colaborar, a partir desta sexta-feira (7), com a Oficina de Diagnóstico Participativo do Parque Ecológico Olhos d’Água (Asa Norte). Esta ação será realizada de forma virtual e contribuirá com os estudos para a elaboração do Plano de Manejo da Unidade de Conservação.

Foto: Agência Brasília/Arquivo

Os interessados em participar dessa ação devem preencher o formulário, que ficará disponível no site do Instituto durante 15 dias, com dez perguntas para definição dos elementos: propósito, significância, recursos e valores fundamentais, ameaças e potencialidades do Parque Ecológico Olhos d’Água. Também está sendo disponibilizado uma apresentação com as informações sobre a unidade coletadas até o momento.

O Plano de Manejo é um documento que tem a finalidade de estabelecer o zoneamento e as normas que devem presidir o uso da área e o manejo dos recursos naturais, inclusive a implantação de estruturas físicas.

Olhos d’Água
Localizado entre as quadras 413/414 Norte, o Parque Ecológico Olhos d’Água pertencia a uma das diversas fazendas existentes no Plano Piloto de Brasília antes da definição do quadrilátero do Distrito Federal. A unidade nasceu da iniciativa da comunidade local, sendo oficialmente fundado em 12 de setembro de 1994, com 21 hectares.

Foto: Agência Brasília/Arquivo

O nome Olhos d’Água tem origem pelas nascentes de água perenes e intermitentes que a unidade abriga. No local é possível encontrar peixes, aves, anfíbios, répteis, invertebrados e pequenos mamíferos, além de fragmentos de vegetação de mata de galeria, de cerrado e trilhas com árvores identificadas para conhecimento dos visitantes. A Lagoa do Sapo chama a atenção de crianças e de adultos que param para contemplar o local abastecido pelas diversas nascentes.

O Parque oferece ainda aos visitantes trilhas bem calçadas, relógio do sol, pista de caminhada com 2 km de extensão, parque infantil, circuito de ginástica, Ponto de Encontro Comunitário (PEC), além de gramado para banho de sol e piquenique. Funciona das 6h às 20h, com entrada gratuita.

Com informações do Brasília Ambiental

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS

Aumento da rotatividade na utilização de vagas em áreas públicas é um dos objetivos do projeto | Foto: Divulgação

A implantação dos estacionamentos rotativos públicos no DF, chamada de Zona Verde, foi tema de audiência pública nesta sexta-feira (31). Participaram da discussão representantes da Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob), representantes da sociedade civil e público em geral. Durante a sessão, que durou mais de três horas, foi feita uma apresentação detalhada da proposta, a partir do que dúvidas foram respondidas e sugestões e críticas feitas ao projeto.

O esclarecimentos relativos aos principais pontos do projeto podem ser vistos no site da Secretaria de Mobilidade.

Devido às medidas de prevenção à Covid-19, toda a apresentação pôde ser acompanhada, em tempo real, por meio do canal da Semob no Youtube, que registrou mais de 13 mil acessos durante a sessão, com média de 360 acessos simultâneos. Presencialmente, foram liberados 16 assentos para o público no auditório da sede do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/DF), respeitando-se as regras de distanciamento social.

Mais de 600 manifestações foram encaminhadas por email e pelo Whatsapp disponibilizados pela Semob. Entre as mensagens recebidas estão dúvidas sobre as formas de cobrança e o alcance do projeto, críticas quanto à falta de contrapartidas e sugestões para aperfeiçoar o processo.

“O projeto não está dissociado de uma série de intervenções na mobilidade do DF, a exemplo da expansão do metrô, implantação do VLT, reforço de novos ônibus e aperfeiçoamento da integração”, ponderou o secretário-executivo de Mobilidade da Semob, Luiz Felipe Carvalho, ao responder um dos questionamentos.

O secretário também explicou que, em razão de problemas no e-mail criado para receber as contribuições, o prazo para enviá-las, que venceria em 31 de julho, está ampliado até 14 de agosto por meio do consultazonaverde@gmail.com. Todos os questionamentos recebidos serão respondidos pela área técnica da pasta, que também fará a análise de viabilidade para acolher as sugestões.

Ipês

Ao fazer a apresentação do projeto, o assessor da Assessoria Especial de Parcerias (Aesp), Antonio Maria Espósito Neto, explicou que o Zona Verde tem dois objetivos principais: o aumento da rotatividade na utilização de vagas em áreas públicas e o incentivo ao uso do transporte público. “Brasília é uma das únicas grandes cidades do Brasil, e do mundo, que não cobra por estacionamento em área pública”, lembrou.

A proposta apresentada pelo governo divide os estacionamentos em quatro grupos, chamados de ipês (amarelo, rosa, roxo e branco), com cobrança de valores que variam entre R$ 2 e R$ 5 para carros e R$ 1 e R$ 2,50 para motos. Também são características de cada grupo os tempos máximos de permanência nas unidades, que chegam a 12 horas.

O grupo Ipê Amarelo abrange as áreas de comércios, residências e imóveis de uso misto nas asas Sul e Norte, Sudoeste, Setor de Indústrias Gráficas (SIG) e Setor de Indústria e Abastecimento (SIA).

O setor do Ipê Rosa vai abranger o Eixo Monumental e o Setor de Autarquias, enquanto o Ipê Branco cobrirá os bolsões próximos a estações do Metrô-DF e do BRT. Já o Ipê Roxo vai abarcar – tanto na região Sul quanto na Norte – os setores comerciais, bancários, hoteleiros, de rádio e televisão e médico-hospitalar.

Com relação à cobrança em áreas residenciais, tema citado diversas vezes na sessão, cada morador terá direito à isenção para um veículo. “É uma forma de preservar os espaços dos residentes, já que os motoristas poderiam migrar para as quadras por conta da tarifação”, argumentou o assessor da Aesp.

A previsão é de que o projeto seja apresentado, nos próximos dias, para deputados distritais e federais do DF, além de órgãos de controle. “Nosso objetivo é ter o maior número de contribuições, para que o processo possa ficar qualificado e transparente para a sociedade”, esclareceu Luiz Felipe Carvalho, da Semob.

O projeto

A previsão é de que o Zona Verde abranja cerca de 100 mil vagas no DF, em que uma das contrapartidas é que a empresa contratada faça a manutenção dos espaços e construa mais 6 mil vagas. A licitação da concessionária será feita por concorrência internacional.

A proposta é conceder o espaço para uma empresa privada por 30 anos, em que um dos pré-requisitos para a contratação é a demonstração de experiência em gestão de sistema de estacionamento com pelo menos 10 mil vagas. A proposta prevê investimento, por parte da concessionária, de R$ 300 milhões em um período de três anos.

A empresa contratada será responsável pela execução e aprovação dos projetos de engenharia; execução das obras civis; projeto, fornecimento, instalações e testes dos sistemas operacionais; fornecimento dos equipamentos de operação, manutenção e suporte à fiscalização; elaboração e execução do plano de comunicação; e operação e manutenção do sistema durante o prazo de concessão.

* Com informações da Secretaria de Transporte e Mobilidade

ARY FILGUEIRA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: FREDDY CHARLSON

 Foto: Acácio Pinheiro | Agência Brasília
As cidades do DF apresentam um aspecto bem atraente com as novas calçadas. Mais largas e espessas, estão por toda parte e têm agradado à população, como na 306 Sul. Foto: Acácio Pinheiro | Agência Brasília

Na busca por qualidade de vida para os pedestres, o Governo do Distrito Federal investiu mais de R$ 1,5 milhão em calçadas. Foram, pelo menos, 166 mil metros de caminhos pavimentados para garantir conforto e segurança à população de diversas regiões administrativas, apenas uma parte dos contratos em vigência para esse tipo de serviço.

“Nossa maior preocupação é construir calçadas acessíveis, mais espaçosas e de alta qualidade, garantindo a durabilidade e elevando a segurança que a população precisa”, afirma o diretor de Urbanização da Novacap, Sérgio Lemos.

Responsável pela execução dos serviços, o engenheiro pondera que as calçadas reforçam o sentimento de cidadania. “O GDF entende que são ações que garantem a dignidade das pessoas, porque asseguram o direito de ir e vir, principalmente no caso das crianças, idosos e pessoas com mobilidade reduzida”, explica.

Do Gama a Planaltina. De São Sebastião a Brazlândia. As cidades do Distrito Federal apresentam um aspecto bem atraente com as novas calçadas. Mais largas e espessas, estão por toda parte e têm agradado à população.

As novas calçadas seguem um padrão criado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh). Seja no Plano Piloto ou no Itapoã, a largura tem de ser a mesma: dois metros. Assim como a espessura: entre seis e oito centímetros. Todas com padrão ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

Na 306 Sul (Asa Sul), por exemplo, a Divisão de Obras da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) está construindo 4,5 mil metros quadrados de calçadas. O investimento no local é de R$ 600 mil. Mais: além de conforto, a obra tem gerado 40 empregos diretos e indiretos.

A construção das calçadas é uma demanda dos moradores da região e está catalogada num processo-mãe na Novacap juntamente com outras demandas de prefeitos, conselhos comunitários e moradores para a região.

“Fizemos um levantamento de tudo o que precisa ser feito no Plano Piloto em termos de obras. Aí, alimentamos esse processo-mãe que fica na Novacap. À medida que entra verba, a gente vai atendendo as demandas mais antigas. Nesse caso da 306 Sul, foi emenda do deputado Robério Negreiros e ele escolheu a quadra”, explica a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

O novo modelo de calçada tem praticamente o dobro do tamanho do anterior. Além disso, é mais larga. É o que percebeu a moradora do Riacho Fundo Rose Silva, 31 anos, quando passava por um calçada recém-construída da 306 Sul. “Ficou ótima. Antes era ruim de andar porque estava toda irregular e era bem fininha”, comparou ela, que trabalha numa loja na 106 Sul.

Manoel Ferreira, 42 anos, também aprovou a nova passagem na 306 Sul. No caso dele, usa a calçada para passear de bicicleta. “Ficou cem por cento Muito bom mesmo. O governo está de parabéns”, atestou.

Ali perto, na 508 Sul, as calçadas prontas facilitaram a vida dos pacientes da Unidade Básica de Saúde (UBS). Principalmente, para aqueles que andam com um pouco de dificuldade. Como é o caso de seu Elias Nunes, 85 anos. “Muito bom essa rampinha para a gente passar”, disse, ao se referir do ponto de acessibilidade, com os meios-fios rebaixados.

A Companhia de Planejamento do Distrito Federal – Codeplan publicou neste mês o edital do Concurso VI PRÊMIO CODEPLAN DE TRABALHOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS, edição especial “Brasília – 60 anos”. As inscrições estarão abertas de 1º de setembro a 15 de outubro de 2020.

O Prêmio tem como objetivo estimular pesquisas sobre desenvolvimento econômico, políticas sociais, urbanas e ambientais voltadas para o Distrito Federal e/ou para a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE) e Área Metropolitana de Brasília (AMB).

Poderão participar do concurso os candidatos de qualquer nacionalidade, que tenham curso superior completo. Os trabalhos poderão ser individuais ou coletivos (por equipe), tendo como um dos subtemas: políticas sociais e redução de desigualdades; economia e mercado de trabalho, avaliação de políticas, métodos e aplicações ao território; ou experiências em políticas urbanas e ambientais na dimensão metropolitana: erros e acertos.

Wendy Silva de Andrade, foi a vencedora na categoria Jovem Pesquisador(a) do ano passado e até hoje sente saudade ao relembrar. “Foi incrível. Estava aguardando por uma menção honrosa, mas a surpresa foi maior”, diz. O trabalho de Wendy, iniciado durante a graduação teve como temática a “RIDE-DF e Entorno – Que mudança institucional ocorreu no período de 1998-2017 2020”. “No processo de escrita da monografia acessei as pesquisas da Codeplan e soube do prêmio”, destaca.

Além do Distrito Federal, compõem a RIDE, conforme Lei Complementar nº 163, de 14 de junho de 2018, os seguintes municípios: I – Municípios do Estado de Goiás: Abadiânia, Água Fria de Goiás, Águas Lindas de Goiás, Alexânia, Alto Paraiso de Goiás, Alvorada do Norte, Barro Alto, Cabeceiras, Cavalcante, Cidade Ocidental, Cocalzinho de Goiás, Corumbá de Goiás, Cristalina, Flores de Goiás, Formosa, Goianésia, Luziânia, Mimoso de Goiás, Niquelândia, Novo Gama, Padre Bernardo, Pirenópolis, Planaltina, Santo Antônio do Descoberto, São João d’Aliança, Simolândia, Valparaíso de Goiás, Vila Boa, e Vila Propício; e II – Municípios do Estado de Minas Gerais: Arinos, Buritis, Cabeceira Grande e Unaí.

Serviço:

VI Edição do VI Prêmio Codeplan de Trabalhos Técnico-Científicos

PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 01/09/2020 a 15/10/2020

ENDEREÇO PARA INSCRIÇÃO: https://premio.codeplan.df.gov.br

Texto: Ramíla Moura com informações da CODEPLAN

Foto: Gehovany Limeira Figueira

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: FREDDY CHARLSON

Com o tema “Apoie o aleitamento materno por um planeta saudável”, a campanha Agosto Dourado deste ano vai focar no impacto da alimentação infantil no meio ambiente, nas mudanças climáticas e na necessidade urgente de proteger, promover e apoiar o aleitamento materno para a saúde do planeta e de seu povo. Além disso, haverá vários eventos e ações como o 5º Seminário de Aleitamento Materno de Brasília e a apresentação do filme Tigers, que vai gerar um debate com profissionais, estudantes e todos os que lutam pela causa do Aleitamento Materno.

“Estudos indicam que o aleitamento materno como ação isolada é capaz de reduzir a mortalidade infantil em até 13%. No Distrito Federal valorizamos a amamentação desde a sua fundação. Pela primeira vez o DF conseguiu atingir, em 2019, a taxa de mortalidade infantil de um único dígito, de 8,5 para cada 1.000, um grande ganho para todos”, comemora Miriam Santos, coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano do DF.

A amamentação previne a fome e todas as formas de desnutrição, além de garantir a segurança alimentar dos bebês, mesmo em tempos de crise, sem ônus adicional no orçamento da família. A amamentação é uma maneira de baixo custo para alimentar bebês, além de contribuir para a redução da pobreza. Além disso, a nutrição, a segurança alimentar e a redução da pobreza são fundamentais para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas.

“No âmbito nacional e internacional, Brasília é reconhecida pelo apoio, proteção e apoio ao aleitamento materno que é historicamente realizado com o envolvimento da sociedade e dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário”, explica.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, todos os eventos do Agosto Dourado e todas as ações nas Regiões de Saúde deste ano serão de forma virtual. A transmissão ocorrerá pelo canal Amamenta Brasília, no YouTube. O primeiro ocorrerá no próximo sábado (1°/8), às 15h.

“O leite materno deve ser um alimento exclusivo até os seis meses e até os dois primeiros anos de vida, porque tem tudo o que é necessário para a saúde da criança, conforme orientam a Secretaria de Saúde, o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde”, afirma Miriam.

Segundo a coordenadora, as ações do Agosto Dourado ajudam a fortalecer a conscientização das mães. “Amamentar é um direito da criança, mas não é um dever da mãe, por isso precisamos conscientizá-la, apoiá-la e protegê-la para que ela queira amamentar”, explica.

Todos os eventos relacionados à amamentação têm o amparo legal, com a Política Distrital de Aleitamento Materno – Lei Distrital nº 5.374/2014, Agosto Dourado – Lei Federal nº 13.227/2015, Agosto Dourado – Lei Distrital nº 6.097/2018.

Confira a programação:

*Agência Brasília com informações da Secretaria de Saúde

AGÊNCIA BRASÍLIA * I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

O processo de transformação digital chegou às administrações regionais. O e-GDF, aplicativo oficial do governo, agora conta com uma nova funcionalidade: o e-Cidades, que permite a abertura de requerimentos a distância e o acompanhamento dos respectivos processos. Já disponível, a tecnologia foi oficialmente lançada na manhã desta quinta-feira (30), em uma live no canal da Secretaria de Economia no YouTube.

O novo recurso foi desenvolvido por técnicos da Subsecretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação, da Secretaria de Economia, a pedido da Secretaria de Governo. A subsecretaria é responsável pelas redes corporativas e por toda a estrutura de tecnologia da informação do GDF (Decreto nº 40.015/2019), por isso faz a gestão do aplicativo.

O vice-governador do Distrito Federal, Paco Britto, destacou a agilidade que a nova funcionalidade trará a cidadãos, servidores e gestores. “O e-Cidades nada mais é do que levar o nosso governo, todo o secretariado, todos os funcionários, mais próximo da população. Uma ferramenta em tempo real do que está acontecendo nas ruas para que possamos, sob a batuta do governador Ibaneis Rocha, levar respostas rápidas à população”, disse.

Solicitações de licenciamento para carro de som e de termo de permissão de uso para quiosques, feiras ou bancas de revista estão entre os requerimentos que antes tinham de ser feitos pessoalmente em uma das 33 administrações regionais e agora estão no e-Cidades. Com a nova funcionalidade, o cidadão também pode fazer o georreferenciamento de onde há entulho nas proximidades de casa, por exemplo. A mensagem chegará imediatamente à administração regional, que avaliará e encaminhará o problema à unidade competente.

A novidade facilita a vida do cidadão e dá mais transparência aos atos públicos, uma vez que o solicitante vai receber notificações sobre o andamento de sua demanda. “Além de acelerar o atendimento, essa tecnologia nos permite, com muito mais facilidade, dar retorno a fim de informar o que foi feito”, avalia o secretário de Economia, André Clemente.

Para o secretário de Governo, José Humberto Pires, o e-Cidades é mais um instrumento que aproxima o GDF da população: “O governo acontece na porta das pessoas; é lá que o cidadão sente se o governo está ou não atuando. Com mais esse instrumento, ele pode resolver seus problemas burocráticos e também nos ajudar na conservação, no zelo de sua rua, quadra, cidade, sem precisar se deslocar”.

O aplicativo

Aproximadamente 200 mil pessoas já baixaram o aplicativo oficial do Governo do Distrito Federal. Em constante aperfeiçoamento, vem ganhando cada vez mais recursos. Na segunda quinzena de março, por causa do isolamento para combater a disseminação do novo coronavírus, o registro de crimes como furto, agressão e ameaça passou a poder ser feito por meio do serviço Delegacia Eletrônica<https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2020/03/25/aplicativo-e-gdf-ganha-mais-recursos-em-tempos-de-isolamento/>.

Com o app e-GDF instalado no telefone celular, o cidadão também pode abrir e acompanhar solicitações à Ouvidoria do DF, consultar o IPVA e o IPTU, verificar o extrato do Bilhete Único e monitorar protocolos abertos nos hospitais da rede pública.

O uso é simples e intuitivo. O aplicativo é leve e consome pouco do pacote de dados. E as informações pessoais também estão protegidas, dentro do que está sendo proposto na futura Lei Geral de Proteção de Dados.

Quem já tem o e-GDF instalado só precisa fazer a atualização na respectiva loja de apps. Quem ainda não tem pode baixá-lo. O cadastro é simples, por meio do CPF. Aqueles com cadastro na plataforma do Governo Federal<https://www.gov.br/pt-br> podem usar a mesma senha para acesso ao e-GDF.

A integração é parte da Política de Governança Digital em órgãos e entidades da administração pública distrital, instituída pelo Decreto nº 40.253, de novembro de 2019. Desde então, o Comitê de Transformação Digital, sob a coordenação da Secretaria de Economia, vem trabalhando com os órgãos e as entidades do GDF para ampliar os serviços virtuais, melhorar o atendimento ao cidadão e aumentar a eficiência, reduzindo custos.

Com informações da Secretaria de Economia do DF

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: CHICO NETO

Nova iluminação amplia a segurança em toda a região | Foto: Divulgação / CEB

 

Desde segunda-feira (27), quem passa pelo Setor Hospitalar Sul (SHS) percebe que o local ganhou vida nova: a iluminação está totalmente revitalizada pela CEB. O investimento foi de R$ 1 milhão. Além da instalação de 157 postes, foram trocadas 341 luminárias convencionais por equipamentos de LED, mais eficientes e econômicos.

Área de grande movimento, o setor concentra centros clínicos e laboratórios que movimentam tanto a população vizinha quanto moradores de outras regiões administrativas (RAs).

R$ 1 milhãoTotal investido nos trabalhos

Mais segurança

A aposentada Sebastiana Campos, 72 anos, frequentemente passa pela região e já percebeu a diferença. “Vi que vários postes foram colocados nas vias”, valoriza. “Com certeza as ruas estão bem mais iluminadas do que uns meses atrás”.

A segurança é um aspecto que ela destaca na nova configuração do local. “Na minha opinião, a iniciativa da CEB foi de extrema importância para a população, pois motoristas e pedestres serão beneficiados com uma visão melhor, evitando possíveis acidentes no trânsito e inibindo possíveis assaltos”, avalia.

O projeto de revitalização do SHS é fruto de um trabalho conjunto. “A parceria com a Rede D’Or e os hospitais Santa Lúcia e Santa Luzia gera grande satisfação, porque possibilita que uma área tão relevante para a população, com uma grande concentração de hospitais, clínicas e prédios comerciais, passe por uma revitalização na iluminação, beneficiando milhares de pessoas”, destaca o presidente da CEB, Edison Garcia.

* Agência Brasília com informações da CEB

Você sabe o que é compostagem? Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) “a compostagem é uma tecnologia que busca aumentar a eficiência dos processos de reciclagem de resíduos orgânicos, de modo que possam ser reaproveitados na agricultura com segurança”.

Sabendo disso, a arquiteta e urbanista Ana Arsky, da Startup 4 Hábitos para Mudar o Mundo, que trabalha com os temas de recuperação ambiental e mudanças climáticas, viu que os condomínios são grandes geradores de lixo e criou um projeto Condomínio Sem Lixo. O objetivo é ensinar os moradores como separar corretamente os seus resíduos e reaproveitá-los da melhor forma possível. De acordo com Ana, os resíduos orgânicos são amontoados em um um recipiente de madeira, desenhado por ela, ao ar livre. “Os restos de comida são misturados com matéria orgânica seca – restos de folhas e poda de árvores. Quando começa a ficar pretinho, é que está ficando pronto”, conta.

O processo de compostagem orgânica acontece de forma natural e demora cerca de 20 dias para terminar. Após esse processo as composteras podem ser usadas para criação de hortas.

Max Rezende Braga, advogado e morador da 211 Sul, encontrou a Ana em uma feira de síndicos e gostou da ideia de implantar as composteiras em frente ao prédio. “É uma proposta renovadora poder utilizar os recursos que a gente tem para o próprio benefício sem jogar fora”, diz.

Veja aqui as fotos das composteiras instaladas na Asa Sul.

A administradora Ilka Teodoro considera a gestão do lixo na cidade como um tema prioritário. “Faço muita questão de estimular essas boas práticas, porque ainda está no inconsciente coletivo da população que a gestão do lixo é somente responsabilidade do governo, mas nossa política de resíduos sólidos diz que não, ela diz que a responsabilidade é de quem produz o lixo, destaca.

Ângela Regina Chaves Café, professora e moradora do Noroeste, acredita que o custo para remover todo lixo gerado é muito alto e a compostagem é uma estratégia inteligente para reutilizar o lixo sem custo nenhum. “Compostar é como fazer mágica. Você transforma o seu resíduo orgânico em um excelente adubo para seu jardim e para sua horta, economiza dinheiro dos cofres públicos e faz um bem enorme para o planeta”, diz.

Texto: Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto
Entrevistas: Gabriel Ferraz e Maria Paula de Andrade/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto
Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Adriana Machado, da Ascom – SSP/DF

Desde sexta-feira (24), encontra-se regulamentado o registro de ocorrência de violência doméstica por meio da Delegacia Eletrônica, da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). A medida segue o protocolo de saúde adotado pelo Governo do Distrito Federal (GDF) durante a pandemia de Covid-19.

Uma vez registrada eletronicamente, a ocorrência é encaminhada à área responsável pela apuração. O profissional da delegacia poderá entrar em contato – via telefone ou mesmo por WhatsApp  – para obter mais informações sobre o fato.

Caso a pessoa não tenha acesso à internet, a denúncia também pode ser feita por meio do telefone 197 (opção 3). Nessa circunstância, a ligação será transferida para a delegacia mais próxima do endereço informado pela vítima, que dará continuidade ao atendimento.

Ajuda ampliada

A titular da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), Sandra Gomes, destaca a importância da medida. “A regulamentação publicada aperfeiçoa os canais que a PCDF já havia disponibilizado desde o início da pandemia e visa garantir que as mulheres do Distrito Federal, vítimas de violências, em especial a violência doméstica, ocorrida na maioria das vezes no interior dos lares, tenham ao seu alcance todas as formas possíveis para pedir ajuda”.

A ampliação dos registros via internet já havia ocorrido no final de março. Até então, delitos como lesão corporal, crimes praticados em outros estados, desacato, desobediência e constrangimento, só podiam ser registrados presencialmente.

Direitos garantidos

A delegada Sandra Gomes lembra que a portaria regulamenta o segundo atendimento, ou seja, o acompanhamento da ocorrência pela autoridade policial após o registro do fato. Durante esse procedimento, a vítima poderá relatar mais detalhes e fornecer provas para instrução do processo e encaminhamento ao Judiciário. Se preciso, a pessoa denunciante também pode solicitar ajuda, como atendimento médico ou auxílio para buscar pertences.

“As delegacias – tanto as especializadas de atendimento à mulher quanto as demais – estão realizando os atendimentos independentemente do registro on-line”, esclarece a delegada. “É preciso que o Estado garanta às mulheres todos os canais de acesso possível para pedidos de ajuda, principalmente no momento atual, em que sabemos que a violência pode se potencializar”.

Como denunciar

  • Entre no site da Delegacia Eletrônica e procure  a opção “Outros crimes”.
  • Preencha todos os dados requisitados.
  • A ocorrência será analisada por um policial, que entrará em contato com o comunicante para complementar o que for necessário.
  • Na falta de acesso à internet, ligue para 197 e tecle opção 3.

Edição: Agência Brasília

 

A Junta de Serviço Militar do Plano Piloto informa aos cidadãos que retomará, ainda este mês, os atendimentos presenciais de forma parcial.

Todas as medidas de segurança solicitadas pelos órgãos competentes serão tomadas para preservar a saúde dos cidadãos e dos servidores.

Os atendimentos serão feitos somente com horário previamente agendado pelo site:
www.alistamento.eb.mil.br. 

O uso de máscara é obrigatório e será disponibilizado álcool em gel na entrada do prédio da Administração e na entrada da sala da Junta Militar para utilização dos usuários.

Os atendimentos presenciais por agendamento acontecerão nas quartas e quintas-feiras, de 8h às 12h e de 14h às 16h.

Nos demais dias o atendimento permanece pelo e-mail da Junta: jsm202delesp@gmail.com

A Junta Militar da Administração Regional do Plano Piloto conta com a colaboração de todos e todas.

Texto: Ramíla Moura da ASCOM com informações da Junta Militar

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: RENATO FERRAZ

Para contribuir com a segurança dos comerciantes e comunidade do Setor Comercial Sul (SCS), a Administração do Plano Piloto atuou nesta terça-feira (21) em uma força-tarefa para limpeza e sanitização da área por onde passam uma média de 150 mil pessoas por dia. 

Foto: Administração de Brasília/Divulgação

A ação foi comandada pelo programa Sanear DF e contou com a parceria do Polo Central Adjacente I do GDF Presente, da Secretaria de Cidades, da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) e do Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

“O SCS é o centro da capital da República. Precisa de atenção e cuidado constantes. A ação do Sanear atende essa necessidade de zelar pelo local com maior fluxo de pessoas no Plano Piloto depois da Rodoviária,” ressalta a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

Lavagem e desinfecção de calçadas, sanitização das paredes, fumacê, varrição, capina e recolhimento de lixo verde foram alguns dos serviços feitos pelas equipes.

Bruno Serafim, que trabalha na Quadra 6 do SCS, elogiou a iniciativa. “É muito gratificante para gente essa ação do governo aqui. Assim como nossa higiene pessoal, os lugares por onde a gente passa precisam estar limpos também”, diz.

Alexandro César, coordenador do Polo Central Adjacente I, acredita que a ação cumpriu com o objetivo de levar mais segurança para os pedestres e transeuntes do SCS. “É a segunda operação que fazemos no local e a população agradece muito”, destaca.

Com informações da Administração Regional de Brasília

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: RENATO FERRAZ

A força-tarefa de fiscalização das medidas adotadas contra o Covid-19 esteve vistoriando, nesta terça-feira (21), diversos estabelecimentos do Plano Piloto. Com o DF Legal à frente, servidores da Vigilância Sanitária, Brasília Ambiental, PM, Polícia Civil, Detran, DER e Corpo de Bombeiros visitaram o Parque Olhos d´Água , academias, barbearias, supermercados e outros comércios.

Foto: Divulgação/DF Legal

Três equipes ficaram centradas em Brasília – além das demais, que fazem turnos por cidades do DF seguindo as escalas. No parque Olhos d´Água, local de grande movimento na Asa Norte, a pauta foi o uso obrigatório da máscara e o horário de funcionamento. Nos demais estabelecimentos, o cumprimento das medidas de segurança sanitária determinadas pelo Decreto 40.939/20.

Nas academias, foi observada a higienização de equipamentos, a distância de dois metros entre eles, a proibição de bebedouros e chuveiros etc. Em três academias na Asa Norte e uma na Asa Sul, auditores do DF Legal orientaram alunos e professores. Os fiscais da Vigilância, por sua vez, reforçaram aos proprietários a obrigatoriedade de cumprir os protocolos sanitários, sob pena de multa. Um total de 300 estabelecimentos foram vistoriados ao longo do dia.

No geral, a adaptação às novas normas tem sido satisfatória, segundo os fiscais. Mas as visitas serão cada vez mais frequentes. “O decreto permitiu a retomada de muitas atividades. Mas, é bom frisar, sob certas condições. A força tarefa seguirá nas ruas olhando academias, salões, bares, restaurantes, entre outros. E cada proprietário deve estar atento ao seu estabelecimento”, pontuou o subsecretário de Fiscalização do DF Legal, Francinaldo Oliveira.

Máscaras
O Olhos d’Água teve um dia calmo e o uso da máscara estava em dia por moradores e esportistas. Alguns que a portavam abaixo do nariz, foram advertidos. Pontos de encontro comunitário (PECs) e bebedouros estavam lacrados.

Segundo o responsável pelo parque, Edeon Vaz, o público tem se comportado bem. “O volume de informações já foi muito grande. Por aqui, vemos um nível de conscientização alto”, explicou. O DF Legal abordou cerca de 250 pessoas no local – e não houve aplicação de multas.

Já no Gama, equipes do DF Legal, PM e Administração Regional fizeram a retirada de ambulantes no Setor Central. A atividade segue proibida pelo decreto. Os fiscais retiraram tendas e estruturas irregulares que ocupavam um quarteirão e encaminharam ao depósito.

Com informações do DF Legal

ANA LUIZA VINHOTE, DA AGÊNCIA BRASÍLIA  I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

Revitalização do Setor Hospitalar Sul deve ficar totalmente pronta em Agosto. Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

Em fase final, as obras do Setor Hospitalar Sul (SHS) vão garantir acessibilidade para pessoas com dificuldade de locomoção, pavimentação das calçadas, estacionamentos regulares, quiosques legalizados, troca de iluminação, paisagismo, sinalização, drenagens de águas pluviais entre várias outras melhorias para a região. A previsão de entrega do local, totalmente reformado, é na primeira quinzena de agosto. 

“É preciso uma fiscalização maior para impedir que os carros voltem estacionar em cima das calçadas reformadas”, alerta o comerciante. Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

Leonardo Sardinha, 28 anos, tem um quiosque de lanches há 30 anos no SHC. Ele afirma que a região precisava passar por revitalização. “Esse projeto é muito importante para Brasília e pode servir como modelo para outros estados”, comenta.

“Agradecemos as melhorias, como a questão do estacionamento, por exemplo, que é complicada. É preciso uma fiscalização maior para impedir que os carros voltem estacionar em cima das calçadas reformadas”, alerta o comerciante. 

A proposta é uma ideia da Secretaria de Projetos Especiais. O secretário-executivo da pasta, Roberto Andrade, explica que o projeto foi financiado pela iniciativa privada, ao custo de cerca de R$ 6 milhões. “É um trabalho em equipe, que envolve vários órgãos do governo local, em parceria com empresários da região”, destaca.   

A obra do setor está 90% pronta. Foto: Paulo H Carvalho/Agência Brasília

O projeto de requalificação do local foi elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e envolve as pastas de Obras e Infraestrutura (SO) e de proteção da Ordem Urbanística (DF Legal), a Administração do Plano Piloto, o Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF), além das companhias de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), da Energética de Brasília (CEB) e da Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) . 

Anamaria de Aragão, coordenadora de projetos da Seduh, ressalta que a obra faz parte da requalificação de setores centrais da cidade. “Foram escolhidos locais prioritários.

Com relação ao Setor Hospitalar Sul, o objetivo é melhorar a acessibilidade e proporcionar mais segurança para pedestres e ciclistas que tinham dificuldade de transitar na região”, reforça. “Os estacionamentos também foram organizados e regularizados, além dos quiosques de alimentação”. 

Mercado das Flores 

“Tinha motorista que quase colocava o carro dentro da loja, mas agora será diferente. Estou muito feliz com a obra”, comemora a comerciante. Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

O Mercado das Flores também foi contemplado na reforma. O local recebeu passeios novos e estacionamento. “No Plano Piloto temos apenas duas feiras, o Mercado das Flores e a da Torre [de TV]. São pontos icônicos e turísticos que precisavam passar por reforma para continuar gerando economia para a cidade”, comenta a administradora, Ilka Teodoro. 

Há 30 anos Áurea Dantas, 54 anos, tem uma loja de flores no local. A expectativa dela é que, com a revitalização, as vendas aumentem. “Será mais atrativo para os clientes. Tinha motorista que quase colocava o carro dentro da loja, mas agora será diferente. Estou muito feliz com a obra”, comemora a comerciante. 

Adote uma praça 

Administrado pela Sepe (Secretaria de Projetos Especiais), o programa Adote uma praça tem como objetivo firmar parcerias com empresários e moradores da capital para a manutenção e recuperação de locais públicos, como praças, jardins, rotatórias e canteiros de avenidas, assim como monumentos, pontos turísticos, entre outros.

Desde que foi instituído, em 2019, o programa já recebeu 57 pedidos de adoção de moradores de várias regiões do DF. 33 foram assinados, 12 projetos entregues, 14 em fase de finalização e 15 administrações participando da proposta. O primeiro termo assinado foi o do estacionamento do Hospital Brasília.    

Para ajudar o governo a melhorar e manter áreas públicas adotando algum espaço, entre em contato com a administração regional da cidade. O órgão pode informar a documentação necessária para o procedimento. Em caso de dúvidas, a Secretaria de Projetos Especiais também pode ajudar. Basta ligar, gratuitamente, para o número 3961-1538.

AGÊNCIA BRASÍLIA * I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

A solidariedade vai ajudar estudantes da rede pública de ensino do Distrito Federal a terem acesso à dispositivos para se conectar às aulas na plataforma Google Sala de Aula, principal modalidade do Escola em Casa DF, criado pela Secretaria de Educação. Nesta quinta-feira (16), a Coordenação Regional do Plano Piloto (CRE PP) deu início a doação dos 180 equipamentos eletrônicos arrecadados por meio da Campanha Solidária realizada pela própria regional em parceria com a Rede Marista.

As doações recebidas foram de tablets, computadores, celulares, notebooks, teclados, monitores, mouses e outros. Assim que os equipamentos foram recebidos, a regional do plano piloto foi responsável pela triagem dos dispositivos, a formatação e pequenos reparos, quando necessário. Todas as doações serão destinadas aos estudantes atendidos pela regional do plano piloto que não contam com nenhum recurso eletrônico para assistir às aulas virtuais.

 “Esses equipamentos eletrônicos serão distribuídos e farão parte da vida, do cotidiano de cada estudante que está necessitando neste momento”, informou o coordenador regional do Plano Piloto, Júlio César Sampaio, em evento simbólico para a entrega dos equipamentos. O ato aconteceu na sede da regional, e, também contou com as presenças do diretor do Marista da Asa Sul Rony Ahlfeld, e da diretora da Escola Classe Aspalha, Aline Furtado, que representou os demais gestores. Segundo o coordenador da CRE PP, as 180 doações devem ser distribuídas para atender estudantes de cerca de 50 escolas.

 Todos esses equipamentos foram arrecadados nas quatro unidades da Rede Marista, que funcionaram como pontos de coleta. O diretor da unidade da Asa Sul informou que os alunos da rede se sentiram motivados a participar e contribuir nesta ação. “Trabalhamos pela educação, independente de ser particular ou pública, e esse é um momento de alegria porque estamos contribuindo no acesso das atividades dessas escolas que estão sendo beneficiadas. É uma campanha que enche nossos corações de alegria, dos nossos alunos, das nossas famílias e dos nossos funcionários que doaram”, contou o diretor.

 Estudantes beneficiados

 Três famílias do Núcleo Rural Jerivá, no Lago Norte, foram as primeiras beneficiadas com a entrega dos equipamentos. As crianças que receberam os equipamentos são da Escola Classe Aspalha, unidade de ensino que atende 221 estudantes. Na estimativa da escola, cerca de 119 estudantes da unidade não contam com nenhum dispositivo para acessar a internet, por isso, a grande maioria dos estudantes vai receber material impresso e as doações de eletrônicos vão ajudar a melhorar o acesso à plataforma.

 “Na seleção das famílias beneficiadas procuramos atender quem têm mais filhos e quem possuía o acesso à internet. Neste primeiro momento estamos atendendo a estas famílias que entraram em contato conosco por terem muitos filhos e apenas um computador. Com as doações vamos atender 20 famílias que estão precisando dos aparelhos no momento, mas ainda estamos correndo atrás de mais para poder atender todos”, disse a diretora da EC Aspalha.

 Na casa da auxiliar de serviços gerais Daniele Avelino Cruz, moradora do Núcleo Rural Jerivá, são três crianças para dividir um único celular. Os filhos Nicolly Avelino Santos, de 12 anos, Yuri Avelino Santos, de 11 anos, e Juan Avelino Santos, de 14 anos, agora poderão contar também com um novo computador. Para a mãe, a entrega vai ajudar muito o estudo dos filhos da Silva. “Esse computador vai ajudar muito, porque eu trabalho e eu chego tarde, então, para os três utilizarem somente meu celular é complicado. O computador vai ajudar muito”, conta a mãe.

 Outra família beneficiada é a da pequena Ester Silva, de 8 anos. Na casa dela moram oito pessoas. A avó da menina, Sandra Cristina Araújo Amador Silva, ficou muito feliz com a novidade para neta. “Fico muito grata por proporcionarem esse momento para ela porque no momento não temos condições de um computador novo para estudar. Então estamos muito agradecidos. Quero que outras crianças também possam conseguir isso, porque nem toda as famílias têm condições”, disse a avó.

 Com o notebook no colo, Ester já começou a explicar para a avó como funciona a plataforma onde poderá manter contato direto com sua escola. “Primeiro eu digito no Google, e entro na página do Google sala de aula. Aí é só fazer o e-mail e a senha para entrar na minha sala de aula”, explicou a criança.

 A empregada doméstica Kelly Trindade Santos também comemorou a entrega de um notebook para o filho Ramon Santos. Ela tem sete filhos e todos estão na escola. “Realmente nós precisamos dessa ajuda, porque nem todos têm celular. Essa doação será de bom uso”, agradeceu.

 Campanha continua

 O objetivo da campanha é continuar arrecadando mais equipamentos eletrônicos que ainda estejam em bom uso para que mais estudantes sejam beneficiados. “Esse projeto continua. Eu penso que, essa ação deve durar todo ano de 2020, porque enquanto precisarem, nós estaremos à disposição para oferecer o que se puder em forma de doação, em forma de amor, em forma de carinho para a melhoria da educação pública, principalmente, dos alunos mais carentes”, disse o coordenador da CRE PP.

 As doações de equipamentos eletrônicos ainda podem ser feitas em um dos pontos de coleta abaixo. As entregas são de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h.

 ➙ Marista Asa Sul – SGAS 615 – Módulo C – Asa Sul

➙ Marista João Paulo II – SGAN 702 Norte – (entrada lateral) Asa Norte

➙ Marista Champagnat Taguatinga –  QSD AE nº 01 – Taguatinga Sul

➙ Marista Águas Claras – Rua Tamboril – Lote 1 – Águas Claras

* Com informações da Secretaria de Educação

A Administração do Plano Piloto, sempre em busca de manter a manutenção e conservação da RA-I e promover o bem estar da população, fez vários serviços nas áreas do Plano Piloto na última semana.

Capinagem, rastelagem, preparo de areia em parquinhos da Asa Norte e Asa Sul e lavagem nas Passarelas Subterrâneas foram algumas das ações, além das vistorias nos parquinhos.

O GDF Presente atuou na operação Buraco Zero, respondendo aos pedidos da população e melhorando cada vez mais a infra-estrutura da RA-I. Administração do Plano Piloto: sempre contribuindo com um Plano Piloto mais limpo e urbanizado!

Texto: Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Fotos: Sebastião Pinheiro e Alexandro César

 

Nessa sexta-feira, 3/6, a administradora Ilka Teodoro, juntamente com Mateus Oliveira, Secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e Roberto Andrade, Secretário Executivo da Secretaria de Projetos Especiais, entregaram o Termo de Cessão de Uso de Área Pública ao Grupo dos Escoteiros José Anchieta (GEJA), em uma área no estacionamento 3 do Parque da Cidade. O grupo, criado em 1977, ocupa o espaço há quinze anos.


 
A administradora destaca que a formalização é um momento muito simbólico e agradeceu à Seduh e Sepes que fizeram a ponte para viabilizar a parceria. "Essa cooperação é de extrema relevância e tem sido um elemento norteador desse governo. Estreitar parcerias com a sociedade civil, com as pessoas que de fato fazem uso desse espaço público, para que a gente possa, num sistema de cooperação e integração, cuidar e melhorar todas as áreas públicas usadas pela população do Distrito Federal", disse Ilka. Para a administradora entregar a concessão de forma regular em parceria com o estado garante que o GEJA possa "ocupar e cuidar tão bem desse lugar que é muito importante e central no Plano Piloto" destaca. 

Bruno Sousa, Diretor Presidente do Grupo de Escoteiros, afirmou que a assinatura é um marco histórico. "Nos dá a tranquilidade e segurança de que vamos poder continuar, que vamos ter a nossa casa nos próximos vinte anos, nesse processo educativo que é o movimento escoteiro para os jovens”, ressalta.

O GEJA quer adotar o espaço  por meio do programa Adote uma Praca, que ainda não foi assinado devido à pandemia. Por meio da adoção o grupo pretende  realizar melhorias em toda a área, de aproximadamente 500 metros ao redor da sede, que envolve arena, murais, brinquedos infantis, banquinhos. A ideia é revitalizar o espaço para beneficiar toda a comunidade.

Texto: Maria Paula de Andrade com edição de Ramíla Moura/ASCOM -Administração Regional do Plano Piloto

Fotos: Emanuelle Sena//ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Os serviços essenciais no Plano Piloto/RA-I receberam reforço do Polo Central Adjacente I do GDF Presente que apoiou a equipe da Administração Regional do Plano Piloto nas ações desta semana.

A equipe de Obras e Manutenção da Administração continuou a execução dos serviços essenciais para manter a cidade mais limpa e contribuir com o bem-estar da população.

Capinagem, rastelagem e preparo de areia nos parquinhos da Asa Norte e Asa Sul foram algumas das ações desempenhadas pela equipe. Além disso, a Administração fez uma parceria com a prefeitura da 113 Sul para substituir os bancos da quadra. A equipe da Administração fez a retirada e a prefeitura fará a reposição.

Já o Polo Central Adjacente I do GDF Presente chegou para auxiliar na lavagem geral na Feira da Torre de TV, ação de higienização no Setor de Clubes Sul, recolhimento de galhos e troncos e limpeza e recuperação de bocas de lobo na Asa Sul.

Texto: Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Veja mais fotos!

ARY FILGUEIRA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: CHICO NETO

Serviços começaram em junho e serão concluídos em breve, o que vai melhorar bastante as condições de circulação no SAS | Fotos: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília

Situado no coração de Brasília, o Setor de Autarquias Sul (SAS) reúne uma imensidão de pessoas que trabalham ou transitam pelo local. Seja por um motivo ou outro, a circulação ficou melhor com a revitalização das calçadas.

Uma parceria entre a Administração Regional do Plano Piloto e a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) resultou na reforma de 3.919 m² de calçadas ao longo do SAS. Com investimentos de R$ 492.683, a obra, iniciada no início de junho, está 80% concluída. Para tanto, as equipes trabalham durante todo o dia.

3.919 m²Extensão de calçadas reformadas no SAS

Melhora na mobilidade

“Investir em calçadas é investir em cidadania”, ressalta a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro. “Calçada acessível garante o fluxo de mobilidade, segurança e livre circulação da população pelos espaços públicos. Os estacionamentos revitalizados e demarcados permitem a melhor organização do território.”

 

“Investir em calçadas é investir em cidadania” Ilka Teodoro, administradora do Plano Piloto

Agora, as calçadas são mais largas e niveladas. Além disso, possuem meios-fios rebaixados na ponta, para acessibilidade de portadores de necessidades especiais (PNE) ou com pessoas com dificuldade de locomoção.

A auxiliar de serviços gerais Rosa Maria Assis, 45 anos, trabalha na Quadra 3 do SAS – justamente o trecho que está com as obras em fase de conclusão – e utiliza a passagem diariamente para chegar à Rodoviária do Plano Piloto. “Nas outras calçadas, mal cabia uma pessoa”, observa. “Quando chovia, a gente molhava os pés na água. Agora está ficando ótimo”.

Rosa Maria Assis: “Nas outras calçadas, mal cabia uma pessoa”

Estacionamento reconstituído

Além de calçadas, a Novacap aproveitou para refazer todo o estacionamento situado em frente às quadras 2 e 3 do SAS. Os serviços beneficiaram motoristas e proprietários de quiosques, como Eleida Reis, 58 anos, que comercializa lanches rápidos em frente à Quadra 2.

O quiosque de Eleida e ocupa uma vaga do estacionamento. Há oito anos trabalhando no local, ela afirma nunca ter visto uma reforma naquele estacionamento. “Ficou mais amplo, mais bonito. Gostei muito”, elogiou.

Limpeza de boca de lobo  

 

Para evitar alagamentos, o GDF Presente, em parceria com a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) e com a Administração Regional do Plano Piloto está higienizando as bocas de lobo das quadras 714/715 Sul. Nove pessoas e dois caminhões realizaram o serviço nesta segunda (29).

Segundo a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, a higienização das estruturas de escoamento no período de seca é fundamental para evitar a obstrução no período chuvoso. “Também é importante contar com o empenho da população que deve descartar o lixo no lugar correto. Boca de lobo não pode ser tratada como lixeira.”, aconselha. 

Caso flagre alguém descartando lixo em locais inadequados, o cidadão pode denunciar pelo site da Ouvidoria-Geral do DF, o Ouvi-DF. Basta fazer o cadastro e protocolar a manifestação. Também é possível registrar a denúncia pelo telefone 162, gratuitamente para telefone fixo e celular, de segunda a sexta-feira, das 7h às 21h, e sábado, domingos e feriados, das 8h às 18h, ou pessoalmente. 

Por: ANA LUIZA VINHOTE E GIZELLA RODRIGUES*, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

 

AGÊNCIA BRASÍLIA* I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

A Secretaria de Economia do Distrito Federal realizará a partir das 15 horas desta quarta-feira, 1º de julho, audiência pública remota para que a sociedade faça sugestões ao Projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2021. A proposta será enviada à Câmara Legislativa em setembro. Por causa da pandemia da Covid-19, a audiência será feita por transmissão ao vivo na página do Governo do Distrito Federal no Facebook (facebook.com/govdf).

Também será possível, no período de 29 de junho a 12 de julho, se manifestar por meio da Ouvidoria do DF. No site ouv.df.gov.br, clique no botão Sugestão, procure o assunto Audiência Pública – Lei Orçamentária Anual de 2021 – LOA 2021 e preencha o cadastro. Quem preferir pode fazer a manifestação por telefone pelo 162.

A participação popular no processo de elaboração do orçamento público está prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/2000). Os cidadãos podem reivindicar desde a instalação de um poste na rua até a construção de uma creche na vizinhança, por exemplo. As sugestões serão registradas pela equipe da Secretaria de Economia e encaminhadas para avaliação do órgão responsável.

A LOA detalha a previsão de recursos que o governo vai arrecadar no ano e fixa as despesas públicas. Deve ser aprovada pelos deputados distritais até a última sessão legislativa do ano anterior. A elaboração do projeto é orientada pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que traz as diretrizes para elaboração, execução e alteração do orçamento. Os deputados distritais marcaram a votação da LDO 2021 para 30 de junho.

Para o ano que vem, a secretaria estima um orçamento de R$ 42,6 bilhões, somadas as receitas próprias e o Fundo Constitucional do DF (R$ 16,5 bilhões). O DF registrou superávit primário de R$ 174,9 milhões em 2019, algo que não acontecia desde 2013, mas teve de projetar um resultado negativo para 2021 por causa do cenário econômico, agravado em 2020 pelo novo Coronavírus.

Encontro técnico

Na última quarta-feira, 24 de junho, a Subsecretaria de Orçamento Público realizou uma reunião para orientar as equipes de órgãos e entidades do GDF sobre o processo de elaboração do orçamento. Pelo menos 250 servidores participaram do encontro, por videoconferência, e receberam informações sobre aspectos técnicos, constitucionais e legais.

Com informações da Secretaria de Economia do DF

IAN FERRAZ, DA AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: CHICO NETO

Todas as 16 tesourinhas das asas Sul e Norte passarão por reformas: segurança em primeiro lugar | Foto: Divulgação / Adriano Teixeira

A reforma das tesourinhas do Plano Piloto segue em ritmo acelerado (assista ao vídeo abaixo). Nesta sexta-feira (26), o GDF liberou mais um desses viadutos, nas entrequadras 3/4 Sul, e também iniciou a urbanização na 15/16 Sul, obra que deve ser entregue nos próximos dez dias.

O trabalho, que abrange os 16 conjuntos de tesourinhas das asas Sul e Norte, demanda investimentos de R$ 7.337.888. Desse montante, R$ 3.382.888 são para as estruturas da Asa Sul, enquanto R$ 3.955.000 serão empregados nas da Asa Norte. As obras começaram em novembro de 2019 e têm previsão de conclusão para dezembro deste ano, na Asa Norte, e janeiro de 2021, na Asa Sul.

Reformar todos esses viadutos e trazer mais segurança e conforto à população é prioridade do GDF. As obras nas tesourinhas têm como objetivo reerguer Brasília e conservar a estrutura da cidade, além de cumprir uma determinação do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF), que apontou, em relatório, a necessidade de reforma adequar os viadutos.

“Esse cuidado que estamos tendo com a cidade mostra para as pessoas que elas também precisam cuidar da cidade”, pontua o governador Ibaneis Rocha. “Esse é o sentido de se trabalhar com tanta união. É unir a população nesses cuidados que a cidade merece.”

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro "as obras são fundamentais para o Plano Piloto e para a população do Distrito Federal".

 

“Esse cuidado que estamos tendo com a cidade mostra para as pessoas que elas também precisam cuidar da cidade”Governador Ibaneis Rocha

Trabalhos avançam
Até o momento, três viadutos foram entregues, contando com o concluído nesta sexta-feira. O primeiro conjunto foi o das quadras 15/16 Norte, em 17 de abril. O das quadras 7/8 Norte foi concluído em 7 de maio. Atualmente, as obras nas quadras 5/6 e 11/12 Norte estão 90% executadas e devem ser concluídas em breve. Já o conjunto localizado nas quadras 3/4 e 13/14 Norte está próximo de serem interditado para reforma.

Na Asa Sul, a reforma do conjunto 7/8 Sul está 30% concluída e o das quadras 13/14 começa na segunda (29). A reforma estrutural das quadras 15/16 Sul está concluída, restando a urbanização para os próximos dias.

“Esse grupo responsável por obras [Terracap, Novacap, DER e Secretaria de Obras] formatou no primeiro ano de governo tudo o que seria realizado durante este ano”, avalia o governador. “Então, estamos tendo a possibilidade de entregar as tesourinhas e temos a possibilidade de entregar a W3 Sul reconstruída no ano que vem, exatamente por esse esforço.”

Circulação melhora

Os trabalhos interferem em toda a rotina dos locais em que estão sendo realizados, por uma boa causa. “Sabemos dos transtornos que essas obras causaram à população, mas nossa prioridade é a preservar vidas e também a estrutura da nossa cidade, tombada como Patrimônio Cultural da Humanidade”, explica o presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), Fernando Leite.

Prefeito da 204 Sul, Pedro Carvalho aprova a reforma. “Esse era um dos viadutos com mais problemas graves estruturalmente, um dos mais afetados”, conta. “Finalmente temos a circulação livre. Aumentaram a rede pluvial, e as bocas de lobo na lateral são novas.”

O que está sendo feito

As intervenções compreendem a revitalização dos viadutos que passam sob o Eixo Rodoviário (Eixão) e os eixinhos W e L, ligando as quadras 100 e 200. Eles têm recebido pintura antipichação e padronização da fachada. As equipes também atuam na recuperação das estruturas de concreto, reconstrução dos guardas-rodas – muretas de proteção fixadas nos eixinhos – e na substituição e recuperação de ferragens enferrujadas.

As estruturas viárias não corriam risco iminente de desabamento, mas estavam comprometidas pelo longo período de uso e pelo fato de nunca terem tido manutenção eficiente. Em algumas dessas vias, os técnicos responsáveis pela recuperação encontraram patologias até dez vezes maiores que as estimadas no projeto de revitalização.

De cara nova

Ao planejar Brasília, o urbanista Lucio Costa quis evitar o cruzamento de vias para assegurar uma circulação fluida. Dessa forma, criou as tesourinhas, vias que passam por baixo do Eixo Rodoviário e dos eixinhos (L e W) e dão acesso às superquadras e aos comércios locais das Asas Sul e Norte.

Há um conjunto com duas tesourinhas e um túnel de ligação em cada uma das 16 entrequadras que cortam os quase 15 quilômetros do Eixão, ligando as asas Sul e Norte. Boa parte desses viadutos era revestida por tijolos vermelhos. Como esse material acabava escondendo eventuais problemas na estrutura, o padrão foi alterado para concreto aparente. Essa mudança foi aprovada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Veja mais no vídeo:

A Vila Planalto recebeu nesta terça-feira, 23/6, operação do Sanear Dengue com o objetivo de eliminar focos do aedes aegypti. O programa foi criado para atuar na limpeza e prevenção da doença nas cidades e conta com a parceria dos órgãos do GDF como o Serviço de Limpeza Urbana (SLU), administrações regionais, Corpo de Bombeiros Militar do DF e até o Exército Brasileiro.

“O objetivo principal é descobrir as casas com focos do mosquito, mas no momento da operação encontramos até um escorpião em uma residência”, contou Ozenilde Miranda, Chefe do Núcleo Regional de Vigilância Ambiental Norte. Ela explicou que o trabalho foi feito nas áreas externas das residências para resguardar a equipe e os moradores do possível contato com a COVID-19.

Ilka Teodoro, administradora do Plano Piloto ressalta que a operação Sanear Dengue na região é de fundamental importância para conter a disseminação da doença, porque “a Vila Planalto é a área do Plano Piloto que concentra o maior número de casos de dengue”. Para Ilka, além das medidas de enfrentamento, as medidas de conscientização são muito importantes “considerando que 90% dos focos de dengue localizados no Distrito Federal estão dentro dos lotes e casas”, destaca.

Na operação de hoje foram inspecionados 1079 imóveis e 201 depósitos. A ação contou com a participação de 45 agentes de Vigilância Ambiental, 22 Militares da Aeronáutica e 12 Militares do Corpo de Bombeiros.

Com informações da Agência Brasília
Veja mais fotos aqui

Nessa sexta-feira, 19/6, a Administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro fez uma visita ao Setor Hospitalar Sul (SHS) para verificar o andamento das obras do processo de revitalização do local que foi viabilizado por meio do programa Adote uma Praça. 

Os grupos de hospitais Santa Lúcia e  Rede D’or adotaram a área e estão possibilitando as obras com um investimento de quase seis milhões.

As obras incluem reforma de todas as calçadas e estacionamentos, para organizar um fluxo de pedestres e carros, priorizando a acessibilidade e a fluidez.

Todas as ocupações irregulares estão sendo regularizadas através da implantação de dezoito quiosques padronizados.
Quinze desses quiosques estão na praça de alimentação e três de apoio no estacionamento do Centro Clínico.

Estão sendo feitas diversas intervenções de paisagismo urbano e melhorias das redes de iluminação, águas pluviais e esgoto.

O grupo de trabalho criado para coordenar as obras é formado por diversos órgãos do GDF: Secretaria de Governo (SEGOV), Secretaria Executiva das Cidades (SECID), Secretaria de Estado de Projetos Especiais (SEPE), 
Secretária de Obras  (SEDUH), Novacap, Companhia Energética de Brasília (CEB), Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (CAESB), Departamento de Trânsito do Distrito Federal (DETRAN) e a Administração Regional do Plano Piloto.

Texto: Maria Paula de Andrade com edição de Ramíla Moura/ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto
Fotos: Maria Paula de Andrade

A equipe de Obras e Manutenção da Administração do Plano Piloto trabalhou desde segunda-feira, 15/6, em várias ações para manter Região Administrativa I/RA-I limpa e segura.

Nesta semana, depois do esforço concentrado para interdição dos Pontos de Encontros Comunitário (PECs) para evitar a aglomeração de pessoas e a transmissão da COVID-19, foram feitos serviços de capina e rastelagem nos parquinhos da 206 e 415 Norte e nas quadras 703/704, 705/706 e 711 da Asa Sul e Retirada de Lixo Verde no Setor Hospitalar e no Setor Comercial Norte.

Além desses serviços, a Administração contribuiu por dois dias no mutirão social e de limpeza no Setor Comercial Sul (SCS).

Gabriel Ferraz sob supervisão de Ramíla Moura – ASCOM – Administração Regional do Plano Piloto

Fotos: Sebastião Pinheiro com edição de Emanuelle Sena

A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, participou nesta sexta-feira, 19/6, da entrega da obra da Praça na Galeria dos Estados, no Setor Comercial Sul. A rápida cerimônia contou com a presença do governador Ibaneis Rocha que determinou, em janeiro de 2020, o início das obras do viaduto sob a Praça que caiu em 2018.

Para a administradora Ilka Teodoro, a entrega é fruto de um esforço coletivo de vários órgãos do Governo do Distrito Federal em benefício da população. “Este governo trabalhou de forma articulada para entregar uma obra tão importante, tão central e tão integrada para a cidade”, ressalta. A Administração Regional do Plano é responsável, ao lado da Secretaria de Cidades, pelo remanejamento temporário de permissionários durante as obras de recomposição do Viaduto e reforma da Galeria do Estados.

Antes da breve cerimônia de inauguração, a equipe da Administração do Plano Piloto contribuiu no mutirão social de limpeza no local, por meio do programa Sanear-DF, criado para desinfectar e limpar espaços públicos de grande circulação no DF.

O comerciante Luís Gonzaga de Freitas elogiou a nova praça. De dentro da sua loja de sapatos na Galeria, onde trabalha há 20 anos, ele observa a mudança na paisagem, a qual já tinha perdido a esperança de ver melhoras. “Essa reforma ficou excelente. Aqui estava totalmente desleixado e depois da obra a Galeria ficou linda. Ficou bom para todo mundo”, avalia.

Fotos: Maria Paula de Andrade
Texto: Ramíla Moura e Maria Paula de Andrade com informações da Agência Brasília

A equipe de Obras e Manutenção da Administração Regional do Plano participou hoje, 18/6, do mutirão social e de limpeza no Setor Comercial Sul (SCS).

Coordenada pela Secretaria de Governo (Segov), a ação envolve oito órgãos do GDF e será empreendida em dois dias, oferecendo serviços e orientações para evitar a propagação da Covid-19 – como a distribuição de 2 mil máscaras.

A equipe da Administração fez serviços de rastelagem, varrição, pintura das paredes da Galeria dos Estados e também disponibilizou um caminhão-pipa para a ação. 

“As medidas de limpeza e higienização são fundamentais para evitar a disseminação do novo coronavírus, essa foi uma iniciativa da Segov através do programa Sanear DF que envolve vários órgãos do governo, inclusive a Administração do Plano Piloto que tem procurado higienizar com frequência as áreas de maior fluxo dentro do Plano Piloto e o Setor Comercial Sul com certeza é uma delas, afirmou a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro. Segundo a administradora, o setor é  “uma área que merece muita atenção e todos os cuidados em razão do grande número de pessoas que por ali circulam, mesmo em tempo de distanciamento social” destaca.

O programa Sanear-DF, coordenado pela Secretaria Executiva de Cidades e pela diretoria de Vigilância Ambiental, criado pelo Governo do Distrito Federal (GDF) para auxiliar no combate à proliferação do novo coronavírus e da dengue no DF, também integrou o mutirão.

Fotos: Sebastião Pinheiro com edição de Emanuelle Sena
Ramíla Moura e Maria Paula da ASCOM da Administração Regional do Plano Piloto
Com infomações da Agência Brasília

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS

Plano Piloto tem 69 pontos de encontro comunitários | Foto: Emanuelle Sena / AR Plano Piloto

A Administração Regional do Plano Piloto tem mantido a força-tarefa iniciada no último dia 9 e retomada na segunda-feira (15) para interditar pontos de encontro comunitários (PECs). Mas, infelizmente, a equipe já presenciou locais com os lacres retirados.

O serviço é executado para proteger a população da transmissão da Covid-19, em resposta ao Decreto nº 40.853, publicado em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

“Tiraram os lacres que a gente colocou. Isso não é bom, porque atrapalha o andamento dos trabalhos”, relata o gerente de Obras da administração regional, Sebastião Pinheiro.

Ele conta que foram lacrados PECs na segunda e na terça-feira, mas a equipe precisou refazer o trabalho. “Estamos trabalhando pelo bem da população e pela saúde de todos”, ressalta.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, “é lamentável que existam pessoas ignorando medidas importantes para saúde coletiva”. “Em tempos de pandemia, precisamos do cuidado com o próximo, com a coletividade e com a coisa pública”, destaca.

Vice-prefeita da 113 Sul, Rosemary Lacerda informa que no bloco onde ela mora duas pessoas já faleceram vítimas da Covid-19. Ela acrescenta que, no mesmo dia em que a administração fez o serviço de interdição, um rapaz retirou todos os lacres dos PECs para utilizar os equipamentos.

“É triste de ver porque, na nossa quadra, a gente tem moradores que são centenários. Acho que é uma falta de consciência cidadã das pessoas de fazer esse tipo de coisa”, lamenta.

Servidores têm que refazer todo o trabalho de vedação depois da ação de violadores da lei | Foto: Emanuelle Sena / AR Plano Piloto

“Desrespeito grave”

A Região Administrativa I possui 69 pontos de encontro comunitários, 39 kits de academia, 113 quadras de esporte e mais de 250 parquinhos.

“É com tristeza e preocupação que escuto o relato de nossa equipe externa de que muitos desses espaços – que já tinham sido alvo de interdição, com lacre e emissão de documento oficial dando publicidade ao mérito da medida e suas implicações penais – estão sendo indevidamente utilizados pela população”, diz a assessora de Planejamento da Administração do Plano Piloto, Jeanine Woycicki, que coordena as equipes de interdição.

Para o presidente do Conselho Comunitário da Asa Sul (CCAS), José Daldegan, a retirada dos lacres “é um desrespeito muito grave, não só com as normas de saúde, mas principalmente com as pessoas em geral, pois pode contribuir para o aumento do contágio”.

O Decreto nº 40.853 diz que quem desobedecer o previsto na norma “por deixar de executar, dificultar ou opor-se à execução de medidas que visem à prevenção das doenças transmissíveis e sua disseminação, à preservação e à manutenção da saúde” poderá pagar multa e ser responsabilizado pelo crime de infração de medida sanitária preventiva, de que trata o artigo 268 do Código Penal. A pena prevista é de detenção de até um ano.

* Com informações da Administração Regional do Plano Piloto

Mapa do site Dúvidas frequentes Comunicar erros